Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Ocorrência de Palinomorfos de Idade Devoniana, Retrabalhados na Formação Crato Aptiano-Albiano da Bacia do Jatobá – Nordeste do Brasil

DOI: http://dx.doi.org/10.18190/1980-8208/estudosgeologicos.v24n1p65-71

https://www.ufpe.br/estudosgeologicos/ 

downloadpdf

Luiz R. da S. L. do Nascimento1, Alcina M. F. Barreto1 & David H. de Oliveira2

 

Resumo: A ocorrência de palinomorfos retrabalhados de idade devoniana, presentes em associações palinológicas correspondente ao intervalo Aptiano-Albiano Inferior no Nordeste brasileiro, é reconhecida nas bacias do Parnaíba, Araripe e, a partir deste trabalho, na Bacia do Jatobá, através da análise palinológica de um testemunho de sondagem, denominado 2-JSN-01-PE, com 90,50 m de profundidade localizado em Serra Negra, Ibimirim – PE. Em função da sua constituição biológica, resistência química e por possuir pequenas dimensões, estes palinomorfos comportam-se como partículas sedimentares facilmente transportadas, depositadas, erodidas e passíveis de resistirem a um novo ciclo erosivo e deposicional. A ocorrência de acritarcas dos gêneros Veryachium sp., e Maranhites sp., retrabalhados, reportados ao Devoniano, presentes na base e na porção mediana da sequencia de idade Aptiana, na Bacia do Jatobá, indica que os sedimentos da Formação Inajá estavam expostos e que foi área-fonte de parte da sequencia terrígena da Formação Crato. Possivelmente os processos erosivos regionais, identificados nas bacias do Parnaíba, Araripe e agora na Bacia do Jatobá, estiveram associados a pulsos marinhos transgressivos durante o Aptiano.

Palavras-chave: Acritarcas, Devoniano, Retrabalhamento, Bacia do Jatobá

 

Abstract: The occurrence of reworked palynomorphs of Devonian age, corresponding palynology associations present in the Aptian-Albian Lower range in northeastern Brazil, is recognized in the Parnaíba basins, Araripe and now, this work, in the Jatoba Basin, through the analysis pollen from a drill core, called by JSN-2-01-PE, 90.50 m deep drilled in Serra Negra, Ibimirim - PE. Depending on their biological makeup, chemical resistance and has small dimensions, these palynomorphs behave as sedimentary particles transported, deposited, eroded and resistant to a new erosive and depositional cycle. The occurrence of acritarchs of genres Veryachium sp., and Maranhites sp., reworked reported to the Devonian, on the base and in the middle portion of the sequence of Aptian age in the Jatoba Basin, indicate that the sediments of Inajá Formation were exposed and that was the source area of the terrigenous sequence of the Crato Formation. Possibly regional erosion identified in the Parnaíba, Araripe and now in the Jatoba basins, was associated with marine transgressive pulses during the Aptian.

Key words: Acritarchs, Devonian, Reworking, Jatoba Basin

 

1 Departamento de Geologia, CTG, UFPE. E-mail: exinarico@gmail.com; alcinabarreto@gmail.com
2 Departamento de Biologia, UFPB, Areia – PB. E-mail: davidholanda@gmail.com

 

Literatura Citada

Antonioli, L. 2001. Estudo Palinocronoestratigráfico da Formação Codó – Cretáceo Inferior do Nordeste Brasileiro. Tese de Doutorado, Pós-Graduação em Geociências - UFRJ. 265p.

Arai, M. 2002. Ocorrência de palinomorfos paleozoicos retrabalhados em sedimentos cretáceos do Brasil. In: CBG 41 Cong. Bras. Geol. João Pessoa, 2002... Boletim de Resumos, p.377.

Batten, D.J. 1991. Reworking of plant microfossilis and sedimentary provenance. Geological Society, 57: 79-90.

Brito, I. M. 1965 a. Novos microfosseis devonianos de Pernambuco. Publicação Avulsa. Escola de Geologia da Universidade da Bahia, v.2, 4p.

Brito, I. M. 1971. Contribuição ao Conhecimento de microfosseis devonianos de Pernambuco. Anais da Academia Brasileira de Ciências, 39 (1): 748-756.

Caixeta, J. M.; Bueno, G. V.; Magnavita, L. V. & Feijó, F. J. 1994. Bacias do Recôncavo, Tucano e Jatobá. Boletim de Geociências da Petrobras, 8 (1): 163-172.

Costa, I. P.; Milhomem, P. S. & Carvalho, M. S. S. 2003. Bacias Sedimentares Brasileiras: Bacia de Jatobá. Boletim da Fundação Paleontológica Phoenix, Ano 5, n.53. Disponível em: http://www.phoenix.org.br/phoenix53_Mai03.htm. Acesso em 26.06.2014.

Costa, I. P.; Bueno, G. V.; Milhomem, P. S.; Lima & Silva, H. S.R. & Kosin, M. D. 2007. Sub-bacia de Tucano Norte e Bacia de Jatobá. Boletim de Geociências da Petrobras, 15(2): 445-453.

Costa Filho, W. D. 2005. Comportamento das bacias sedimentares da região semi-árida do Nordeste brasileiro. Hidrogeologia da Bacia de Jatobá: Sistema Aqüífero Tacaratu/Inajá. In: Waldir Duarte /Costa Filho, José Geilson Alves Demétrio, Edilton Carneiro Feitosa & João Manoel Filho (Coords). Recife: UFPE/CPRM/FINEP. 485p.

Daemon, R. F. & Contreiras, C. J. A. 1971. Zoneamento palinológico da Bacia do Amazonas. In: CBG 25 Cong. Bras. Geol. São Paulo, 1971... Anais. São Paulo. 3: 79-88.

Daemon, R. F.; Quadros, L. P. & SILVA, L. C. 1976. Devonian palynology and bioestratigraphy of the Paraná Basin. Boletim Paranaense de Geociências, 21-22: 99 – 132.

Dantas, J. R. A. & Filho, C. A. L. 2007. Síntese da Geologia de Pernambuco. DNPM. 4º Distrito–PE. Disponível em: http://www.dnpm.gov.br/dstpe/trabalhos/Sint-PE_03htm. Acesso em 26/04/2014.

Magnavita, L. P. & Cupertino, J. A. 1987. Concepção atual sobre as bacias de Tucano e Jatobá, Nordeste do Brasil. Boletim de Geociências da Petrobras, 1(2): 119-134.

Magnavita, L. P.; Silva, R. R. &Sanches, C. P. 2005. Guia de campo da Bacia do Reconcavo, NE do Brasil. Boletim de Geociências da Petrobras, 13(2): 301-334.

Nascimento, L. R. S. L. 2013. Palinoestratigrafia e Paleoecologia da Sequência Lacustre do Cretáceo Inferior, em Serra Negra – PE, Bacia Sedimentar do Jatobá, NE do Brasil. Tese de Doutorado, Pós-Graduação em Geociências – UFPE. 146p. (Inédito).

Portela, H. A. 2008. Estudo Palinológico e Palinofaciológico da Formação Santana, Bacia do Araripe, Nordeste do Brasil. Dissertação de Mestrado, Pós-Graduação em Geociências –UERJ. 133p.

Quadros, L. P. 1982. Distribuição bioestratigráfica dos chitinozoa e acritachae na Bacia do Parnaíba. Ciência-técnica-Petróleo, 12: 79p.

Regali, M. S. P.1964. Resultados palinológicos de amostras paleozoicas da Bacia de Tucano-Jatobá. Boletim Técnico da Petrobras, 7 (2):165-180.

Regali, M. S. P.; Uesugui, N. & Santos, A. S., 1974 a. Palinologia dos sedimentos Meso-Cenozóicos do Brasil. I. Boletim Técnico Petrobras, 17(3): 177-190.

Regali, M. S. P.; Uesugui, N. & Santos, A. S., 1974 b. Palinologia dos sedimentos Meso-Cenozóicos do Brasil. II. Boletim Técnico Petrobras, 17(4): 263-301.

Rocha, 2011. Caracterização do intervalo carbonático do sistema lacustre aptiano da Bacia do Jatobá, NE do Brasil. Tese de Doutorado, Pós-Graduação em Geociências – UFPE. 128p.

Trigüis, J. A. & Araújo, L. M. 2001. Aplicação dapetrografia orgânica na caracterização dos tratos de sistemas. In: H. J. P. S. Ribeiro (ed.) Estratigrafia de Seqüências Fundamentos e Aplicações. São Leopoldo, Ed. Unisinos, p. 261-302.