Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Avaliar ou Examinar a Escola? Performatividade, Regulação e Intensificação do Trabalho Docente

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2236-9767/impulso.v24n61p109-127

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/impulso/index 

downloadpdf

Ivan Amaro1

 

Resumo: Este artigo discute os efeitos que as políticas de avaliação têm provocado no trabalho docente, tomando o cotidiano escolar como pressuposto teórico-metodológico. A pesquisa foi desenvolvida em duas escolas localizadas na Baixada Fluminense, região metropolitana do Rio de Janeiro, durante dois anos, com presença semanal nestas unidades. O objetivo foi interpretar e discutir os sentidos e os efeitos que os resultados das avaliações externas na educação básica têm provocado no desenvolvimento do trabalho do professor. Os dados foram obtidos em observações e entrevistas semiestruturadas com duas diretoras e sete professoras. Conclui-se que examinar não contribui para o desenvolvimento e avanço da qualidade de escolas, das aprendizagens e do trabalho docente. Somente fundados na perspectiva da avaliação formativa é que se pode pensar em processos compartilhados e participativos de melhoria da qualidade da educação.

Palavras-chave: avaliação; trabalho docente; avaliação formativa; educação.

 

Abstract: This article discusses the effects that assessment policies have caused in the teachers’ work, taking the school routine as a theoretical and methodological assumption. The research was conducted in two schools from the metropolitan area of Rio de Janeiro, for two years, with our weekly presence in these units. The objective was to interpret and discuss the meanings and effects that the assessments of basic education have caused to the development of the teacher’s work. Data were obtained from observations and semi-structured interviews with two directors and seven teachers. We conclude that the assessment does not contribute to the development and enhancement of the quality of schools and the learning and teaching processes. We can think of shared and participatory approaches to improve the quality of education only if they are founded in a formative assessment perspective.

Key words: exams; teaching; formative assessment; education.

 

1 Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) ivanamaro.uerj@gmail.com.

 

Literatura Citada

AFONSO, A. J. Um olhar sociológico em torno da accountability em educação. In: AFONSO, A. J.; ESTEBAN, M. T. (Orgs.). Olhares e interfaces: reflexões críticas sobre a avaliação. São Paulo: Cortez, 2010.

AFONSO, A. J. Para uma conceptualização alternativa de accountability em educação. Educ. Soc., Campinas, v. 33, n. 119, p. 471-484, abr.-jun. 2012.

AFONSO, A. J. Avaliação educacional: regulação e emancipação. São Paulo: Cortez, 2000.

ALVES, N. Avaliação educacional: regulação e emancipação. São Paulo: Cortez, 2000.

ALVES, N. Cultura e cotidiano escolar. RBE, n. 23, mai.-ago. 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n23/n23a04> . Acesso em: 14 jan. 2014.

ALVES, N. Avaliar a escola e a gestão escolar: elementos para uma reflexão crítica. In: ESTEBAN, M. T. (Org.). Escola, currículo e avaliação. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

AMARO, I. O portfólio eletrônico na formação de professores: caleidoscópio de múltiplas vivências, práticas e possibilidades da avaliação formativa. In: VILLAS BOAS, B. M. de F. (Org.). Avaliação formativa: práticas inovadoras. Campinas: Papirus, 2011.

AMARO, I. Avaliação externa da escola: repercussões, tensões e possibilidades. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 24, n. 54, p. 32-55, jan.-abr. 2013. https://doi.org/10.18222/eae245420131901

ASSUMPÇÃO, E. de A. C. A correlação das práticas avaliativas no interior da escola com a política de controle público por meio da avaliação: um estudo em Duque de Caxias/RJ. 2013. 108 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

BALL, S. J. Politics and policy-making in education. London: Routledge, 1990.

BALL, S. J. Reformar escolas/reformar professores e os terrores da performatividade. Revista Portuguesa de Educação, Braga, v. 15, n. 2, p. 3-23, 2005.

BALL, S. J. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 126, p. 539-564, set.-dez. 2005.

BALL, S. J. Sociologia das políticas educacionais e pesquisa crítico-social: uma revisão pessoal das políticas educacionais e da pesquisa em política educacional. In: BALL, S. J.; MAINARDES, J. (Orgs.). Políticas educacionais: questões e dilemas. São Paulo: Cortez, 2011.

BONDIOLI, A. (Org.). O projeto pedagógico da creche e a sua avaliação: a qualidade negociada. Campinas: Autores Associados, 2004.

BRASIL. Diário Oficial da União. N. 109, segunda-feira, 10 de junho de 2013, seção 1, p. 17. 11 de abril de 2014. Disponível em <http://download.inep.gov.br/educacao_basica/prova_brasil_saeb/legislacao/2013/portaria_n_482_07062013_mec_inep_saeb.pdf >. Acesso em: 13 jul. 2013.

BRASIL. MEC/INEP PROVA BRASIL. Microdados, 2009. BRASIL. MEC/INEP PROVA BRASIL. Microdados, 2011

CAMPINAS. Secretaria Municipal de Educação. Departamento Pedagógico. Avaliação institucional participativa: uma alternativa para a educação básica de qualidade da rede municipal de ensino de Campinas e fundação municipal para educação comunitária. Campinas-SP, SME/FUMEC, 2007. Disponível em <http://www.campinas.sp.gov.br/arquivos/educacao/depto-pedagogico/avaliacao-pedagogica/plano_de_avaliacao_institucional_da_rede_municipa_%20de_campinas.pdf> Acesso em:16 jul. 2014.

CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 15. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

CORAZZA, S. M. Pesquisa-ensino: o “hífen” da ligação necessária na formação docente. In: ESTEBAN, M. T.; ZACCUR, E. (Orgs.). Professora pesquisadora: uma práxis em construção. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

DALBEN, A. I. L. de F. Das avaliações exigidas às avaliações necessárias. In: VILLAS BOAS, B. M. de F. (Org.). Avaliação: políticas e práticas. 2. ed. Campinas: Papirus, 2004.

DIAS SOBRINHO, J. Educação e avaliação: técnica e ética. In: DIAS SOBRINHO, J.; RISTOFF, D. (Orgs.). Avaliação democrática: para uma universidade democrática. Florianópolis: Insular, 2002.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação: políticas educacionais e reformas da educação superior. São Paulo: Cortez, 2003.

DÍAZ BARRIGA, A. Uma polêmica em relação ao exame. In: ESTEBAN, M. T. (Org.). Avaliação: uma prática em busca de novos sentidos. 5. ed. Petrópolis: DP&A, 2008.

DÍAZ BARRIGA, A. A avaliação na educação mexicana: excesso de programas e ausência da dimensão pedagógica. Sísifo: Revista de Ciências da Educação, v. 9, p. 19-30, 2009. Disponível em: <http://sisifo.fpce.ul.pt>. Acesso em: 20 mar. 2011.

DÍAZ BARRIGA, A. Evaluación curricular y evaluación de programa con fines de acreditación. Cercanías y desencuentros. CONFERENCIA PARA EL CONGRESSO NACIONAL DE INVESTIGACIÓN EDUCATIVA. 2014, Sonora. Anais eletrônicos… Disponível em: <http:// http://www.angeldiazbarriga.com/ponencias/conferencia_cnie2005.pdf>. Acesso em: 19 mar. 2014.

ESTEBAN, M. T. Sujeitos singulares e tramas complexas: desafios cotidianos ao estudo e à pesquisa. In: GARCIA, R. L. (Org.). Método. Métodos. Contramétodos. São Paulo: Cortez, 2003. p. 125-143.

ESTEBAN, M. T. (Org.). Avaliação: uma prática em busca de novos sentidos. 5. ed. Petrópolis: DP&A, 2008a.

ESTEBAN, M. T. Escola, currículo e avaliação. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2008b. (Série Cultura, memória e currículo, v. 5)

ESTEBAN, M. T. Considerações sobre a política de avaliação da alfabetização: pensando a partir do cotidiano escolar. Revista Brasileira de Educação, v. 17, n. 51, p.573 – 592, set.- dez. 2012. https://doi.org/10.1590/S1413-24782012000300005

FERNANDES, D. Avaliar para aprender: fundamentos, práticas e políticas. São Paulo: Unesp, 2009.

FERNANDES, C. de O. NAZARETH, H. D. G. de. A retórica por uma educação de qualidade e a avaliação de larga escala. Impulso, Piracicaba, v. 21, n. 51, p. 63-71, jan.-jun. 2011. https://doi.org/10.15600/2236-9767/impulso.v21n51p63-71

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 11. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1997.

FREITAS, L. C. de. Crítica da organização do trabalho pedagógico e da didática. Campinas: Papirus, 1995.

FREITAS, L. C. de. Ciclos, seriação e avaliação: confronto de lógicas. São Paulo: Moderna, 2003.

FREITAS, L. C. de. Eliminação adiada: o ocaso das classes populares no interior da escola e a ocultação da (má) qualidade do ensino. Educ. Soc., Campinas, vol. 28, n. 100 – Especial, p. 965987 , out 2007.

FREITAS, L. C. de. et al. Avaliação educacional: caminhando pela contramão. Petrópolis: Vozes, 2009.

FREITAS, L. C. de. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educ. Soc., Campinas, v. 33, n. 119, p. 379-404, abr.-jun. 2012.

FREITAS, L. C. de.; SORDI, M. R. L. de. Responsabilização participativa. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 7, n. 12, p. 87-99, jan.-jun. 2013.

GARCIA, R. L. A difícil arte/ciência de pesquisar com o cotidiano. In: GARCIA, R. L. (Org.). Método. Métodos. Contramétodos. São Paulo: Cortez, 2003. p. 193-208.

GINZBURG, C. Mitos, emblemas e sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

HADJI, C. Avaliação desmistificada. Porto Alegre: Artmed, 2001.

IDEB 2011: segunda cidade mais rica do estado fica em posição ruim no índice da educação. Jornal Extra. Rio de Janeiro. 18 ago. 2012. Disponível em: < http://extra.globo.com/noticias/rio/baixada-fluminense/ideb-2011-segunda-cidade-mais-rica-do-estado-fica-em-posicao-ruim-no-indice-da-educacao-5829543.html> Acesso em: 18 jan. 2014.

LINO, C. de S. Qualidade na escola e qualidade da escola: as repercussões da cultura do exame em duas escolas públicas de Duque de Caxias. 2014. 131 f. Dissertação (Mestrado em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas) – Faculdade de Educação da Baixada Fluminense. Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro.

MELO, L. P C. de. Movimentos discursivos nas vozes dos sujeitos da Prova Rio. 2014. 148 f. Dissertação (Mestrado em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas) – Faculdade de Educação da Baixada Fluminense, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro.

MOTA, M. O. Avaliação e cotidiano escolar: usos e desusos da Provinha Brasil na alfabetização. 2013. 174 f. Dissertação (Mestrado em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas) – Faculdade de Educação da Baixada Fluminense, Universidade do Estado do Rio de Janeiro ( UERJ), Rio de Janeiro.

OLIVEIRA, R. P. de. Da universalização do ensino fundamental ao desafio da qualidade: uma análise histórica. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 661-690, out. 2007. https://doi.org/10.1590/s0101-73302007000300003

OLIVEIRA, R. P. de. Avaliações externas podem auxiliar o trabalho pedagógico da escola? São Paulo: Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, 2010. (Caderno Fundamentos – Ideias, escola, saberes e fazeres).

PAIS, J. M. Cotidiano e reflexividade. Educ. Soc., Campinas, vol. 28, n. 98, p. 23 -46, jan./abr., 2007.

PERRENOUD, P. Avaliação da excelência à regulação das aprendizagens. Porto Alegre: Artmed, 1999.

SACRISTÁN, J. G. Poderes instáveis em educação. Tradução de Beatriz Affonso Neves. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

SANTOS, L. L. de C. P. Formação de professores na cultura do desempenho. Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1145-1157, set.-dez. 2004. Disponível em: <http://www.cedes.unicamp.br>. Acesso em: 5 mar. 2012.

SAUL, A. M. Avaliação emancipatória: desafios à teoria e à prática de avaliação e reformulação do currículo. São Paulo: Cortez, 1995.

SORDI, M. R. L. de. Implicações ético-epistemológicas da negociação nos processos de avaliação institucional participativa. Educação e Sociedade, Campinas, v. 33, n. 119, p. 485-510, abr.- jun. 2012. https://doi.org/10.1590/S0101-73302012000200009

SOUSA, S. M. Z. L. Possíveis impactos das políticas de avaliação no currículo escolar. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 119, p. 175-190, jul. 2003.

SOUSA, S. M. Z. L.; OLIVEIRA, R. P. de. Políticas de avaliação da educação e quase mercado no Brasil. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 24, n. 84, p. 873-895, set. 2003. https://doi.org/10.1590/S0101-73302003000300007

VIANNA, H. M. Avaliação educacional: teoria, planejamento, modelos. São Paulo: Ibrasa, 2000.

VILLAS BOAS, B. M. de F.(Org.). Avaliação formativa: práticas inovadoras. Campinas: Papirus, 2001.

VILLAS BOAS, B. M. de F. (Org.). Avaliação: políticas e práticas. 2. ed., Campinas: Papirus, 2004a.

VILLAS BOAS, B. M. de F. Portfólio, avaliação e trabalho pedagógico. Campinas: Papirus, 2004b.

VILLAS BOAS, B. M. de F. Virando a escola do avesso por meio da avaliação. Campinas: Papirus, 2008.

WERLE, F. O. C. Sistema de avaliação da educação básica no Brasil: abordagem por níveis de segmentação. In: WERLE, F. O. C. (Org.). Avaliação em larga escala: foco na escola. São Leopoldo/Brasília: Oikos/Liber Livros, 2010.