Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Caracterização Florística e Estrutura da Comunidade Arbórea de Um Remanescente de Floresta Estacional, Municípios de Manoel Emídio e Alvorada do Gurguéia, Piauí, Brasil

DOI: http://dx.doi.org/10.18029/1809-0109/pace.n32p1-82

http://conservacaodeecossistemas.blogspot.com.br/ 

downloadpdf

Antonio A. J. F. Castro1, Ruth R. S. de Farias2, Samara R. de Sousa3, Nívea M. C. F. Castro4, José S. Barros5 & Raimundo N. Lopes6

 

Resumo: A pesquisa se refere ao diagnóstico da cobertura vegetal da Fazenda Novo Mundo e entorno com o intuito de proporcionar um prognóstico da flora e fitossociologia regionais, associado às condições ambientais prevalecentes nos municípios de Manoel Emídio e Alvorada do Gurguéia. Trata se, na região da Fazenda, de uma Floresta Estacional de Transição, com uma parte decidual e, outra, menos seca, semidecidual, que poderia estar vinculada a vários Biomas brasileiros, tais como o bioma Cerrado, ou o bioma Caatinga, ou mesmo aos biomas Amazônico e/ou de Mata Atlântica. Um total de 17 (dezessete) parcelas de 20x30 m (600 m²) foi alocado, perfazendo 1,02 hectares de área amostrada. Na amostragem do componente lenhoso, todos os indivíduos vivos com diâmetro do caule ao nível do solo (DCNS) ≥ 3 cm foram computados no interior das áreas das parcelas. Fora das parcelas bem como no interior das mesmas, todas as espécies (lenhosas e herbáceas) com oferta de material reprodutivo foram coletadas pelo Método de Coletas Preferenciais (MCP). Realizou-se uma comparação com inventários realizados em Florestas Estacionais do Piauí, na qual observou-se a semelhança entre todas, dispostas de modo separado (floresta por floresta), ou em conjunto, apesar dos altos níveis de heterogeneidade florística, principalmente no que diz respeito ao distanciamento que as mesmas têm do Domínio e do Bioma da Mata Atlântica brasileira. No nosso caso, todas as nossas florestas são de Transição. Em geral incluem espécies do Cerrado e da Caatinga. Quando incluem espécies da Amazônia e/ou da Mata Atlântica, as mesmas são de ampla distribuição, portanto, não endêmicas. Trata-se de espécies que ocorrem na Mata Atlântica, mas que também ocorrem em outros domínios florísticos e vegetacionais.

Palavras-chave: Mata Atlântica, Bioma, Domínio, Fitossociologia, Endemismo

 

1 Biólogo, Pesquisador (Líder) do bioTEN, Coordenador do Programa ECOCEM e Professor Associado IV do Departamento de Biologia do Centro de Ciências da Natureza da Universidade Federal do Piauí (UFPI). E-Mail: albertojorgecastro@ufpi.edu.br
2 Bióloga, Mestre em Biologia Vegetal (PPGBV/UFPE) e Pesquisadora do bioTEN. E-Mail: ruthraquelsf@gmail.com
3 Bióloga, Assistente de Pesquisa e Pesquisadora do bioTEN. E-Mail: sambio2015@hotmail.com
4 Bióloga, Mestre em Botânica (PPGB/UFPE), Técnica de Laboratório do Departamento de Biologia do Centro de Ciências da Natureza da Universidade Federal do Piauí (UFPI) e Pesquisadora do bioTEN. E-Mail: nmcfcastro@uninovafapi.edu.br
5 Geólogo, Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA/UFPI), Doutor em Ecologia (PPGE/UnB), Professor Adjunto (UESPI) e Pesquisador do bioTEN. E-Mail: jsidneybarros@gmail.com
6 Assistente de Campo e Técnico do bioTEN. E-Mail: mlopes2008@hotmail.com

   

Literatura Citada

AB’SABER, A. Os domínios de natureza no Brasil. São Paulo: Ateliê Editorial, 3.ed., 159p., 2005.

AGUIAR, R. B. de; GOMES, J. R. C. Projeto cadastro de fontes de abastecimento de água subterrânea: diagnóstico do município de Manoel Emídio, Estado do Piauí. CPRM, Fortaleza, 19p, 2004.

ALMEIDA, H. de S.; MACHADO, E. L. M. Relações florísticas entre remanescentes de Floresta Estacional Decídua no Brasil. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, supl. 1, p. 648-650, jul. 2007.

ANDRADE JÚNIOR, A. S.; BASTOS, E. A.; BARROS, A. H. C.; SILVA, C. O.; GOMES, A. A. N. Classificação climática do Estado do Piauí, Teresina: Embrapa Meio-Norte, 2004, 86p. (Embrapa Meio-Norte, Documentos, 86).

ANDRADE-LIMA, D. The caatingas dominium. Revista Brasileira de Botânica, n. 4, p. 149-153, 1981.

ANTUNES, P. B. Comentários ao novo código florestal; Lei Nº 12.651/12; atualizado de acordo com a Lei Nº 12.727/12, São Paulo, Atlas. 2013. 345p.

AUBREVILLE, A. As florestas do Brasil: estudo fitogeográfico e florestal. Anuário Brasileiro de Economia Florestal. Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, p. 201-243, 1959.

BARROS, J. S.; FARIAS, R. R. S.; CASTRO, A. A. J. F. Compartimentação geoambiental no complexo de Campo Maior, Piauí: caracterização de um mosaico de ecótonos. Biodiversidade e Ecótonos da Região Setentrional do Piauí, Teresina, 5: 25-43, 2010.

BRASIL. Avaliação e identificação de áreas e ações prioritárias para a conservação, utilização sustentável e repartição dos benefícios da biodiversidade nos biomas brasileiros. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente, 2002.

BRUMMITT, R. K.; POWELL, C. E. Authors of plant names. Royal Botanic Garden, Kew. 732 p. New York: Columbia University Press, 1992.

CARDOSO, D. B. O. S.; QUEIROZ, L. P. Floristic composition of seasonally dry tropical Forest fragments in Central Bahia, Northeastern Brazil. Journal of the Botanical Research Institute of Texas, v. 2, n. 1, p. 551-573, 2008.

CASTRO, A. A. J. F. Biodiversidade (Vegetal) e ZEE: Uma Proposta metodológica. In: MMA (org.), Programa Zoneamento Ecológico-Econômico: Diretrizes Metodológicas para o Zoneamento Ecológico-Econômico do Brasil. Brasília, 2001, v. 1, 5p, CD-ROM.

CASTRO, A. A. J. F.; CASTRO, A. S. F.; FARIAS, R. R. S. de; SOUSA, S. R. de; CASTRO, N. M. C. F.; SILVA, C. G. B. da; MENDES, M. R. de A.; BARROS, J. S.; LOPES, R. N. Diversidade de espécies e de ecossistemas da vegetação remanescente da Serra Vermelha, área de chapada, municípios de Curimatá, Redenção do Gurguéia e Morro Cabeça no Tempo, sudeste do Piauí. Publ. avulsas conserv. ecossistemas, Teresina, n. 23, p. 1-72, mai./2009. (Série: Relatórios). ISSN 1809-0109.

CASTRO, A. A. J. F.; FARIAS, R. R. S. Protocolo de avaliação fitossociológica mínima (PAFM): uma proposta metodológica para o estudo do componente lenhoso da vegetação do nordeste. Biodiversidade e Ecótonos da Região Setentrional do Piauí. Teresina, v. 5, p. 11-24, 2010.

CASTRO, A. A. J. F.; MARTINS, F. R.; FERNANDES, A. G. The woody flora of cerrado vegetation in the state of Piauí, Northeastern Brazil. Edinburgh Journal of Botany, v. 55, n. 3, p. 455-472, 1998.

CEPRO. Perfil dos municípios piauienses, Teresina, 420p, 1992.

CIENTEC - CONSULTORIA E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS LTDA. Mata Nativa: Sistema para análise fitossociológica e elaboração de manejo de florestas nativas, Viçosa: CIENTEC Ltda., Versão 2.06, 2006.

CIENTEC - CONSULTORIA E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS LTDA. Mata Nativa: Sistema para análise fitossociológica e elaboração de manejo de florestas nativas. Viçosa: CIENTEC Ltda., Versão 3.11, 2014.

COSTA, J. M.; FARIAS, R. R. S.; BARROS, J. S.; CASTRO, A. A. J. F.; CASTRO, N. M. C. F. Diagnóstico da biodiversidade econômica da fazenda Jirau: levantamento de potencialidades. Publ. avulsas conserv. ecossistemas, Teresina, n.16, p.1-60, mai./2007. (Série: Relatórios). ISSN 1809-0109.

CRONQUIST, A. An integrated System of classification of lowering plants. 1988.

EITEN, G. Vegetação do Cerrado, In: PINTO, M. N. (Org.), Cerrado: caracterização ocupação e perspectivas. 2 ed, Brasília, DF: Editora da UnB, p. 17-73, 1994.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Levantamento Exploratório - Reconhecimento de solos do Estado do Piauí, 1986. Escala: 1:1.000.000. (http://www,uep.cnps.embrapa.br/solos/index.php?link=pi).

ESPÍRITO-SANTO, M. M.; SEVILHA, A. C.; SCARIOT, A.; SÁNCHEZ-AZOFEIFA, G. A.; NORONHA, S. E. Florestas estacionais deciduais brasileiras: distribuição e estado de conservação. Boletim Técnico da Diretoria e Biodiversidade do IEF-MG, v. 1, n. 2, p. 5-13, 2008.

FELFILI, J. M. Fragmentos de florestas estacionais do Brasil Central: diagnóstico e proposta de corredores ecológicos. In: COSTA, R. B. (Org.). Fragmentação florestal e alternativas de desenvolvimento rural na Região Centro-Oeste. Campo Grande: Universidade Católica Dom Bosco. p. 195-263, 2003.

FELFILI, J. M.; NASCIMENTO, A. R. T.; FAGG, C. W.; MEIRELLES, E. M. Floristic composition and community structure of a seasonally deciduous forest on limestone outcrops in Central Brazil. Revista Brasileira de Botânica, v. 30, n. 4, p. 611-621, 2007.

FERNANDES, A. Conexões florísticas do Brasil. Fortaleza: Banco do Nordeste, 2003.

FORZZA, R. C., org., et al. INSTITUTO DE PESQUISAS JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO. Catálogo de plantas e fungos do Brasil [online]. Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio: Instituto de Pesquisa Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 871p. vol. 1. ISBN 978-85-8874-242-0. Available from SciELO Books <http://books.scielo.org>.

FORZZA, R. C., org., et al. INSTITUTO DE PESQUISAS JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO. Catálogo de plantas e fungos do Brasil [online]. Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio: Instituto de Pesquisa Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 828p. vol. 2. ISBN 978-85-8874-243-7. Available from SciELO Books <http://books.scielo.org>.

GENTRY, A. H. Diversity and floristic composition of neotropical dry forests. In: BULLOCK, S. H.; MOONEY, H. A.; MEDINA, E. Seasonally dry forests. Cambridge University Press, Cambridge, p. 146-194, 1995. GIULIETTI, A, M,; RAPINI, A,; ANDRADE, M, J, G,; QUEIROZ, L, P,; SILVA, J, M, C, Plantas raras do Brasil. Belo Horizonte: Conservação Internacional, 2009,

GONZAGA, A. P. D.; ALMEIDA, H. S.; NUNES, Y. R. F.; MACHADO, E. L. M.; D’ANGELO N., S. Regeneração natural da comunidade arbórea de dois fragmentos de Floresta Decidual (Mata Seca Calcária) no Município de Montes Claros, MG. Revista Brasileira de Biociências, n. 5, p. 531-533, 2007.

IBGE. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapas Base dos municípios do Estado do Piauí. Escalas variadas, 1986.

IBGE. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual técnico da vegetação brasileira, Rio de Janeiro: IBGE, 1992.

IBGE. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapa de biomas brasileiros. Rio de Janeiro: IBGE, 2004.

IBGE. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 1992.

IBGE. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapa da vegetação do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2004.

IBGE. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapa de vegetação do Brasil. Escala 1:5.000.000. Rio de Janeiro, 2.ed., 61p., 1993.

IBGE. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produção Agrícola Municipal – PAM. Rio de Janeiro: IBGE, 2011.

IRGANG, G, Mapa do uso do solo do município de Manoel Emídio. 4/2013, 1 mapa, Color, Mapstore (Série Mapas Temáticos do Brasil; Nível Geográfico Município; Uso do Solo). Escala: 1:190.000.

JACOMINE, P. K. T. et al. Levantamento exploratório-reconhecimento de solos do Estado do Piauí. Rio de Janeiro. EMBRAPA-SNLCS/SUDENE-DRN, 1986. 782p. ilust.

JATOBÁ AMBIENTAL LTDA., Fazenda Novo Mundo. [S,l,: s,n], 16/06/2013, 1 mapa, Color; 29 cm x 41 cm. Escala: 1:100.000.

LEDRU, M. P. Late quaternary history and evolution of the Cerrados as revealed by palynological records, In: OLIVEIRA, P, S,; MARQUIS, R, J, (Eds,). The Cerrados of Brazil: ecology and natural history of a neotropical Savanna. New York: Columbia University Press, p. 33-50, 2002.

LINS, C. J. C. Nova delimitação da região semiárida do Brasil. Brasília: Ministério da Integração Nacional, 2008. 40 slides.

MARTINELII, G.; MORAES, M. A. (Orgs.). Livro vermelho da flora do Brasil. 1.ed. Rio de Janeiro: Andrea Jakobinson: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2013. 1100 p.

MARTINS, F. R. Estrutura de uma floresta mesófila. Campinas: Unicamp, 2.ed., 246p., 1993.

MELO, J. I. M.; RODAL, M. J. N. Levantamento florístico de um trecho de floresta serrana no planalto de Garanhuns, estado de Pernambuco. Acta Scientiarum: Biological Sciences, v. 25, n. 1, p. 173-178, 2003.

MELO, P. H. A. Flora vascular relacionada aos afloramentos de rocha carbonática do interior do Brasil. Dissertação. Universidade Federal de Lavras, Lavras. 79 p., 2008.

MI. Ministério da Integração Nacional. Nova delimitação do semiárido brasileiro. Brasília: MI/MMA/ADENE/CODEVASF/DNOCS/ANA/IBAMA/BN/IDENE, 2005. 35p.

NIMER, E.; BRANDÃO, A. M. P. M. Balanço hídrico e clima da região dos Cerrados. Rio de Janeiro, IBGE, Departamento de Recursos Naturais e Estudos Ambientais, 1989.

OLIVEIRA-FILHO, A. T. Classificação das fitofisionomias da América do Sul cisandina tropical e subtropical: proposta de um novo sistema – prático e flexível – ou uma injeção a mais de caos. Rodriguésia, v. 60, n. 2, p. 237-258, 2009.

OLIVEIRA-FILHO, A. T.; FONTES, A. L. Patterns of floristic differentiation among Atlantic Forests in Southeastern Brazil and the influence of climate. Biotropica, v. 32, p. 793-810, 2000.

OLIVEIRA-FILHO, A. T.; JARENKOW, J. A.; RODAL, M. J. N. Floristic relationships of seasonally dry forests of eastern South America based on tree species distribution patterns. In: PENNINGTON, R. T.; LEWIS, G. P.; RATTER, J. A. Neotropical savannas and dry forests: plant diversity, biogeography, and conservation. Taylor & Francis CRC Press, Oxford, p. 59-192, 2006.

OLIVEIRA-FILHO, A. T.; RATTER, J. A. Vegetation physiognomies and wood flora of the bioma Cerrado. In: OLIVEIRA, P. S.; MARQUIS, R. J. (Eds.). The Cerrados of Brazil: ecology and natural history of a neotropical Savanna. New York: Columbia University Press, p. 91-120, 2002.

PEREIRA, A. R.; ANGELOCCI, L. R. e SENTELHAS, P. C. Agrometeorologia: fundamentos e aplicações práticas, Livraria e Editora Agropecuária, Rio Grande do Sul, 2002. 478p.

PEREIRA, B. A. da S.; VENTUROLI, F.; CARVALHO, F. A. Florestas Estacionais no Cerrado: uma visão geral. Pesquisa Agropecuária Tropical. Goiânia, v. 41, n. 3, p. 446-455, 2011.

PRADO, D. E. As caatingas do Brasil. In: LEAL, I. R.; TABARELLI, M.; SILVA, J. M. C. Ecologia e conservação da Caatinga. Ed. Universidade Federal de Pernambuco, Recife, p. 3-73, 2003.

PRADO, D. E.; GIBBS, P. E. Patterns of species distribuitions in the dry seasonal forest of South America. Annual Missouri Botanical Garden, v. 80, p. 902-927, 1993.

PROJETO CARVÃO DA BACIA DO PARNAÍBA. Convênio DNPM/CPRM. Relatório Final da Etapa I. v. 1. Recife, 1973.

QUEIROZ, L. P. Leguminosas da Caatinga. Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, 443 p., 2009.

QUEIROZ, L. P. The Brazilian Caatinga: phytogeographical patterns inferred from distribution data of the Leguminosae. In: PENNINGTON, R. T.; LEWIS, G. P.; RATTER, J. A. Neotropical savannas and dry forests: plant diversity, biogeography, and conservation. Taylor & Francis CRC Press, Oxford, p. 113-149, 2006.

RIBEIRO, J. F.; WALTER, B. M. T. As principais fitofisionomias do bioma Cerrado. In: SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P.; RIBEIRO, J. F. Cerrado: ecologia e flora. EMBRAPA, Brasília, p. 151-199, 2008.

RIVAS, M. P. (coord.). Macrozoneamento Geoambiental da Bacia Hidrográfica do Rio Parnaíba. Rio de Janeiro: IBGE, 1996.

RIZZINI, C.T. Tratado de fitogeografia. Rio de Janeiro: Âmbito Cultura Edições LTDA, 2 ed., 748 p., 1997.

RODAL, M. J. N.; COSTA, K. C. C.; SILVA, A. C. B. L. Estrutura da vegetação caducifólia espinhosa (Caatinga) de uma área do sertão central de Pernambuco. Hoehnea, v. 35, n. 2, p. 209-217, 2008.

SAMPAIO, A. B. Recuperação das Florestas Estacionais Deciduais de terrenos planos no norte do Vão do Paranã, GO. Tese. Universidade de Brasília, Brasília, 125p., 2006.

SAMPAIO, E. V. S. B. Overview of the Brazilian Caatinga. In: BULLOCK, S. H.; MOONEY, H. A.; MEDINA, E. Seasonally dry tropical forests. Cambridge: Cambridge University, p. 35-63, 1995.

SANTOS, R. M.; VIEIRA, F. A.; FAGUNDES, M.; NUNES, Y. R. F.; GUSMÃO, E. Riqueza e similaridade florística de oito remanescentes florestais no norte de Minas Gerais, Brasil. Revista Árvore, n. 31, p. 135-144, 2007.

SCARANO, F. R. Biomas brasileiros: retratos de um país plural. Rio de Janeiro: Casa da Palavra. 326p. 2012.

SCARIOT, A.; SEVILHA, A. C. Biodiversidade, estrutura e conservação de florestas estacionais deciduais no Cerrado. In: SCARIOT, A. et al. (Orgs.), Cerrado: ecologia, biodiversidade e conservação. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente, p. 121-139, 2005.

SILVA, L. A.; SCARIOT, A. Composição e estrutura da comunidade arbórea de uma floresta estacional decidual sobre afloramento calcário no Brasil Central. Revista Árvore, v. 28, n. 1, p. 69-75, 2004.

SUDENE. Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste. Dados pluviométricos mensais do Nordeste - Piauí. Recife, 1990 (Série Pluviometria, 2).

THORNTHWAITE, C. W. An approach toward a rational classification of climate. Geographical Review, New York, v. 38, n. 1, p. 55-94, 1948.

THORNTHWAITE, C. W.; MATHER, J. R. The water balance. Publications in Climatology. New Jersey, Drexel Institute of Technology. 104p., 1955.

VELOSO, H. P.; RANGEL-FILHO, A. R.; LIMA, J. C. C. Classificação da vegetação brasileira adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: IBGE, 1991.

VENTUROLI, F. Manejo de floresta estacional semidecídua secundária, em Pirenópolis, Goiás. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal). Universidade de Brasília, Brasília, DF. 186f., 2008.

VENTUROLI, F.; FELFILI, J. M.; FAGG, C. W. Avaliação temporal da regeneração natural em uma floresta estacional semidecídua secundária, em Pirenópolis, Goiás. Revista Árvore. Viçosa, MG, v. 35, n. 3, p. 473-483, 2011.