Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Petrografia e Propriedades Físicas de Rochas: Um Estudo para Corpos Graníticos e Rochas Gnaissicas Paleo-Neoproterozóicos do Domínio Rio Grande do Norte, Nordeste da Província Borborema

DOI: http://dx.doi.org/10.18190/1980-8208/estudosgeologicos.v24n2p29-45

https://www.ufpe.br/estudosgeologicos/ 

downloadpdf

Aryane L. do C. Assunção1, Fernando A. P. L. Lins2 & Antonio C. Galindo2

 

Resumo:  O magmatismo granítico paleo-neoproterozoico do Domínio Rio Grande do Norte-DRN tem sido alvo de diversos trabalhos que abordam desde seus aspectos texturais e composicionais a geoquímicos e geocronológicos, não obstante uma abordagem sobre propriedades petrofísicas dessas rochas ainda é pouco explorada. Este trabalho apresenta um conjunto de dados petrofísicos, condutividade térmica, densidade e susceptibilidade magnética, de 101 amostras de rochas graníticas (relacionadas ao plutonismo neoproterozíco do DRN) e gnáissicas (relacionadas ao embasamento paleoproterozóico do DRN), onde se faz uma discussão com base em diagramas de correlação linear entre a composição modal dessas amostras e as propriedades em questão. A relação condutividade térmica e composição modal mostra que o quartzo é a fase mineral que mais influencia o aumento desta propriedade, ou seja, há uma correlação positiva, no geral forte, entre quartzo e a condutividade térmica. Em contrapartida, observa-se uma correlação negativa entre a condutividade térmica e o somatório dos minerais máficos (biotita, anfibólio, titanita e opacos, dominantemente). Por outro lado, os feldspatos tendem a mostrar baixas correlações, positiva ou negativa, ou dispersão. A relação entre densidade e composição modal é um espelho do que acontece com a condutividade térmica, ou seja, quartzo mostra correlação negativa e os minerais máficos uma forte correlação positiva. Aqui novamente os feldspatos tendem a dispersão ou baixas correlações. Para a susceptibilidade magnética foram considerados apenas os minerais máficos (biotita, anfibólio, titanita e minerais opacos). Neste caso, apenas os minerais opacos apresentam uma fraca correlação positiva, com os outros máficos apresentando sempre uma forte dispersão.

Palavras-chave: Petrografia; Propriedades físicas; Rochas graníticas; Domínio Rio Grande do Norte

 

Abstract: Researches on Paleo-neoproterozoic granitic magmatism in the Rio Grande do Norte Domain, Borborema Province, mainly concerning textural, compositional, geochemical and geochronological aspects, have been carried out in the last decades. However, an approach concerning petrophysical properties of these rocks are still scarce. This paper presents petrophysical data including thermal conductivity, density and magnetic susceptibility for 101 samples from paleo–neoproterozoic granitic rocks of the Rio Grande do Norte Domain. It is mainly emphasized the relationships between modal composition (mineral phases) and these petrophysical data. Thermal conductivity and modal composition relation shows that quartz present a strong positive correlation. In contrast, there is a negative correlation between the thermal conductivity and the total of mafic minerals. However, feldspars tend to display scatter or slightly positive or negative correlations. Density and modal composition present just the opposite correlation, in relation to thermal conductivity. Quartz displays negative and mafic minerals shows a strong positive correlation. Feldspars tend to scatter or low correlations. Magnetic susceptibility does not show correlation coefficients when analyzed in relation to biotite, amphibole and sphene individually. However, it exhibits a slightly positive correlation in regard to opaque minerals.

Key words: Petrography; Petrophysical properties; Granitic rocks; Rio Grande do Norte Domain

 

1 PPGG/UFRN, aryane.geologia@gmail.com
2 PPGG/DG/UFRN, flins@geologia.ufrn.br; galindo@geologia.ufrn.br

 

Literatura Citada

Almeida, F. F. M.; Leonardos JR., O. H.; Valença, J.(1967) Granitic rocks of Northeast South America. In:International Union of Geological Sciences, Recife, 1967. Recife, IUGS/UNESCO. 37 p.

Angelim, L.A.A., Medeiros, V.C., Nesi, J.R. 2006. Programa Geologia do Brasil - PGB. Projeto Mapa Geológico e de Recursos Minerais do Estado do Rio Grande do Norte. Mapa Geológico do Estado do Rio Grande do Norte. Escala 1:500.000. Recife: CPRM/FAPERN, 2006.

Assunção, A. L. C, 2010. Petrografia e Propriedades Físicas de Corpos Granitóides Paleo-Neoproterozóicos Pertencentes ao Embasamento da Bacia Potiguar. Relatório de Graduação nº 299, UFRN, p. 51.

Ferreira V.P., Sial A.N., Jardim de Sá E.F. 1998. Geochemical and isotopic signatures of the Proterozoic granitoids interrenes of the Borborema Province, northeastern Brazil. J. South A. Earth Sci., 11(5):439-455. http://dx.doi.org/10.1016/S0895-9811(98)00027-3

Figueiredo E. R. H. 2006. Condutividade Térmica de Rochas: Uma aplicação para Granitos Ornamentais. Dissertação de Mestrado nº 55/PPGG, UFRN, p. 91.

Figueiredo E. R. H., Galindo, A.C., Moreira, J.A.M., Lins, F.A.P.L. 2008 Condutividade térmica em rocha silicáticas cristalinas com ênfase a rochas graníticas da Provìncia Borborema, NE do Brasil, e sua correlação com parâmetros petrográficos e texturais. Revista Brasileira de Geofísica, vol. 26(3):293-307. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-261X2008000300003

Figueiredo E. R. H., Galindo, A.C.,Lins, F.A.P.L., Moreira, J.A.M. 2009 Condutividade térmica em rocha silicáticas cristalinas e sua correlação com geoquímica de elementos maiores. Estudos Geológicos, vol. 19(1):55-68.

Fillippi, R.R. 2011 Geoquímica de elementos maiores e alguns traços de granitóides ediacaranos-cambrianos dos domínios rio grande do norte e médio coreaú e sua correlação com propriedades físicas de rochas. Relatório de Graduação em Geologia, Curso de Geologia da UFRN. p66.

Fillippi, R.R. 2014 Geoquímica de elementos maiores e traços de granitoides neoproterozoicos da Província Borborema e sua correlação com propriedades físicas de rochas. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Geodinâmica e Geofísica-UFRN. p106.

França, D.T. 2011 Modelos de condutividade térmica para rochas do embasamento cristalino. Relatório de Graduação em Geofísica n015, UFRN, p.68.

Horai, Ki-iti, e Simmons, G., 1969. Thermal Conductivity of Rock-Forming Minerals Earth and Planetary Science Letters, 6:359-368.

Horai, Ki-iti, 1971. Thermal Conductivity of Rock-Forming Minerals”. Journ Geophys. Research, 76, NO. 5, 1278-1308.

Hrounda et al. 2009. The Use of Magnetic Susceptibility of Rocks in Geological Exploration (case histories study). Brno.

Jardim de Sá E.F., Legrand J.M., McReath 1.1981. "Estratigrafia" de rochas granitóides na região do Seridó (RN-PB) com base em critérios estruturais. Rev. Bras. Geoc.,11:50-57.

McReath I.; Galindo, A.C.; Dall´Agnol, R. 2002. The Umarizal igneous association, Borborema Province, NE Brazil: implications for the genesis of A-type granites. Gondwana Research, 5: 339-353. http://dx.doi.org/10.1016/S1342-937X(05)70727-9

Nascimento, M. A. L. ; Antunes, A. F. ; Galindo, A. C. ; Sá, E. F. J. ; Souza, Z. S. 2000 Geochemical signature of the Brasiliano-age plutonism in the Seridó Belt, Northeastern Borborema Province (Ne Brazil).Revista Brasileira de Geociências, Rio de Janeiro, v. 30, n. 1, p. 161-164.

Nascimento, M.A.L.; Medeiros, V.C.; Galindo, A.C. 2008. Magmatismo Ediacarano a Cambriano no Domínio Rio Grande do Norte, Província Borborema, NE do Brasil. Estudos Geológicos, 18(1): 4-29.

Oliveira, M.T.D., 2011.Caracterização Petrográfica e Propriedades Físicas de Rochas Ortoderivadas e de Granitóides do Embasamento Cristalino da Bacia do Ceará (NE do Brasil). Relatório de Graduação nº 315, UFRN, p. 105

Schön J.H. 1996. Physical Properties of Rocks: Fundamentals and principles of petrophysics. Ed. Pergamon. Cap. 8, p. 323-378.

Sial, A.N. 1986.Granite-types in Northeast Brazil: Current nowledge. Revista Brasileira de Geociências, 16(l):54-72.

Streckeisen AL. 1976. To Each Plutonic Rock its Proper Name. Earth Sci. Rev., 12: 1-33. http://dx.doi.org/10.1016/0012-8252(76)90052-0