Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Inovação e Arranjos Produtivos Locais: Uma Análise Bibliométrica da Produção da Área de Administração Brasileira

DOI: http://dx.doi.org/10.17800/2238-8893/aos.v1n1p119-132

http://www.unama.br/seer/index.php/aos/index 

downloadpdf

Cristiana F. Muylder1

 

Resumo: O cenário de competição acirrado e novas estratégias de atuação de empresas em diversas formas de redes motivaram este estudo. O objetivo foi analisar a relação dos dois termos: inovação e arranjo produtivo local na academia brasileira, ressaltando, por meio de um estudo bibliométrico, quais as áreas e temas que envolveram estes dois termos nos últimos cinco anos de publicação científica ou estudos em construção que foram publicados no Encontro Nacional de Programas de Pós-graduação e Pesquisa em Administração – EnANPAD. Especificamente, pretendeu-se: (i) identificar a quantidade de artigos com os termos inovação, APL, arranjo produtivo local, aglomerado e cluster; (ii) identificarW a quantidade de artigos que relacionavam os termos inovação e APL; (iii) identificar as áreas que referenciaram esta relação e; (iv) descrever o titulo dos artigos que tinham os termos relacionados. Em geral, pode-se ainda considerar que, ao analisar a média de frequência de artigos com os termos APL, Arranjo produtivo local, Aglomerado e Cluster (totalizando no período 485 artigos), vê-se que representaram aproximadamente, 10,6% das publicações, mesmo considerando que os termos foram pesquisados sem preocupação com o local de sua ocorrência. Quando o foco ultrapassou o termo previsto de APL e foi substituído por cluster, pode-se perceber que houve um acréscimo de 12 artigos para 19, mas o que ainda corresponde a somente a 0,41% do total. Pode-se verificar que os comitês que mais representaram os termos pesquisa foram, em maior para menor frequência, considerando as repetições: ESO com 11 ocorrências, GOL e ADI com 4 ocorrências cada, MKT e FIN com 2 ocorrências cada e APB, EOR, CON e GCT com apenas uma ocorrência. As principais conclusões obtidas com a pesquisa instigam novos estudos acerca do tema inovação e arranjos produtivos locais, com o foco em desenvolvimento empresarial e econômico, uma vez que esses assuntos estão relacionados a estratégias e ainda foram pouco explorados. Isto estimula novas reflexões acerca de estratégias de grupos ou aglomerados em ambiente competitivo e inovador, sendo, portanto, proposto um desafio a ampliação da base de pesquisa em âmbito internacional ou por setores de competição global acirrada.

Palavras-chave: Inovação. Arranjo produtivo local. Clusters. Aglomerados. Desempenho e Estratégia.

 

Abstract: The competitive scenario and the companies survive need showed that clusters strategies should be a way to be studied. The main goal of this article was to analyze how the terms innovation and cluster are putting together into a scientifically approach in Brazilian academic research. The research was based on the five last years of the most important academic event of Management in Brazil. It was tried to find out: (i) the terms isolated frequency, (ii) the number of articles that related the both terms innovation and cluster, (iii) the academic related study areas that related them, and also, (iv) describe the paper title that occurred the relation between innovation and cluster terms. The results showed that the terms related with cluster and synonymous words represented 485 articles that were almost 10.6% of the total population. When the term innovation was investigate together the cluster similar terms the results showed that was only 19 papers corresponding a 0.41% of the total. It was also observed that the most important academic area of the both terms together was strategy studies (ESO) with 11 of the 19 papers and the other areas was with a few examples as Logistic and operations and Information Manager with 4 each, Marketing and Financial with 2 papers and the Public Area, Organizational, Accounting and Technological management areas with just 1 each. The result in fact incites new researches to understanding why there are so few discussions about the relation between the terms innovation and cluster that could be considered a strategic into competitiveness context of the global industries and services enterprises.

Key words: Innovation. Clusters. Performance. Strategy

 

1 Professora do Stricto Sensu da Universidade FUMEC/FACE - PPGA e Mestrado Profissional em Sistemas de Informações de Conhecimento. Av Afonso Pena 3880 - 1o. andar Beelo Horizonte - MG. e-mail: cristiana.muylder@fumec.br. Telefones de contato: 31 32695232 ou 31 913304116.

 

Literatura Citada

AFUAH, A. Innovation mangement: strategies, implementation and profits. New York: Oxford University Press, 2003.

ALBAGLI, Sarita; MACIEL, Maria Lucia. 2004. Informação e conhecimento na inovação e no desenvolvimento local. Brasília: Ci. Inf., v.3, p. 9-16, set./dez., 2004.

AMABILE, T.Creativity in contexto.New York.:Westview, 2009.

BALESTRIN, Alsones; VARGAS, Lilia Maria. A dimensão estratégica das redes organizacionais de PMEs: teorizações e evidências. RAC, Revista de Administração Contemporânea, p. 203-227, 2004.

BARBIERI, Carlos. BI2 . Business Intelligence: modelagem e qualidade. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011. 392 p.

BARRAS, R. Towards a theory of innovation in services. Research Policy. v.15, p.161-173, 1986. http://dx.doi.org/10.1016/0048-7333(86)90012-0

BERKUN, S.The myths of innovation. Sebastopol: O´Reilly, 2007.

BOYNE, G. A.; FARRELL, C.; LAW, J.; POWELL, M.; WALKER, R. M. Evaluating public management reforms: Principles and practice. Buckingham: Open Univ. Press, 2003.

BURLAMAQUI, L, Proença, A. Inovação, recursos e comprometimento: em direção a uma política estratégica da firma. Rio de Janeiro: RBI, 2003. p.79-110.

CAMARGO, R. V. W.; PEPINELLI, R. C. C.; DUTRA, M. H.; ALBERTON, L. Produção científica em auditoria: uma análise dos estudos acadêmicos desenvolvidos.[s.l:s.n.], 2009.

CÂNDIDO, G. A; ABREU, A, F. Aglomerados industriais de pequenas e médias empresas como mecanismo para promoção de desenvolvimento regional. Read, Porto Alegre, v. 6, n. 6, dez, 2000.

CARVALHO, Marly Monteiro de. Inovação: estratégias e comunidades de conhecimento. São Paulo: Atlas, 2009.

CASAROTTO FILHO, Nelson e PIRES, Luis Henrique. Redes de pequenas e médias. Rio de Janeiro: UFRJ-I, 1999.

CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M. Arranjos e sistemas produtivos locais e as novas políticas de desenvolvimento industrial e tecnológico. Rio de Janeiro: UFRJ-IE, 2000.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1995.

CHRISTENSEN, C.; ANTHONY, S. D.; ROTH, E. A. O futuro da inovação: usando as teorias da inovação para prever mudanças no mercado. Rio de Janeiro: Campus/Elsevier, 2007.

DAFT, R. L. A dual-core model of organizational innovation. Academy of Management. Journal, Nr. 21, p.193-210, 1978. http://dx.doi.org/10.2307/255754

DAMANPOUR, F.Organizational Complexity and Innovation: developing and testing multiple contingency models. Management Science, v. 42, n. 5, p. 693-716, May,1996. http://dx.doi.org/10.1287/mnsc.42.5.693

DAMANPOUR, F.; SCHNEIDER M. Characteristics of Innovation and Innovation Adoption in Public Organizations: Assessing the Role of Managers. J Public Adm Res Theory 19(3): p.495-522, 2009. http://dx.doi.org/10.1093/jopart/mun021

DAMANPOUR, F.; SCHNEIDER, M. Phases of the adoption of innovation in organizations: Effects of environment, organization, and top managers. British Journal of Management, Nr. 17. p.215-236, 2006. http://dx.doi.org/10.1111/j.1467-8551.2006.00498.x

DAMANPOUR, F.; WISCHNEVSKY, J.; WISCHNEVSKY, D. Research on organizational innovation: distinguishing innovation-generating from innovation-adopting organizations. Journal of Engineering and Technology Management, Nr. 26.269-291, 2006.

DE MUYLDER et al. Tema Inovação: uma Análise Bibliométrica no Evento EnANPAD 2007. Pedro Leopoldo: Gestão & Tecnologia, v. 8, n. 1, 2008.

EnANPAD. Encontro Nacional de Programas de Pós-graduação e Pesquisa em Administração. 2011. Diversos Anais. Disponível em: http://www.anpad.org.br.

FAGGION, G. A. BALESTRIN, A. E WEYTH, C. Geração de conhecimento e inteligêmcia estratégica no universe das redes interorganizacionais. Revista Inteligência Empresarial, n. 12. p 57-65, jul.2002.

FREEMAN, Christopher. Technology Policy and Economic Performance. Londres: Pinter Publishers London and New York, 1987.

GALLOUJ, F. Innovating in reverse: services and the reverse product cycle. European Journal of Innovation Management, v. 1, n. 3, p.123-138, 1998. http://dx.doi.org/10.1108/14601069810230207

GALLOUJ, F.; WEINSTEIN. Inovation in services. Research Policy, v.26, p. 537-556, 1997. http://dx.doi.org/10.1016/S0048-7333(97)00030-9

GOPALAKRISHNAN,S.; DAMANPOUR, F. A review of innovation research in economics, sociology and techonology management. Omega, v. 25, n.1, p.15-28, 1987.

HADDAD, Paulo Roberto. Setores Produtivos Potenciais. SEBRAE/MG: Belo Horizonte. 2007.47p.

HASENCLEVER, Lia (Coord.). Diagnóstico da Indústria Farmacêutica Brasileira. Rio de Janeiro/ Brasília: UNESCO/FUJB/Instituto de Economia/UFRJ, 2002.

HAUKNES, J. Services in Innovation, Innovation in Services: SI4S final report. Oslo: STEP Group, 1998.

HENDERSON, R. M; CLARK, K. B. Architectural innovation: the reconfiguration. [s.l.:s.n.], 1999.

HOFFMAN, DOUGLAS; K. BATESON, JOHN E.G. Princípios de marketing de serviços. 2. ed. São Paulo: Thomson, 2003.

HOWELLS, J.R.L.; B.S Tether. Innovation in Services: Issues at Stake and Trends – A Report for the European Commission. INNO-Studies 2001: Lot 3, 2004.

IGARTUA, J. I.; GARRIGÓS, J. A.; HERVAS-OLIVER, J. L. How Innovation Management Techniques Support an Open Innovation Strategy. Research-Technology Management, v. 53, n. 3, May-June, 2010.

LASTRES, Helena M. M.; ALBAGLI, Sarita (Org.). Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1999. 318 p.

LASTRES, Helena M. M.; CASSIOLATO, José Eduardo. Políticas para promoção de arranjos produtivos e inovativos locais de micro e pequenas empresas: vantagens e restrições do conceito e equívocos usuais. Relatório de Atividades de Divulgação do Referencial Conceitual, Analítico e Propositivo. IE/UFRJ, set.2004. p. 1-9. 

Lastres , Helena M. M.; Cassiolato, José Eduardo. Políticas para promoção de arranjos produtivos e inovativos locais de micro e pequenas empresas: vantagens e restrições do conceito e equívocos usuais. Relatório de Atividades de Divulgação do Referencial Conceitual, Analítico e Propositivo. IE/ UFRJ, setembro de 2004. p. 1- 9.

MACHADO, Denise Del Pra Netto. Inovação e cultura organizacional: um estudo dos elementos culturais que fazem parte de um ambiente inovador. 2004. 185p. Tese (Doutorado em Administração de Empresas) - Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas. São Paulo. 2004.

MACIAS-CHAPULA, C. A. O papel da informetria e da cienciometria esua perspectiva nacional e internacional. Ciência da Informação, 27(2), p.134-140,1998. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-19651998000200005

PESSANHA, C.; MALDONADO, M. U.; SANTOS, J. L. S.; SANTOS, R. M. Inovação e Conhecimento Organizacional: um mapeamento bibliométrico das publicações científicas até 2009. Anais. EnANPAD, 2010.

OCDE, Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Manual de Oslo. 3. ed. Tradução: do FINEP, 2005.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1990.

METCALFE, J. S. Equilibrium and evolutionary foundations of competition and technology policy: new perspectives on the division of labour and the innovation process. Revista Brasileira de Inovação, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 111-146, jan./jun. 2003.

MILES, Raymond E.; SNOW, Charles C. Organizational strategy, structure and process. New York: McGraw-Hill, 1978.

MYTELKA, Lynn; FARINELLI, Fúlvia. De aglomerados locais a sistemas de inovação. In:

LASTRES, H.M.M; CASSIOLATO, J. E.; ARROIO, A. (Orgs.). Conhecimento, sistemas de inovação e desenvolvimento. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ/ Contrapomto, 2005. p.347-378. OSBORNE, D.; GAEBLER, T. Reinventing government: How the entrepreneurial spirit is transforming the public sector.Reading, PA: Addison-Wesley. 1992.

PACAGNAN, Mario Neri. Alianças estratégicas e redes colaborativas como alternativa competitiva para o pequeno varejista: um estudo comparado. Revista de Gestão,São Paulo, USP, v.13, n. especial, p.19-30, 2006.

PAVITT, K. Innovation Process. In: FAGERBERG, J.; MOWERY, D.; NELSON, R. The Oxford Handbook of Innovation. (Orgs.). Oxford, 2005. Cap. 4.

PIZZANI, Lucian; SILVA, Rosemary C.; HAYASHI, Maria C. P. I. Bases de dados e PORTER, M. A Vantagem competitiva das nações: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

PORTER, Michael E. Competição = Oncompetition: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus, 1999. 515 p.

PRAHALAD, C. K.; KRISHNAN, M.S. A nova era da inovação: a inovação focada no relacionamento com o cliente. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009. PUGA, Fernando Pimentel. Alternativas de apoio a MPMES localizadas em arranjos produtivos locais. Rio de Janeiro: BNDES, 2003. p. 3-30.

RAMASWAMY, Venkat. Leading the Transformation to Co-Creation of Value. Strategy&Leadership, v.37, n.2, p.32-37, 2009. http://dx.doi.org/10.1108/10878570910941208

REIS, A. H. M. Pesquisa qualitativa em marketing. 151 f. Dissertação (Mestrado em Administração). – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo – USP. São Paulo, 1994.

REIS, Dálcio. R. Gestão de inovação tecnológica. Barueri: Manole, 2004.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

RUTHES, Sidarta. Inteligência competitiva para o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Peirópolis, 2007. 71 p.

SCHMITT, Claudia Lunkes; WEGNER, Douglas; LOPES, Herton Castiglioni; WITTMANN, Milton Luiz. Concentrações de Empresas: estratégia para a competitividade e a eficiência coletiva. Disponível em: http://www.unisc.br/universidade.

SCHUMPETER, J. Capitalism, socialism and democracy. New York: Harper, 1942.

SCHUMPETER, J. A. History of Economic Analysis. Edited from the Manuscript by Elizabeth Boody Schumpeter. London: George Allen &Unwin Ltd, 1955.

SENGENBERGER, Werner; PIKE, Frank. Distritos industriais e recuperação econômica local: questões de pesquisa e de política. In: COCCO, Giusepe; URANI, André; GALVÃO, Alexander Patez. (Org.). Empresários e empregos nos novos territórios produtivos: o caso da terceira Itália. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 101–146.

SHENHAR, A. J; DVIR, D. Project Management Evolution: Past History And Future Research Directions. In: SLEVIN, D. P.; CLELAND, D. L.; PINTO, J. K. (Ed.). Innovations: Project Management Research 2004. Newton Square: Pmi, 2004. Chapter 4, p. 57-64.

SUNDBO, J.; GALLOUJ, F. Innovation. In: Services. Si4s Synthesis Paper, Oslo, n. 2, p. 3-4, 1998.

TEIXEIRA, Francisco; FERRARO, Carlo. Aglomeracionesproductivaslocalesen Brasil, formación de recursos humanos y resultados de laexperiencia CEPAL-SEBRAE. Serie Desarrollo Productivo. Unidad deDesarrollo Industrial y Tecnológico. Nações Unidas / CEPAL. Santiago de Chile, marzo de 2009. p. 1-47.

TIDD, J.; BESANT, J.; PAVITT, K. Managing innovation: integrating technology, market, and organizational change. New York: John Wiley, 1997.

TOMAÉL, M.I.; ALCARÁ, A.R.; DI CHIARA, I. G. Das redes sociais à inovação. Ciência da Informação. v. 34, n.2, p.93-104, maio/ago. 2005.

TUSHMAN, M.; NADLER, D. Organizando-se para a inovação. In: STARKEY, Ken. Como as organizações aprendem: relatos do sucesso das grandes empresas. São Paulo: Futura, 1997.

VALE, Gláucia Maria Vasconcelos. Territórios vitoriosos: o papel das redes organizacionais. Rio de Janeiro: Editora Garamond Ltda, 2007. 208 p.

VASCONCELOS, Flávio C.; CYRINO, Álvaro B. Vantagem Competitiva: os modelos teóricos atuais e a convergência entre estratégia e teoria organizacional. RAE – Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 40, n. 4, p. 20-37, out./dez. 2000.

VEIGA, José Eli da. Empreendedorismo e desenvolvimento no Brasil rural. Unimontes Científica, Montes Claros, v.7, n.2,p.14-45, jul./dez. 2005.

VICENTI, T. Ambiente de inovação nas empresas de software de Blumenau Santa Catarina - Brasil. 2006. 183p. Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas) - Fundação Universidade Regional de Blumenau - FURB. Blumenau, 2006.

WALKER, S. P. Accounting, paper shadows and the stigmatized poor. Accounting,Organization and Society, n. 33, p. 453-487, 2008. http://dx.doi.org/10.1016/j.aos.2007.02.006

ZALTMAN, G.; DUNCAN, R. E HOLBEK, J. Innovations and Organizations. New York:Wiley, 1973.

ZAWISLAK, Paulo. Gestão da inovação tecnológica e competitividade industrial: uma proposta para o caso brasileiro. Anais... XIX Encontro Nacional dos Programas de Pós Graduação em Administração, 1995.

Citado por

Sem citações recebidas.