Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Mapeamento de Riscos como Ferramenta para Ações de Prevenção em Saúde do Trabalhador: Estudo de Caso em Consultório Odontológico

DOI: http://dx.doi.org/10.18024/1519-5694/revuniandrade.v16n1p45-57

http://uniandrade.br/revistauniandrade/index.php/revistauniandrade/index 

downloadpdf

Eliana N. C. Silva1, Pedro P. N. Oliveira2, Leda F. Jesus1, Héctor N. C. Silva3, Gilson B. A. Lima& Liliane R. Teixeira1

 

Resumo: O cirurgião-dentista, durante sua vida laboral, se expõe a vários fatores de risco. Objetivando contribuir para a compreensão do conceito de risco, a melhoria das condições de trabalho e a reflexão do trabalhador cirurgião-dentista quanto aos riscos inerentes ao seu campo de atuação profissional, este estudo de caso se propôs a mapear os riscos em um consultório odontológico por meio da identificação dos riscos existentes, de forma a facilitar a apresentação de medidas preventivas para a eliminação e/ou controle dos riscos identificados. Foram identificados riscos físicos (ruído, vibração, radiação ionizante e não ionizante), químicos (gases, vapores, poeiras, produtos químicos em geral), biológicos (microrganismos dispersos no ar, em sangue e outros fluidos biológicos corporais, em instrumentos e superfícies), ergonômicos (esforço físico, postura inadequada, controle rígido de produtividade, ritmos excessivos, monotonia, repetitividade), acidentes (arranjo físico inadequado e risco de explosão). Concluiu-se que a rotina de exposição levou esses trabalhadores a um quadro de naturalização dos riscos na relação do processo de trabalho com a saúde, pouco rigor com as medidas de proteção e valorização do processo produtivo em detrimento da saúde dos profissionais. Considera-se fundamental a ênfase na biossegurança como disciplina em cursos preparatórios de profissionais para a saúde. A análise periódica da organização do trabalho e a (re)utilização da metodologia de mapeamento de risco pelos trabalhadores do consultório podem dar continuidade à reflexão acerca dos fatores de risco e das medidas preventivas existentes.

Palavras-chave: dentistas, mapa de risco, odontologia, riscos ocupacionais, saúde do trabalhador

 

Abstract: During their working life, dentists are exposed to various factors of risks. In order to help understand the concept of risk, improve working conditions and encourage dental workers to reflect on the risks inherent in their professional field, the aim of this case study was to map the risks in the dental office. The identification of risks would facilitate the introduction of preventive measures for the elimination and/or control of the risks that were identified. The risks identified were physical (noise, vibration, ionizing and non-ionizing radiation), chemical (gasses, vapors, dust, chemicals in general), biological (micro-organisms dispersed in the air, in the blood and other bodily biological fluids, in the instruments and surfaces), ergonomic (physical exertion, poor posture, rigid control of productivity, excessive rhythms, monotony, repetitiveness, job dissatisfaction), accidents (inappropriate physical arrangement and risk of explosion). It was concluded that exposure routine led these workers to consider the risks natural in the relationship between work process and health; that the security measures were not rigorously applied; and that the production process was enhanced at the expense of the health of the professionals. Biosafety is considered an important subject in preparation courses for health professionals. The periodic analysis of the work organization and the (re)utilization of risk mapping methodology by dental workers may allow them to continue reflecting on the existing risk factors and preventive measures.

Key words: dentists, risk map, dentistry, occupational risks, occupational health

 

1 Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), Rio de Janeiro, Brasil
2 Universidade Federal Fluminense (UFF), Rio de Janeiro, Brasil
3 Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, Brasil e-mail: ensilva@ensp.fiocruz.br

 

Literatura Citada

Bragança DPP, Fernandes MM, Sassi C, Francesquini Júnior L, Daruge Júnior E. Condutas do cirurgião-dentista frente a acidentes biológicos. Odonto. 2010;18(35):24-29.

Rodrigues MP, Domingos Sobrinho M, Silva EM. Os cirurgiões-dentistas e as representações sociais da Aids. Cien Saude Colet. 2005;10(2):463-472.

Pernambuco (Estado), Secretaria Estadual de Saúde, Divisão Estadual de Saúde Bucal de Pernambuco. Manual de Biossegurança no Atendimento Odontológico. [Internet]. Recife; 2001. [citado 2012 abril 20]. Disponível em: http://www.cro-rj.org.br/biosseguranca/BIOSSEGURAN%C7A%20EM%20ODONTOLOGIA%20%20-%20%20ANVISA.pdf

Nogueira SA, Bastos LF, Costa ICCl. Riscos Ocupacionais em Odontologia: Revisão da Literatura. UNOPAR Cient., Ciênc. Biol. Saúde. 2010;12(3):11-20.

Mattos UAO, Santos PR. Avaliação dos ambientes de trabalho através do mapeamento de riscos. In: Teixeira P, Valle S (orgs). Biossegurança – uma abordagem multidisciplinar. 2ª ed. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 2010. p. 115-133

Ministério do Trabalho e da Administração. Portaria nº. 05, de 17 de agosto de 1992. Altera a Norma Regulamentadora nº. 9, estabelecendo a obrigatoriedade de elaboração do mapa de riscos ambientais. [Internet]. Brasília; 1992. [citado 2012 abril 21]. Disponível em: ftp://ftp.feq.ufu.br/Luis/Seguran%E7a/Aula%20POS-Mec-2008/SIAR-03-06-2008/Mapa%20de%20Riscos/PORTARIA%20DNSST%20N%BA%205,%20DE%2017%20DE%20AGOSTO%20DE%201992.PDF

Ministério do Trabalho e Emprego. MTE. Portaria N.º 25, DE 29 de dezembro de 1994. NR 9 - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. [Internet]. Brasília; 1994. [citado 2012 abril 21]. Disponível em: http://portal.mte.gov.br/data/files/FF8080812BE914E6012BEA44A24704C6/p_19941229_25.pdf

Porto MFS. Análise de riscos nos locais de trabalho: conhecer para transformar. São Paulo: Kingraf; 2000.

Jesus LF, Marinha MS, Moreira FR. Amálgama dentário: fonte de contaminação por mercúrio para a Odontologia e para o meio ambiente. Cad. Saúde Colet., 2010a;18(4):509-15.

Glina DMR, Satut BTG, Andrade EMOAC. A exposição ocupacional ao mercúrio metálico no módulo odontológico de uma unidade básica de saúde localizada na cidade de São Paulo. Cad. Saúde Pública 1997;13(2):257-267.

Hökerberg YHM, Santos MAB, Passos SRL, Rozemberg B, Cotias PMT, Alves L,

Mattos.UAO. O processo de construção de mapas de risco em um hospital público. Ciênc. saúde coletiva. 2006;11(2):503-513.

Silva EJ, Lima MG, Marziale MHPO conceito de risco e os seus efeitos simbólicos nos acidentes com instrumentos perfurocortantes Rev Bras Enferm. 2012;65(5):809-814.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. ANVISA. RDC nº 50, de 21 de fevereiro de 2002. [Internet]. Brasília; 2002. [citado 2014 dez. 22]. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/ca36b200474597459fc8df3fbc4c6735/RDC+N%C2%BA.+50,+DE+21+DE+FEVEREIRO+DE+2002.pdf?MOD=AJPERES

Dias MC, Orenha ES, Sundefeld MLM M. Avaliação da distribuição e organização de móveis e equipamentos na área de tratamento dos estabelecimentos de assistência odontológica. Cienc Odontol Bras. 2007;10(2):40-46.

Sikri VK . Color: Implications in dentistry. J Conserv Dent. 2010;13(4):249–255.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. ANVISA. Serviços de Saúde. Aspectos da Segurança no Ambiente Hospitalar. [Internet]. Brasília; 2009. [citado 2012 jun. 22]. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/servicosaude/manuais/manual_seg_hosp.htm

Conselho Federal de Odontologia. CFO. Biossegurança [Internet] Brasília; 1999. [citado 2014 dez. 16]. Disponível em: http://cfo.org.br/wp-content/uploads/2009/09/manual_biosseguranca.pdf.

Guimarães Filho R, Neves ACC, Marzochi LML, Moraes MB, Silva PHC. Importância da anamnese para o manejo das possibilidades emergenciais em Odontologia: uso da avaliação Asa. Revista Biociên. 2005;12(3-4):170-173.

Ferreira NP, Ferreira AP, Freire MCM. Mercado de trabalho na odontologia: contextualização e perspectivas. Rev. odontol. UNESP. 2013;42(4):304-309

Ribeiro A I. Condomínios odontológicos: alternativa globalizada para o terceiro milênio. Curitiba: Maio, 2001.

Scopel J, Oliveira PAB. Prevalência de sintomas osteomusculares, postura e sobrecarga no trabalho em cirurgiões-dentistas. Rev Bras Med Trab. 2011;9(1):26-32.

Lourenco EA, Berto JMR, Duarte SB, Greco JPM. Ruído em consultórios odontológicos pode produzir perda auditiva? Arquivos Int. Otorrinolaringol. 2011;15(1):84-88

Gonçalves CGO, Lacerda ABM, Ribas A, Oliva FC, Almeida SB, Marques JM. Exposição ocupacional ao ruído em odontólogos do Paraná: percepções e efeitos auditivos. Rev Odontol UNESP. 2009;38(4):235-43.

Oliveira ALBM, Campos JADB, Garcia PPNS. Ruído ambiental e sua percepção pelos alunos de odontologia. Rev. odontol. UNESP. 2007;36(1): 9-16

Lopes AC, Melo AD P, Santos CC. Estudo dos limiares de audibilidade nas altas frequências em trabalhadores da área odontológica. Int. Arch. Otorhinolaryngol. 2012;16(2):226-231.

Daud MK, Noh NF, Sidek DS, Abd Rahman N, Abd Rani N, Zakaria MN. Screening of dental staff nurses for noise induced hearing loss. B-ENT. 2011;7(4):245-9.

Tôrres BO, Fernandes MJM, Félix SSS, Costa ICC. A Perda Auditiva Induzida pelo Ruído (PAIR) na formação acadêmica: conhecimentos e medidas de prevenção. Odontologia. Clín.-Científ. 2007;6(2):151-154.

Regis Filho G, Zmijevskib TRL, Pietrobonc L, Fadeld MAV, Klug FK. Exposição ocupacional do cirurgião-dentista à vibração mecânica transmitida através das mãos: um estudo de caso. Prod. 2010;20(3):502-509.

Jesus LF, Marinha MS, Moreira FR. Distúrbios osteomusculares em cirurgiões-dentistas: Uma revisão de literatura. Revista Uniandrade. 2010b;11(1):75-88.

Mansfield NJ. The European vibration directive – how will it affect the dental profession? Br Dent J. 2005;199:575 – 577.

Ganesh M, Parikh D. Chemomechanical caries removal (CMCR) agents: Review and clinical application in primary teeth. J Dent Oral Hyg. 2011;3(3):4-45.

Ribeiro EDP, Bittencourt S, Zanatta G, Sallum EA, Nociti Júnior FH, Casati MZ. Instrumentação Manual X Ultra-Sônica. Revista Periodontia. 2004;14(3):13-17.

Claus EB, Calvocoressi L, Bondy ML, Schildkraut JM, Wiemels JL, Wrensch M. Dental x-rays and risk of meningioma. Cancer. 2012;118(18):4530-7.

Simon S. Study Examines Possible Link Between Dental X-rays and Meningioma Risk [Internet] 2012. Georgia; American Cancer Society News. [citado 2012 abril 29]. Disponível em: http://www.cancer.org/Cancer/news/News/study-examines-possible-link-between-dental-x-rays-and-meningioma-risk

Oliveira GF, Costa Neto ML, Eid NLM, Pereira AC. Avaliação do conhecimento e dos procedimentos preventivos de radioproteção em consultórios odontológicos na cidade de São Paulo. Rev. da ABRO. 2005;6(1):35-41.

Serviço Social da Indústria - Delegacia Regional do Acre. SESI/DR/AC. Protocolos de biossegurança para profissionais em odontologia. [Internet]. Rio Branco; 2009. [citado 2012 abril 23]. Disponível em: http://www.fieac.org.br/documentos/SESI_AC_Protocolos_Biosseguranca_Profissionais_Odontologia.pdf

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. MS/SVS. Portaria Federal SVS - Nº 453, de 1 de junho de 1998 Capítulo 5 - Requisitos específicos para radiologia odontológica. [Internet]. Brasília; 1998. [citado 2012 abril 23]. Disponível em: http://www.conter.gov.br/uploads/legislativo/portaria_453.pdf

Roll EMB, Jacobsen Nils, Hensten-Pettersen A. Health hazards associated with curing light in the dental clinic. Clin Oral Investig. 2004;8(3):113-117.

Giro EMA, Santos-Pinto L, Campos JADB. O perigo das adaptações no consultório odontológico. RGO. 2001;49(1):37-39.

Petroucic F, Fontana UF, Hetem S, Fontana CR. Efeitos da luz visível azul emitida por um aparelho fotopolimerizador sobre a pele do lábio de coelhos. Rev. Odontol. UNESP. 2004;33(3):101-8

Costa FOC, Pietrobon L, Fadel MAV, Regis Filho GI. Doenças de caráter ocupacional em cirurgiões-dentistas: uma revisão da literatura. In: XXVI ENEGEP; 2006; Fortaleza, Ceará, Brasil. p. 1-7. [citado 2012 abril 26]. Disponível em: http://www.higieneocupacional.com.br/download/dentistas-fabiana.pdf

Gaujac C, Santos HT, Garção MS, Silva Júnior J, Brandão JRMCB, Silva TB. Sedação Consciente em Odontologia. Rev. Odontol. Univ. São Paulo. 2009;21(3): 251-7

Amarante EC, Amarante ES, Guedes Pinto AC. Atualiza-se sobre o uso da sedação consciente por óxido nitroso e oxigênio em odontologia. Rev. bras. odontol. 2003;60(2):95-98.

Oliveira CRD. Exposição ocupacional a resíduos de gases anestésicos. Rev. Bras. Anestesiol. 2009;59(1):110-124.

AGA S/A. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - Óxido Nitroso. [Internet]. Rio de Janeiro; 2004. [citado 2012 abril 26]. Disponível em: http://www.linde-gas.com.br/international/web/lg/br/likelgbr.nsf/repositorybyalias/pdf_msds_n/$file/Nitrous%20Oxide.pdf

Dean JA, Avery DR. McDonald RE. McDonald and Avery's Odontologia para Crianças e Adolescentes. 9ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier Brasil; 2011.

Heyer NJ, Echeverria D, Bittner ACJr, Farin FM, Garabedian CC, Woods JS. Chronic low-level mercury exposure, BDNF polymorphism, and associations with self-reported symptoms and mood. Toxicol Sci. 2004;81(2):354-63.

Canto-Pereira LHM, Lago M, Costa MF, Rodrigues AR, Saito CA, Silveira LCL, et al. Visual impairment on dentists related to occupational mercury exposure. Environ Toxicol Pharmacol. 2005;19:517–22.

Samir AM, Aref WM. Impact of occupational exposure to elemental mercury on some antioxidative enzymes among dental staff. Toxicol Ind Health. 2011;27(9):779-86.

Organização Pan-Americana da Saúde. OPAS. Cooperação Técnica entre Brasil, Bolívia e Colômbia: Teoria e Prática para o Fortalecimento da Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Mercúrio. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2011.

American Dental Association. ADA. Dental mercury hygiene recommendations. J Am Dent Assoc. 2003;134(11):1498-1499.

Pithon MM, Santos RL, Martins FO, Romanos MTV. Cytotoxicity of dental alginates. Rev. odonto ciênc. 2009;24(3):270-273.

Braga AS, Braga SRS, Catirse ABCEB, Vaz LG, Spadaro ACC. Potencial tóxico dos alginatos para uso odontológico. Rev. Ciênc. Farm. Básica Apl. 2007;28(2):153-158.

FMC Corporation. Protan l® LF 10/6 LS odium Alginate. [Internet]. Philadelphia; 2014. [citado 2014 dez. 18]. Disponível em: http://msdsviewer.fmc.com/private/document.aspx?prd=2210400B~~PDF~~MTR~~BPNA~~EN~~1/1/0001%2012:00:00%20AM~~PROTANAL%C2%AE%20LF%2010/60%20LS%20SODIUM%20ALGINATE~~ 

ORMCO Corporation. Basis Alginate Impression Material . [Internet]. Orange; 2014. [citado 2014 dez. 18]. Disponível em: http://www.ormco.com/pdf-downloads/msds/BasisAlginateImpressionMaterial.pdf

Vermont Safety Information Resources, Inc. SIRI. Caulk/Dentsply -- Jeltrate Plus - Antimicrobial Fast Set -- 6520-00F015805. [Internet]. Vermonte; 1991. [citado 2014 dez. 16]. Disponível em: http://hazard.com/msds/f2/bkf/bkfbw.html.

Klaassen C, Watkins JB. Fundamentos em Toxicologia de Casarett e Doull (Lange). 2nd ed. Porto Alegre: McGraw Hill / Artmed, 2012. 472 p.

International Agency for Research on Cancer. IARC. Agents Classified by the IARC Monographs, Volumes 1–111. [Internet]. Lyon; 2014. [citado 2014 dez. 18]. Disponível em: http://monographs.iarc.fr/ENG/Classification/ClassificationsGroupOrder.pdf

Ministério do Trabalho e Emprego. MTE. Portaria DNSST n.º 08, de 05 de outubro de 1992. Altera os Anexos n.º 12 e 13, da Norma Regulamentadora n.º 15. [Internet]. Brasília; 1992. [citado 2014 dez. 18]. Disponível em: http://portal.mte.gov.br/data/files/FF8080812C12AA70012C1309511D623E/p_19921005_08.pdf

Rio de Janeiro (Estado). Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil. SESDEC/RJ. Resolução SESDEC Nº 431 de 29 de agosto de 2008. Suspensão cautelar do uso da solução de glutaraldeido a 2% como desinfetante de médio e alto nível e esterilizante, para artigos médicos no âmbito do Estado do Rio de Janeiro e dá outras providências. [Internet]. Rio de Janeiro; 2008. [citado em 2014 dez. 18]. Disponível em: http://www.legislacaodesaude.rj.gov.br/resolucoes/803-resolucao-sesdec-n-431-de-29-de-agosto-2008.html

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. ANVISA. RDC Nº 31, de 4 de julho de 2011. Dispõe sobre a indicação de uso dos produtos saneantes na categoria "Esterilizante", para aplicação sob a forma de imersão, a indicação de uso de produtos saneantes atualmente categorizados como "Desinfetante

Hospitalar para Artigos Semicríticos" e dá outras providências. [Internet]. Brasília; 2011. [citado em 2014 dez. 18]. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/e7a4dd0047fe1949bc35be9f306e0947/RESOLU%C3%87%C3%83O-RDC+31,+DE+04.07.11.pdf?MOD=AJPERES

Jara MAG, Alfonso M, Gulin JCA, Albiach ML, Ortiz LM, Monserrat PT, Ollé XE. Exposure of health workers in primary health care to glutaraldehyde. J Occup Med Toxicol. 2013;8:31.

Smith DR, Wang R. Glutaraldehyde exposure and its occupational impact in the health care environment. Environ Health Prev Med. 2006;11(1):3-10.

Rideout K , Teschke K, Dimich-Ward H, Kennedy S. Considering risks to healthcare workers from glutaraldehyde alternatives in high-level disinfection. J Hosp Infect. 2005;59(1):4–11.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. ANVISA. Glutaraldeído em estabelecimentos de assistência à saúde. Informe Técnico Nº 04/07. [Internet]. Brasília; 2007. [citado 2012 abril 26]. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/servicosaude/controle/alertas/informe_tecnico_04.pdf

Toholka R, Nixon R. Allergic contact dermatitis to chlorhexidine. Australas J Dermatol. 2013;54(4):303-6.

Krautheim AB, Jermann TH, Bircher AJ. Chlorhexidine anaphylaxis: case report and review of the literature. Contact Dermatitis. 2004;50(3):113-6.

Wittczak T, Dudek W, Walusiak–Skorupa J, Świerczyńska–Machura D, Pałczyński C. Chlorhexidine—still an allergic hazard for health care professionals. Occup Med (Lond). 2013;63(4):301-5

Wittczak T, Dudek W, Walusiak-Skorupa J, Świerczyńska-Machura D, Pałczyński C. Chlorhexidine—still an underestimated allergic hazard for health care professionals. Occup Med. 2013;63(4):301-305.

Pemberton MN, Gibson J. Chlorhexidine and hypersensitivity reactions in dentistry. British Dentarnal 2012;213:547-550

Ministério da Saúde. MS. Manual de Condutas – Exposição Ocupacional a Material Biológico: Hepatite e HIV / Coordenação Nacional de DST e AIDS. Brasília: Ministério da saúde; 2000.

Center for Disease Control and Prevention. CDC. Frequently Asked Questions - Contact Dermatitis and Latex Allergy. [Internet]. Atlanta; 2012. [citado 2014 dez. 22]. Disponível em: http://www.cdc.gov/oralhealth/infectioncontrol/faq/latex.htm

Montalvão LN, Pires MC, Mello JF. Alergia ao látex em profissionais de saúde de São Paulo, Brasil. An. Bras. Dermatol. 2008;83(3):213-220.

Hamann CP, DePaola LG, Rodgers PA. Occupation-related allergies in dentistry. J Am Dent Assoc. 2005;136(4):500-10.

Kean T, McNally Mary. Latex Hypersensitivity: A Closer Look at Considerations for Dentistry. JCDA. 2009;75(4):280-282.

Chin SM, Ferguson JW, Bajurnows T. Latex allergy in dentistry. Review and report of case presenting as a serious reaction to latex dental dam. Aust Dent J. 2004;49(3):146-8.

Clarke A. The provision of dental care for patients with natural rubber latex allergy: are patients able to obtain safe care? Br Dent J. 2004;197(12):749-752.

Sharma R, Rasania SK, Verma A, Singh S. Study of Prevalence and Response to Needle Stick Injuries among Health Care Workers in a Tertiary Care Hospital in Delhi, India . Indian J Community Med. 2010;35(1):74–77.

Garcia LP, Blank VLG. Condutas pós-exposição ocupacional a material biológico na odontologia. Rev. Saúde Pública. 2008;42(2):279-286.

Alexander RE, Limes S. Is your office prepared for an accidental needlestick or other unexpected exposure incident? Tex Dent J. 2010;127(1):15-25.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. ANVISA. Serviços Odontológicos: Prevenção e Controle de Riscos. [Internet]. Brasília; 2006. [citado 2012 abril 21]. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/servicosaude/manuais/manual_odonto.pdf

Jesus LF, Moreira FR. Biosecurity in a brazilian public dental unit. Int. J. of Safety and Security Eng. 2014);4(3):1–10.

Garcia LD, Pece CAZ, Maia JM, Naressi WG. Diferenças cinético-funcionais de cirurgiões dentistas utilizando fórceps convencional e fórceps ergonômico. Revista Uniandrade 2013;14(3):217-228.

Kotliarenko A, Michel-Crosato E, Biazevic MGH, Crosato E, Silva PR. Distúrbios osteomusculares e fatores associados em cirurgiões dentistas do meio oeste do estado de Santa Catarina. Rev. odonto ciênc. 2009;24(2):173-179.

Regis Filho GI, Michels, G, Sell I. Lesões por esforços repetitivos/distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho de cirurgiões-dentistas: aspectos biomecânicos. Production Journal 2009;19(3):69-580.

Graça CC, Araújo TM, Cruiff EPS. Desordens musculoesqueléticas em cirurgiões-dentistas. Sitientibus. 2006;34:71-86.

Malone EB, Dellinger BA. Furniture Design Features and Quality Care. Center for Health Design [Internet]. Concord; 2011.

Health and Safety Executive. HSE. Tread safely - A guide to health and safety in the tyre retread industry. [Internet]. London; 2003. [citado 2012 abril 26]. Disponível em: http://www.hse.gov.uk/pubns/indg380.pdf

Sindicato dos Servidores Estaduais da Saúde do Paraná. SINDSAÚDE. Autoclave explode no Hospital Regional do Litoral. 03/10/2012 [Internet]. Curitiba; 2012. [citado 2014 dez. 21]. Disponível em: http://www.sindsaudepr.org.br/noticias/2371/autoclave-explode-no-hospital-regional-do-litoral

Sindicato da Saúde, Trabalho e Previdência Social do Estado do Rio de Janeiro. SINDSPREV.

Explosão de autoclave deixa duas servidoras feridas 09/08/2005 [Internet]. Rio de Janeiro; 2005. [citado 2014 dez. 21]. Disponível em: http://www.sindsprevrj.org.br/jornal/secao.asp?area=13&entrada=1915