Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Estudo Exploratório entre Trabalhadores Rurais Expostos Ocupacionalmente a Agrotóxicos

DOI: http://dx.doi.org/10.18024/1519-5694/revuniandrade.v16n1p31-38

http://uniandrade.br/revistauniandrade/index.php/revistauniandrade/index 

downloadpdf

Luciana M. Mazon1 & Ariane Z. P. Souza1

 

Resumo: O forte predomínio da atividade agrícola no oeste catarinense e as evidências em estudos da correlação entre a exposição a substâncias químicas e alterações endócrinas e celulares em trabalhadores rurais, motivou o presente estudo. Objetivo: Conhecer o panorama geral da exposição ocupacional a agrotóxicos em trabalhadores rurais de municípios do Oeste de Santa Catarina. Método: Trata-se de uma pesquisa exploratória de campo. A amostra foi aleatória equivalente a 2,5% do número de famílias rurais cadastradas na Secretaria da Agricultura de oito municípios do oeste catarinense totalizando 197 famílias. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevista. A análise dos dados foi fundamentada a partir da produção de frequências absolutas. Resultados: Os resultados demonstraram que o Roundap (98,48%), o Formicida Granulado (78,68%) e o Orthene (58,38%) foram os agrotóxicos mais utilizados nas propriedades rurais. Observou-se que o maior percentual dos aplicadores de agrotóxicos eram homens (89,95%) e que 48,73% deles passam mais de 4 horas expostos aos pesticidas durante uma aplicação, na maioria das vezes sem utilizar nenhum equipamento de proteção individual. O baixo grau de escolaridade observado entre os entrevistados pode ser um dos fatores envolvidos na não utilização destes equipamentos. Conclusão: Os dados obtidos neste estudo, apoiados em trabalhos anteriores, sugerem que a população estudada está exposta aos riscos do desenvolvimento de agravos relacionados à exposição ocupacional crônica aos agrotóxicos.

Palavras-chave: trabalhadores rurais, agrotóxicos, riscos ocupacionais

 

Abstract: The strong predominance of agriculture in western Santa Catarina and the evidence in studies of the correlation between exposure to chemical products and the development of cellular changes and endocrine dysfunctions in farm workers, has motivated this study. Objective: Meet overview of occupational exposure to pesticides in agricultural workers of municipalities in western Santa Catarina. Method: This is an exploratory field research. The random sample was equivalent to 2.5 % of the number of registered rural households in the Agriculture Department of the eight counties west of Santa Catarina totaling 197 families. Data collection was conducted through interviews. Data analysis was based output from the absolute frequencies. Results: The results showed that the Roundap (98.48%), the Formicide Grainy (78.68%) and Orthene (58.38%) were the most commonly used pesticides on farms. It was observed that the highest percentage of pesticide applicators were men (89.95%) and 48.73 % of them spend more than 4 hours exposed to pesticides during an application, most often without using personal protective equipment. The observed low level of education among respondents can be one of the factors involved in the non-use of such equipment. Conclusion: The data obtained in this study, supported by previous studies, suggest that the studied population is exposed to the risk of developing health problems related to chronic occupational exposure to pesticides.

Key words: farm workers, pesticides, occupational risks.

 

1 Universidade do Contestado (UnC), Santa Catarina, Brasil
2 Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Santa Catarina, Brasil e-mail: lucimazon@hotmail.com

 

Literatura Citada

Queiroz EKR de, Waissmann W. Occupational exposure and effects on the male reproductive system. Cad. Saúde Pública. 2006; 22 (3): 485-493.

Goloubkvo T, Spritzer PM. Xenoestrogênios: o Exemplo do Bisfenol-A.Arqbrasendocrinolmetab. 2000; 44 (4): 323-333.

Comissão das Comunidades Europeias. Estratégia comunitária em matéria de desreguladores endócrinos substâncias suspeitas de interferir com os sistemas hormonais dos seres humanos e dos animais. Comunicado da Comissão ao Parlamento Europeu. Bruxelas; 1999. Disponível em: <http://www.europarl.europa.eu/meetdocs/committees/envi/20000418/123706_pt.pdf > Acesso em 20 jul 2007.

Bhalli JA, Khan QM, Haq MA, Khalid AM, Nasim A. Cytogenetic analysis of pakistani individuals occupationally exposed to pesticides in a pesticide production industry. Mutagenesis. 2006. 21 (2): 143-148.

Meyer, A. Sarcinelli PN,Moreira JC. Estarão alguns grupos populacionais brasileiros sujeitos à ação de disruptores endócrinos?.Caderno de Saúde Pública. 1999; 15(4): 845-850.

AgraNG, Santos RF. Agricultura brasileira: situação atual e perspectivas de desenvolvimento. Sociedade Brasileira de Economia e Sociologia Rural. Recífe, 2001. Disponível em: <http://www.eco.unicamp.br/nea/rurbano/textos/congrsem/sober01/s012.htm> Acesso em: 10 jun. 2007.

Kim CW, Go RE, Choi KC. 224 a growth of human bg-1 cancer cells expressing estrogen receptors was enhanced by synthetic pyrethroids, lambda-cyhalothrin and cypermethrin, via an estrogen receptor-dependent signaling pathway. ReprodFertil Dev. 2014; 27(1):201-2.

Solomon GM, Schettler, T. Endocrine Disruption and Potential Human Health Implications. CMAJ. 2000. 163(11) : 1471-1476.

Verderame M, Limatola E. Interferences of an environmental pollutant with estrogen-like action in the male reproductive system of the terrestrial vertebrate Podarcis sicula. Gen Comp Endocrinol. 2015; 10 (213): 9-15.

Kroon FJ et al. Altered transcription levels of endocrine associated genes in two fisheries species collected from the Great Barrier Reef catchment and lagoon. Mar Environ Res. 2015; 104:51-61

Gomide, M. Agrotóxico: que nome dar? Ciênc. saúde coletiva. Rio de Janeiro. 2005; 10 (4): 707-714.

Soares WL, Porto MF. Atividade agrícola e externalidade ambiental: uma análise a partir do uso de agrotóxicos no cerrado brasileiro. Ciênc. Saúde coletiva.2007;12(1):131-143.

Bavaresco PR. Colonização do extremo oeste catarinense: Contribuições para a história campesina da América Latina. Rio Grande, 2006. Disponível em: <http://www.alasru.org/cdalasru2006/17%20GT%20Paulo%20Ricardo%20Bavaresco.pdf > acesso em 09 jun 2007.

Meyer A, Chrisman J, Moreira JC, KoifmanS.. Cancer mortality among agriculturalworkers from Serrana Region, state of Rio de Janeiro, Brazil.Environ Res. 2003; 93 (3): 264-71.

Peres F. Os desafios da construção de uma abordagem metodológica de diagnostico rápido das percepções de riscos no trabalho. In: Peres F, Moreira JC. É veneno ou é remédio? agrotóxicos, saúde e ambiente. Rio de janeiro: Fiocruz; 2003.

Da Silva MV.A utilização dos agrotóxicos em lavouras cafeeiras frente aos riscos da saúde do trabalhador rural no município de Cocal- RO (Brasil) 2006. Dissertação de Mestrado- Ciências da Saúde, Universidade de Brasília, Brasília; 2006

Belo, MS da SP et al . Uso de agrotóxicos na produção de soja do estado do Mato Grosso: um estudo preliminar de riscos ocupacionais e ambientais. Rev. bras. saúde ocup., São Paulo , v. 37, n. 125, 2012.

GASNIER, C. et al. Glyphosate-based herbicides are toxic and endocrine disruptors in human cell lines. Toxicology, v. 262, n. 3 p. 184-191, Aug. 2009

Peres F, Moreira JC. É veneno ou é remédio?Agrotóxicos, saúde e ambiente.Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2003.

Brasil. Lei nº 7.802, de 11 de julho de 1989. Dispõe sobre a pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e rotulagem, o transporte, o armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a utilização, a importação, a exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a classificação, o controle, a inspeção e a fiscalização de agrotóxicos, seus componentes e afins, e dá outras providências. In. Congresso Nacional. Legislação Republicana Brasileira. Brasília 1989; 11jul. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil/LEIS/L7802.htm> Acessado em 03 jun 2007.

Brasil. Decreto nº 98.816, de 11 de janeiro de 1990. Regulamenta a Lei Nº 7.802, de 11 de julho de 1989, que dispõe sobre a pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e rotulagem, o transporte, o armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a utilização, a importação e exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a classificação, o controle, a inspeção e a fiscalização de agrotóxicos, seus componentes e afins, e dá outras providências. Legislação Republicana Brasileira. Brasília 1999; 11 jan. Disponível em: <http://www.lei.adv.br/98816-90.htm> Acesso em 25 set. 2007.

Brasil. Lei nº 9.974, de 06 de junho de 2000. Dispõe sobre a pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e rotulagem, o transporte, o armazenamento, a utilização, a importação, a exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a classificação, o controle, a inspeção e a fiscalização de agrotóxicos, seus componentes e afins, e dá outras providências In. Congresso Nacional. Legislação Republicana Brasileira. Brasília 2000; 6 jun. Disponível em: <http://www.lei.adv.br/9974-00.htm> Acessado em 24 ago. 2007.

Alves Filho JP. Medidas individuais de proteção no trabalho com agrotóxicos: indicações básicas e limitações. II Simpósio Internacional de Tecnologia de Aplicação de Agrotóxicos (II SINTAG): Eficiência, Economia e Preservação da Saúde Humana e do Ambiente, 2001.