crosscheckdeposited

Florística e Fitossociologia de Duas Áreas de Cerrado do Litoral, Tutóia e Paulino Neves, Nordeste do Maranhão

DOI: http://dx.doi.org/10.18029/1809-0109/pace.n21p1-26

http://conservacaodeecossistemas.blogspot.com.br/ 

downloadpdf

Herbesson S. Sousa, Antonio A. J. F. Castro, Francisco A. R. Soares, Ruth R. S. Farias & Samara R. Sousa

 

Resumo: Realizou-se levantamento florístico e fitossociológico em duas áreas de cerrado do litoral, nos cerrados maranhenses nos municípios de Tutóia (2º45’53” S e 42º16’28” W e 20 m) e Paulino Neves (2º43’9" S e 42º31’59"W e 4 m) situados no litoral Nordeste do Maranhão, afim de conhecer-se as características daquele tipo fisionômico de cerrado. Adotou-se o método de parcelas, com 10 unidades amostrais (20x50 m) em cada município, amostrando-se todos os indivíduos vivos lenhosos com DNS ≥ 3 cm. A análise da estrutura vegetacional foi obtida através dos parâmetros de abundância calculados pelo programa MATA NATIVA 2. A flora amostrada apresentou 25 famílias, 38 gêneros e 43 espécies botânicas. A família com maior número de indivíduos e maior valor de importância foi Apocynaceae. As espécies com maiores IVIs e IVCs foram Himatanthus sp., Ouratea hexasperma (A.St.-Hil.) Baill. e Hirtella ciliata Mart. & Zucc.. Os índices de Shannon (H’) 2,36 e 2,64 nats/ind.-¹ apresentaram-se baixos, enquanto os valores de densidade absoluta 1177,00 e 1481,00ind/ha e de área basal total 9,6931 e 9,6411ha-¹ respectivamente para Paulino Neves e Tutóia apresentaram-se superiores em relação às outras áreas estudadas no estado. Enquanto que as variações das alturas médias 1,38 a 1,42 m e máximas de 5,50 a 6,00 m apresentaram-se bastante inferiores na mesma comparação.

Palavras-chave: Cerrado Litorâneo, Fitossociologia, Floristica, Maranhão

 

Literatura Citada

AB’SÁBER, A. N. A organização natural das paisagens inter e subtropicais brasileiras. São Paulo: Instituto de Geografia da Universidade de São Paulo, 1973.

AGUIAR, L.M. de S.; CAMARGO, A.J.A. de (Ed.). Cerrado: ecologia e caracterização. Planaltina: Embrapa Cerrados; Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 249 p. 2004.

ALHEIROS, M.M. et al. Sistemas deposicionais na Formação Barreiras no Nordeste Oriental. In: CONGRESSON BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 35. Bélem. Anais... Bélem: SBG, V.2,p.753-760. 1988.

ARAIA, M. et al. Considerações sobre a idade do Grupo Barreiras no Nordeste do Pará. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 35. Bélem. Anais... Bélem: SBG, V.2,p.738-752. 1988.

ARAÚJO, M.E. Estudo geomorfológico do extremo sul do litoral da Paraíba. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Geociências, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1993.

BRASIL, Ministério das Minas e Energia. In: Folhas AS.24 Fortaleza: Geologia, pedologia, uso potencial da terra. Rio de Janeiro: RADAMBRASIL, (Levantamento de Recursos Naturais, 21), 1981.

CASTRO, A.A.J.F. Florística e fitossociologia de um cerrado marginal brasileiro, parque estadual do Vanunga, Santa Rita do Passa Quatro-SP. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 1987.

CASTRO, A.A.J.F. Comparação florístico-geográfica (Brasil) e fitossociológica (Piauí-São Paulo) de amostras de cerrado. Campinas: UNICAMP, 520 p. Tese (Doutorado), Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 1994.

CASTRO, A.A.J.F.; MARTINS, F.R. Cerrados do Brasil e do Nordeste: caracterização, área de ocupação e considerações sobre a sua fitodiversidade. Pesquisa Foco, v. 7, n. 9, p. 147-178, jan./jun., 1999.

CASTRO A.A.J.F.; CASTRO N.M.C.F.; SANTOS M.P.D. Projeto de biodiversidade e fragmentação de ecossistemas nos cerrados marginais do nordeste (versão atualizada: 2007). Publ. avulsas conserv. Ecossistemas, Teresina, n.17, p1-24, jul. (Série: Projetos de P&PG). 2007.

______. Cerrados do Brasil e do Nordeste: produção, hoje, deve também incluir manutenção da biodiversidade. In: BENJAMIN, A.H.; SÍCOLI, J.C.M. (Org./Ed.). Agricultura e meio ambiente. São Paulo: IMESP, p. 79-87. 2000.

______. Cerrados do Brasil e do Nordeste: considerações sobre os fatores ecológicos atuantes, ocupação, conservação e fitodiversidade. Revista Econômica do Nordeste, v. 27, n.2, abr./jun., p. 183-205, 1996.

______. Biodiversidade (vegetal) e ZEE: uma proposta metodológica. In: MMA (Org.) Programa Zoneamento Ecológico-Econômico: Diretrizes Metodológicas para o Zoneamento Ecológico-Econômico do Brasil. Brasília: MMA, v.1, 5p. Cd-rom. 2001.

______. Cerrados marginais do Nordeste e ecótonos associados. Relatório Técnico Anual (4). Teresina: PELD/BIOTEN/ECOCEM, 2005.

CIENTEC. Sistema para análise fitossociológica e elaboração de planos de manejo de florestas nativas. Versão 1.20. Disponível em: <http://www.cientec.net> 2001-2004.

COSTA, J.M. da. Estudo fitossociológico e sócio-ambiental de uma área de cerrado com potencial melitófilo no município de Castelo do Piauí, Piauí, Brasil. Teresina: UFPI, 2005. 145 p. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal do Piauí. Teresina, 2005.

COUTINHO, A.C. Monitoramento de áreas de cerrado através da utilização de técnicas de sensoriamento remoto e geoprocessamento. In: SIMPÓSIO SOBRE OS CERRADOS DO MEIO NORTE, 1., 1997, Teresina. Anais... Teresina: EMBRAPA, CPAMN, p. 17-19. 1997.

COUTINHO, L.M. 2002. O bioma do cerrado. In Eugen Warming e o cerrado brasileiro: um século depois (A.L. KLEIN, org.). Editora UNESP/Imprensa Oficial do Estado, São Paulo, p.78-91.

CONCEIÇÃO, G. M. da. Florística e fitossociologia de uma área de cerrado marginal, Parque Estadual do Mirador, Mirador, Maranhão. UFPE. Dissertação de Mestrado. 2000.

CRONQUIST, A. The evolution and classification of flowering plants. New York: New York Botanical Garden, 555 p. 1988.

ECOSSISTEMAS BRASILEIROS. Brasília: IBAMA, 49 p. 2001.

FIGUEIREDO, M.A. Nordeste do Brasil, relíquias vegetacionais no semi-árido cearense (cerrados). Mossoró: Escola Superior de Agricultura de Mossoró, 1989 (Coleção Mossoroense, Série B, n.646).

FELFILI, J. M.; SILVA Jr., M. C. A comparative study of cerrado (sensu stricto) Vegetation in Central Brazil. Journal of Tropical Ecology, v. 9, p. 277-289, 1993a.

FELFILI, J. M. et al. Análise comparativa da florística e fitossociologia da vegetação arbórea do cerrado sensu stricto na Chapada Pratinha, Brasil. Acta botanica Brasilica 6 (2): 27- 46. 1993b.

FELFILI, J.M. et al. Projeto biogeografia do bioma cerrado: vegetação e solos. Cadernos de Geociências 12: 75-166. 1994.

FELFILI, J. M. et al. Comparação florística e fitossociológica do cerrado nas chapadas Pratinha e dos Veadeiros. Pp. 6-11. In: L. Leite & C.H. Saito (Eds.). Contribuição ao conhecimento ecológico do cerrado. Ed. Universidade de Brasília. Brasília, DF. 1997.

FERNANDES, A.; BEZERRA, P. Estudo Fitogeográfico do Brasil. Fortaleza: Stylus Comunicações, 1990.

FERNANDES, A. Fitogeografia brasileira. Ed. Multigraf, Fortaleza. 1998.

FERREIRA, K.B. Estudo fitossociológico em uma área de cerrado marginal no município de Afonso Cunha-Ma.. São Luís, 53p. Monografia de Graduação. 1997.

FURRIER, M.; ARAÚJO, M. E.; MENESES, L. F. Geomorfologia e tectônica da Formação Barreiras no Estado da Paraíba. Geologia USP: Série Científica, v. 6, n. 2, 61-70p. 2005.

GEO BRAZIL. The state of biodiversity. In: GEO BRAZIL. Environment outlooks in Brazil. Brasília, IBAMA, p. 32. 2002.

IMAÑA-ENCINAS, J.; DE PAULA J.E. Análise da vegetação de cerrado no município de Santa Quitéria – Maranhão. BRASIL FLORESTAL – Nº 78 – 10 p 2003.

JACOMINE, P.K.T.; ALMEIDA, J.C.; MEDEIROS, L.A.R. Levantamento exploratório: reconhecimento de solos do Estado do Ceará. Recife: Convênio de mapeamento de solos MA/DNPEA – SUDENE/DRN, 1973.

KURTZ, B.C. Composição florística e estrutura do componente arbóreo de um trecho de Mata Atlântica na Estação Ecológica Estadual do Paraíso, Cachoeiras de Macacu, RJ. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 1994.

MABESOONE, J.M., CASTRO, C. Desenvolvimento Geomorfológico do Nordeste Brasileiro. Bol. Nc. Ne da SBG, Recife, n.3, p.5-36, 1975.

MESQUITA, M.R.; CASTRO, A.A.J.F. Florística e fitossociologia de um cerrado marginal (cerrado baixo), Parque Nacional de Sete Cidades. Publ. avulsas conserv. Ecossistemas, Teresina, n.15, p1-22, mar./2007.

MORI, S.A. et al. Ecological importance of Myrtaceae in a eastern Brazilian wet forest. Biotropica 15:68-70. 1983.

MORI, M.R. et al. Manual de manejo do herbário fanerogâmico. Ilhéus: Centro de Pesquisas do Cacau (CEPEC). 104 p. 1989.

MÜELLER- DOMBOIS, D.; ELLENBERGS, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: John Wiley & Sons, 1974.

OLIVEIRA-FILHO, A.T.; CARVALHO, C. Florística e fisionomia da vegetação no extremo norte do litoral da Paraíba. Revista Brasileira de Botânica 16:115-130. 1993

PEIXOTO A.L. e GENTRY, A. Diversidade e composição florística de mata de tabuleiro na Reserva Linhares (Espírito Santo, Brasil). Revista Brasileira de Botânica 13:19-25. 1990.

RODAL, M.J.N. et al. Fitossociologia do componente lenhoso de um refúgio vegetacional no município de Buíque, Pernambuco. Revista Brasileira de Biologia 58 (3): 517-526. 1998.

SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P. de – Cerrado: Ambiente e Flora. Planaltina: EMBRAPA-CPAC, 556p. 1998.

SILVA, G. C.; NASCIMENTO, M. T. Fitossociologia do componente arbóreo de um remanescente de mata sobre tabuleiros terciários no Norte Fluminense (mata do Carvão). Revista Brasileira de Botânica 24: 51-62. 2001.

SHEPHERD, G.J. FITOPAC 1: manual do usuário. Campinas: Departamento de Botânica da UNICAMP. 93 p. 1995.

SOUZA, M.J.N. Geomorfologia. In: Atlas do Ceará. Fortaleza: IPLANCE, 1989.

SPSS for Windows. Versão 10.0. Disponível em: <http://www.spss.com.br/spss/index.htm>. Acesso em: 10-13 jan. 2005.

TAVARES, S. Contibuição para o estudo da cobertura vegetal dos tabuleiros do Nordeste. Recife: SUDENE, (Coleção Mossoroense, Série B, n.494). 1988.

THORNTHWAITE, C.W.; MATHER, J.R. The water balance. Centerton: Laboratory of Climatology. 104p. (Publication in Climatology, 8). 1955.

ftp://ftp.cprm.gov.br/pub/pdf/sluisnese/sluisnese_ctgeologica.pdf - CPRM 2000 - SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL FOLHA S.A.23- X/Z SÃO LUÍS NE/SE; PROGRAMA LEVANTAMENTOS GEOLÓGICOS BÁSICOS DO BRASIL - CARTA GEOLÓGICA - ESCALA 1:500.000. Acessado em: 16/08/2007.

ftp://geoftp.ibge.gov.br/documentos/recursosnaturais/diagnosticos/maranhao.pdf - IBGE - ZONEAMENTO GEOAMBIENTAL DO ESTADO DO MARANHÃO. DIRETRIZES GERAIS PARA A ORDENAÇÃO TERRITORIAL, Salvador 1997. Acessado em: 16/08/2007.