Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Incubadoras de Gestão Social e Gestão Universitária: Possibilidades e Contribuições a Partir de Análise Comparativa

DOI: http://dx.doi.org/10.17800/2238-8893/aos.v3n2p133-151

http://www.unama.br/seer/index.php/aos/index 

downloadpdf

Paulo O. Garrido1 & Carlos E. Justen2

  

Resumo: O artigo constitui-se em uma análise comparativa de três modelos de incubadoras – Incubadoras Tecnológicas de Empresas, Incubadoras Tecnológicas de Cooperativas Populares e Incubadora Tecnológica de Gestão Social (ITGS) – a partir das categorias analíticas do Novo Paradigma do Serviço Público, da Gestão Social e da Teoria da Delimitação dos Sistemas Sociais, procurando demonstrar as contribuições da ITGS para a gestão universitária e para a coletividade. A partir de estudo qualitativo, fundamentado nos métodos bibliográfico e documental, foi analisado um universo de 24 (vinte e quatro) artigos junto aos principais periódicos nacionais em Administração e aos anais dos dois últimos Encontros Nacionais de Pesquisadores em Gestão Social (Enapegs). A pesquisa concluiu que, dos três modelos analisados, a proposta da ITGS apresenta uma abordagem de incubação potencialmente capaz de integrar os fundamentos do Paradigma do Novo Serviço Público, da Gestão Social e da Teoria de Delimitação de Sistemas Sociais, além de caminhar para promoção da sinergia entre ensino, pesquisa e extensão universitária e a religação entre os saberes do mundo real e acadêmico

Palavras-chave: Gestão Universitária, Gestão Social, Incubadoras, Incubadoras Tecnológicas de Gestão Social,

 

Abstract: The present article is a comparative analysis of three models of incubators - Technology Business, Incubators of Popular Cooperatives and Social Management Technology Incubator (ITGS) - from the analytical categories of the New Paradigm of Public Service Management social Theory and social Systems Delimitation, seeking to demonstrate the contributions of ITGS for university management and the community. From a qualitative study, based on bibliographical and documentary methods, was analyzed a universe of 24 (twenty four) articles with leading national journals in Management and the annals of the last two National Meetings of Researchers in Social Management (ENAPEGS). The survey found that of the three models analyzed, the proposal of ITGS presents an approach incubation capable of integrating the fundamentals of the Paradigm of New Public Service, Social and Management Theory of Social Systems Delimitation, besides walking for promotion of synergy between teaching, research and extension and reconnection between the knowledge of the real and academia.

Key words: University Management, Social Management, Incubators, Technological Incubators Social Management

 

1 Professor Adjunto da Universidade Federal de Santa Catarina - CAD/UFSC. Mestre e Doutor em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. E-mail: pogarrido@uol.com.br
2 Doutorando em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina - PPGA/UFSC. Mestre em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina - PPGA/UFSC. E-mail: justencarlos@gmail.com

 

Literatura Citada

ALENCAR, E. An interpretative study of the agricultural cooperative as a means for farmers to adapt to the social system. 1986. Tese (Doutorado em Rural Social Development). The University of Reading, Reading, 1996.

BACON, K. Além da capacitação: desenvolvimento de líderes para o setor público. Revista do Serviço Público, Brasília, v. 50, n.4, out./dez 1999.

BRASIL. Decreto n. 7.357, de 17 de novembro de 2010. Dispõe sobre o Programa Nacional de Incubadoras de Cooperativas Populares – PRONINC e dá outras providências. Disponível em: http://goo.gl/JjcPnz. Acesso em: 12 out. 2011.

BUARQUE, C. A universidade numa encruzilhada. Paris: UNESCO, 2003

CHAUI, M. A universidade pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 24, p. 5-15, set./dez. 2003.

DEMO, P. A universidade precisa renascer. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 57, p. 86-95, maio, 1986.

DEMO, P. Universidade e pesquisa: agonia de um antimodelo. Motrivivência, Florianópolis, n. 7, p. 17-33, dez. 1994.

DEMO, P. Conhecimento moderno: sobre ética e intervenção do conhecimento. Petrópolis: Vozes, 1997.

DEMO, P. Metodologia do conhecimento científico. São Paulo: Atlas, 2010.

DENHARDT, R. B. Teorias da Administração Pública. São Paulo: Cengage Learning, 2011.

DENHARDT, R. B.; DENHARDT, J. V. The New Public Service: serving rather than steering Public Administration Review, v.30. n. 6, p.549-559, 2000. http://dx.doi.org/10.1111/0033-3352.00117

DRUCKER, P. Sociedade pós-capitalista. São Paulo: Thomson Pioneira, 1999.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Edições Paz e Terra, 1970.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação. 7. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GARRIDO, P. O.; JUSTEN, C. E. Universidade pública brasileira, dilemas e proposições: as possibilidades das incubadoras de gestão social para a ressignificação da gestão universitária. In: MORETTO NETO, L.; GARRIDO, P. O. (Orgs.). Gestão Universitária. No prelo.

GAULEJAC, V. A ligação vale mais que o bem. In: GAULEJAC, V. Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. Aparecida-SP: Letras & Ideias, 2007. p. 285-325.

HABERMAS, J. Teoria de la acción comunicativa: racionalidad de la acción y racionalzación social. Madrid: Taurus, 1987. v. I e II.

MARSCHALL, M. J. Citizen participation and the neighborhood context: a new look at the coproduction of local public goods. Political Research Quaterly, v. 57, n. 2, june, 2004.

MARSDEN, R.; TOWNLEY, B. A coruja de Minerva: reflexes sobre a teoria na prática. In: CLEGG, S. R.; HARD, C.; NORD, W. R. Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 2001.

MORETTO NETO, L.; GARRIDO, P. O.; JUSTEN, Carlos Eduardo. Desenvolvendo o aprendizado em gestão social: proposta pedagógica de fomento às incubadoras sociais. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 9, n.3, set. 2011.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

PÉREZ, C. E. E. A propósito de la universidad. Problemas, contextos y alternativas. Universitas humanística, Bogotá, n.62, p. 91-107, jul./dez. 2006.

PIMENTEL, T. D. et al. Gestão social: perspectivas, princípios e (de)limitações. In: FERREIRA, M. A. M.; EMMENDOERFER, M. L.; GAVA, R. (Org.). Administração pública, gestão social e economia solidária: avanços e desafios. Viçosa: UFV, 2011, p. 145-166.

RAMOS, A. G. A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1989.

REED, M. Teorização Organizacional: um campo historicamente contestado. In: CALDAS, M. P.; FACHIN, R.; FISCHER, T. (Org.). Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 2004, v. 1.

RIBEIRO, D. A universidade necessária. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

SALM, J. F.; MENEGASSO, M. E. Os modelos de administração pública como estratégias complementares para a coprodução do bem público. Revista de Ciências da Administração, v.11, n. 25, p. 97-114, set/dez 2009.

SANTOS, B. de S. A universidade no século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da universidade. Educação, sociedade & culturas, Coimbra, n. 23, p. 137-202, 2005.

SANTOS, B. de S. (Org.). Produzir para viver: os caminhos da produção não capitalista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

SANTOS, B. de S.; ALMEIDA FILHO, N. de. A universidade no século XXI: para uma universidade nova. Coimbra: Edições Almedina, 2008.

SILVA, M. A. O. M. da; GOMES, L. F. A. M.; CORREIA, M. F. Cultura e orientação empreendedora: uma pesquisa comparativa entre empreendedores em incubadoras no Brasil e em Portugal. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 13, n. 1, p. 57-71, jan/mar. 2009. http://dx.doi.org/10.1590/s1415-65552009000100005

SOUZA, M. C. de; PEREIRA, J. R. Gestão de cooperativas populares em Minas Gerais: uma análise comparativa. In: RIGO, A. S. et al. Gestão social e políticas públicas de desenvolvimento: ações, articulações e agenda. Recife: UNIVASF, 2010.

TENÓRIO, F. G. (Re)visitando o conceito de gestão social. In: LIANZA, S.; ADDOR, F. (Org.). Tecnologia e desenvolvimento social e solidário. Porto Alegre: UFRGS, 2005, p. 39-57.

TENÓRIO, F. G. A trajetória do Programa de Estudos em Gestão Social (PEGS). Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 40, n. 6, p. 1145-62, nov./dez. 2006.

TENÓRIO, F. G. (Re)visitando o conceito de gestão social. In: SILVA JR. et al. (Orgs.). Gestão social: práticas em debate, teorias em construção. Juazeiro do Norte: UFC, 2008a, p. 39-57.

TENÓRIO, F. G. Tem razão a administração? Ensaios de teoria organizacional. Ijuí: Ed. Unijuí, 2008b.

TENÓRIO, F. G. et al. Gestão social: uma perspectiva conceitual. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 32, n. 5, set./out. 1998, p. 7-23.

TENÓRIO, F. G. et al. Extensão universitária e responsabilidade social: 20 anos de experiência de uma instituição de ensino superior. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPAD, 34., 2010, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2010, p. 1-15.

TRAGTENBERG, M. Burocracia e ideologia. São Paulo: Ática, 1974.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008.

Citado por

Sem citações recebidas.