Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Gestão do Risco Operacional em Arranjo Produtivo Local: Um Estudo Exploratório no Setor de Fruticultura

DOI: http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v14n41p46-60

http://revista.crcsc.org.br/revista/ojs-2.2.3-06/index.php/CRCSC/index 

downloadpdf

Francisco A. Carlos Filho1, Umbelina C. T. Lagioia2, João G. N. Araújo3, Lucivaldo L. Silva Filho4 & Ítalo S. Barbosa5

 

Resumo: Este trabalho teve como objetivo compreender como ocorre a gestão do risco operacional no Arranjo Produtivo Local de fruticultura no Vale do São Francisco. A pesquisa é classificada como exploratória e descritiva, pois, ao buscar uma aproximação com o fenômeno investigado, a partir do levantamento de informações por meio da pesquisa de campo realizada, foi possível conhecer mais a seu respeito, bem como descrevê-lo e analisá-lo. O estudo também é caracterizado como uma pesquisa quantitativa. Teve como população as empresas exportadoras de frutas situadas no cluster de fruticultura do Vale do São Francisco. O número total de produtores exportadores desse cluster é de 38. A amostra deste estudo é composta de 31 questionários respondidos. Pôde se concluir que boa parte dos entrevistados adotam procedimentos de gestão do risco operacional. Se o gestor utilizar a análise de desempenho como finalidade no processo decisório, maior será a probabilidade de o mesmo utilizar a gestão do risco operacional na sua empresa. Entretanto, quanto maior for a não utilização, objetivando a tomada de decisão como finalidade no processo decisório, menor será a probabilidade do administrador utilizar a gestão do risco operacional.

Palavras-chave: Arranjo produtivo local. Gestão do risco operacional. Fruticultura

 

Abstract: This study aimed at understanding how the operational risk management of the cluster of fruitculture works in Vale do São Francisco. According to the objectives of this study, the research is classified as exploratory and descriptive, because it tries to approach the investigated phenomenon by gathering information through field research. It was possible to learn more about such phenomenon  as well as describing it and analyzing it. It is also characterized as quantitative. The research has as its population the fruit exporting companies located in the cluster of fruitculture Vale do São Francisco. The total number of exporting producers in the cluster is 38, with a sample of 31 questionnaires. It might be concluded that most of the respondents have some methods of operational risk management and that managers use performance analysis intended in the decision making process. If the manager analyzes performance as the goal in a decision-making process, the more likely it is that the same manager uses the operational risk management in the company. However, the greater the non-use of decision making as purpose in decision making process, the less likely the manager use of operational risk management.

Key words: Cluster. Operational risk management. Fruitculture

 

1 Mestre em Ciências Contábeis/UFPE. Universidade de Pernambuco/UPE. Endereço: BR 101, Km 183 Sul, Nova Palmares | Palmares/PE | Brasil. E-mail: francisco.assis@upe.br
2 Doutora em Administração Universidade Federal de Pernambuco/UFPE. Endereço: Avenida Prof Moraes Rego, 1235 - Cidade Universitária | Recife/PE | Brasil. E-mail: umbelinalagioia@gmail.com
3 Mestre em Ciências Contábeis/UFPE. Professor da Faculdade Santa Helena. Endereço: Avenida Caxangá,990 - Madalena - Recife/PE | Brasil. E-mail: j_gabriel90@hotmail.com
4 Mestre em Ciências Contábeis/UFPE. Professor da Faculdade Joaquim Nabuco. Endereço: Avenida Senador Salgado Filho, s/n - Centro - Paulista/PE | Brasil. E-mail: lucivaldo.lourenco@gmail.com
5 Graduando em Ciências Contábeis da Universidade Federal de Pernambuco/UFPE. Endereço: Avenida Prof Moraes Rego, 1235 - Cidade Universitária, Recife/PE | Brasil. E-mail: italosouza97@hotmail.com

 

Literatura Citada

ACADEMIA DO VINHO. Disponível em: <http://www.academiadovinho.com.br/_regiao_mostra.php?reg_num=BR04>. Acesso em: 31 ago. 2013.

BANCO DO NORDESTE. Política produtiva para o Nordeste – uma proposta. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2006.

BIS. Bank for International Settlements. Sounds Practices for the management and Supervision of Operational Risk. Basel Committee on Banking Supervision. February 2003. Disponiviel em <http://www.bis.org>. Acesso em: 12 jul. 2013.

BIS. Bank for International Settlements. International Convergence of Capital Measurement and Capital Standards: a revised framework. Basel Committee on Banking Supervision. June 2004. Disponível em: < http://www.bis.org>. Acesso em: 12 jul. 2013.

BORGES, Jomar F. Integração entre abordagens quantitativa e qualitativa para a mitigação do risco operacional: estudo no Banco Central do Brasil. 2010. 136 p. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade de Fortaleza, Fortaleza, 2010.

BRIGHAM, E. F.; GAPENSKI, L. C. Financial Management: Theory and Practice. Florida: The Dryden Press, 1994.

CAMERON, A. C.; TRIVEDI, P. K. Microenonometrics: methods and applications. New York: Cambridge University Press, 2005.

CARVALHO, L. N.; TRAPP, A. C. G.; CHAN, B. L. Disclosure e risco operacional: uma abordagem comparativa em instituições financeiras que atuam no Brasil, na Europa e nos Estados Unidos. Revista de Administração da USP, v. 39, jul./ago./set. 2004.

CREPALDI, S. A. Contabilidade Gerencial. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

CROUHY, M.; GALAI, D.; MARK, R. Gerenciamento de Risco: Abordagem Conceitual e Prática: Uma Visão Integrada dos Riscos de Crédito, Operacional e de Mercado. Rio de Janeiro: Qualitymark, São Paulo: SERASA, 2004.

DUARTE JR, A. M. Riscos: Definições, tipos, medição e recomendações para o seu gerenciamento. Working paper, São Paulo: IBMEC, 2000.

FIGUEIREDO, S., CAGGIANO, P. C. Controladoria - teoria e prática. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GUAITOLLI, D. Risco operacional. 2003. Disponível em: <http://listaderiscos.com.br/Ir/foruns/tmasp?m=156648.forumid=18> . Acesso em: 13 out. 2012.

JORION, P. Value at risk: the new benchmark for managing risk. The McGraw-Hill Companies, Inc, 2001.

KING, J. L. Operational Risk: measuring and modeling. New York: John Wiley & Sons, 2001.

KINGSLEY, S.; ROLLAND, A.; TINNEY, A.; HOLMES, P. Operational Risk and Financial Institutions: getting started. In: Operational Risk and financial Institutions. London: Risk Books, 1998.

KRUGMAN, P. Geography and trade. Cambridge, Massachusetts: MIT Press, 1991.

KUKALIS, S. Agglomeration Economies and Firm Performance: the case of industry clusters. Journal of Management, v. 36,n. 2, p. 453-481, mar. 2010.

MACIEL, G. A. Grandes, médias e pequenas empresas em APLs: o tamanho da firma importa? In 5ª Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais, Brasília, 2011.

MARSHALL, A. Princípios de Economia. Traduzido por Rômulo Almeida e Ottolmy Strauch. Primeira Edição, São Paulo: Nova Cultural, 1982.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR. GTP/APL - Grupo de Trabalho Permanente para Arranjos Produtivos Locais. Levantamento institucional de APLs–2008. Disponível em: < http://www.mdic.gov.br/arquivos/dwnl_1210773084.pdf>. Acesso em: 20 out. 2013.

MORAES, S. C. S.; PAGANI, R.N; REZENDE, L.M; PILATTI, L. A. Liderança compartilhada na era da conectividade: uma análise em um arranjo produtivo local. In: A energia que move a produção: um diálogo sobre integração, projeto e sustentabilidade. ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 27., Foz do Iguaçu, 2007.

NORONHA, E.; TURCHI, L. Política industrial e ambiente institucional na análise de arranjos produtivos locais. Brasília, DF: IPEA – Ministério de Planejamento, Orçamento e Gestão, 2005.

OLIVEIRA, L. M.; PEREZ JR, J. H.; SANTOS SILVA, C. A. Controladoria estratégica. São Paulo: Atlas, 2011.

PADOVEZE, C. L. Controladoria estratégica e operacional. 2. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2009.

PAGANI, R. P.; RESENDE, L. M.; PILATTI, L. A. Metodologia para análise da competitividade de aglomerações produtivas embrionárias. Revista Espacios Digital, Caracas, v. 33, p. 1-1, 2012. Disponível em: < http://www.revistaespacios.com/a12v33n04/12330401.html>. Acesso em: 05 out. 2013.

PETER, R. R.; RESENDE, L. M.; CERANTO, F. A. A. Nível de maturidade de arranjos produtivos locais (APL): um diagnóstico no APL de bonés de Apucarana/PR. Revista Científica Eletrônica de Engenharia de Produção, Florianópolis, vol. 11, n. 3, p. 803-822, 2011. Disponível em:<http://producaoonline.org.br/rpo/article/view/875>. Acesso em: 05 out. 2013.

PORTER, M. E. Clusters and the new economics of competition. Harvard Business Review. v. 76, n. 6, nov/dec., p. 77-90 , 1998.

PURCIDONIO, P. M.; FRANCISCO, A. C. Práticas de gestão do conhecimento: um estudo de caso em indústria do APL do setor moveleiro de arapongas. Revista Gestão Industrial, vol. 3, n. 4, p. 69-80, 2007. Disponível em: < http://revistas.utfpr.edu.br/pg/index.php/revistagi/article/view/45>. Acesso em: 07 set. 2013.

ROEHL-ANDERSON, J. M.; BRAGG, S. M. The Controller´s function. Third edition. New Jersey: Wiley, 2005.

ROSENFELD, S. Bringing business clusters into the mainstream of economic development. European Planning Studies, v. 5, n. 1, p. 3-23,1997.

SANTOS, D. T.; BATALHA, M. O. Estratégia de produção em arranjos produtivos cerâmicos: o caso de pedreira (SP). Revista Científica Eletrônica de Engenharia de Produção, Florianópolis. vol. 10, n. 3, p. 599-620, 2010. Disponível em: <http://producaoonline.org.br/rpo/article/view/342>. Acesso em: 12 nov. 2013.

SELLITTO, M. A.; GUIMARÃES, M. G. Cálculo da complexidade organizacional em dois arranjos produtivos da indústria calçadista. Revista produto e produção, vol. 11, n. 3, p. 29-44, 2010. Disponível em: < http://seer.ufrgs.br/ProdutoProducao/article/view/11882> Acesso em: 12 Jul. 2013.

TRAPP, A. C. G.; CORRAR, L. J. Avaliação e gerenciamento do risco operacional no brasil: análise de caso de uma instituição financeira de grande porte. Revista de Contabilidade e Finanças/USP, São Paulo, n. 37, p. 24 – 36, jan./abr. 2005.

ZEN, A. C. A influência dos recursos na internacionalização de empresas inseridas em clusters: uma pesquisa no setor vitivinícola no Brasil e na França. 2010. 270 p. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRS, Porto Alegre, 2010.