Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Mapeamento de Competências Tecnológicas como Ferramenta para Avaliação da Transferência de Tecnologia em Instituições de Pesquisa

DOI: http://dx.doi.org/10.13084/2175-8018/ijie.v6n11p202-218

http://www.incubadora.ufsc.br/index.php/IJIE/index 

downloadpdf

Tomoe D. H. Gusberti1, Mariana F. Dewes2, Luiza S. Cunha3 & Caroline F. Dorneles4

 

Resumo: Considerando a restrita capacidade de grandes empresas realizarem Pesquisa e Desenvolvimento no Brasil, destaca-se o papel das instituições públicas de pesquisa para o desenvolvimento tecnológico. Nos últimos anos, foram criados Núcleos de Inovação Tecnológica (NIT) nestas instituições, com o objetivo de gerenciar a interação com as empresas. Usualmente, o registro de patentes é utilizado para acompanhar o desenvolvimento tecnológico. Entretanto, mais do que resultados, deve-se monitorar o processo de forma a poder articular ações para a promoção da melhoria. Este artigo apresenta resultados parciais de um projeto que, ao avaliar a necessidade de se conhecer as capacidades e competências tecnológicas geradas pela Universidade, conduziu um mapeamento das mesmas, com a delimitação para a cadeia produtiva de petróleo, gás e polímeros. Este mapeamento baseou-se na lógica da criação de mapas do conhecimento. A instituição analisada compreende uma Universidade Pública localizada na região sul do Brasil. Elaborou-se um mapa da cadeia produtiva. Paralelamente, conduziu-se o levantamento de dados secundários, a partir de planilhas de registros disponíveis no NIT: (i) patentes; (ii) pesquisadores e histórico de contratos; e (iii) empresas incubadas. Os dados foram então analisados quanto à contribuição dos respectivos objetos nas diferentes atividades da cadeia produtiva. Os extratos das bases de dados foram unificados para fins de análise de contagem de atividades quanto à ocorrência ou não de contribuição da Universidade. Esta contagem também foi desdobrada por classe de atividade e etapa da cadeia produtiva. A análise permitiu a identificação de algumas potencialidades de aplicação de competências tecnológicas existentes na Universidade.

Palavras-chave: Interação Universidade-Empresa. Núcleo de inovação tecnológica. Patentes. Cadeia produtiva.

 

1 Doutora em Engenharia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico – SEDETEC – e Parque Científico e Tecnológico da UFRGS, Brasil. E-mail: tomoe.gusberti@ufrgs.br.
2 Doutora em Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico – SEDETEC – e Parque Científico e Tecnológico da UFRGS, Brasil. E-mail: mariana.dewes@ufrgs.br.
3 Estudante de Engenharia de Produção, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Brasil. Email: luiza.cunha@ufrgs.br.
4 Estudante de Engenharia Mecânica, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Brasil. E-mail: caroline.dorneles@ufrgs.br.

 

Literatura Citada

ADAMS, J.; PENDLEBURY, D.; STEMBRIDGE, B. Building Bricks Exploring the global research and innovation impact of Brazil, Russia, India, and South Korea. Thompson Reuters: Philadelphia, 2013.

ARGYRES, N. Privatizing the intellectual commons: Universities and the commercialization of biotechnology. Journal of Economic Behavior & Organization, v. 35, n. 4, p. 427-454, 1998. http://dx.doi.org/10.1016/S0167-2681(98)00049-3

BRASIL, PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, CASA CIVIL – Lei 10.973 de 2 de dezembro de 2004. Diário Oficial da União (DOU) de 3.12.2004.

BULLINGER, H.J. Technology Guide: Principles, Applications, Trends. Springer, 2009. p. 547 http://dx.doi.org/10.1007/978-3-540-88546-7

CNPQ – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Plataforma Lattes. Disponível em: <http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/busca.do?metodo=apresentar> Acesso entre janeiro e abril de 2012.

CRIPPS, D.; YENCKEN, J.; COGHLAN, J.; ANDERSON, D. University research: technology transfer and commercialisation practices. Commissioned Report n°. 60. Australian Research Council: Canberra, Australia, 1999.

DRUCKER, J.; GOLDSTEIN, H. Assessing the Regional Economic Development Impacts of Universities: A Review of Current Approaches. International Regional Science Review, v. 30, n. 1, p. 20-46, jan. 2007. http://dx.doi.org/10.1177/0160017606296731

EDQUIST, C. Systems of Innovation: Technologies, Institutions and Organizations. Routledge, 1997. p. 408.

EPPLER, M.J. Making knowledge visible through intranet knowledge maps: concepts, elements, cases. In: HOLSAPPLE, C. W. (Ed.). Handbook on Knowledge Management. Springer Science & Business Media Bv, p. 189-205, 2001. http://dx.doi.org/10.1109/hicss.2001.926495

INPI – Instituto Nacional de Propriedade Intelectual. Base de dados do INPI. Disponível em: <http://formulario.inpi.gov.br/MarcaPatente/jsp/servimg/servimg.jsp?BasePesquisa=Patentes > Acesso em: 30 jan. 2013.

MARKMAN, G.D. et al. Innovation speed: Transferring university technology to market. Research Policy, v. 34, n. 7, p. 1058-1075, set., 2005. http://dx.doi.org/10.1016/j.respol.2005.05.007

MCDERMOTT, C. Managing radical product development in large manufacturing firms: a longitudinal study. Journal of Operations Management, v. 17, n. 6, p. 631-644, nov., 1999.  http://dx.doi.org/10.1016/S0272-6963(99)00018-2

MUSTAR, P. et al. Conceptualising the heterogeneity of research-based spin-offs: A multidimensional taxonomy. Research Policy, v. 35, n. 2, p. 289-308, mar. 2006. http://dx.doi.org/10.1016/j.respol.2005.11.001

NELSON, R.R.; WINTER, S.G. An evolutionary theory of economic change. Harvard University Press, 1982. p. 437

NIOSI, J. To Flexible Innovation. Journal of Business Research, v. 2963, n. 97, 1999.

OECD. A framework for biotechnology statistics. Disponível em: <http://www.biotechnologie.init-ag.de/BIO/Redaktion/PDF/de/oecd-biotechframework,property=pdf,bereich=bio,sprache=en,rwb=true.pdf. Acesso em: 30 jan. 2013.

QUIRK, T. Science in the Service of the Nation State. Spring, v. 21, n. 3, p. 32-39, 2005.

RADOSEVICH, R. A model for entrepreneurial spin-offs from public technology sources. International Journal of Technology Management, v. 10, n. 7/8, p. 879-893, 1995.

SEDETEC. A gestão da propriedade intelectual da Universidade Porto Alegre: Universidade. p. 89, 2003.

SHANE, S.A. Academic Entrepreneurship: University Spinoffs and Wealth Creation. Edward Elgar Publishing, 2004. p. 335 http://dx.doi.org/10.4337/9781843769828

SHANE, S.; STUART, T. Organizational Endowments and the Performance of University Start-ups. Management Science, v. 48, n. 1, p. 154-170, jan. 2002. http://dx.doi.org/10.1287/mnsc.48.1.154.14280

THORBURN, L. Knowledge management, research spinoffs commercialization of R & D in Australia. Knowledge Creation Diffusion Utilization, 2000.

WIPO – Word Intellectual Property Organization. International Patent Classification (IPC) Official Publication. Disponível em: <http://web2.wipo.int/ipcpub/#>. Acesso em: 30 jan. 2013.

WRIGHT, M.; BIRLEY, S.; MOSEY, S. Entrepreneurship and university technology transfer. The Journal of Technology Transfer, v. 29, p. 235-246, 2004. http://dx.doi.org/10.1023/B:JOTT.0000034121.02507.f3