Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Subsídios Científicos para a Ampliação do Parque Nacional de Sete Cidades (PN7C): Análise da Biodiversidade nas Áreas a Serem Incorporadas e Entorno

DOI: http://dx.doi.org/10.18029/1809-0109/pace.n29p1-37

http://conservacaodeecossistemas.blogspot.com.br/ 

downloadpdf

Antonio A. J. F. Castro1, José G. F. Gomes Filho2, Rosana A. Souza3, Bruno B. Annunziata4, Cledinaldo B. Leal5, Eliesé I. Rodrigues6, Gardene M. Sousa7, Guilherme F. Gondolo8, Janete D. N. Paranhos9, José S. Barros10, Márcia R. Alencar11, Maura R. A. Mendes12, Nívea M. C. F. Castro13, Paulo R. R. Silva14, Ruth R. S. Farias15, Samara R. Sousa16, Vitor H. G. L. Cavalcante17 & Wáldima A. Rocha18

 

Resumo: O Parque Nacional de Sete Cidades (PN7C) é uma unidade de conservação federal, criada por lei em 1961, e está localizado na porção setentrional do Estado do Piauí, nos municípios de Piracuruca e Brasileira. Estudos anteriores sugerem a necessidade da ampliação do PN7C diante de pressões relacionadas à ocupação humana desordenada de áreas adjacentes ao parque, e ao uso dessas áreas para atividades de pecuária extensiva e práticas de queimada. Esses fatores poderiam colocar em risco a eficiência do Parque na preservação da integridade de populações e comunidades locais e de recursos hídricos importantes presentes em seu entorno. A ampliação proposta prevê o aumento da área do Parque de 6.221,5 ha para 10.163,5 ha. Apesar disto, existem grandes lacunas no conhecimento atual sobre a biota presente no PN7C e em suas áreas adjacentes, fato que impede uma estimativa detalhada: a) dos riscos oferecidos pelas pressões acima citadas, b) do aumento da representatividade funcional e taxonômica da biota preservada obtida com a ampliação, c) dos benefícios obtidos com a ampliação do parque para a capacidade do parque de sua zona de abafamento de resistir as pressões antrópicas externas. Este artigo apresenta a proposta de um programa de investigação, elaborado por uma equipe de especialistas em diferentes áreas da botânica, zoologia e ecologia, com o intuito de contribuir para a efetividade da ampliação proposta para o PN7C. Os autores acreditam que, através do fornecimento de informações científicas sobre a fauna e flora locais e sobre os processos ecológicos que operam no interior do Parque e em suas áreas adjacentes, este programa ofereceria fortes subsídios à ampliação. Este artigo fornece estratégias operacionais, metodologias de coleta e desenhos amostrais para os seguintes grupos funcionais e taxonômicos a serem estudados: Vegetais, incluindo o estrato arbóreo-arbustivo e o herbáceo-subarbustivo; organismos aquáticos, incluindo peixes, invertebrados bentônicos, zooplâncton e fitoplâncton; anfíbios; répteis; e insetos terrestres. O estudo aqui proposto inclui a realização de levantamentos da biota e investigação de seus padrões de distribuição e abundância, registros georreferenciados e catalogação de espécimes em coleções científicas, estimativas das taxas de endemismo de diferentes grupos taxonômicos, e investigação da influência de variáveis físicas e biológicas sobre a estrutura e funcionamento das comunidades vegetais e animais da região.

Palavras-chave: Parque Nacional; Ampliação de Área; Cerrados do Nordeste; Biodiversidade.

 

Abstract: The environmental protection area known as Parque Nacional de Sete Cidades (PN7C) is a conservation reserve established by the Brazilian government in 1961, and is situated on the northern portion of Piauí State, in the municipalities of Piracuruca and Brasileira. Previous studies suggested the need of an enlargement of the reserve´s area in order to face pressures related to the irrational human occupation of adjacent areas and use of these areas for activities such as cattle farming and slash-and-burn practices. These factors potentially threaten the effectiveness of the park in preserving the integrity of local populations and communities and the quality of important local water resources. According to this proposal, the total area of the reserve will increase from 6,221.5 ha to 10,163.5 ha. Nevertheless, there are great knowledge gaps on the resident species in the PN7C and its adjacent areas, which unable a detailed estimate of: a) the risks imposed by the pressures mentioned above, b) the increment of the biological components preserved obtained by an enlargement, and c) the benefits of the enlargement to the capacity of the reserve and its buffer zone in resisting external anthropogenic pressures. This article presents a proposal of an investigation program, designed by a team of specialists on different areas of botany, zoology and ecology, aiming to contribute to the feasibility of the PN7C's proposed enlargement. The authors believe that by providing scientific information on the local fauna and flora and the ecological processes operating within the reserve and adjacent areas, the program would provide strong subsidies for the enlargement. This article provides a framework that includes operational strategies and sampling methodologies and designs for the following taxonomic and functional groups: Plants, including the trees, shrubs, subshrubs and herbs; aquatic organisms, including fishes, benthic invertebrates, zooplankton and phytoplankton; amphibians; reptiles; and terrestrial insects. The study proposed here includes surveying the biological components and investigating the patterns of distribution and abundance of species within the reserve and in its adjacent areas; georeferencing and including specimens in scientific collections; estimating endemism rates of different taxonomic groups; and addressing the role of biological and physical factors on the structure and function of local plant and animal communities.

Key words: National Park; Expansion Area; Northeast of Savannah; Biodiversity.

 

1 Pesquisador (Líder) do bioTEN, Coordenador Geral do Sítio 10 (PELD/CNPq) e Professor Associado II do Departamento de Biologia do Centro de Ciências da Natureza da Universidade Federal do Piauí (UFPI). E-Mail: albertojorgecastro@gmail.com
2 CEAD/UFPI e Departamento de Biologia (CCN/UFPI). E-Mail: gerardogomes@yahoo.com.br.
3 CEAD/UFPI e Departamento de Biologia (CCN/UFPI). E-Mail: rosanaaquino@yahoo.com.br.
4 UESPI Campo Maior. E-Mail: barcellos.ba@gmail.com.
5 CEAD/UFPI. E-Mail: cledinaldo@ufpi.edu.br.
6 CEAD/UFPI. E-Mail: elieseuapi@gmail.com.
7 Departamento de Biologia (CCN/UFPI). E-Mail: gardene@terra.com.br.
8 UESPI Campo Maior. E-Mail: gondolo@gmail.com.
9 Departamento de Biologia (CCN/UFPI). E-Mail: jparanhos@ufpi.edu.br.
10 UESPI Teresina e CPRM. E-Mail: jsidneybarros@gmail.com.
11 CEAD/UFPI. E-Mail: marciaalencar.uapi@hotmail.com.
12 UESPI Parnaíba. E-Mail: maurarejanem@gmail.com.
13 Bióloga, Mestre em Botânica (PPGB/UFPE), Coordenadora de Extensão e Membro da Equipe Técnica do Sítio 10 (PELD/CNPq). E-Mail: nmcfcastro@hotmail.com
14 CCA/UFPI. E-Mail: pramalhoufpi@yahoo.com.br.
15 Bióloga, Mestre em Biologia Vegetal (PPGBV/UFPE), Pesquisadora do Sítio 10 (PELD/CNPq) e do bioTEN. E-Mail: ruthraquel@ibest.com.br
16 Bióloga, Assistente de Pesquisa, Membro da Equipe Técnica do Sítio 10 (PELD/CNPq) e do bioTEN. E-Mail: sambio2007@hotmail.com
17 IFPI. E-Mail: vitor.cavalcante@ifpi.edu.br.
18 MEC/CAPES/UFPI. E-Mail: waldima@yahoo.com.br.

   

Literatura Citada

AFONSO, M.; ALENCAR, M.R. de; CASTRO, A.A.J.F.; RAMOS NETO, M.B.; MNEDEIROS, E.V. e S. de; OLIVEIRA, M.B. de; BRITO, A.P. de; SOUSA, A.V. de; ARAÚJO, D.S. de; MELO NETO, J.C. de; PAZ, J.M.R.; CARDOSO, P.G. Parque Nacional de Sete Cidades (PN7C), Piauí: proposta de ampliação. Publ. Avulsas conserv. Ecossistemas, Teresina, n.19, p.1-36, abr./2008. (Série: Projetos de P&PG). ISSN 1809-0109.

AFONSO, M.; ALENCAR, M.R. de; CASTRO, A.A.J.F.; RAMOS NETO, M.B.; MEDEIROS, E.V. e S. de; OLIVEIRA, M.B. de; BARROS, J. S.; FARIAS, R. R. S.; CASTRO, A. A. J. F; Compartimentação geoambiental no complexo de Campo Maior, Piauí: caracterização de um mosaico de ecótonos. Biodiversidade e Ecótonos da Região Setentrional do Piauí, Teresina, 5: 25-43, 2010.

ANDRADE-LIMA, D. 1981. The caatinga dominium. Revista Brasileira de Botânica 4: 149-153.

APG III. Angiosperm Phylogeny Group III. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Bot. J. Linnean Soc. 161: 105-121, 2009.

BAUMGARTEN, M.G.Z.; ROCHA, J.M.B.; NIENCHESKI, L.F.H. Manual de análises em Oceanografia Química. Rio Grande: FURG, 1996. 132p.

BICUDO, C.E.M.; MENEZES, M. Gêneros de algas de águas continentais do Brasil. 2.ed. São Carlos: Rima, 2006. 502p.

BRANCO, R. T. P. C ; PORTELA, G. L. F. ; BARBOSA, O. A. A. ; SILVA, P. R. R. ; PÁDUA, L. E. DE M. 2010. Análise faunística de insetos associados à cultura da cana-de-açúcar, em área de transição floresta amazônica cerrado (mata de cocal), no município de União Piauí Brasil. Semina. Ciências Agrárias (Impresso), v. 31, p. 1113-1120.

BRITO, A.P. de; SOUSA, A.V. de; ARAÚJO, D.S. de; MELO NETO, J.C. e; PAZ, J.M.R.; CARDOSO, P.G. Parque Nacional de Sete Cidades (PN7C), Piauí: proposta de ampliação. Publ. avulsas conserv. ecossistemas, Teresina, n.19, p.1- 36, abr./2008. (Série: Projetos de P&PG). ISSN 1809-0109.

CANFIELD, R. Application of line interception in sampling range vegetation. Journal of Forestry 39: 388-394, 1941.

CANFIELD, R. Sampling range by the line interception method. Southwestern Forest and Range Experiment Station, 1950.

CASTRO, A. A. J. F. Unidades de planejamento: uma proposta para o estado do Piauí com base na dimensão diversidade de ecossistemas. Publ. avulsas conserv. ecossistemas, Teresina, n.18, p.1-28, set./2007. (Série: Publicações Prévias). ISSN 1809-0109.

CASTRO, A. A. J. F. Florística e fitossociologia de um cerrado marginal brasileiro, Parque Estadual de Vacununga, Santa Rita do Passa Quatro, SP. 240f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Biologia, Departamento de Botânica, Campinas, 1987.

CASTRO, A. A. J. F., MARTINS, F. R. Cerrados do Brasil e do Nordeste: caracterização, área de ocupação e considerações sobre a sua fitodiversidade. Pesquisa em Foco, São Luís, vol.7, n.9, Pp.147-178, 1999.

CASTRO, A. A. J. F., MARTINS, F. R., FERNANDES, A. G. The woody flora of cerrado vegetation in the state of Piauí, northeastern Brazil. Edinburgh Journal of Botany, Edinburgh, vol.55, n.3, Pp.455-72, 1998a.

CASTRO, A. A. J. F., MARTINS, F. R., TAMASHIRO, J. Y., SHEPHERD, G. J. Flora lenhosa do componentearbustivo-arbóreo do cerrado sensu lato do Brasil. In: Workshop sobre Ações Prioritárias para a Conservação da Biodiversidade do Cerrado e Pantanal; relatório técnico. Brasília: CI/BIODIVERSITAS/FUNATURA/UnB/GEF/ MMA/CNPq, Pp.271-92. 1998b.

CASTRO, A. A. J. F., MARTINS, F. R., TAMASHIRO, J. Y., SHEPHERD, G. J. How rich is the woody flora of Brazilian cerrados? Annals of the Missouri Botanical Garden, Saint Louis, vol.86, n.1, Pp.192-224, 1999.

CASTRO, A. A. J. F.; BARROS, J. S.; COSTA, J. M.; SANTOS, M. P. D.; PIRES, M. F. O.; MENDES, M. R. A.; CASTRO, N. M. C. F.; FARIAS, R. R. S.; SOUSA, S. R. Cerrados marginais do Nordeste e ecótonos associados: sítio 10 do PELD (Período 2001/2011). Teresina: EDUFPI / Gráfica do POVO, 2010. 55p. ISBN 978-85-7463-355-8.

CASTRO, A.A.J.F. Caracterização da vegetação do meio-norte. In: Simpósio sobre os cerrados do Meio-Norte, 1. Teresina, 1997. Anais… Teresina: EMBRAPA Meio Norte. Pp.45-56. (EMBRAPA-CPAMN. Documentos, 27).

CASTRO, A.A.J.F. Cerrados do Brasil e do Nordeste: considerações sobre os fatores ecológicos atuantes, ocupação, conservação e fitodiversidade. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, vol.27, n.2, Pp.183-205, abr./jun. 1996.

CASTRO, A.A.J.F. Comparação florística de espécies do cerrado. Silvicultura, São Paulo, vol.15, n.58, pp.16-8, nov./dez. 1994b.

CASTRO, A.A.J.F. Comparação florístico-geográfica (Brasil) e fitossociológica (Piauí - São Paulo) de amostras de cerrado. Campinas: UNICAMP, 1994a. 520p. Tese de Doutorado.

CAVALCANTE, V. H. G. 2009. Subsídios para a conservação e sustentabilidade ambiental, com base na estrutura da comunidade de répteis (Squamata) em duas áreas de fragmento de cerrado no município de José de Freitas, Piauí. Teresina: UFPI, 2009. 91 pp. (Dissertação de Mestrado)

COLWELL, R. K. 2005. EstimateS: Statistical estimation of species richness and sharedspecies from samples. Version 7.5. Sinauer Associates, Sunderland, Massachusetts.

COLWELL, R. K.; CODDINGTON, J. A. 1994. Estimating terrestrial biodiversity through extrapolation.Philosophical transactions of the Royal Society (Series B), 345: 101-118.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA. 2002 . Resolução no 714 de 2002. COX, E. J. Identification of freshwater diatoms from live material. 1.ed. London: Chapman & Hall, 1996. 158p.

CUNHA, O. R.; NASCIMENTO, F.P. 1978. Ofídios da Amazônia. X – As cobras da região Leste do Pará. Mus. Par. Emílio Goeldi 31: 1-218

DIAS, B. F. S. Alternativas de desenvolvimento dos Cerrados: manejo e conservação dos recursos naturais renováveis. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Fundação Pró- Natureza (Funatura), Brasília. 1992.

EITEN, G. The cerrado vegetation of Brazil. The Botanical Review, New York, vol.38, n.2, pp.201-341, abr./jun, 1972.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Manual de métodos de análises de solo. 2.ed. Rio de Janeiro, Ministério da Agricultura e do Abastecimento, 1997. 212p.

FEITOSA, S. S.; SILVA, P. R. R. ; PÁDUA, L. E. M.; CARVALHO, E. M. S.; PAIVA, D. R. Flutuação populacional de moscas-das-frutas (Diptera: Tephritidae) associadas a variedades de manga no município de José de Freitas-Piauí. Revista Brasileira de Fruticultura (Impresso), v. 30, 2007. Pp.112-117.

FERNANDES, A. G.; BEZERRA, P. Estudo fitogeográfico do Brasil. Fortaleza: Stylus Comunicações, 1990. 205p.

FERRI, M. G. Ecologia dos cerrados. In: FERRI, M. G. (coord.). Simpósio sobre o cerrado; bases para utilização agropecuária, 4. São Paulo: EDUSP; Belo Horizonte: Itatiaia, 1977. Pp.15-33. (Coleção Reconquista do Brasil, v.38).

FIDALGO, O.; BONONI, V. L. (Coord.). Técnicas de Coleta, preservação e herborização de material Botânico de . Instituto de Botânica, São Paulo, 1984. (Manual n. 4).

FRANCO, F. L.;SALOMÃO, M. G.; AURICCHIO, P. Répteis. In: Auricchio, P.. Manual de Técnicas e Preparação de Vertebrados. Instituto Pau-Brasil de Historia Natural. Arujá - SP, 2002. Pp.77-121.

FUNDAÇÃO BIODIVERSITAS. Lista da fauna brasileira ameaçada de extinção. Fundação Biodiversitas, Belo Horizonte, Brasil, 2003. Disponível em http://www.biodiversitas.org.br/ (acessado em 17 de janeiro de 2005).

GOLTERMAN, H. L.; CLYMO, R. S. Methods for physical and chemical analysis of fresh waters. London: Blackwell Scientific Publication, 1968. 213p.

GREENBERG, C. H.; NEARY, D. G.; HARRIS. L. D. A comparison of herpetofaunal sampling effectiveness of pitfall, single-ended, and double-ended funnel traps used with drift fences. Journal of Herpetology, 28: 319-324, 1994.

HAIDAR, R. F.; FELFILI, J. M.; MATOS, M. Q.; CASTRO, A. A. J. F.; Fitossociologia e diversidade de manchas naturais de floresta estacional semidecidual no Parque Nacional de Sete Cidades (PN7C), Piauí, Brasil. Biodiversidade e Ecótonos da Região Setentrional do Piauí, Teresina, 5: 141-165, 2010.

HILTON-TAYLOR, C. 2004 IUCN red list of threatened species. Species Survival Commission (SSC), IUCN – The World Conservation Union, Cambridge, Reino Unido e Gland, Suíça, 2004. Disponível em http://www.redlist.org (acessado em 13 de janeiro de 2005).

IBGE. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Anuário estatístico do Brasil; 1992. v.52. Rio de Janeiro: IBGE, 1992. p.207.

KERSTEN, R. de A.; GALVÃO, F. Suficiência amostral em inventários florísticos e fitossociológicos. Cap.5. In: FELFILI, J. M.; EISENLOHR, P. V.; MELO, M. M. da R. F. de; ANDRADE, L. A. de; MEIRA NETO, J. A. A. (eds.). Fitossociologia no Brasil; métodos e estudos de caso. v.1. Viçosa: UFV, 2011. Pp.156-173.

KLINK, C.A.; MACHADO, R.B. A conservação do cerrado brasileiro. Megadiversidade, vol. 1, n. 1, pp. 147-155, julho 2005.

LABORIAU, L.G. Revisão da situação da ecologia vegetal nos cerrados. In: SIMPÓSIO SOBRE O CERRADO, 2. Rio de Janeiro, 1965. Anais. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Ciências, 1966. (Anais da Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro, vol.38 (supl.), pp.5-38, dez. 1966).

LIMA, M. M.; MONTEIRO, R.; CASTRO, A. A. J. F.; COSTA, J. M. Levantamento florístico e fitossociológico do morro do Cascudo, área de entorno do Parque Nacional de Sete Cidades (PN7C), Piauí, Brasil. In: CASTRO, A. A. J. F.; ARZABE, C.; CASTRO, N. M. C. F. (Orgs.). Biodiversidade e ecótonos da região setentrional do Piauí. Teresina: EDUFPI, 2010. Pp. 186-207. (Desenvolvimento e Meio Ambiente, 5). ISBN 978-85-7463-384-8.

LINDOSO, G. S.; FELFILI, J. M.; CASTRO, A. A. J. F. Diversidade e estrutura do cerrado sensu stricto sobre areia (neossolo quartzarênico) no Parque Nacional de Sete Cidades, Piauí. Biodiversidade e Ecótonos da Região Setentrional do Piauí, Teresina, 5: 90-115, 2010.

MAGURRAN, A. E. Ecological diversity and its measurement. Oxford: Blackwell Publishing, eds. 1988. 177p.

MARGALEF, R. Temporal sucession and spatial heterogeneity in phytoplankton. In: BUZZATI-TRAVERSO, A. A. (Ed.). Perspectives in Marine Biology. Berkeley: Universidade California Press, p.323-349. 1958.

MATOS, M. Q.; FELFILI, J. M.; HAIDAR, R. F.; CASTRO, A. A. J. F. Regeneração natural da vegetação arbórea nas matas de galeria do Parque Nacional de Sete Cidades (PN7C), Piauí, Brasil. In: CASTRO, A. A. J. F.; ARZABE, C.; CASTRO, N. M. C. F. (Orgs.). Biodiversidade e ecótonos da região setentrional do Piauí. Teresina: EDUFPI, 2010. Pp. 166-185. (Desenvolvimento e Meio Ambiente, 5). ISBN 978-85-7463-384-8.

MENDONÇA, R. C.; FELFILI, J. M.; WALTER, B. M. T.; SILVA-JÚNIOR, M. C.; REZENDE, A. V.; FILGUEIRAS, T. S.; NOGUEIRA, P. E. Flora vascular do Cerrado. Pp.289-556. In: S.M. Sano & S.P. Almeida (eds) Cerrado: Ambiente e Flora. Planaltina, EMBRAPA-CPAC. 1998.

MESQUITA, M. R.; CASTRO, A. A. J. F. Florística e fitossociologia de uma área de cerrado marginal (cerrado baixo), Parque Nacional de Sete Cidades, Piauí. Publ. avulsas conserv. ecossistemas, Teresina, n.15, p.1-22, mar./2007. (Série: Publicações Prévias). ISSN 1809-0109.

MIRANDA, C. L. ; LIMA, M. G. M. ; LEITE, F. H. R. ; CARVALHO, L. S. ; SANTOS, M. P. D. ; SILVA-JÚNIOR, J. S. . Padrões de Uso de Hábitat pela Mastofauna de Médio e Grande Porte do Parque Nacional de Sete Cidades, Piauí: Dados preliminares. In: VII Congresso de Ecologia do Brasil, 2005, Caxambu-MG. Anais do VII Congresso de Ecologia do Brasil, 2005.

MMA. Ministério do Meio Ambiente. Avaliação e identificação de áreas e ações prioritárias para a conservação, utilização sustentável e repartição dos benefícios da biodiversidade nos biomas brasileiros. Brasília: MMA/SBF, 2006. 404p.

MOURA, I. O.; FELFILI, J. M.; PINTO, J. R. R.; CASTRO, A. A. J. F. Composição florística e estrutura do componente lenhoso em cerrado sensu stricto sobre afloramentos rochosos no Parque Nacional de Sete Cidades - PI. Biodiversidade e Ecótonos da Região Setentrional do Piauí, Teresina, 5: 116- 140, 2010.

MUELLER-DOMBOIS, D; ELLENBERG, H. Aims and Methods of Vegetation Ecology. Wiley, New York, 1974. 547p.

MUNHOZ, C. B. R.; ARAÚJO, G. M. de. Métodos de Amostragem do estrato herbáceo-subarbustivo Cap.7.. In: FELFILI, J. M.; EISENLOHR, P. V.; MELO, M. M. da R. F. de; ANDRADE, L. A. de; MEIRA NETO, J. A. A. (eds.). Fitossociologia no Brasil; métodos e estudos de caso. v.1. Viçosa: UFV, 2011. Pp.213-230.

MUNHOZ, C. B. R.; FELFILI, J. M. 2006. Floristics of the herbaceous and sub-shrub layer of a moist grassland in the Cerrado Biosphere Reserve (Alto Paraíso de Goiás), Brazil. Edinburgh Journal of Botany 63: 343-354. ODUM, E.P. Ecologia, Rio de Janeiro: Guanabara, 1998.

OLIVEIRA, M. E. A. Mapeamento, florística e estrutura da transição campo-floresta na vegetação (cerrado) do Parque Nacional de Sete Cidades, Nordeste do Brasil. Campinas: UNICAMP, 2004. 151p. (Tese de Doutorado).

OLIVEIRA, M. E. A., MARTINS, F. R., CASTRO, A. A. J. F., SANTOS, J. R. dos. Classes de cobertura vegetal do Parque Nacional de Sete Cidades (transição campo-floresta) utilizando imagens TM/Landsat, NE do Brasil. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 13. Florianópolis, 2007. Anais... São José dos Campos: INPE, 2007. Pp.1.775-1.783.

OLIVEIRA, M. E. A.; CASTRO, A. A. J. F.; MARTINS, F. R. Classificação e caracterização dos tipos vegetacionais do Parque Nacional de Sete Cidades, Piauí, Brasil. Biodiversidade e Ecótonos da Região Setentrional do Piauí, Teresina, 5: 66-89, 2010.

PAZ, J. K. SILVA ; SILVA, P. R. R. ; PÁDUA, L. E. M. ; IDE, SÉRGIO ; CARVALHO, E. M. S. ; FEITOSA, S. S. 2007. Monitoramento de coleobrocas associadas à mangueira no município de José de Freitas, Estado do Piauí. Revista Brasileira de Fruticultura (Impresso), v. 30, p. 348-355.

PIELOU, E.C. The measure of diversity in different types of biological collections. Journal of Theoretical Biology, 13: 133-144. 1966.

PROBIO. Avaliação e ações prioritárias para a conservação da biodiversidade. Relatório do Projeto Conservação e Utilização Sustentável da Diversidade Biológica Brasileira (PROBIO). Programa Nacional de Biodiversidade (PRONABIO), Ministério do Meio Ambiente (MMA), 1999.

RATTER, J. A.; BRIDGEWATER, S.; RIBEIRO, J. F. Analysis of the floristic composition of the Brazilian cerradãovegetation III. Comparison of the woody vegetation of 376 areas. Edinburgh Journal of Botany, Edinburgh, vol. 60, n.1, Pp.57-109, 2003.

RATTER, J. A.; BRIDGEWATER, S.; RIBEIRO, J. F. Biodiversity patterns of the woody vegetation of the Brazilian cerrado. Cap.2. In: PENNINGTON, R. T.; LEWIS, G. P.; RATTER, J. A. (eds.). Neotropical savannas and seasonally dry forests: plant diversity, biogeography, and conservation. Boca Raton, FL, USA. Pp.31-66, 2006.

RIBEIRO-JÚNIOR, M. A.; GARDNER, T. A; ÁVILA- PIRES, T. C. S. 2008. Evaluating the Effectiveness of Herpetofaunal Sampling Techniques across a Gradient of Habitat Change in a Tropical Forest Landscape. Journal of Herpetology, 42(4): 733-749.

RIZZINI, C. T. 1979. III – Cerradão; IV – Savanas. In: RIZZINI, C.T. Tratado de fitogeografia do Brasil. São Paulo: HUCITEC. Pp.91-167.

RIZZINI, C. T. A flora do cerrado; análise florística das savanas centrais. In: FERRI, M.G. (coord.). Simpósio sobre o cerrado. São Paulo: Ed. Edgard Blücher/EDUSP, 1963. Pp.105-53.

ROCHA W. A. e PRUDENTE A. L. C. The snake assemblage of Parque Nacional de Sete Cidades, State of Piauí, Brazil. South American Journal of Herpetology 5 (2) 132-142, 2010.

ROCHA, W. A. Taxocenoses de serpentes em grupos fitofisionômicos de cerrado no parque nacional de sete cidades, piracuruca, piauí, brasil. Museu Paraense Emílio Goeldi Universidade Federal do Pará Programa de Pós-Graduação em Zoologia Curso de Mestrado em Zoologia Belém – PA 2007 (Dissertação de Mestrado).

ROCHA, W. A., LIMA, C. J. S., CAVALCANTE, V. H. L., RODRIGUES, F. S. S., DANTAS, M. P. Levantamento dos Lagartos, Crocodilianos e Quelônios do Parque Nacional de Sete Cidades, estado do Piauí, Brasil. In: I CONGRESSO BRASILEIRO DE HERPETOLOGIA, 2004, Curitiba. Resumos do I Congresso Brasileiro de Herpetologia. 2004.

SANT’ANNA, C.L.; AZEVEDO, M.T.P.; AGUJARO, L.F.; CARVALHO, M.C.; CARVALHO, L.R.; SOUZA, R.C.R. Manual ilustrado para identificação e contagem de cianobactérias planctônicas de águas continentais brasileiras. Rio de Janeiro: Interciência, 2006. 58p.

SANTOS, M. P. D. As comunidades de aves em duas fisionomias da vegetação de Caatinga no estado do Piauí, Brasil. Ararajuba 12 (2): 113-123. 2004.

SANTOS, M. P. D. Bird Community distribution in a Cerrado-Caatinga transition área, Piauí, Brazil. Revista Brasileira de Ornitologia, 16 (4) 323-338, 2008.

SAWAYA, R. J., O. A. V. MARQUES E M. MARTINS. 2008. Composição e história natural das serpentes de Cerrado de Itirapina, São Paulo, sudeste do Brasil. Biota Neotropica. 8 (2), 127-149.

SCHWARZBOLD, A; PEDROZO, C.S.; MIRANDA, A.L.B.; RAYA-RODRIGUEZ, M.T. Verificação e adequação das metodologias de análise espectrofotométrica para a identificação de clorofila a em amostras de água. Acta Limnologica Brasiliensia, 11(1): 63-71. 1999.

SHANNON, C. E. A mathematical theory of communication. Bulletin of System Tecnology Journal, v. 27, Pp.379-423, 1948.

SOLÓRZANO, A. Análise Fitogeográfica do Cerradão: conexões florísticas, padrões estruturais, relações ecológicas e modelagem de sua distribuição potencial. Brasília: UnB, 2011. 115p. (Tese de Doutorado).

TCA. Tratado de Cooperacion Amazonica. Amazonia sin mitos. Quito: BID/PNUD/TCA, 1992. 111p.

THRONDSEN, J. Preservation and storage: Monographs on oceanographic methodology. In: SOURNIA, A. 6.ed. Phytoplankton manual. Norwich: Unesco, 1978. p.69-74.

UNESCO. United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization. Determination of photosynthetic pigments in sea water. Paris: UNESCO, 1966. 69 p.

UTERMÖHL, H. Zur Vervolkommung der quantitativen phytoplankton. Mitt. Int. Verein. Limnol. 1958.

VANZOLINI, P. E., RAMOS-COSTA, A. M. M., VITT, L. J. Répteis das caatingas. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Ciências, 1980. 161p.

VASCONCELLOS, A. et al. 2010. Seasonality of insects in the semi-arid Caatinga of northeastern Brazil. Revista Brasileira de entomologia. [online]., v.54, n.3, p. 471-476. 2010.

VELLOSO, A. L., SAMPAIO, E. V. S. B., GIULIETTI, A. M., BARBOSA, M. R. V., CASTRO, A. A. J. F. et al. Ecorregiões: propostas para o bioma Caatinga. Recife: APNE/TNC, 2002. 75p.

VITT, L. J., CALDWELL, J. P. Resource utilization and guild structure of small vertebrates in the Amazon forest leaf litter. Journal of Zoology, 234: 463-476. 1994.

WEISS, J. L., GUTZLER, D. S., COONROD, J. E., DAHM, A. C. N. Long-term vegetation monitoring with NDVI in a diverse semi-arid setting, central New Mexico, USA. Journal of Arid Environments 58(2004):249–272.

ZAHER, H. (Responsável Técnico). Diversidade de vertebrados terrestres da estação ecológica de Uruçui-Una, Piauí. Relatório não publicado apresentado ao IBAMA - PI. 2001. CD-ROM.

ZAHER, H. 2002. (Responsável Técnico). Relatório sobre o levantamento preliminar da fauna de vertebrados terrestres do Parque Nacional da Serra das Confusões, Piauí. Relatório não publicado apresentado ao IBAMA - PI. 2002. Pp.1-41.