Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Possibilidade da Cobrança pelo Uso da Água

DOI: http://dx.doi.org/10.18029/1809-0109/pace.n1p1-30

http://conservacaodeecossistemas.blogspot.com.br/ 

downloadpdf

Priscila F. Castro1 & Newton R. Clark2

 

Resumo: O presente trabalho tem como objetivo básico verificar se a cobrança pelo uso da água é possível, legítima, e se ela perfaz um instrumento eficiente para racionalização de seu uso. Para atingir tal objetivo pretende-se, primeiramente, delinear a realidade das águas mostrando a imprescindibilidade vital desse recurso e o estado de degradação em que se encontra, o que reflete, inclusive, em uma preocupação mundial quanto ao seu futuro. Em um segundo momento, busca-se traçar a evolução histórica legislativa a respeito da temática dos Recursos Hídricos, apresentando, ainda, as diretrizes da Política Nacional de Recursos Hídricos. Procura-se, ainda, tratar da abrangência da outorga dos usos da água, instrumento paralelo à cobrança. Por fim, vai-se dedicar à cobrança, procurando verificar a compatibilização do enquadramento jurídico dado a água como bem ambiental e como bem econômico.

Palavras-chave: Recursos Hídricos, Outorga, Cobrança, Bem Ambiental, Bem Econômico.

 

Abstract: The present work has the basic objective to verify if the charging for the use of water is possible, legitimate, and if it concerns an efficient instrument for rationalization of use. To reach such objective it is intended, firstly, to delineate the reality of the waters showing the vital imprescindibility of that resource and the degradation in that it shows, what contemplates, besides, in a world concern to the future. In a second moment, it is looked for to trace the legislative historical evolution regarding the thematic of the Water Resources, presenting, still, the guidelines of National Water Resource Management System. It is sought, still, to treat of the inclusion of the it grants for the uses of the water, parallel instrument to the charging. Finally, it will be devoted to the charging, trying to verify the compatibilization of the given juridical framing the water as an environmental right and as an economic right.

Key words: Water Resources, Concession, Charging, Environmental right, Economic right.

 

1 Fone: +55 (0++86) 3233.2243. E-mail: priscilafcastro@hotmail.com.
2 Professor Orientador. Professor do Departamento de Ciências Econômicas do Centro de Ciências Humanas e Letras (CCHL/UFPI). Campus da Ininga. 64049 550, Teresina, Piauí, Brasil. Fone:Fax: +55 (0++86) 3215.5566. E-mail: ntrclark@uol.com.br

 

Literatura Citada

ALMEIDA, Caroline Corrêa de. Evolução histórica da proteção jurídica das águas no Brasil. JusNavigandi, Teresina, a. 7, n. 60, nov. 2002. Disponível em:<http://www1.jus.com.br/doutrina/texto.asp?id=3421>. Acesso em: 18 set. 2004.

ALMEIDA, Caroline Corrêa de. Outorga dos direitos de uso de recursos hídricos. Jus Navigandi,Teresina, a. 7, n. 61, jan. 2003. Disponível em: <http://www1.jus.com.br/doutrina/texto.asp?id=3680>.

ANTUNES, Paulo de Bessa. Direito Ambiental, 6 ed., Rio de Janeiro: Ed. Lumen Juris, 2002.

BARROSO, Luís Roberto. A propriedade das águas na Constituição. Revista CEJ, Brasília, n. 12,setembro/dezembro, 2000, p. 17-20.

BOTELHO, Marcos César. Recursos Hídricos. Jus Navigandi, Teresina, a. 6, n. 54, fev. 2002. Disponívelem: <http://www1.jus.com.br/doutrina/texto.asp?id=2614>. Acesso em: 18 set. 2004.

BRASIL. Agenda 21. Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento –CNUMAD, Rio de janeiro, janeiro 1992.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, promulgada em 05 de outubro de1988. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/>. Acesso em: 10 set. 2004.

BRASIL. Declaração de Dublin. Conferência Internacional sobre Água e Meio Ambiente. Organizaçãodas Nações Unidas, Irlanda, janeiro 1992.

BRASIL. Declaração Universal dos Direitos da Água. Organização das Nações Unidas, março de 1992.

BRASIL. Decreto nº 24.643, de 10 de julho de 1934. Decreta Código de Águas. Diário Oficial daRepública Federativa do Brasil, Brasília, DF, 1934. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/>. Acessoem: 10 set. 2004.BRASIL. Decreto-Lei nº 852, de 11 de novembro de 1938. Mantém, com modificações,

o decreto nº24.643, de 10 de julho de 1934 e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil,Brasília, DF, 1938. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/>. Acesso em: 23 jan. 2005.

BRASIL. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente,seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Diário Oficial da RepúblicaFederativa do Brasil, Brasília, DF, 1981. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/>. Acesso em: 23jan. 2005.

BRASIL. Lei n° 9.433, de 08 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, criao Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do Art. 21 daConstituição Federal, e altera o Art. 1º da Lei nº 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei nº7.990, de 28 de dezembro de 1989. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 1997.Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/>. Acesso em: 10 set. 2004.

BRASIL. Lei nº 9.984, de 17 de julho de 2000. Dispõe sobre a criação da Agência Nacional de Águas -ANA, entidade federal de implementação da Política Nacional de Recursos Hídricos e de coordenação doSistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2000. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/>. Acessoem: 23 jan. 2005.

CAMPOS, Ana Cândida de Paula Ribeiro e Arruda. O Desenvolvimento Sustentável como Diretriz daAtividade Econômica. Revista de Direito Ambiental- ano 7, nº 26. Coordenação: Antônio Herman V.Benjamin e Edis Milaré. Publicação Oficial do Instituto “O Direito por um Planeta Verde”. Editora Revistados Tribunais, abril/junho de 2002, p. 77-91.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 17 ed. São Paulo: Atlas, 2004.

EVANGELISTA, Eva. A proteção jurídica das águas. Revista CEJ, Brasília, n. 12, setembro/dezembro,2000, p. 40-45.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Aurélio Século XXI. 3 ed. rev. amp. Rio de Janeiro: NovaFronteira, 1999.

GARRIDO, Raymundo José Santos. Água, uma preocupação mundial. Revista CEJ, Brasília, n. 12, p.08-12, setembro/dezembro, 2000.

GRAF, Ana Cláudia Bento. Água, bem mais precioso do milênio: o papel dos Estados. Revista CEJ,Brasília, n. 12, p. 30-39, setembro/dezembro, 2000.

GRANZIERA, Maria Luiza Machado. A cobrança pelo uso da água. Revista CEJ, Brasília, n. 12,setembro/dezembro, 2000, p. 71-74.

GRANZIERA, Maria Luiza Machado. Outorga de Direito de Uso da Água: Aspectos Legais. Revista deDireito Ambiental- ano 7, nº 26. Coordenação: Antônio Herman V. Benjamin e Edis Milaré. PublicaçãoOficial do Instituto “O Direito por um Planeta Verde”. Editora Revista dos Tribunais, abril/junho de 2002,p.152-166.

HENKES, Silviana Lúcia. Histórico legal e institucional dos recursos hídricos no Brasil. JusNavigandi, Teresina, a 7, n. 66, jun. 2003. Disponível em:<http://www1.jus.com.br/doutrina/texto.asp?id=4146>. Acesso em: 18 set. 2004.

HENKES, Silviana Lúcia. Política nacional de recursos hídricos e sistema nacional degerenciamento de recursos hídricos. Jus Navigandi, Teresina, a. 7, n. 64, abr. 2003. Disponível em:<http://www1.jus.com.br/doutrina/texto.asp?id=3970>. Acesso em: 18 set. 2004.

KELMAN, Jerson. Como aplicar a arrecadação resultante da cobrança pelo uso do recursohídrico? Agência Nacional de Águas, junho de 2004. Disponível em:<http://www.ana.gov.br/PontosDeVista/artigo01.asp.>. Acesso em: 15 fev.2005.

LANNA, Antonio Eduardo. A inserção da gestão das águas na gestão ambiental. Em Interfaces dagestão de recursos hídricos: desafios da Lei de Águas de 1997. Org. por Héctor Raúl Muñoz. 2 ed. Brasília:Secretaria de Recursos Hídricos, 2000, p. 75-109.

LEITE, Paulo Roberto Saraiva da Costa. Água, bem mais precioso do milênio. Revista CEJ, Brasília, n.12, setembro/dezembro, 2000, p. 05-07.

MACHADO, Carlos José Saldanha. Apresentação ao Núcleo Temático Gestão das Águas. Revista daSociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Ano 55, n. 4, out/nov/dez/2003.

MACHADO, Paulo Afonso Leme. Direito Ambiental Brasileiro, 9 ed., São Paulo: Editora Malheiros,2001.

MACHADO, Paulo Afonso Leme. Recursos Hídricos – Direto Brasileiro e Internacional, São Paulo:Editora Malheiros, 2002.

MAGALHÃES, Paulo Canedo de. O custo da água gratuita. Revista Ciência Hoje. vol.35, n.211,dezembro, 2004, p. 45-49.

MILARÉ, Édis. Direito do Ambiente: doutrina, prática e jurisprudência, glossário, 2 ed., São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2001.

MOTTA, Ronaldo Seroa de. Privatização do uso da água. Revista CEJ, Brasília, n. 12,setembro/dezembro, 2000, p. 25-29.

MUÑOZ, Héctor Raúl. Razões para um debate sobre as interfaces da gestão dos recursoshídricos no contexto da Lei de águas de 1997. Em Interfaces da gestão de recursos hídricos: desafios da Lei de Águas de 1997. Org. por Héctor Raúl Muñoz.2 ed.Brasília: Secretaria de Recursos Hídricos, 2000, p. 13-30.

MUSETTI, Rodrigo Andreotti. Bacias Hidrográficas no Brasil: aspectos jurídico-ambientais. Jus Navigandi, Teresina, a. 3, n. 35, out. 1999. Disponível em: <http://www1.jus.com.br/doutrina/texto.asp?id=1700> Acesso em: 18 set. 2004.

NALINI, José Renato. Ética Ambiental. 2 ed., Campinas: Editora Millennium, 2003.

NEVES, Cleuler Barbosa das; SIQUEIRA, José do Carmo Alves; e DONZELE, Patrícia Fortes L. A Água no Ordenamento Jurídico Brasileiro. Revista de Direito, Procuradoria Geral do Estado de Goiás, n. 21, janeiro/dezembro, 2001, p. 93-101.

ONISHI, Emilio Yooiti e NAPOLOTANO, Maria Christina. Política de Recursos Hídricos e Indústrias: A Questão da Cobrança. Em Interfaces da gestão de recursos hídricos: desafios da Lei de Águas de 1997. Org. por Héctor Raúl Muñoz. 2 ed.Brasília: Secretaria de Recursos Hídricos, 2000, p. 341-358.

PEIXOTO, Aser Cortines Filho e BONDAROVSKY, Sandra Helena. Água, bem econômico e de domínio público. Revista CEJ, Brasília, n. 12, setembro/dezembro, 2000, p. 13-16.

REBOUÇAS, Aldo da Cunha. A Sede Zero. Revista Ciência e Cultura. Revista da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – ano 55, nº 4, outubro/novembro/dezembro de 2003, p. 33-35.

REBOUÇAS, Aldo da Cunha. Proteção dos Recursos Hídricos. Revista de Direito Ambiental- ano 8, nº 32. Coordenação: Antônio Herman V. Benjamin e Edis Milaré. Publicação Oficial do Instituto “O Direito por um Planeta Verde”. Editora Revista dos Tribunais, outubro/dezembro de 2003, p. 33-67.

SANTILLI, Juliana. A Política Nacional de Recursos Hídricos (Lei 9.433/97) e sua implementação no Distrito Federal. Revista de Direito Ambiental- ano 6, nº 24. Coordenação: Antônio Herman V. Benjamin e Edis Milaré. Publicação Oficial do Instituto “O Direito por um Planeta Verde”. Editora Revista dos Tribunais, outubro/dezembro de 2001, p.144-169.

SANTOS, Marilene Ramos M. O Princípio do Poluidor-Pagador e a Gestão de Recursos Hídricos: AExperiência Européia e Brasileira. Economia do meio ambiente: teoria e prática/ Peter H. May, Maria Cecília Lustosa, Valéria da Vinha, organizadores. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

SARAIVA, Polyana. Nova lei de recursos hídricos abre espaço para o comércio de água bruta. Informe Econômico – Publicação do Curso de Ciências Econômicas/UFPI – ano 9, nº 17, novembro/dezembro de 2004/janeiro de 2005, p. 26-31.

SCHEIBE, Virgínia Amaral da Cunha. O regime Constitucional das Águas. Revista de Direito Ambiental, ano 7, nº 25. Coordenação: Antônio Herman V. Benjamin e Edis Milaré. Publicação Oficial do Instituto "O Direito por um Planeta Verde". Editora Revista dos Tribunais, janeiro/março de 2002, p. 207-218.