Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Estratégia e Estrutura: Um Estudo de Caso em Uma Empresa de Serviços em Saúde

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/1679-5350/rau.v8n1p38-61

http://www.raunimep.com.br/ojs/index.php/regen/index

downloadpdf

Djair Picchiai1

 

Resumo: O artigo analisa as relações entre a estratégia e estrutura organizacional de uma empresa de serviços de saúde (uma operadora na modalidade autogestão). Descreve-se a estrutura e as diretrizes de atuação utilizando as informações dos documentos e entrevistas com seus principais gestores. Verificou-se como são entendidos e utilizados esses conceitos na relação da operadora com os prestadores de serviços e os beneficiários. A literatura aponta para a coerência, o alinhamento e a consistência entre os conceitos de estratégia e estrutura, comoforma de aumento de competitividade e desenvolvimento organizacional. Os indicadores de desempenho e o mapa estratégico aparecem como instrumentos de análise e avaliação da estratégia e do alinhamento estratégico desta. Estes, no entanto, são parcialmente utilizados pela operadora, que se caracteriza como uma empresa de médio porte.

Palavras-chave: estratégia, estrutura, desenvolvimento organizacional

 

Abstract: The article concerns the analysis of a health service plan based on a self mode management. The relationship between its strategy and organizational was reviewed, on the spot of the concepts found in the literature. It’s described the structure and guidelines using information from documents and interviews with its key managers. These concepts were checked due to the fact they are understood and used in the relations among the operator and its service providers and beneficiaries. The literature points at the coherence, consistency and alignment among the concepts of strategy, and structure as a way to increase the competitiveness and organizational development. The performance indicators and strategic map appear as tools of analysis and evaluation of strategy. These tools, however, are partly used by the operator which is characterized as a medium size company.

Key words: Strategy, structure, organizational development.

 

1 (EAESP/FGV e FACCAMP - Mestrado Profissional em Administração) djair.picchiai@fgv.br

 

Literatura Citada

AGÊNCIA NACIONA DE SAÚDE SUPLEMENTAR. Caderno de Informação de Saúde Suplementar – beneficiários, operadoras, e planos. Rio de Janeiro. 2007.

BARNEY, J. B. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, v. 17, n. 1, p. 99-120, 1991.

BOYATZIS, R. E.; MCCLELLAND, D. C. Leadership motive pattern and long-term success in management. Journal of Applied Psychology, Washington, v.67, iss. 6, p. 737-44, Dec. 1982.

BRANDÃO, H. P.; GUIMARÃES, T. A. Gestão de Competências e Gestão de desempenho humano: tecnologias distintas ou instrumentos de um mesmo constructo? Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 41, n. 1, p. 8-15, jan./mar. 2001.

CHANDLER, A. Strategy and Structure: the history of the american industrial enterprise. Cambridge: Mass MIT Press, 1962.

DUTRA, Joel S. et al. Gestão por competência: um modelo avançado para o gerenciamento de pessoas. São Paulo: Editora Gente, 2001.

DUTRA, Joel S. Competências: conceitos e instrumentos para a gestão de pessoas na empresa moderna. São Paulo: Editora Atlas S.A, 2004.

FERNANDES, Bruno H. R. et al. Construindo o diálogo entre competência, recursos humanos e desempenho Organizacional. RAE, v. 46. n. 4, out./dez. 2006.

FERREIRA, Aurélio. B. de H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1975.

FLEURY, M. T. L et al. As pessoas na organização. São Paulo. Editora Gente, 2002.

FLEURY, Afonso; FLEURY, Maria T. Alinhando estratégia e competências. RAE, v. 44, n. 1, janeiro/março, São Paulo, 2004.

KAPLAN, Robert. S; NORTON, David P. A estratégia em Ação: balanced scorecard. Rio de Janeiro: Editora Campus. 2001.

KAPLAN, Robert. S; Robert. S; NORTON, David P. Mapas estratégicos: convertendo ativos intangíveis em resultados tangíveis. Rio de Janeiro: Editora Campus. 2004.

KAPLAN, Robert. S; Balanced Scorecard. 22. ed. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2006

KING, A.W; FOWLER, S. W; ZEITHAML, C. P. Competências organizacionais e vantagem: o desafio da gerência intermediária. RAE – Revista de administração de empresas, v. 42, n. 1, p. 36-49. São Paulo: janeiro/março, 2002.

LE BOTERF, G. De la competénce – Essai sur un attacteur étrange. Les Èditions D’Organizations. Quatrème tirage, Paris, 1995.

MCCLELLAND, D. C. Testing for competence rather than intelligence. American Psychologist, Washington, 1973.

MINTZBERG, Henry. Criando Organizações Eficazes: estruturas em cinco configurações. São Paulo: Editora Atlas, 1995.

MINTZBERG, Henry; AHLSTRAND, B; LAMPEL, J. Safári de Estratégias: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman, 2000.

MOTTA, Paulo R. Gestão contemporânea: a ciência e a arte de ser dirigente. Rio de Janeiro: Campus.1990.

MOTTA, F.C.P.; VASCONCELOS, I.F.G de. Teoria Geral de Administração. 3ª ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2006.

PARRY, S. B. The quest for competencies. Training, July, 1996.

PENROSE, E. The Theory of Growth of the Firm. Londom: Basil Blackwell. 1959.

Planos de Benefícios no Brasil: 26ª Pesquisa – 2007. Towers Perrin. Disponível em: http://www.towersperrin.com/tp/getwebcachedoc?webc=BRA/2008/200808/Towers_Perrin_Pesquisa_Beneficios_2007_Final_LCK.pdf Acesso em: 25 outubro 2009.

PICCHIAI, Djair. Estratégia, Estrutura e competências: estudo de caso de três operadoras de assistência à saúde, modalidade autogestão. EAESP-FGV: GV-Pesquisa. Núcleo de Pesquisa e Publicações. Relatório de Pesquisa. São Paulo, 2008.

PORTER. Michael. Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1980.

PORTER. Michael; TEISBERG. Elizabeth O. Repensando a Saúde: estratégias para melhorar a qualidade e reduzir os custos. São Paulo: Bookman, 2006.

PRAHALAD, C. K; HAMEL G. Competindo pelo futuro: estratégias inovadoras para obter o controle de seu setor e criar os mercados de amanhã. Rio de Janeiro: Campus. 1995.

PRAHALAD, C. K; HAMEL G. The core competence of the corporation. Harvard Business Review, v. 68, no 3, may/jun. 1990.

QUINN, Robert E. et al. Competências gerenciais: princípios e aplicações. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2003.

REBOUÇAS, Djalma. Estruturas organizacionais: conceitos, metodologias e práticas. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1984.

RUAS, R. A problemática do desenvolvimento de competências e a contribuição da aprendizagem organizacional. In: FLEURY, M. T; OLIVEIRA JR.; M. M. Gestão estratégica do conhecimento: integrando aprendizagem, conhecimento e competências. São Paulo: Atlas, 2000.

SEBRAE, 2008. Critérios de Classificação de Empresas. Disponível em: http://www.sebrae-sc.com.br/leis/default.asp?vcdtexto=4154&%5E%5E. Acessado em: 18/11/2009.

SPENCER, L. M.; SPENCER, S. M. Competence a work: models for superior performance. New York: John Wiley & Sons, 1993.

VASCONCELOS, E.; HEMSLEY. Estruturas das organizações: Estruturas Tradicionais, Estruturas para Inovação, Estrutura matricial. 4ª ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.