Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Informalidade como Estratégia Competitiva no Mercado de Autopeças

DOI: http://dx.doi.org/10.17800/2238-8893/aos.v1n2p33-48

http://www.unama.br/seer/index.php/aos/index 

downloadpdf

Marcelo S. Â. Ferreira1, Henrique C. Martins2 & Alex Moreira3

 

Resumo: O objetivo deste trabalho é identificar as estratégias competitivas adotadas pelas indústrias do setor de autopeças e sua eficácia no plano da competição com as empresas praticantes de informalidade. A metodologia utilizada foi uma pesquisa quantitativa, do tipo survey, que envolveu 22 empresas do setor de autopeças situadas no Estado de Minas Gerais. Os principais resultados, respeitando-se as diferenças entre os segmentos de reposição e não reposição de peças, apontam para a confirmação da presença da informalidade no segmento de autopeças no Estado de Minas Gerais, sendo o subfaturamento, a falsificação e o roubo de peças as práticas mais comuns e as empresas do segmento de peças para reposição as mais afetadas pelo fenômeno. Constatou-se, também, que as causas da informalidade estão relacionadas, principalmente, ao mercado de produtos e ao mercado de trabalho. Quanto à prática da informalidade no mercado de autopeças, pode-se dizer que ela está relacionada, sobretudo, à nova dinâmica de concorrência no mercado, à baixa qualidade das peças e à redução de preços. Outra constatação, nas empresas pesquisadas, é que estratégias de preços e rentabilidade e de produção e marketing foram alteradas para que elas pudessem competir com as empresas praticantes da informalidade. Observou-se que aquelas empresas adotam estratégias genéricas para competir com o mercado informal, sendo o desenvolvimento de novos produtos e o de programas de suporte os recursos estratégicos mais citados. Por fim, pode-se dizer que as estratégias utilizadas são eficazes, uma vez que as empresas pesquisadas desenvolveram controles específicos para a medição de resultados, embora tais resultados não sejam divulgados entre as empresas parceiras do mesmo segmento.

Palavras-chave: Estratégia. Informalidade. Formalidade. Competitividade. Concorrência

 

Abstract: The purpose of this article is to analyze the process of product category management in small and large supermarkets with the category management process. It was conducted an exploratory qualitative research, employing a multicase study. Six firms located in the metropolitan area of Belo Horizonte took part in the survey, including four small supermarkets, a large chain of supermarkets and a large chain of hypermarkets. Data were collected through in-depth interviews with professionals in charge of the management of product categories in the stores. As a result, it was found that the small supermarkets surveyed work isolated from their suppliers and are far from the practices of GC. In regard to the surveyed large retailers, it was found that the integration with the supplier is low, showing little tendency to count on the help of the captain of the category. The survey provides a radiography of the companies surveyed, taking GC as the basis, making evident the opportunities and difficulties for retailers in the product management categories.

Key words: Category Management. Efficient Consumer Response. Retail, Supplier

 

1 Possui graduação em Administração de Empresas pela Universidade FUMEC (1995), Pós Graduado em Administração Financeira (Fundação Dom Cabral), MBA em Administração Financeira com ênfase em Mercado de Capitais (IBMEC), Pós Graduado em Ciências Políticas (UEMG/ADESG), Mestrado em Administração pela Faculdade de Estudos Administrativos de Minas Gerais - FEAD (2008) e Doutorando em Administração pela Universidade FUMEC. Atualmente é gerente de inteligência de mercado e Pricing - Alesat Combustíveis. marcelo.angelo@ale.com.br
2 Doutor em Administração pela UFMG, com estágio sanduíche na Birmingham School, Inglaterra. Mestre em Engenharia de Produção pela UFMG. MBA Executivo em Finanças e Mercado de Capitais pelo Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais-IBMEC. Bacharel em Administração de Empresas e em Ciências pelos Centros Universitários Newton Paiva e Izabela Hendrix. Atualmente é professor titular do programa de doutorado e mestrado acadêmico da Universidade FUMEC. henrique.martins@fumec.br
3 Doutor em Ciências Sociais: Sociologia pela PUC São Paulo (2009), é também Mestre em Administração: Tecnologias da Informação pela Fundação João Pinheiro (2000), Especialista em Educação pela UEMG (1990) e Bacharel Licenciado pela PUC Minas (1989). Atualmente atua como docente dos Programas Strito Sensu e graduação na Universidade FUMEC. É Professor Adjunto IV da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, pesquisador do Instituto de Tecnologia Aplicada, FAPEMIG e Consultor "Ad Hoc" da FAPEMA - Fundação de Amparo a Pesquisa do Maranhão e Revista BBR - Brazilian Business Review. alex.moreira@fumec.br

 

Literatura Citada

BRASIL. Congresso Nacional. Agência Câmara, 2004. Disponível em: http://www.camara.gov.br . Acesso em: 16 jan. 2007.

COSTA, Lenise S. V; SILVA, Jorge F. da. As tipologias estratégicas “realmente existem”? Área Temática: Estratégica em Organizações (ESO 378). ENANPAD, 26., 2002, Salvador. Anais... Savador, 2002.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS – FIEMG. Cadastro Industrial. Disponível em: <http://www.fiemg.com.br >. Acesso em: 16 fev. 2006.

GRAZIADIO, T. Atividades informais de P&D observadas em PMEs de autopeças. SIMPÓSIO DE GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, 19., 1996, São Paulo. Anais... São Paulo: USP/PGT/ FIA/PACTo, 1996. p.1116-1131.

LA PEÑA, Bernardo; OTÁVIO, Chico; BOECHAT, Ricardo. Sinal verde para o contrabando. Reportagens de o Globo sobre a Aduana Brasileira. 06 maio 2001. Disponível em: <http://www.unafisco-rj.org.br > . Acesso em: 15 dez. 2006.

LUZ, Sérgio Ruiz. Jogo sujo na concorrência: o Brasil virou um terreno fértil para sonegadores e piratas. É um campo minado para quem trabalha na legalidade. Revista Exame, São Paulo, ed. 847, n. 14, p. 32-34, 20 jul. 2005.

MCKINSEY; COMPANY. Eliminando as barreiras ao crescimento econômico e à economia formal no Brasil. São Paulo, jun. 2004. Disponível em: <http://www.etco.org.br>. Acesso em: 18 nov. 2005.

MILES, R. E.; SNOW, C. C. Organizational strategy, structure and process. New York: McGraw- Hill, 1978.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Conselho Nacional de Combate à Pirataria – CNCP. III Relatório de Atividades. Brasília, dez. 2006.

MINTZBERG, Henry; LAMPEL, Josef; AHLSTRAND, Bruce. Safári de estratégia. Porto Alegre: Bookman, 2000.

MINTZBERG, Henry. Estratégias genéricas. In: MINTZBERG, Henry; LAMPEL, Josef; QUINN, James Brian; GHOSHAL Sumatra (Orgs.). O processo da estratégia. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. (Conceitos, contextos e casos selecionados).

PORTER, Michael E. Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. 2. ed. São Paulo: Campos, 2004.

SINDICATO DA INDÚSTRIA DE REPARAÇÃO DE VEÍCULOS E ASSESSÓRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO – SINDIREPA. Disponível em: <http://www.oficinadeveiculos.com.br/ >. Acesso em: 07 fev. 2007.

SINDICATO NACIONAL DOS FABRICANTES DE AUTOPEÇAS – SINDIPEÇAS. Desempenho do setor de autopeças em 2006. Disponível em: <http://goo.gl/WN5wsU > . Acesso em 01 fev. 2007.

SOUSA, J. E. R. de. Práticas de gestão tecnológica e competitividade no setor de autopeças. São Paulo: CYTED, NPGCT, USP, 1995.

Citado por

Sem citações recebidas.