crosscheckdeposited

Florística e Fitossociologia de uma Área de Cerrado Marginal (Cerrado Baixo), Parque Nacional de Sete Cidades, Piauí

DOI: http://dx.doi.org/10.18029/1809-0109/pace.n15p1-22

http://conservacaodeecossistemas.blogspot.com.br/ 

downloadpdf

Marcelo R. Mesquita1 & Antonio A. J. F. Castro2

 

Resumo: Visando contribuir para o conhecimento da vegetação lenhosa dos cerrados marginais do estado do Piauí, foram realizadas a caracterização florística e estrutural da vegetação de uma área denominada Baixa da Conrada (04º08'78"S e 41º42'45"W), município de Brasileira, Piauí, localizada no interior do Parque Nacional de Sete Cidades. Em 30 parcelas, com dimensões de 10x20 m (200 m2), orientadas na mesma direção, foram amostrados todos os indivíduos lenhosos com diâmetro do caule ao nível do solo (DNS)  3 cm. O levantamento florístico incluiu também áreas fora das parcelas. A densidade total foi de 2.018,3 ind.ha-1. Alturas e diâmetros médios e máximos foram 3,4 m, 18,0 m, 9,4 cm e 84,7 cm, respectivamente. As famílias com maior número de espécies foram: Fabaceae (12 espécies), Caesalpiniaceae (9) e Mimosaceae (7) perfazendo um total de 30,4% das espécies coletadas. Entretanto, em termos de IVI as principais famílias foram: Combretaceae (15,9%) superando as demais, seguidas de Mimosaceae (14,3%), Vochysiaceae (12,8%) e Caesalpiniaceae (9%), perfazendo um total de 52,1% do IVI total. Das 77 espécies amostradas, Terminalia fagifolia Mart. ex Zucc, Qualea grandiflora Mart., Plathymenia reticulata Benth., Dimorphandra gardneriana Tul. e Qualea parviflora Mart. tiveram os maiores IVIs. O índice de diversidade de Shannon para as espécies foi de 3,421 nats/ind.

Palavras-chave: 1) Cerrado, 2) Florística, 3) Fitossociologia, 4) Piauí.

 

Abstract: Aiming to contribute to the knowledge of the woody vegetation of the marginal savannas of the state of Piauí, it was made the floristic and structural caracterization of the vegetation from an area denominated "Baixa da Conrada" (04º08'78"S and 41º42'45"W), in the of "Brasileira", Piauí, located in the inner part of the National Park of "Sete Cidades". In 30 parts, with the width of 10x20 m (200 m2), oriented towards the same direction, were taken amostrations from all the woody individuals which diameter, from the stem to the soil level (DNS) was  3cm. For the floristic amostrations plants from outside of the delimitated areas were collected. The total density was of 2,018.33 ind.ha-1. Medium and maximum heights and widths were 3.41 m, 18.02 m, 9.42 cm and 84.67 cm, respectively. The families with a higher number of species were: Fabaceae (12 species), Caesalpiniaceae (9) and Mimosaceae (7) making a total of 30.43% of the species collected. Though, in terms of IVI the mains families were: Combretaceae (15.91%) outnumbering the others, followed by the Mimosaceae (14.31%), Vochysiaceae (12.80%) and Caesalpiniaceae (9.08%), making a total of 52.1% from the total IVI. From the 77 colected species, Terminalia fagifolia Mart. ex Zucc, Qualea grandiflora Mart., Plathymenia reticulata Benth., Dimorphandra gardneriana Tul. and Qualea parviflora Mart. had the biggest IVIs. The Shannon diversity index for the species was of 3.421nats/ind.

Key words: 1) Savanas, 2) Floristic, 3) Phytossociology, 4) Piauí.

 

1 Biólogo, Mestre em Biologia Vegetal (PPGBV/UFPE). E-Mail: marcelomestrado@ig.com.br.
2 Professor Associado do Departamento de Biologia do Centro de Ciências da Natureza da Universidade Federal do Piauí (UFPI). E-Mail: albertojorge@ufpi.br.

 

Literatura Citada

Alcoforado Filho, F.G. 1993. Composição florística e fitossociologia de ma área de caatinga arbórea, no município de Caruaru – PE. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife.

Araújo, E.L.; Sampaio, V.S.B. & Rodal, M.J.N. 1995. Composição florística e fitossociológica de três áreas de caatinga de Pernambuco. Revista Brasileira de Biologia 55(4): 595-607.

Araújo, F.S.; Sampaio, E.V.S.B.; Rodal, M.J.N & Fernandes, A.G. 1998. Organização comunitária do componente lenhoso de três áreas de carrasco em Novo Oriente – CE. Revista Brasileira de Biologia 58 (1): 85-95.

Araújo, F.S. & Martins, F.R. 1999. Fisionomia e organização da vegetação do carrasco no Planalto da Ibiapaba, estado do Ceará. Acta Botanica Brasilica 13(1): 1-14.

Barkman, J.J. 1978. Synusial approaches to classification. In: Wittaker, R.H. Classification of communities. W. Junk, the Hague, pp. 11-16.

Brummitt, R.K. 1992. Vascular plant families and genera. Kew: Royal Botanical Gardens. 804p.

Brummitt, R.K.; Powell, C.E. 1992. Authors of plant names. Kew: Royal Botanic Gardens. 732p.

Castro A.A.J.F. 1994. Comparação Florística - geográfica (Brasil) e fitossociologia (Piauí - São Paulo) de amostra de cerrado. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Campinas.

CEPRO. 1992. Centro de Pesquisas Econômicas e Sociais do Estado do Piauí. Cerrados Piauienses -Estudo preliminar de suas Potencialidades, Secretaria de Planejamento Teresina, 63p.

Conceição, G.M. 2000. Florística e fitossociologia de uma área de cerrado marginal, Parque estadual do Mirador, Mirador, Maranhão. Dissertação de Mestrado. Universidade

Federal de Pernambuco, Recife. Dias, B.F.S. 1996. Cerrados: uma caracterização. In: Dias, B.F. de S. (coord.). Alternativas de desenvolvimento dos cerrados: manejo e conservação dos recursos naturais renováveis. 2.ed. Brasília: FUNATURA/IBAMA. p11-25.

Ferraz, E.M.N. 1994. Variação florístico-vegetacional na região do vale do Pajeú, Pernambuco. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife.

Figueirêdo, L.S.; Rodal, M.J.N. & Melo, A.L. 2000. Florística e fitossociologia de uma área de vegetação arbustiva caducufólia no município de Buíque-Pernambuco. Naturalia 25: 205-224.

Fonseca, M.R. 1991. Análise da vegetação arbustivo-arbórea da vegetação hiperxerófila do nordeste do estado de Sergipe. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Gomes, A.P.S. 1999. Florística e fitossociologia de uma vegetação arbustiva subcaducifólia no município de Buíque-Pernambuco. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife.

IBDF. 1979. Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal – M.A./Fundação Brasileira para a Conservação da Natureza (FBCN). Plano de Manejo: Parque Nacional de Sete Cidades. Brasília. 56p

Lemos, J.R. & Rodal, M.J.N. 2002. Fitossociologia do componente lenhoso de um trecho de vegetação arbustiva espinhosa no Parque Nacional Serra da Capivara, Piauí, Brasil. Acta Botanica Brasilica 16(1): 23-42.

Lima, M.G. de 2002. Estimativa da temperatura do ar no Piauí – Teresina: UFPI, 48p.

Myers, N.; Mittermeier, R.A.; Mittermeier, C.G.; Da Fonseca, G.A.B.; Kents, J. 2000. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature 403: 853-858.

Oliveira, M.E.A.; Sampaio, E.V.S.B.; Castro, A.A.J.F. & Rodal, M.J.N. 1997. Flora e Fitossociologia de uma área de transição carrasco-caatinga de areia em Padre Marcos, Piauí. Naturalia 22: 131-150.

Rodal, M.J.N. 1992. Fitossociologia da vegetação arbustivo-arbórea em quatro áreas de caatinga, Pernambuco. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas. Campinas.

Rodal, M.J.N.; Andrade, K.V.S.A.; Sales, M.F. & Gomes, A.P.S. 1998. Fitossociologia do componente lenhoso de um refúgio vegetacional no município de Buíque, Pernambuco. Revista Brasileira de Biologia 58 (3):517-526.

Sousa, M.J.M.; Martins, M.L.R.; Soares, Z.M.L. 1994. Redimensionamento da região semi-árida do Nordeste do Brasil. In: Conferência Nacional e Semi-árido Latino-americano da desertificação. Fortaleza. Anais... Brasília: Fundação Esquel do Brasil/PNUD/BNB, 1994.

SPSS, 1997. Production Facility: programa estatístico. Inc, versão 10.0. CD-ROM. Thornthwaite, C.W. & Mather, J.R. 1955. The water balance. Centerton: Laboratory of Climatology. 8 104 p.