Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Relações Governo-Universidade-Empresa para a Inovação Tecnológica

DOI: http://dx.doi.org/10.17800/2238-8893/aos.v2n1p7-21

http://www.unama.br/seer/index.php/aos/index 

downloadpdf

Paulo C. S. Batista1, Rodolfo J. S. Lôbo2, Raphael Campus3, Luís Fernando4 & Elias P. Lopes Júnior5

 

Resumo: A cooperação entre empresas e universidades facilita a produção de conhecimento e a sua transformação em novas tecnologias produtivas, contribuindo para a competitividade empresarial e dos espaços regionais em um mundo globalizado. Em virtude da relevância do assunto, desenvolveu-se este artigo com o objetivo de identificar a prática das relações entre o governo, as universidades e as empresas cearenses no tocante à inovação tecnológica. A metodologia da pesquisa é de natureza qualitativa, com caráter exploratório e qualitativo. Os dados foram coletados através da pesquisa documental e de entrevistas com atores representativos da inovação do Estado, selecionados por conveniência e acessibilidade. As informações foram tratadas pela análise de conteúdo, revelando que existem diferenças entre universidades e empresas quanto aos motivos para a produção de conhecimento, prazos de execução de projetos e finalidade do conhecimento pesquisado. Contudo, os ganhos potenciais associados à cooperação para as partes envolvidas e para o Estado criam oportunidades reais para o desenvolvimento da relação entre esses agentes. Porém, existe a necessidade do Governo exercer um papel mais efetivo na articulação desses atores, definir claramente os setores estratégicos para inovação, promover a Lei de Inovação no Ceará e adotar outras medidas específicas identificadas para o incentivo à inovação.

Palavras-chave: Relação Governo-Universidade-Empresa. Inovação Tecnológica. Cooperação

 

Abstract: Cooperation between companies and universities facilitates the production of knowledge and its transformation into new productive technologies, contributing to business competitiveness and regional areas in a globalized world. Given the importance of the subject, this article was developed with the aim of identifying the practical relations between government, universities and companies from Ceará in relation to technological innovation. The research methodology is qualitative in nature, with character exploratory and qualitative. Data were collected through desk research and interviews with stakeholders of innovation state, selected by convenience and accessibility. The information was processed by content analysis, revealing that there are differences between universities and companies as to the reasons for the production of knowledge, time of execution of projects, knowledge of the purpose of research, but the potential gains associated with cooperation for the parties involved and State to create real opportunities for the development of the relationship between these agents. There is, however, for this, the need for the Government to exercise a more effective role in the articulation of these actors, clearly define the strategic sectors for innovation, promote the Innovation Law in Ceará and take other specific measures identified for promoting innovation.

Key words: Relationship Government-University-Enterprise. Innovation. Cooperation

 

1 Ph.D. em Economia pela University of Illinois - USA, Mestrado em Economia pela University of Illinois - USA, graduado em Economia pela Universidade Federal do Ceará. Professor do Mestrado Acadêmico em Administração da Universidade Estadual do Ceará. pcbatista@uece.br
2 Doutorando em Administração de Empresas na FGV/EAESP (sendo bolsista CAPES). Mestre em Administração pela Universidade Estadual do Ceará (Uece), Especialista em Docência do Ensino Superior pela Faculdade Leão Sampaio e Graduado em Administração pela Faculdade Leão Sampaio. rodolfo.lobo@gvmail.br
3 Mestre em Administração pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Especialista em Estratégia e Gestão pelo Centro de Treinamento e Desenvolvimento (CETREDE) da Universidade Federal do Ceará (UFC). Graduado em Filosofia pela UECE. Graduando em Administração pela UFC. Professor da Faculdade Metropolitana de Fortaleza (Fametro). Professor da Faculdade Ratio. Analista do Serviço Social da Indústria (SESI). contato@raphaelcampos.com
4 Mestre em Administração pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Possui graduação em ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA pela Universidade Paulista. Atualmente é auditor interno - DEPARTAMENTO DE EDIFICAÇÕES, RODOVIAS E TRANSPORTES. lufsp@yahoo.com
5 Doutorando em Administração de Empresas na FGV/EAESP (sendo bolsista CAPES), na linha de pesquisa em Estratégia Empresarial, Mestre em Administração pela Universidade Estadual do Ceará - UECE, Graduado em Administração também pela UECE. eliasjunior08@gmail.com

 

Literatura Citada

ANDREASSI, T. Gestão da inovação tecnológica. São Paulo: Thomson Learning, 2007.

ANDREASSI, T.; SBRAGIA, R. Fatores determinantes do grau de inovatividade das empresas: um estudo utilizando a técnica da análise discriminante. In: XXV ENANPAD, 2001, Campinas. Anais… Campinas: Anpad, 2001.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BARROSO, H. C. M. P.; DAMASCENO, F. K. L. T. Gestão da inovação em empresas cearenses: o quanto se está distante. In: XXIV SIMPÓSIO DE GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, 2006, Gramado. Anais… Gramado: Anpad, 2006.

BATTERINK, M. H.; WUBBEN, E. F. M.; OMTA, S. W. F. Factors explaining the innovative output of firms in the Dutch agrifoodindustry. In:7th International Conference on Management in AgriFood Chains and Networks, Ede, The Netherlands, May/June, 2006.

BERTERO, C. O. Ensino e pesquisa em administração. São Paulo: Thomson Learning, 2006.

BOUCHIKHI, H.; KIMBERLY, J. It’s Difficult to Innovate: The Death of the Tenured Professor and the Birth of the Knowledge Entrepreneur. Human Relations, v. 54, n.1, p.77-84, 2001. http://dx.doi.org/10.1177/0018726701541010

CHADDAD, J. M. A.; ANDREASSI, T. O vetor da academia-empresa para o incremento da inovação tecnológica. Revista Univap, São José dos Campos, v.9, n.17, p. 78-84, jul.-dez. 2002.

COSTA, J. F. Condições e fatores determinantes para uma política nacional de desenvolvimento tecnológico. Revista de Administração de Empresas, Rio de Janeiro, v.14, n.3, p. 83-100, maio/jun. 1974.

COUTINHO, P. L. A.; LONGANEZI, T.; BOMTEMPO, J. V.; PEREIRA, F. M. A. Construindo um sistema de gestão da inovação tecnológica: atividades, estrutura e métricas. In: XXIV SIMPÓSIO DE GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, 2006, Gramado. Anais… Gramado: Anpad, 2006.

CRUZ, C.; RIBEIRO, U. Metodologia Científica: teoria e prática. 2. ed. Rio de Janeiro: Axcel Books, 2004.

CRUZ, L. B.; PEDROZO, E. A. Inovação tecnológica e vantagem competitiva no setor de telefonia móvel brasileiro. RAC Eletrônica, Rio de Janeiro, v.2, n.1, p. 1-19, jan/abr. 2008.

CUNHA, N. C. V. Mecanismos de interação universidade-empresa e seus agentes: o gatekeeper eo agente universitário de interação. REAd, v. 5, n. 1, 1999.

DOSI, G. Innovation, organization and economic dynamics. Cheltenham: Edward Elgar, 2001.

ETZKOWITZ, H.; MELLO J. M. C. The Rise of a Triple Helix Culture - Innovation in Brazilian Economic and Social Development. International Journal of Technology Management and Sustainable Development, v. 2, n. 3, p. 159- 171, 2004. http://dx.doi.org/10.1386/ijtm.2.3.159/1

EUROPEAN UNION. Innovation Union Competitiveness report 2011. Disponível em: http://goo.gl/GdHWW2. Acesso em: 21 set.2009.

FORSMAN, H. Balancing capability building for radicaland incremental innovations. International Journal of Innovation Management, v. 13, n. 4, p. 501–520, 2009. http://dx.doi.org/10.1142/S1363919609002492

GIL, Antonio C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

KEMP, R.; FOLKERINGA, M.; JONG, J.; WUBBEN, E. Innovation and Firm Performance. Research Report H200207 SCALES, 2003.

KLOMP, L.; LEEUWEN, G. Linking Innovation and Firm Performance: A New Approach. International Journal of the Economics of Business, v. 8, n. 3, p. 343-364, 2001. http://dx.doi.org/10.1080/13571510110079612

LEKACHMAN, Robert. História das Ideias Econômicas. Rio de Janeiro: Bloch, 1973.

LEYDESDORFF, L.; ETZKOWITZ, H. The Transformation Of University-industry-government relations. Electronic Journal of Sociology, v. 5, n. 4, 2001.

LIMA, M. C.; TEIXEIRA, F. L. C. Inserção de um agente indutor da relação universidade-empresa em sistema de inovação fragmentado. Revista de Administração Contemporânea, Rio de Janeiro, v.5, n.2, p. 135-155, maio/ago. 2001.

LIU, J.; BASKARAN, A.; LI, S. Building Technological-Innovation-Based Strategic Capabilities at Firm Level in China: a Dynamic Resource-Based-View Case Study. Industry and Innovation, v. 16, n. 4/5, p. 411–434, 2009. http://dx.doi.org/10.1080/13662710903053706

MARQUES, R. K.; LUCIANO, E. M.; TESTA, M. G. Empreendedorismo e inovação na interação universidade-empresa: o caso da Spin-Off Zero-Defect do parque tecnológico da PUCRS. In: XXIV SIMPÓSIO DE GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, 2006, Gramado. Anais… Gramado: Anpad, 2006.

MATIAS-PEREIRA, J.; KRUGLIANSKAS, I. Gestão de inovação: a lei de inovação tecnológica como ferramenta de apoio às políticas industrial e tecnológica do Brasil. Revista de Administração de Empresas, Rio de Janeiro, v.4, n.2, jul/dez. 2005.

MELO, P. A. A cooperação universidade/empresa nas universidades públicas brasileiras. Tese (Doutorado em Engenharia Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina, 2012.

MOREIRA, D. A.; QUEIROZ, A. C. S. Inovação organizacional e tecnológica. São Paulo: Thomson Pioneira, 2006.

OLIVEIRA, M. M. Como fazer pesquisa qualitativa. Petrópolis: Vozes, 2007.

ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - OCDE. Manual de Oslo – Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. Terceira Edição. Publicação conjunta OCDE; EUROSTAT e FINEP, 2006.

PELAEZ, V. Economia da inovação tecnológica. São Paulo: Hucitec, 2006.

PORTER, M. Competitive Advantage. New York: Free Press, 1985.

RATTNER, H. Inovação tecnológica e pequenas empresas: uma questão de sobrevivência. Revista de Administração de Empresas, Rio de Janeiro, v.24, n.3, p. 70-73, jul/set. 1984.

SANTOS, D. F. L.; BASSO, L. F. C.; KIMURA, H. A influencia da Inovação no Desempenho Financeiro de Empresas Brasileiras. In: Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais, São Paulo. Anais… São Paulo: SIMPOI, 2010.

SEGATTO, A. P. Análise do Processo de Cooperação Tecnológica Universidade-Empresa: um estudo exploratório. 98p. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade de São Paulo: USP, 1996.

SCHUMPETER. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1997.

SILVA, L. E. B., MAZZALI, L. Parceria tecnológica universidade-empresa: um arcabouço conceitual para a análise da gestão dessa relação. Parcerias Estratégicas, v. 6 n. 11, 2010.

VERGARA, S. C. Métodos de pesquisa em administração. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

Citado por

Sem citações recebidas.