Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Desencantamento do Mundo: Análise da Desarticulação e Dissolução de Comunidade Rural na Chapada Diamantina

DOI: http://dx.doi.org/10.17800/2238-8893/aos.v3n1p61-75

http://www.unama.br/seer/index.php/aos/index 

downloadpdf

Myrt T. S. Cruz1 & Maria A. J. Corá2

   

Resumo: Este artigo objetiva compreender o processo de desarticulação e dissolução de comunidades do semiárido da Chapada Diamantina. Foi feito estudo sistemático tomando como exemplo uma comunidade situada no topo da Serra do Cigano, às margens da trilha cavaleira, que dá acesso ao rio São Francisco. O estudo procura reconstruir a história do processo de povoamento da região, fortemente marcado pelo coronelismo, materializado através dos fenômenos de mandonismo e voto de cabresto. Junto com seus moradores, recupera narrativas sobre a história da luta pela existência e manutenção da vida no lugar. De cunho eminentemente oral, as narrativas foram viabilizadas a partir da memória dos que lá vivem e também dos que migraram. O processo de reprodução das relações sociais, sob a égide do mundo da mercadoria, tem trazido sérias consequências para as comunidades rurais da Chapada Diamantina, que vivem numa economia agrária de subsistência, degradando seu modo de vida e, não raro, conduzindo para sua dissolução. A incessante luta das pessoas em busca da satisfação de suas necessidades fornece consagração de práticas solidárias que viabilizam a convivência com a natureza semiárida, mas não garante a manutenção dos modos de vida face às transformações decorrentes da modernidade. Frente às dificuldades impostas pelo processo de desarticulação, a singularidade de suas vivências os inscreve como agentes históricos ativos na construção de fazeres, no enraizamento e lida com a terra e na resistência pela manutenção dos conhecimentos das plantas medicinais, festejos, costumes e religiosidade.

Palavras-chave: Chapada Diamantina. Convivência com o Semi-Árido. Desarticulação de comunidades rurais. Mandonismo e sustentabilidade em contextos de pobreza.

 

Abstract: This article aims to understand the process of the dismantling and the dissolution of communities in the semiarid region of Chapada Diamantina. A systematic study has been done with a community located at the top of the Serra dos Ciganos, on the margin of a rider trail that leads to the São Francisco River. The study attempts to reconstruct historically the settlement process in the region, which is strongly marked by “coronelismo” and materialized through the phenomena of authoritarianism and “voto de cabresto”. Along with its residents, it retrieves narratives of the history of the struggle for existence and maintenance of life in the area. Eminently oral in nature, the narratives were achievable due to the memory of those who still live there and also of those who migrated. The process of the reproduction of social relations, under the auspices of a commodity world, has brought serious consequences for rural communities in the Chapada Diamantina that still survive under an agrarian subsistence economy, degrading its way of life and often leading to its dissolution. The incessant struggle of people seeking the satisfaction of their needs makes possible solidarity practices that enable coexistence with the semiarid nature, but does not guarantee the maintenance of livelihoods in the face of changes brought about by modernity. Faced with the difficulties imposed by the disarticulation process, the uniqueness of their experiences inscribes them as active historical agents in the elaboration of new ways of life, in the bonds and usage of land and in the determination of keeping the knowledge of medicinal plants, festivities, customs and religion.

Key words: Chapada Diamantina. Coexistence with the semiarid. Disarticulation of rural communities. Despotism and sustainability in poverty

 

1 Doutora em Ciências Sociais, Mestre em Psicologia Social e Bacharel em Psicologia. Professora Assistente Doutora do Departamento de Administração da FEA-PUC/SP. E-mail: myrt@pucsp.br.
2 Doutora em Ciências Sociais, Mestre e Bacharel em Administração. Pesquisadora do Núcleo de Estudos Avançados do Terceiro Setor (Neats). Professora do Departamento de Administração da FEA-PUC/SP. E-mail: mcora@pucsp.br

 

Literatura Citada

ABREU, João Capistrano de. Caminhos antigos e povoamento do Brasil. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1975.

ANTONIL, André João. Cultura e opulência no Brasil. São Paulo: Edusp, 1982.

AUGÉ, Marc. Não-Lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Campinas: Papirus, 2003.

BAUMAN, Zygmund. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

BOSI. Ecléa. Memória e sociedade. Lembranças de Velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

BOURDIEU, Pierre. O desencantamento do mundo: estruturas econômicas e estruturas temporais. São Paulo: Editora Perspectiva, 1979.

CANCLINI, Nestor Garcia. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp, 2003.

CÂNDIDO, Antônio. Parceiros do Rio Bonito. Estudos sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. São Paulo: Livraria duas cidades, 1971.

CASTRO, Josué de. Sete palmos de terra e um caixão: ensaio sobre o Nordeste, área explosiva. São Paulo: Editora Brasiliense, 1976.

CIAMPA. Antônio da Costa. A estória do Severino e a história da Severina. São Paulo: Brasiliense, 1994.

CLIFFORD, James. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2011.

FREUD, Sigmund. O mal estar na civilização. Rio de Janeiro: Imago, 1997.

GIDDENS, A. Risco, confiança e reflexividade. In: BECK, U.; GIDDENS, A. & LASH, S. Modernização reflexiva. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1997.

HOBSBAWN, E.; RANGER, T. A invenção das tradições. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos. São Paulo: Editora 34, 2008.

LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto: o município e o regime representativo no Brasil. São Paulo: Alfa Omega, 1975.

LEWIS, Oscar. Five families: Mexican case studies in the culture of poverty. New York: Basic Books, 1957.

PIERSON, Donald. O homem no vale do São Francisco. Rio de Janeiro: Superintendência do Vale do São Francisco – SUVALE, 1972. Tomo II.

PIERUCCI, Antônio Flavio. O desencantamento do mundo – todos os passos do conceito de Max Weber. São Paulo: Editora 34, 2003.

PIRES, Maria de Fátima Novaes. O crime na cor – a experiência escrava no lato sertão da Bahia – Rio de Contas e Caetité (1830 – 1888). Dissertação (Mestrado em História) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 1999.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço. Técnica e tempo. Razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1997.

SIMONSEN, Roberto. História econômica do Brasil. São Paulo: Biblioteca Pedagógica Brasileira, 1937.

SPINK, Peter. O lugar do lugar na análise organizacional. Revista de Administração Contemporânea da ANPAD, v. 5, 2001.

SPINK, Peter. Pesquisa de campo em psicologia social: uma perspectiva pós-construcionista. Revista Psicologia & Sociedade, Porto Alegre, v. 15, n. 2, jul./dez. 2003.

TODOROV, Tzvetan. A vida em comum: ensaio de antropologia geral. Campinas: Papirus, 1996.

WEBER, Max. Economía y sociedad. Esbozo de sociologia compreensiva. Mexico: Fondo de Cultura Economica, 1964.

WHYTE, W. F. Street corner society: the social structure in Italian Slum. Chicago: The University of Chicago Press, 1943.

WOLF, Eric. Antropologia e poder. Brasília: Editora da Universidade de Brasília. 2003.

Citado por

Sem citações recebidas.