Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Riscos Associados ao Uso de Plantas Medicinais Durante o Período da Gestação: Uma Revisão

DOI: http://dx.doi.org/10.18024/1519-5694/revuniandrade.v16n2p101-108

http://uniandrade.br/revistauniandrade/index.php/revistauniandrade/index 

downloadpdf

Rafaela A. M. Borges1 & Vinícius B. de Oliveira1

 

Resumo: O uso de plantas medicinais no tratamento de enfermidades possuem registros desde o inicio da civilização, este conhecimento sobre as plantas vêm sendo passado de geração em geração, e seu uso é amplamente difundido e popular, dado que raríssimas vezes sua utilização é acompanhada por profissional habilitado. Os fitoterápicos sempre foram aliados à crença popular, porém hoje seu uso já ganha destaque assim como o estudo das plantas medicinais, uma vez que as propriedades terapêuticas, em muitos casos, não se confirmam quanto à validade científica. Este trabalho tem como objetivo avaliar através de uma revisão bibliográfica, os potenciais riscos do uso de plantas medicinais mais comuns utilizadas durante a gestação e amamentação. Por meio da análise das informações obtidas, identifica-se a necessidade de serem desenvolvidos estudos baseados na perspectiva do conhecimento populacional sobre o uso de plantas medicinais na gestação, levando em consideração que diversas espécies utilizadas no período gestacional podem acarretar em problemas tóxicos graves e até mesmo levar ao aborto. Este conhecimento torna-se extremamente importante e deve ser considerado na formulação de políticas públicas para assegurar a promoção do uso racional de plantas medicinais na gestação.

Palavras-chave: gestação, fitoterapia, plantas medicinais, automedicação, teratogenicidade.

 

Abstract: The use of medicinal plants in treating diseases have records since the beginning of civilization, this knowledge of plants are being passed from generation to generation, and its use is widespread and popular, because very rarely use is accompanied by a qualified professional . Herbal were always allied to popular belief, however today its use has gained prominence as the study of medicinal plants, since the therapeutic properties, in many cases, are confirmed as no scientific validity. This work aims to evaluate through a literature review, the potential risks of using the most common medicinal plants used during pregnancy and breastfeeding. Through the analysis of information, identifies the need to be developed based studies from the perspective of public awareness of the use of medicinal plants during pregnancy, taking into consideration that several species used during pregnancy can result in serious problems and even toxic even lead to miscarriage. This knowledge becomes extremely important and should be considered in the formulation of public policies for promoting the rational use of medicinal plants during pregnancy.

Key words: pregnancy, herbal medicine, herbal medicines, self-medication, teratogenicity.

 

1 Centro Universitário Campos de Andrade (UNIANDRADE), Paraná, Brasil. e-mail: vinicius.bednarczuk@hotmail.com

 

Literatura Citada

Alves AR, Silva MJP. O uso da fitoterapia no cuidado de crianças com até cinco anos em área central e periférica da cidade de São Paulo. Revista Escola de Enfermagem, 2003; 37(4), 8591.

ANVISA, Fitoterápicos, 2010. Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br/fitoterapicos/poster_fitotera picos-2.pdf>. Acesso em: 12 abr. 2014.

Mengue SS, Mentz LA, Schenkel EP. Uso de plantas medicinais na gravidez. Revista Brasileira de Farmacognosia, 2001, 11 (1), 21-35.

Alonso JR 1998. Tratado de fitomedicina: bases clínicas y farmacológicas. ISIS. Ediciones SRL, 238-254.

Alvarenga FCR, Garcia EF, Bastos EMAF, Grandi TSM, Duarte MGR. Avaliação da qualidade de amostras comerciais de folhas e tinturas de guaco. Revista Brasileira de Farmacognosia, 2009, 19(2A), 442-448.

Damasceno DC, KEMPINAS, W.D.G.; VOLPATO, G.T.; CONSONNI, M.; RUDGE, M.V.C.; PAUMGARTTEN, F.J.R. Anomalias Congênitas: Estudos Experimentais. Coopmed, 2008. 102.

Almeida FCG, Lemonica IP. The toxic effects of Coleus barbatus B. on the different periods of pregnancy in rats. Journal of ethnopharmacology, 2000, 73, 53-60.

Eldin S, Dunford A. Fitoterapia na atenção primária à saúde. São Paulo: Manole. 2001.

Vanaclocha BV, Folcará SC. Fitoterapia: vade mécum de prescripción. 4. ed. Barcelona: Masson, 2003. 1091.

Kalluf L. Fitoterapia Funcional, dos Princípios Ativos à Prescrição de fitoterápicos, 1ª ed., VP editora, São Paulo, 2008.

Oliveira CJ, Araújo TL. Plantas medicinais: usos e crenças de idosos portadores de hipertensão arterial. Revista Eletrônica de Enfermagem, 2007, 09 (1), 93-105.

Sartório ML, Trindade C, Resende P, Machado JR. Cultivo orgânico de plantas medicinais.Viçosa, MG: Aprenda fácil, 2000. 258.

Cordeira CHC, Chung MC, Sacramento LVS. Interações medicamentosas de fitoterápicos e fármacos: Hypericumperforatum e Piper methysticum. Revista Brasileira de Farmacognosia, 2005, 15, 272-278.

Gallo M, Koren G. Can herbal products be used safely during pregnancy: Focus on Echinacea. CanFamPhysician, 2001, 47, 1727-8.

Rates SMK. Uso racional de fitoterápicos. Revista Afargs. Edição especial, 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. ANVISA. Portaria 116, de 08 de agostode 1996. Diário Oficial da União, 12.08.1996.

BRASIL. Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro. Resolução nº 1757, de 18 de fevereiro de 2002.Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro, 20.02.2002.

Fundação Oswaldo Cruz/Centro de Informação Científica e Tecnológica/Sistema Nacional de Informações Tóxico- Farmacológicas (SINITOX). Casos Registrados de Intoxicação Humana por Agente Tóxico e Sexo. Brasil. Rio de Janeiro, FIOCRUZ/CICT ;/SINITOX, 2002 a 2012.

Rigo T. Pesquisa aponta que uso de chá durante a gravidez pode ser prejudicial. http://www.upf.tche.br/assessoria/noticias/noticia.php?codNoticia=6722

Mucury CCSMG. Etnofarmacologia e o período gestacional: os constituintesquímicos e suas respectivas atividadesbiológicas. Escola de Saúde do Exército, Programa de Pós Graduação em Aplicações Complementares as Ciências Militares. Rio de Janeiro, 2008.

Mengue SS, Schenkel EP, Schidt MI, Duncan BB. Fatores associados ao uso de medicamentos durante a gestação em seis cidade brasileiras. Caderno de Saúde pública, 2004, 20 (6), 1602- 1608.

BRASIL. Ministério da Saúde. ANVISA. Resolução RE nº 89, de 16 de março de 2004b. Diário Oficial da União, 19.03.2004.

Almeida FCG, Lemonica IP. The toxicity of Coleus barbatusB. On the different periods of pregnancy in rats. J Ethnopharmacol, 2000, 73 (1) 53-60.

Ferro D. Fitoterapia: conceitos clínicos. São Paulo: Atheneu. 2008, 211, 214.

Badke M, Budó MLD, Silva FM, Ressel LB. Plantas medicinais: o saber sustentado na prática do cotidiano popular. Research – investigación. 2011, 15 (1), 139-132.

Lanini J, Duarte-Almeida JM, Nappo S, Carlini EA. “O que vêm da terra não faz mal” - relatos de problemas relacionados ao uso de plantas medicinais por raizeiros de Diadema/SP. Revista Brasileira de Farmacognosia, 2009, 19 (1), 129-121.

Nicoletti M, Oliveira-Junior MA, Bertasso CC, Caporossi PY, Tavares APL. Principais interações no uso de medicamentosfitoterápicos. Infarma, 2007, 19 (1/2), 32-40.

Turolla M, Nascimento E. Informações toxicológicas de alguns fitoterápicos utilizados no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, 2006, 42 (2).

Lorenzi H, Matos F. Plantas medicinais no Brasil:nativas e exóticas. 2. ed. São Paulo: Instituto Plantarum, 2008,16-12.

Campesato VR. Uso de Plantas Medicinais durante a gravidez e risco para malformações congênitas. Tese de Doutorado, Porto Alegre, 2005.

Brum LFS, Pereira P, Felicetti LL, Silveira RD. Utilização de medicamentos por gestantes usuáriasdo Sistema Único de Saúde no município de Santa Rosa (RS, Brasil). Ciência & Saúde Coletiva, 2011, 16, 2442-2435.

Silva J, Dantas I, Chaves T. Plantas utilizadas como abortivas no município de Bom Jardim PE. Biofar, 2010, 4 (1), 128-117.

SOBRAVIME. Sociedade Brasileira de Vigilância de Medicamentos: A farmacovigilância no Brasil e no mundo. Boletim 44/45. Edições 2004-2005

Bisson MP. Farmácia clínica e atenção farmacêutica. 2. ed.Baruerí: Manole, 2007, 6983.

ORGANIZAÇÃO PAN- AMERICANA DE SAÚDE. Atenção farmacêutica no Brasil:trilhando caminhos: relatório 2001- 2002. Brasília, 2002.46 p.

Silveira PF. Perfil de Utilização e Monitorização de Reações Adversas a Fitoterápicos do Programa Farmácia Viva em uma Unidade Básica de Saúde de Fortaleza – CE, 2007. Dissertação de Mestrado – Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, Universidade Federal do Ceará.