Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

“Eu Não Sou Mulher”: Violência Doméstica e Ética Cristã

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-3828/caminhando.v19n2p7-17

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/CA 

downloadpdf

Sandra D. de Souza

 

Resumo: O presente artigo analisa a relação entre violência de gênero e religião, tendo como recorte a violência doméstica e os desafios éticos que se impõem à religião no enfrentamento dessa questão. O texto foi desenvolvido a partir dos relatos de duas entrevistadas que tiveram casamentos violentos: Angélica, viúva, idosa e católica, e Virginia, jovem pentecostal divorciada. As duas mulheres deram rumos distintos a suas vidas, sendo que a religião se mostrou fundamental no processo de perpetuação da violência em um dos casos, e no processo de ruptura com o ciclo de violência no outro.

Palavras-chave: Religião; ética; violência doméstica; gênero.

 

Abstract: This article analyses the relationship between gender violence and religion, specially the domestic violence and the ethical challenges that impose themselves to religion in confronting this issue. The text was developed from the reports of two interviewed who had violent marriages: Angelica, widow, elderly and Catholic, and Virginia, a young divorced Pentecostal woman. The two women gave differing paths to their lives, and the religion proved being crucial in the process of perpetuation of violence in one of the cases, and in the process of breaking the cycle of violence on the other.

Key words: Religion; ethics; domestic violence; gender.

  

Literatura Citada

BICALHO, E. A nódoa da misoginia na naturalização da violência de gênero: mulheres pentecostais e carismáticas. Dissertação de mestrado defendida no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da Universidade Católica de Goiás. Goiânia, 2001.

BORDO, S. R. “O corpo e a reprodução da feminidade: uma apropriação feminista de Foucault”. In: JAGGAR, A. M.; BORDO, S. R. (orgs.). Gênero, corpo, conhecimento. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1997, p. 19.

CALABRESE, C. F. et al. Mujer, sexualidad y religión. Hasta Cuando..., Señor? Equador: CLAI, 1998.

CHAUÍ, M. Ética e Violência. Teoria e Debate. 01 de outubro de 1998. Disponível em: <http://www.teoriaedebate.org.br/materias/sociedade/etica-e-violencia>. Acesso em: 07 nov. 2014.

FREITAS, S. Para Juiz, proteção à mulher é “diabólica”. Folha de S. Paulo, 21 out. 2007. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff2110200719.htm>. Acesso em: 12 out. 2014.

HERMANN, J..; BARSTED, L. L. “O judiciário e a violência contra a mulher: a ordem legal e a (des)ordem familiar”. In: Cadernos CEPIA. Rio de Janeiro, 1995.

HIRATA, H. “Gênero, classe e raça: interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais”. In: Tempo Social: revista de sociologia da USP, vol. 26, n. 1, p. 61-73 (2004).

LEITE, M. M. “Aspectos do segredo: Maria Lacerda de Moura”. In: FUKUI, L. (org.). Segredos de Família. São Paulo: Annablume/USP/FAPESP, p. 61-70 (2002).

MAUSS, M. “As técnicas corporais: a noção de pessoa”. In: Sociologia e Antropologia. São Paulo: EDUSP, p. 217 (1974).

SOUZA, S. D. de. “AIDS e religião: apontamentos sobre representações católicas da sexualidade em tempos de AIDS”. In: Estudos Teológicos, vol. 52, n. 2, p. 333-344 (2012).

SOUZA, S. D de. “Política religiosa e religião política: os evangélicos e o uso político do sexo”. In: Estudos de Religião, vol. 27, n. 1, p. 177-201 (2013).

VITAL, C.; LOPES, P. V. L. Religião e Política: uma análise da atuação de parlamentares evangélicos sobre direitos das mulheres e de LGBTs no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll, 2013, 228p.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da violência 2012. Atualização: homicídio de mulheres no Brasil. Rio de Janeiro: CEBELA/FLACSO, 2012. Disponível em: <http://mapadaviolencia.org.br/pdf2012/MapaViolencia2012_atual_mulheres.pdf>. Acesso em: 03 out. 2014.