Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Percepção de Sucesso na Carreira da Mulher Executiva Brasileira

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/1679-5350/rau.v12n3p47-72

http://www.raunimep.com.br/ojs/index.php/regen/index

downloadpdf

Jane B. da Rocha1, Edson K. de Miranda2, Nildes R. Pitombo3, Milton C. Farina4 & Eduardo de C. Oliva5

 

Resumo: Este artigo está baseado em uma pesquisa descritiva, de natureza quantitativa, que permitiu mensurar de forma clara e com rigor necessário a percepção de sucesso na carreira por parte das mulheres executivas brasileiras. O universo de pesquisa foi formado por mulheres que ocupam cargos em nível executivo em empresas no estado de São Paulo e a amostra foi não probabilística e por conveniência, composta por 238 mulheres em atividade profissional. Os dados foram coletados por intermédio de uma escala de Percepção de Sucesso na Carreira (PSC) composta por 48 itens distribuídos em 11 fatores, que foram agrupados em duas dimensões. A primeira é a dimensão subjetiva, composta pelos seguintes fatores: Competência, Contribuição, Cooperação, Criatividade, Desenvolvimento, Empregabilidade, Identidade e Valores.  A segunda é a dimensão objetiva, composta pelos fatores Hierarquia/Promoção e Remuneração. O fator Equilíbrio Vida-Trabalho foi avaliado em separado.  Observou-se que 85,0% das respondentes afirmaram que são reconhecidas por sua competência profissional e 83,7% que são reconhecidas por sua contribuição em suas atividades profissionais. O reconhecimento devido à cooperação em suas atividades profissionais é percebido por 85,9% das respondentes. Seguindo o mesmo raciocínio, 69,4% afirmaram que são reconhecidas por sua criatividade no exercício de suas atividades profissionais e 85,3%  afirmaram que são reconhecidas por seu desenvolvimento profissional. Das entrevistadas, 60,4%  afirmaram que se sentem seguras e empregáveis no mercado de trabalho e 76,4% das respondentes afirmaram que se identificam com o trabalho. Com relação ao fator valor, 89,9% das mulheres entrevistadas afirmaram que prezam pelos valores em suas atividades. Com relação ao fator hierarquia e promoção, 163  das respondentes (68,5%) afirmaram que têm reconhecimento  e 105 (44,2%) consideram importantes as recompensas financeiras. Por fim, 59,7% das respondentes afirmaram que valorizam o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal. Comparando-se as médias dos valores atribuídos para as dimensões: subjetiva, objetiva e o equilíbrio vidatrabalho, constata-se a superioridade da dimensão subjetiva, o que indica que os fatores subjetivos de percepção de sucesso são mais relevantes que os fatores objetivos nas respondentes. Em segundo lugar aparece o fator equilíbrio Vida-Trabalho e, por último, a dimensão objetiva. As mulheres executivas pesquisadas valorizam mais a busca pelo equilíbrio entre a vida profissional e a vida pessoal do que os ganhos materiais, representados por cargos e salários. Pode-se considerar que a percepção de sucesso na carreira da mulher executiva caracteriza-se pela predominância dos fatores subjetivos, o que indica maior femininização no atual mercado de trabalho brasileiro.

Palavras-chave: carreira, mulher executiva, mercado de trabalho brasileiro.

 

Abstract: This article is based on a descriptive research, from quantitative nature, that allowed to measure in a clear form and with the necessary rigor, the perception of success in the career by Brazilian executive women. The universe of study was made up of women holding positions in executive level in companies in the São Paulo State and the sample was non-probabilistic and for convenience, comprising 238 women in professional activity. Data were collected through a Perception Success in Career Scale (PSC) comprising 48 items distributed in 11 factors, which were grouped in two dimensions. The first is the subjective dimension, composed by the following factors: Competence, Contribution, Cooperation, Creativity, Development, Employment, Identity and Values.  The second is the objective dimension, comprising the factors Hierarchy / Promotion and Remuneration. The factor Life-Work Balance was evaluated separately. It was observed that 85.0% of the respondents said they are recognized for their professional competence and 83.7% that are recognized for their contributions in their professional activities. The recognition due to cooperation in their professional activities is perceived by 85.9% of the respondents. Following the same reasoning, 69.4% said they are recognized for their creativity in the exercise of their professional activities and 85.3% said they are recognized for their professional development. From the interviewed persons, 60.4% said they feel safe and employable in the labor market and 76.4% of respondents said they identify themselves with the work. Regarding the value factor, 89.9% of the women interviewed said they cherish the values in their activities. Regarding the hierarchy factor and promotion, 163 respondents (68.5%) said they have recogn tion and 105 (44.2%) considered important the financial rewards. Finally, 59.7% of respondents said they value the balance between professional and personal life. Comparing the mean values attributed to the dimensions: subjective, objective and work-life balance, there has been superiority in the subjective dimension, which indicates that the subjective perception of success factors are more relevant than the objective factors to the respondents. Secondly, the work-life balance factor and, finally, the objective dimension. The executive women surveyed value more the search for balance between professional and personal life than the material gains, represented by positions and salaries. It can be considered that the perception of success in business woman career is characterized by the predominance of subjective factors, suggesting greater feminization in the current Brazilian labor market.

Key words: career, business woman, brazilian labour market.

 

1 (USCS) janebarbosarocha@hotmail.com
2 (USCS) edsonkubo@uscs.edu.br
3 (UNIFESP) nildes.pitombo@unifesp.br
4 (USCS) milton_farina@uol.com.br
5 (USCS) eduardo.oliva@uscs.edu.br

 

Literatura Citada

ALVES, J. E. D.; VASCONCELOS, D. de S.; CARVALHO, A. A. de. Estrutura etária, bônus demográfico e população economicamente ativa no Brasil: cenários de longo prazo e suas implicações para o mercado de trabalho. CEPAL/IPEA, 2010. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_1528.pdf>. Acesso em: fev./2012.

ANDRADE, G. A. de. Carreira tradicional versus carreira proteana: um estudo comparativo sobre a satisfação com a profissão, carreira e emprego. 97f. Dissertação (Mestrado em Administração). Universidade FUMEC - Faculdade de Ciências Empresariais. Belo Horizonte - MG, 2009.

ANDRADE, G. A.; KILIMNIK, Z. M., PARDINI, D. J. Carreira Tradicional versus Carreira Autodirigida ou Proteana: um estudo comparativo sobre a satisfação com a carreira, a profissão e o trabalho. Revista de Ciências da Administração, v. 13, n. 31, p. 58-80, 2011.

BARUCH, Y. Developing Career Theory Based on “New Science”: A Futile Exercise? The Devil’s Advocate Commentary, v. 5, n.1, p. 15-21, 2002.

Transforming Careers: from linear to multidirectional career paths - organizational and individual perspectives. Career Development International, v. 9, n. 1, p. 58-73, 2004.

BENDASSOLLI, P. F. Recomposição da relação sujeito trabalho nos modelos emergentes de carreira. Revista de Administração de Empresas, v. 49, n. 4, p. 387400, 2009.

BIANCHI, E. M. P. G.; QUISHIDA, A. Gestão Estratégica de Carreiras. In: ALBUQUERQUE, L. G. de; LEITE, N. P. Gestão de Pessoas: perspectivas estratégicas. 1ª ed. São Paulo: Atlas, 2009.

BRUSCHINI, C. Gênero e Trabalho no Brasil: novas conquistas ou persistência da discriminação? In ROCHA, Maria Isabel Baltar da. (org.) Trabalho e Gênero: mudanças, 15 permanências e desafios. Campinas: ABEP, NEPO/UNICAMP e CADEPLAR/UFMG. São Paulo: Ed. 34, 2000, 384 p.

CARVALHO NETO, A. M.; TANURE, B.; ANDRADE, J. Executivas: carreira, maternidade, amores e preconceitos. RAE - Eletrônica, v. 9, n. 1, Art. 3, jan./jun., 2010.

CHANLAT, J. Quais carreiras e para qual sociedade? (I). In: Revista da Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 6, p. 67-75, 1995.

COSTA, L. V. A relação entre a percepção de sucesso na carreira e o comprometimento organizacional: um estudo entre professores de universidades privadas selecionadas da grande São Paulo. 216f. Tese (Doutorado em Administração). Universidade de São Paulo - SP, 2010.

DUTRA, J. S. (Org.) Gestão de carreiras na empresa contemporânea. 1ª Ed. São Paulo: Atlas, 2010.

DUTRA, J. S.; FISCHER, A. L.; NAKATA, L. E. As carreiras inteligentes e sua percepção pelo clima organizacional. Revista Brasileira de Orientação Profissional, v. 10, n. 1, p. 55-70, 2009.

DRIES, N.; PEPERMANS, R.; CARLIER O. Career success: Constructing a multidimensional model. Journal of Vocational Behavior, v. 73, p. 254-267, 2008.

FONTENELLE, I. A. A autogestão de carreira chega à escola de administração: o humano se tornou capital? Organizações & Sociedade, v. 14, n. 43, p. 71-89, 2007. GIL, Antonio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. Ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GRANT THORNTON INTERNATIONAL BUSINESS REPORT. Women in senior management. Disponível em: <http://www.gti.org/files/ibr2012%20%20women%20in%20senior%20management%20master.pdf>. Acesso em: mai./2012.

HAIR, Jr., J. F; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L.; BLACK, W. C. Análise Multivariada de dados. 5. Ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HALL, D. T. Careers in and out of organization. Thousand Oaks CA: Sage Publications, 2002. Disponível em: <http://books.google.com.br/books?id=kzaiMJbrW_EC&pg=PA3&hl=ptBR&source=gbs_toc_r&cad=4#v=onepage&q&f=false>. Acesso em: mai./2012.

HALL, D. T.; CHANDLER, D. E. Psychological success: When the career is a calling. Journal of Organizational Behavior, v. 26, p. 155-176, 2005.

HAUSMANN, R.; TYSON, L.D.; ZAHIDI, S. The Global Gender Gap Report 2011. World Economic Forum. Geneva - Switzerland, v. 1, p. 1-366, 2011.

HEWLETT, S.A; RASHID, R. The Battle for Female Talent in Emerging Markets. Center for Work-Life Policy. Disponível em: <http://issuu.com/juliefarkasgraphicdesign/docs/emergingmkts_lr>. Acesso em: mai./2012.

The Battle for Female Talent in Brazil. Center for Work-Life Policy. Harvard Business Press, v. 1, p.1-64, 2011.

HUGHES, E. C. Careers. Qualitative Sociology, v. 20, n. 3, 1997.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/trabalhoerendimento/pme_nova/apresentacao_mulher_responsavel>. Acesso em: fev./ 2012.

Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social e Ibope Inteligência. Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 maiores empresas do Brasil e suas ações afirmativas. Novembro 2010. Disponível em: <http://www.maismulheresnopoderbrasil.com.br/pdf/00001381>. Acesso em: nov./ 2011.

JUDGE, T. A., CABLE, D. M., BOUDREAU, J. W., & BRETZ, R. D. An empirical investigation of the predictors of executive career success. Personnel Psychology, v.48, n. 3, p. 485-519, 1995.

LIMA, G. S.; LIMA, M. S.; TANURE, B. Os Desafios da Carreira da Mulher Executiva no Brasil. In: EnGPR, ENCONTRO DE GESTÃO DE PESSOAS E RELAÇÕES DE TRABALHO, II, Curitiba - PR. Anais... Rio de Janeiro ANPAD, p. 1-15, 2009.

MALUF, V. M. D.; KAHHALE, E. M. S. P. Mulher, trabalho e maternidade: uma visão contemporânea. Polêmica Revista Eletrônica, v. 9, n. 3, p. 143-160, 2010.

NAKATA, L. E. Carreiras e Reflexões. In: Estudos e Negócios, ESAGS, ano 6, n. 11, p. 8-17, 2011.

SCHEIN, E. H. Career Anchors and job/role planning: the links between career pathing and career development. MIT Sloan School of Management, v. 1, p. 1-21, 1990.

TANURE, B.; CARVALHO NETO, A.; ANDRADE, J. O. Executivos: Sucesso e Infelicidade. 1º Ed. Rio de Janeiro. Ed. Campus/Elsevier. São Paulo, 2007.

VELOSO, E. F. R.; DUTRA, J. S. Carreiras sem Fronteiras na Gestão Pessoal da Transição Profissional: um Estudo com Ex-Funcionários de uma Instituição Privatizada. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 15, n. 5, art. 3, p. 834-854, set./out./2011.