Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Identidade em Modelos Hipsométricos para Tectona grandis com Diferentes Espaçamentos em Cáceres-MT

DOI: http://dx.doi.org/10.14583/2318-7670.v03n01a07

http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/nativa/index 

downloadpdf

Diogo G. S. Vendruscolo1, Arthur G. S. Chaves1, Raiane S. Silva1, Hudson S. Souza1, Reginaldo A. Medeiros2, Alessandro S. Motta1 & Fernando T. Silva1

 

Resumo: Os objetivos deste estudo foram: ajustar e validar um modelo tradicional de relação hipsométrica para plantios equiâneos de Tectona grandis, sob diferentes arranjos espaciais, e testar a possibilidade de reduzir o número de equações entre os arranjos por meio do teste de identidade de modelos. O plantio é um experimento constituído por quatro espaçamentos arranjados em fileiras duplas: 3x2x2 m, 4x2x2 m, 5x2x2 m e 6x2x2 m, em blocos ao acaso com três repetições. O modelo utilizado para representar a relação hipsométrica foi o de Curtis. Os dados de diâmetro a 1,3 m de altura (DAP) foram coletados por meio de censo florestal, e separados em classes diamétricas. As alturas foram obtidas, seguido a distribuição diamétrica do povoamento em cada espaçamento. Após ajustadas às equações e aplicado o teste de identidade, as equações foram validadas pela estatística qui-quadrado. Analisando os resultados, conclui-se que o modelo de Curtis é acurado para a estimativa da altura total de Tectona grandis e o teste de identidade revelou que é possível utilizar uma única equação (com os mesmos parâmetros) para os arranjos 4x2x2 m, 5x2x2 m e 6x2x2 m, diminuindo de forma expressiva a quantidade de equações em futuros inventários. No teste da validação, verificou-se que as equações são recomendadas para estimativa da altura total de Tectona grandis.

Palavras-chave: Teca, arranjos espaciais, estimativa da altura, validação de equações

 

Abstract: The aim of this study were to adjust and validate a traditional model of hypsometric relation to even-aged Tectona grandis plantations under different spatial arrangements, and test the possibility of reducing the equations number between layouts by identity test of models. Planting is an experiment which consists of four spacing arranged in double rows: 3x2x2m, 4x2x2m, 5x2x2m, 6x2x2m in randomized blocks design with three replications. The model used to represent the hypsometric relation was Curtis. The data of diameter at 1.3 m height (DBH) were collected through forest census, and separated into diameter classes. The heights were obtained, followed by the diameter distribution of the stand at each spacing. After fitting equations and applying the identity test, the equations were validated by the chi- square statistic. Analyzing the results, it is concluded that the Curtis model is accurate to the estimate the total height of Tectona grandis and the identity test revealed that it is possible to use a single equation (with the same parameters) for arrangements 4x2x2m, 5x2x2m, 6x2x2 m, decreasing significantly the number of equations in future inventories. In the validation test was found that the equations are recommended to estimate the total height of Tectona grandis.

Key words: Teak, spatial arrangements, height estimation, equations validation

 

1 Setor de Engenharia Florestal, Instituto Federal de Mato Grosso, Cáceres, Mato Grosso, Brasil.
2 Departamento de Engenharia Florestal, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Minas Gerais, Brasil.

 

Literatura Citada

ARAÚJO, E. J. G de. et al. Relação hipsométrica para candeia (Eremanthus erythropappus) com diferentes espaçamentos de plantio em Minas Gerais, Brasil. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, v.32, n.71, p.257-268, jul./set. 2012. doi

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PRODUTORES DE FLORESTAS PLANTADAS (ABRAF). Anuário Estatístico 2013 - ano base 2012. Brasília: ABRAF, 2013. 142p.

BARTOSZECK, A. C. P. S. et al. Dinâmica da relação hipsométrica em função da idade, do sítio e da densidade inicial de povoamentos de bracatinga da região metropolitana de Curitiba, Paraná. Revista Árvore, Viçosa, v.28, n.4, p.517-533, ago. 2004.

BARTOSZECK, A. C. P. S. et al. Modelagem da relação hipsométrica para bracatingais da região metropolitana de Curitiba-PR. Floresta, Curitiba, v.32, n.2, p.189-204, jul./dez. 2002.

BRANDI, R. M. et al. Influência do espaçamento na sobrevivência, freqüência por classe de diâmetro e relação hipsométrica altura diâmetro do Eucalyptus urophylla. Revista Ceres, Viçosa, v.24, n.136, p.617-627, 1977.

CAMPOS, J. C. C.; LEITE, H. G. Mensuração florestal: perguntas e respostas. 4. ed. Viçosa: UFV, 2013. 605p.

CURTIS, R. O. Height diamenter and height diamenter age equations for second growth Douglas-fir. Florest Science, Washington, v.13, n.4, p.356-375, dez. 1967.

DRESCHER, R. Crescimento e produção de Tectona grandis Linn. F., em povoamentos jovens de duas regiões do estado de Mato Grosso. 2004. 133f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, 2004.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 2. ed. Rio de Janeiro: Embrapa CNPS, 2006. 306p.

HOSOKAWA, R. T. et al. Introdução ao manejo e economia de florestas. Curitiba: UFPR, 2008. 164p.

MACEDO, R. L. G. et al. Desenvolvimento inicial de Tectona grandis L.f. (teca) em diferentes espaçamentos no Município de Paracatu, MG. Revista Cerne, Lavras, v.11, n.1, p.61-69, jan./mar. 2005.

MACHADO, S. A. et al. Comportamento da relação hipsométrica de Araucaria angustifolia no capão da Engenharia Florestal da UFPR. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, n.56, p.5-16, jan./jun. 2008.

OLIVEIRA, B. R. de. Determinação do volume de cerne produzido em árvores de Tectona grandis L. f. em Mato Grosso. 2014. 59f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais e Ambientais) – Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2014.

OLIVEIRA, F. G. R. et al. Desempenho de modelos hipsométricos para um povoamento de Eucalyptus urophylla no município de Jaguaquara, Bahia. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v.7, n.13, p.331-338, jul./dez. 2011.

PRODAN, M. et al. Mensura Forestal. San José: IICA, 1997. 586p.

QUEIROZ, D. et al. Identidade de modelos em funções de afilamento para Mimosa scabrella Bentham em povoamentos nativos da região metropolitana de Curitiba/PR. Floresta, Curitiba, v.38, n.2, p.339-349, abr./jun. 2008. doi

REGAZZI, A. J.; SILVA, C. H. O. Testes para verificar a igualdade de parâmetros e a identidade de modelos de regressão não-linear em dados de experimento com delineamento em blocos casualizados. Revista Ceres, Viçosa, v.57, n.3, p.315-320, mai./jun. 2010.

RIBEIRO, A. et al. Estratégias e metodologias de ajuste de modelos hipsométricos em plantios de Eucalyptus sp. Cerne, Lavras, v.16, n.1, p.22-31, jan./mar. 2010.

ROSSI, A. S. et al. Relação hipsométrica e crescimento de Tectona grandis L.f. no município de Monte Dourado PA. Scientia Forestalis, Piracicaba, v.39, p.301-307, set. 2011.

SCOLFORO, J. R. S. Biometria florestal. Lavras: UFLA/FAEPE, 2005. 352p.