Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Identificação de Presença de Grupos em Grafos por Níveis de Distribuição de Grau de Centralidade

DOI: http://dx.doi.org/10.12721/2237-5112.v02n02a02

http://www.rtic.com.br

downloadpdf

Dalton Lopes Martins1

 

Resumo: O artigo apresenta como podemos utilizar a distribuição de grau de centralidade de uma rede social para facilitar a identificação de grupos. Baseamos nossa pesquisa em dois conceitos de base da teoria de análise de redes: o coeficiente local de agrupamento e a homofilia de grau. Os dados coletados e discutidos são apresentados com base em um experimento que analisa uma rede social de monitores e tutores participantes de um curso de formação à distância. Os resultados indicam que a distribuição de grau de centralidade pode ser usada como base na identificação dos maiores e mais conectados grupos presentes numa rede.

Palavras-chave: grafos, redes sociais, grau de centralidade, comunidades, grupos

 

1 Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, Brasil. E-mail: daltonmartins@usp.br

 

Literatura Citada

[1] E. D. Kolaczyk. Statistical analysis of network data: methods and models. Springer. 1st ed. 2009. p. 386. doi

[2] L. Freeman. The development of social network analysis: a study in the sociology of science. Empirical Press. 1st ed. 2004. p. 205. 

[3] M. A. Porter, J-P Onnela, P. J. Mucha. Communities in Networks. Notices of the American Mathematical Society, Vol. 56, No. 9: 1082-1097, 1164-1166, 2009 .

[4] M. E. J. Newman. Networks: an introduction. Oxford University Press. 1st ed. 2010. p. 772. 

[5] M. Girvan, M. E. J. Newman. Community structure in social and biological networks. PNAS., 2002. vol. 99 no. 12: 7821-7826. doi

[6] O. Persson. Short, strong and simple mapping of research fields. Proceedings of ISSI 2011 - Durban, July 4-7, 2011. 

[7] S. Fortunato. Community detection in graph. Phys. Rep., 2010. 486: 75-174. doi

[8] S. Wasserman, K. Faust. Social network analysis: methods and applications. Cambridge University Press. 18st ed. 2009. p. 825. 

[9] Telecentros.Br – Documento orientador do programa. Disponível em: http://www.inclusaodigital.gov.br/telecentros/documentos/documento_propositivo.pdf. Acessado em 05/02/2012. 

[10] V. Batagelj, A. Mrvar. AJEK - Reference Manual: Ṕ list of commands with short explanation - version 2.05. Disponível em: http://pajek.imfm.si/lib/exe/fetch.php?media=dl:pajekman205.pdf. Acessado em 05/02/2012. 

[11] W. de Nooy, A. Mrvar, V. Batagelj. Exploratory social network analysis with Pajek. Cambridge University Press. 1st ed. 2005. p. 334. doi