Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Alvos de Biodiversidade (Espécies, Ecossistemas e Paisagens) nas Áreas de Influência do Parque Nacional de Sete Cidades (PN7C)

DOI: http://dx.doi.org/10.18029/1809-0109/pace.n28p1-25

http://conservacaodeecossistemas.blogspot.com.br/ 

downloadpdf

Antonio A. J. F. Castro1, Nívea M. C. F. Castro2, Antonio S. F. Castro3, Cledinaldo B. Leal4, Fernando R. Martins5, Gardene M. Sousa6, Iona'i O. Moura7, Janete D. N. Paranhos8, Clêda D. Galvíncio9, Leandro T. Vieira10, Márcio A. S. R. Freitas11, Maria F. A. Torres12, Paulo R. R. Silva13, Ruth R. S. Farias14, Samara R. Sousa15, Vitor H. G. L. Cavalcante16 & Wáldima A. Rocha17

 

Resumo: A Caatinga é o único bioma exclusivamente brasileiro e certamente um dos mais alterados pelas atividades humanas nos últimos séculos. No Piauí existem grandes áreas ricas em biodiversidade e, portanto, conhecer e guardar informações a respeito desta diversidade biológica significativa é necessário para a ampliação do conhecimento científico, além de ferramenta importante nas decisões conservacionistas. Entretanto, as áreas naturais estão sendo perdidas em um ritmo muito acelerado levando com elas muitas espécies à extinção, várias das quais ainda desconhecidas. Uma das mais importantes áreas de tensão ecológica, ou de mosaico de ecótonos, localiza-se na região setentrional do Piauí, pertencente ao bioma Caatinga, que abriga vários tipos de vegetação, razão pela qual, em 1998, quando se fizeram as primeiras propostas de áreas prioritárias para a conservação da biodiversidade do cerrado e pantanal, esta região foi nomeada como Área dos Três Biomas, ainda que o "carrasco" não tenha correspondência com um Bioma próprio, mas como um dos tipos de vegetação "seca" do bioma Caatinga, área esta na qual esta inserido o Parque Nacional de Sete Cidades (PN7C). A herpetofauna e os insetos do bioma Caatinga, enquanto bons bioindicadores, ainda são pouco estudados e os inventários existentes são em geral relativos a levantamentos faunísticos de pequenas áreas, contudo, é consenso entre esses estudos de que o bioma Caatinga não é homogêneo, comportando-se como um mosaico de várias fitofisionomias, com manchas de Cerrado e Carrasco, mormente em nossa região. Esta heterogeneidade de ambientes reflete diretamente na fauna, resultando na presença de comunidades diferentes. O monitoramento da superfície da terra em longa escala de tempo é necessário para descrever a resposta do ecossistema às variabilidades climáticas e antrópicas. Dentre os biomas, a Caatinga é um dos que menos possui estudos científicos. Desta forma, considera-se que seja importante avaliar o comportamento espectral e a taxa de alteração da cobertura vegetal do PN7C e seu entorno. Essas análises serão efetuadas entre os períodos úmidos e secos, em que existam imagens dos satélites Landsat, NOAA, IKONOS, MODIS e Hyperion disponíveis, e seja possível identificar as variações no comportamento espectral e na fração da cobertura da vegetação, como decorrência de ações de origem antrópica local e regional. A avaliação das condições ambientais é um instrumento fundamental para o processo de planejamento e gestão de áreas protegidas. Assim, é importante discutir o uso e ocupação do solo, que pode alterar tanto a biomassa como a biodiversidade dos ecossistemas. Assim, faz-se necessário realizar inventários florístico-fitossociológicos e faunísticos (répteis, anfíbios e insetos), sempre georreferenciados, nas áreas de entorno do PN7C e em municípios da Área 110; comparar os levantamentos de dentro e de fora do Parque quanto à efetividade/status do posicionamento ecológico (em plantas, o posicionamento fitossociológico) de espécies e populações vegetais e  animais comuns; selecionar as espécies endêmicas, ameaçadas e raras, bem como as que apresentam "deficiência de dados", a partir das observações de campo, pesquisa bibliográfica e sondagem junto às comunidades humanas do entorno, para a construção da Lista (Oficial) da Biota Ameaçada com base em critérios da IUCN; oferecer subsídios para a elaboração de estratégias de gerenciamento que possam garantir a preservação, uso e/ou manejo das áreas em questão, inclusive no que diz respeito ao estabelecimento de parcerias com a iniciativa privada no âmbito do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC). Os levantamentos  fitossociológicos serão feitos com base no MCP e PAFM. O herbário de referência 1 e o FLORACENE 2 serão informatizados e compilados, respectivamente. Para a herpetofauna será realizada uma amostragem para cada área selecionada, com utilização de PLT, PEst, EO, CT e PEsc. Na entomologia serão utilizadas armadilhas luminosas, etanólicas, caça-moscas e pitfall, além de redes entomológicas. Por fim para o mapeamento serão utilizados os "softwares" Arc Gis 9.3, Erdas 9.3. e os que são "livres" e de uso corrente.

Palavras-chave: BIOSETE, Ecótonos Cerrado/Caatinga/Carrasco, Complexo de Campo Maior.

 

1 Pesquisador (Líder) do BIOTEN, Coordenador Geral do Sítio 10 (PELD/CNPq) e Professor Associado II do Departamento de Biologia do Centro de Ciências da Natureza da Universidade Federal do Piauí (UFPI). E-Mail: albertojorgecastro@gmail.com
2 Bióloga, Mestre em Botânica (PPGB/UFPE), Coordenadora de Extensão e Membro da Equipe Técnica do Sítio 10 (PELD/CNPq). E-Mail: nmcfcastro@hotmail.com
3 Engenheiro Agrônomo, Especialista em Botânica (UFC), Pesquisador Visitante do Sítio 10 (PELD/CNPq) e do bioTEN. E-Mail: antoniosergio@floradoceara.com
4 EAD/UFPI. E-Mail: cledinaldo@ufpi.edu.br.
5 Professor Livre-Docente do Departamento de Botânica do Instituto de Biologia da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). E-Mail: fmartins@unicamp.br
6 Departamento de Biologia (CCN/UFPI). E-Mail: gardene@terra.com.br.
7 MMA/SBF. E-Mail: ionai.moura@mma.gov.br.
8 Departamento de Biologia (CCN/UFPI). E-Mail: jparanhos@ufpi.edu.br. Josi
9 UFPE. E-Mail: josicleda@ibest.com.br.
10 PPGBV (UNICAMP). E-Mail: vieiralt@yahoo.com.br.
11 SEMAR/PI. E-Mail: marcio.srf@hotmail.com.
12 UFPE. E-Mail: daetorres@hotmail.com.
13 CCA/UFPI. E-Mail: pramalhoufpi@yahoo.com.br.
14 Bióloga, Mestre em Biologia Vegetal (PPGBV/UFPE), Pesquisadora do Sítio 10 (PELD/CNPq) e do bioTEN. E-Mail: ruthraquel@ibest.com.br
15 Bióloga, Assistente de Pesquisa, Membro da Equipe Técnica do Sítio 10 (PELD/CNPq) e do bioTEN. E-Mail: sambio2007@hotmail.com
16 IFPI. E-Mail: vitor.cavalcante@ifpi.edu.br.
17 MEC/CAPES/UFPI. E-Mail: waldima@yahoo.com.br.

   

Literatura Citada

AFONSO, M.; ALENCAR, M.R. de; CASTRO, A.A.J.F.; RAMOS NETO, M.B.; MEDEIROS, E.V. e S. de; OLIVEIRA, M.B. de; BRITO, A.P. de; SOUSA, A.V. de; ARAÚJO, D.S. de; MELO NETO, J.C. de; PAZ, J.M.R.; CARDOSO, P.G. Parque Nacional de Sete Cidades (PN7C), Piauí: proposta de ampliação. Publ. avulsas conserv. ecossistemas, Teresina, n.19, p.1- 36, abr./2008. (Série: Projetos de P&PG). ISSN 1809-0109.

ALLEN, R. G., TREZZA, R., TASUMI, M. Surface energy balance algorithms for land. Advance training and users manual, version 1.0, p.98, 2002.

ALMEIDA, S. A. S., FRANÇA, R. S., CUELLAR, M. Z. Uso e ocupação do solo no bioma caatinga do estado do Rio Grande do Norte. Anais XIV Simpósio de Sensoriamento Remoto, Natal - RN, Brasil, Pp.5555-5561, 25 a 30 de abril de 2009.

ANDRADE-LIMA, D. 1981. The caatinga dominium. Revista Brasileira de Botânica 4: 149-153.

ARAÚJO, F. S., RODAL, M. J. N., BARBOSA, M. R. V. Análise das variações da biodiversidade do bioma caatinga: suporte a estratégias regionais de conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2005. 448p. Pp.184-201.

BARROS, J. S., FARIAS, R. R. S., CASTRO, A. A. J. F. Compartimentação geoambiental no Complexo de Campo Maior, Piauí: caracterização de um mosaico de ecótonos. In: CASTRO, A. A. J. F., ARZABE, C., CASTRO, N. M. C. F. (Orgs.). Biodiversidade e ecótonos da região setentrional do Piauí.Teresina: EDUFPI, 2010. Pp.25-43. (Desenvolvimento e Meio Ambiente, 5). ISBN 978-85-7463-384-8.

BASTIAANSSEN, W. G. M. Regionalization of surface flux densities and moisture indicators in composite terrain. Ph.D. Thesis, Wageningem Agricultural University, Wageningen, Netherlands, 273p, 1995.

BORGES-NOJOSA, D. M., CARAMASCHI, U. Composição e análise comparativa da diversidade e das afinidades biogeográficas dos lagartos e anfisbenideos (Squamata) dos brejos nordestinos. In: LEAL, I., TABARELLI, M., SILVA, J. M. C. (Orgs.). Ecologia e conservação da Caatinga. Recife: UFPE, 2003. 822p. Pp.489-540.

BORGES-NOJOZA, D. M.; ARZABE, C. Diversidade de anfíbios e répteis em áreas prioritárias para a conservação da Caatinga. In: ARAÚJO, F. S., RODAL, M. J. N., BARBOSA, M. R. V. (Eds.). Análise das variações da biodiversidade do Bioma Caatinga: suporte a estratégias regionais de conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2005. 448p. Pp.227-290.

BRANCO, R. T. P. C., PORTELA, G. L. F., BARBOSA, O. A. A., SILVA, P. R. R., PÁDUA, L. E. de M. 2010. Análise faunística de insetos associados à cultura da cana-de-açúcar, em área de transição floresta amazônica cerrado (mata decocal), no município de União, Piauí, Brasil. Semina. Ciências Agrárias (Impresso), v.31, Pp.1113-1120.

BRUMMITT, R. K. Vascular plant families and genera. Kew: Royal Botanic Gardens, 1992. 804p.

BRUMMITT, R. K., POWELL, C. E. Authors of plant names. Kew: Royal Botanic Gardens, 1992. 732p.

BYRNE, P. G. 2002. Climatic correlates of breeding, simultaneous polyandry and potential for sperm competition in the frog Crinia georgiana. Journal of Herpetology, Lawrence, 36(1):125-129.

CASTRO, A. A. J. F. Unidades de planejamento: uma proposta para o estado do Piauí com base na dimensão diversidade de ecossistemas. Publ. avulsas conserv. ecossistemas, Teresina, n.18, p.1-28, set./2007. (Série: Publicações Prévias). ISSN 1809-0109.

CASTRO, A. A. J. F., MARTINS, F. R. Cerrados do Brasil e do Nordeste: caracterização, área de ocupação e considerações sobre a sua fitodiversidade. Pesquisa em Foco, São Luís, vol.7, n.9, Pp.147-178, 1999.

CASTRO, A. A. J. F., MARTINS, F. R., FERNANDES, A. G. The woody flora of cerrado vegetation in the state of Piauí, northeastern Brazil. Edinburgh Journal of Botany, Edinburgh, vol.55, n.3, Pp.455-72, 1998.

CASTRO, A. A. J. F.; FARIAS, R. R. S. de. Protocolo de avaliação fitossociológica mínima (PAFM): uma proposta metodológica para o estudo do componente lenhoso da vegetação do Nordeste. In: CASTRO, A. A. J. F.; ARZABE, C.;

CASTRO, N. M. C. F. (Orgs.). Biodiversidade e ecótonos da região setentrional do Piauí. Teresina: EDUFPI, 2010. Pp.11-24. (Desenvolvimento e Meio Ambiente, 5). ISBN 978-85-7463-384-8.

CASTRO, A. A. J. F. Caracterização da vegetação do meio-norte. In: Simpósio sobre os cerrados do Meio-Norte, 1. Teresina, 1997. Anais… Teresina: EMBRAPA Meio Norte. Pp.45-56. (EMBRAPA-CPAMN. Documentos, 27).

CASTRO, A. A. J. F. Cerrados do Brasil e do Nordeste: considerações sobre os fatores ecológicos atuantes, ocupação, conservação e fitodiversidade. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, vol.27, n.2, Pp.183-205, abr./jun. 1996.

CASTRO, A. A. J. F. Comparação florístico-geográfica (Brasil) e fitossociológica (Piauí - São Paulo) de amostras de cerrado. Campinas: UNICAMP, 1994a. 520p. Tese de Doutorado.

CASTRO, A. A. J. F.; BARROS, J. S.; COSTA, J. M.; SANTOS, M. P. D.; PIRES, M. F. O.; MENDES, M. R. A.; CASTRO, N. M. C. F.; FARIAS, R. R. S.; SOUSA, S. R. Cerrados marginais do Nordeste e ecótonos associados: sítio 10 do PELD (Período 2001/2011). Teresina: EDUFPI/Gráfica do POVO: 2010. 55p. ISBN 978-85-7463-355-8.

COIMBRA-FILHO, A. F., MAIA, A. A. Preliminares acerca da situação da fauna no Parque Nacional de Sete Cidades, Estado do Piauí. Fundação Brasileira para a Conservação da Natureza. 14:42-61. 1979.

COLWELL, R. K. EstimateS: Statistical estimation of species richness and shared species from samples. Version 7.5. Sinauer Associates, Sunderland, Massachusetts, 2005.

COLWELL, R. K., CODDINGTON, J. A. Estimating terrestrial biodiversity through extrapolation. Philosophical transactions of the Royal Society (Series B), 345:101-118. 1994.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA. 2002. Resolução no 714 de 2002.

CROUCH III, W. B., PATON, P. W. C. Assessing the use of call surveys to monitor breeding anurans in Rhode Island. Journal of Herpetology, Lawrence, 36(2):185-192. 2002.

CUNHA, O., NASCIMENTO, F. P. Ofídios da Amazônia. X. As cobras da região leste do Pará. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi. 1978. (Publicações Avulsas do Museu Paraense Emílio Goeldi, 32). Outra citação: AVILAPIRES, T. C. A contribuição de Osvaldo Rodrigues da Cunha (1928-2011) à Herpetologia. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, vol.6, n.1, Pp.229-231, jan.-abr./ 2011.

DUELLMAN, W.E., TRUEB, L. Biology of amphibians. Baltimore, The Johns Hopkins University Press, 1994. 670p.

EITEN, G. The cerrado vegetation of Brazil. The Botanical Review, New York, vol.38, n.2, pp.201-341, abr./jun, 1972.

FELFILI, J. M., EISENLOHR, P. V., MELO, M. M. da R. F. de, ANDRADE, L. A. de, MEIRA NETO, J. A. A. (Eds.). Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de casos. Vol.1. Viçosa: Editora UFV, 2011. 558p.

FEITOSA, S. S., SILVA, P. R. R., PÁDUA, L. E. M., CARVALHO, E. M. S., PAIVA, D. R. Flutuação populacional de moscasdas- frutas (Diptera: Tephritidae) associadas a variedades de manga no município de José de Freitas - Piauí. Revista Brasileira de Fruticultura (Impresso), v.30, 2007. Pp.112-117.

FERNANDES, A.G., BEZERRA, P. Estudo fitogeográfico do Brasil. Fortaleza: Stylus Comunicações, 1990. 205p. RANCO, F.L., SALOMÃO, M.G., AURICCHIO, P. Répteis. In: Auricchio, P. Manual de técnicas e preparação devertebrados. Instituto Pau-Brasil de Historia Natural. Arujá – SP, 2002. Pp.77-121.

GREENBERG, C. H., NEARY, D. G., HARRIS. L. D. A comparison of herpetofaunal sampling effectiveness of pitfall, single-ended, and double-ended funnel traps used with drift fences. Journal of Herpetology, 28:19-324. 1994.

HAIDAR, R. F.; FELFILI, J. M.; MATOS, M. Q.; CASTRO, A. A. J. F.; Fitossociologia e diversidade de manchas naturais de floresta estacional semidecidual no Parque Nacional de Sete Cidades (PN7C), Piauí, Brasil. Biodiversidade e Ecótonos da Região Setentrional do Piauí, Teresina, 5: 141-165, 2010.

HOGE, A. R., RUSSO, C. R., SANTOS, M. C., FURTADO, M. F. D. 1978/1979. Snakes collected by "Projeto Rondon XXII" to Piauí, Brazil. Memórias do Instituto Butantã - SP 42/43:87-94. 1978/1979.

HUETE, A. R., JACKSON, R. D., POST, D. F. Spectral response of a plant canopy with different soil backgrounds, Remote Sens. Environ. 17:37-53, 1985.

HUETE, A. R., POST, D. F., JACKSON, R. D. Soil spectral effects on 4-space vegetation discrimination, Remote Sens. Environ. 15:155-165, 1984.

JONES, K. B. Effects of grazing on lizard abundance and diversity in western Arizona. Southwestern Naturalist 26:107-115. 1981.

JUDD, W. S., CAMPBELL, C. S., KELLOGG, E. A, STEVENS, P. F., DONOGHUE, M. J. Sistemática vegetal: um enfoque filogenético. 3.ed. Porto Alegre: ARTMED, 2009. 632p.

JUNGES, A. H., ALVES, G, FONTANA, D.C. Estudo indicativo do comportamento do NDVI e EVI em lavouras de cereais de inverno da região norte do Estado do Rio Grande do Sul, através de imagens MODIS. Anais do XIII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Florianópolis, Brasil. 21-26 abril2007, INPE, Pp.241-248.

KERSTEN, R. de A., GALVÃO, F. Suficiência amostral em inventários florísticos e fitossociológicos. Cap.5. In: FELFILI, J. M., EISENLOHR, P. V., MELO, M. M. da R. F., ANDRADE, L. A. de, MEIRA NETO, J. A. A. (Eds.). Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de caso. Vol.1. Viçosa: EUFV, 2011.Pp.156-173.

LIMA, M. M.; MONTEIRO, R.; CASTRO, A. A. J. F.; COSTA, J. M. Levantamento florístico e fitossociológico do morro do Cascudo, área de entorno do Parque Nacional de Sete Cidades (PN7C), Piauí, Brasil. In: CASTRO, A. A. J. F.; ARZABE, C.; CASTRO, N. M. C. F. (Orgs.). Biodiversidade e ecótonos da região setentrional do Piauí. Teresina: EDUFPI, 2010. Pp. 186-207. (Desenvolvimento e Meio Ambiente, 5). ISBN 978-85-7463-384-8.

LINDOSO, G. S.; FELFILI, J. M.; CASTRO, A. A. J. F. Diversidade e estrutura do cerrado sensu stricto sobre areia (neossolo quartzarênico) no Parque Nacional de Sete Cidades (PN7C), Piauí. In: CASTRO, A. A. J. F.; ARZABE, C.; CASTRO, N. M. C. F. (Orgs.). Biodiversidade e ecótonos da região setentrional do Piauí. Teresina: EDUFPI, 2010. Pp. 90-115. (Desenvolvimento e Meio Ambiente, 5). ISBN 978-85-7463-384-8.

LOEHLE, C., WIGLEY, T. B., SHIPMAN, P. A., FOX, S. F., RUTZMOSER, S., THILL, R. E., MELCHIORS, M. A. Herpetofaunal species richness responses to forest landscape structure in Arkansas. Forest Ecology and Management 209:293-308. 2005.

LOPES, P. P. Beetles in the Brazilian semi-arid: Remarkable, but Almost Unknown. In: QUEIRÓZ, L. P. de; RAPINI, A.; GIULIETI, A. M. (Orgs.). Towards greater knowledge of the Brazilian semi-arid biodiversity. Brasília: MCT, 2006. Pp.93-96.

MAGURRAN, A. E. Ecological diversity and its measurement. Pricenton: Princenton University Pr., 1988.

MARTINS, M., OLIVEIRA, M. E. Natural history of snakes in forests in the Manaus region, Central Amazonia, Brazil. Herpetological Natural History 6(20):78-150. 1998.

MATOS, M. Q.; FELFILI, J. M.; HAIDAR, R. F.; CASTRO, A. A. J. F. Regeneração natural da vegetação arbórea nas matas de galeria do Parque Nacional de Sete Cidades (PN7C), Piauí, Brasil. Biodiversidade e Ecótonos da Região Setentrional do Piauí, Teresina, 5: 166-185, 2010.

MESQUITA, M.R.; CASTRO, A.A.J.F. Florística e fitossociologia de uma área de cerrado marginal (cerrado baixo), Parque Nacional de Sete Cidades, Piauí. Publ. avulsas conserv. ecossistemas, Teresina, n.15, p.1-22, mar./2007. (Série: Publicações Prévias). ISSN 1809-0109.

MMA. Ministério do Meio Ambiente. Avaliação e identificação de áreas e ações prioritárias para a conservação, utilização sustentável e repartição dos benefícios da biodiversidade nos biomas brasileiros. Brasília: MMA/SBF, 2002. 404p.

MMA. Ministério do Meio Ambiente. Fragmentação de ecossistemas: causas, efeitos sobre a biodiversidade e recomendações de políticas públicas. Denise Marçal Rambaldi & Daniela América Suaréz de Oliveira (Orgs.). Brasília: MMA/SBF, 2003. 510p.

MORSE, A., ALLEN, R. G., TASUMI, M., KRAMBER, W. J., TREZZA, R. & WRIGHT, J. Application of the SEBAL Methodology for Estimating Evapotranspiration and Consumptive Use of Water Through Remote Sensing. Final Report, 220p, 2001.

MOURA, I. O.; FELFILI, J. M.; PINTO, J. R. R.; CASTRO, A. A. J. F. Composição florística e estrutura do componente lenhoso em cerrado sensu stricto sobre afloramentos rochosos no Parque Nacional de Sete Cidades (PN7C), Piauí. In: CASTRO, A. A. J. F.; ARZABE, C.; CASTRO, N. M. C. F. (Orgs.).Biodiversidade e ecótonos da região setentrional do Piauí. Teresina: EDUFPI, 2010. Pp. 116-140. (Desenvolvimento e Meio Ambiente, 5). ISBN 978-85-7463-384-8.

NEIVA, A., PENNA, B. Viagem científica pelo Norte da Bahia, sudoeste de Pernambuco, sul do Piauhí e de norte a sul de Goiaz. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz 8(3):74-126. 1916.

OLIVEIRA, M. E. A. Mapeamento, florística e estrutura da transição campo-floresta na vegetação (cerrado) do Parque Nacional de Sete Cidades, Nordeste do Brasil. Campinas: UNICAMP, 2004. 151p. (Tese de Doutorado).

OLIVEIRA, M. E. A., MARTINS, F. R., CASTRO, A. A. J. F., SANTOS, J. R. dos. Classes de cobertura vegetal do Parque Nacional de Sete Cidades (transição campo-floresta) utilizando imagens TM/Landsat, NE do Brasil. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 13. Florianópolis, 2007. Anais... São José dos Campos: INPE, 2007. Pp.1.775-1.783.

OLIVEIRA, M. E. A.; CASTRO, A. A. J. F.; MARTINS, F. R. Classificação e caracterização dos tipos vegetacionais do Parque Nacional de Sete Cidades (PN7C), Piauí, Brasil. In: CASTRO, A. A. J. F.; ARZABE, C.; CASTRO, N. M. C. F. (Orgs.). Biodiversidade e ecótonos da região setentrional do Piauí.Teresina: EDUFPI, 2010. Pp. 66-89. (Desenvolvimento e Meio Ambiente, 5). ISBN 978-85-7463-384-8.

OLMOS, F. Répteis observados no Parque Nacional Serra da Capivara e áreas adjacentes. In: Fundham (Ed.), Parque Nacional Serra da Capivara, Piauí, Brasil. Pp.1-87. 1998.

PAZ, J. K.S., SILVA, P. R. R., PÁDUA, L. E. M., IDE, S., CARVALHO, E. M. S., FEITOSA, S. S. Monitoramento de coleobrocas associadas à mangueira no município de José de Freitas, Estado do Piauí. Revista Brasileira de Fruticultura (Impresso), v.30, Pp.348-355. 2007.

POUGH, F. H., ANDREWS, R. M., CADLE, J.E., CRUMP, M. L., SAVITZKY, A. H., WELLS, K. D. Herpetology. Prentice Hall, Upper Saddle River, New Jersey, 1998.

QUARTAROLI, C. F. Classificação de Imagens de Sensoriamento Remoto: tutorial básico. Campinas: Embrapa Monitoramento por Satélite, 2006.50p.: Il (Embrapa Monitoramento por Satélite. Documentos, 56) ISSN 1806-3322.

RATTER, J. A.; BRIDGEWATER, S.; RIBEIRO, J. F. Analysis of the floristic composition of the Brazilian cerradão vegetation III. Comparison of the woody vegetation of 376 areas. Edinburgh Journal of Botany, Edinburgh, vol.60, n.1, Pp.57-109, 2003.

RATTER, J. A.; BRIDGEWATER, S.; RIBEIRO, J. F. Biodiversity patterns of the woody vegetation of the Braziliancerrado. Cap.2. In: PENNINGTON, R.T.; LEWIS, G.P.; RATTER, J.A. (eds.). Neotropical savannas and seasonally dry forests: plant diversity, biogeography, and conservation. Boca Raton, FL, USA. Pp.31-66, 2006.

RESERVAS DA BIOSFERA. Disponível em http://www.brazadv.com.br/brasil/reservas-biosfera.png. 2011. (acesso em 05/10/2011).

RIBEIRO-JÚNIOR, M. A., GARDNER, T. A., ÁVILA-PIRES, T. C. S. Evaluating the effectiveness of herpetofaunal sampling techniques across a gradient of habitat change in a tropical forest landscape. Journal of Herpetology 42(4):733‑749. 2008.

RIVAS, M. P. (Coord.). Macrozoneamento geoambiental da bacia hidrográfica do rio Parnaíba. Rio de Janeiro: IBGE, 1996. 111p. (Série Estudos e Pesquisas em Geociências, 4).

RIZZINI, C.T. A flora do cerrado; análise florística das savanas centrais. In: FERRI, M.G. (coord.). Simpósio sobre o cerrado. São Paulo: Ed. Edgard Blücher/EDUSP, 1963. Pp.105-53.

RIZZINI, C.T. Tratado de fitogeografia do Brasil: aspectos sociológicos e florísticos. v.2. São Paulo: HUCITEC/EDUSP, 1979. 374p.

ROCHA, W. A., PRUDENTE, A. L. C. The snake assemblage of Parque Nacional de Sete Cidades, State of Piauí, Brazil. South American Journal of Herpetology 5(2):132-142. 2010.

ROCHA, W. A., SANTOS, M. P. D. Análise ecológica da ofidiofauna da área do Nazareth Eco Resort, município de José de Freitas, Piauí. Publicações Avulsas em Ciências Ambientais 11:1-12. 2004.

RODRIGUES, F. S., PRUDENTE, A. L. C. The snake assemblage (Squamata. Serpentes) of Cerrado-Caatinga transition area in Castelo do Piauí, state of Piauí, Brazil. Revista Brasileira de Zoologia. ZOOLOGIA 28(4):440-448. 2011.

RODRIGUES, M. T. Herpetofauna da caatinga. In: LEAL, I. R., TABARELLI, M., SILVA, J. M. C. (Eds.). Ecologia e conservação da caatinga. Editora Universitária da UFPE, 2003. 822p. Pp.181-236.

RODRIGUES, M. T. Herpetofauna. In: SILVA, J. M. C., TABARELLI, M., FONSECA, M. T. da, LINS, L. V. (Orgs.). Biodiversidade da caatinga: áreas e ações prioritárias para a conservação. Brasília, DF: MMA/UFPE, 2004. 382p.

SAMPAIO, Y., ALCÂNTARA, R., SAMPAIO, E. Ação antrópica e biodiversidade: o índice de pressão antrópica em Pernambuco. In: Diagnóstico da biodiversidade de Pernambuco. Recife: SISNAMA, FUNDAJ, Editora Massangana, 2002. Pp.697-705.

SAWAYA, R. J., MARQUES, O. A. V., MARTINS, M. Composição e história natural das serpentes de Cerrado de Itirapina, São Paulo, sudeste do Brasil. Biota Neotropica. 8(2), 127-149. 2008.

SAZIMA, I., HADDAD, C.F.B. Répteis da serra do Japi: notas sobre história natural. In: História Natural da Serra do Japi. Ecologia e preservação de uma área florestal no sudeste do Brasil. Patrícia Morellato (Org.). Editora da UNICAMP. Pp.212-235. 1992.

SOLÓRZANO, A. Análise Fitogeográfica do Cerradão: conexões florísticas, padrões estruturais, relações ecológicas e modelagem de sua distribuição potencial. Brasília: UnB, 2011. 115p. (Tese de Doutorado). TCA. Tratado de Cooperacion Amazonica. Amazonia sin mitos. Quito: BID/PNUD/TCA, 1992.111p.

VANZOLINI, P. E., RAMOS-COSTA, A. M. M., VITT, L. J. Répteis das caatingas. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Ciências, 1980. 161p.

VASCONCELLOS, A. et al. 2010. Seasonality of insects in the semi-arid Caatinga of northeastern Brazil. Revista Brasileira de entomologia. [online]., v.54, n.3, p. 471-476. 2010.

VELLOSO, A. L., SAMPAIO, E. V. S. B., GIULIETTI, A. M., BARBOSA, M. R. V., CASTRO, A. A. J. F. et al. Ecorregiões: propostas para o bioma Caatinga. Recife: APNE/TNC, 2002. 75p.

VITT, L. J., CALDWELL, J. P. Resource utilization and guild structure of small vertebrates in the Amazon forest leaf litter. Journal of Zoology, 234: 463-476. 1994.

WEISS, J. L., GUTZLER, D. S., COONROD, J. E., DAHM, A. C. N. Long-term vegetation monitoring with NDVI in a diverse semi-arid setting, central New Mexico, USA. Journal of Arid Environments 58(2004):249–272.

ZAHER, H. (Responsável Técnico). Diversidade de vertebrados terrestres da estação ecológica de Uruçui-Una, Piauí. Relatório não publicado apresentado ao IBAMA - PI. 2001. CD-ROM.

ZAHER, H. (Responsável Técnico). Relatório sobre o levantamento preliminar da fauna de vertebrados terrestres do Parque Nacional da Serra das Confusões, Piauí. Relatório não publicado apresentado ao IBAMA - PI. 2002. Pp.1-41.