Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Rituais Corporativos como Estratégia de Legitimação dos Valores Organizacionais em Empresas Familiares

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v10n20p117-144

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/OC/index 

downloadpdf

Andressa H. Silva1 & Maria I. T. Fossá2

 

Resumo: O presente estudo pretende analisar como os rituais corporativos proporcionam a legitimação dos valores organizacionais. A unidade de análise é uma empresa familiar, vinculada ao ramo de bebidas, que está no mercado há 87 anos. A coleta dos dados deu-se com o uso de entrevistas semiestruturadas, observação direta e pesquisa documental. Para a análise dos dados, empreendeu-se a técnica de análise de conteúdo, proposto por Bardin (2010). Desta análise, emergiram vinte categorias iniciais, cinco intermediárias e duas finais que balizaram a conclusão do estudo. Como principais resultados, respondendo ao problema que motivou a realização desta pesquisa, observou-se que os rituais promovem a legitimação dos valores, primeiramente, através da clareza e disseminação dos valores declarados entre a equipe gerencial; posteriormente, por intermédio da prática diária dos líderes, desenvolvimento de rituais próprios nas áreas, assim como os rituais convencionados pela organização. Com destaque aos rituais que mais favorecem a legitimação dos valores declarados: socialização organizacional, reuniões setoriais, avaliação de desempenho e auditoria do Programa de Qualidade Fruki. Como contribuições deste estudo, cita-se o direcionamento dos esforços para a pesquisa de rituais corporativos, temática que ainda é incipiente nos estudos organizações.

Palavras-chave: valores organizacionais; rituais corporativos; legitimação; empresa familiar.

 

Abstract: This study aims to analyze how the rituals provide the legitimation of corporate core values. The unit of analysis is a family business, linked to the drinks industry, which has been in business for 87 years. Data collection took place with the use of semi-structured interviews, direct observation and documentary research. For data analysis, under took the technique of content analysis proposed by Bardin (2010). Emerged from this analysis early twenty categories, five intermediate and two finals that led to the completion of the study. As main results, it is observed that the clarity and spread of declared values between the main leaders is one of the factors that contribute to its legitimacy in the practice of rituals. As contributions of this study, it is cited the targeting of efforts to research corporate rituals, a theme that is still incipient in studies organizations.

Key words: organizational values; corporate rituals; legitimation; family business.

 

1 UFSM. Mestre em Administração (PPGA/UFSM). Doutoranda em Administração (PPGA/ UFSM). Professora Assistente (UNIPAMPA). E-mail: andressasilva@unipampa.edu.br.
2 UFSM. Doutora em Administração (EA/UFRGS). Professora Associada do Departamento de Comunicação (UFSM). E-mail: fossa@terra.com.br.

 

Literatura Citada

AAKER, D.; KUMAR, V.; DAY, G. Pesquisa de Marketing. São Paulo: Atlas, 2010.

ALBUQUERQUE, A.; PEREIRA, R.; OLIVEIRA, J. SUCESSORAS INVISÍVEIS: a construção social do gênero e a sucessão em uma empresa familiar. Anais... XXXVI Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro/RJ, 2012.

ANDRADE, D.; BRAGA DE LIMA, J.; ANTONIALLI, L. Significados do Processo de Sucessão em uma Empresa Familiar. Espacios. Vol. 32 (4), 2011.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2010.

BARRETO, E. Estilos gerenciais e o impacto das organizações. 2003. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

BEKIN, S. Endomarketing: como praticá-lo com sucesso. São Paulo: Person, 2004.

BENBASAT, I.; GOLDSTEIN, D. K.; MEAD, M. The case research strategy in studies of information systems. MIS Quarterly, 11 (3), 369-386, 1987.

BERGER, P.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade. Petrópolis: Vozes, 2002.

BERNHOEFT, R. Empresa familiar: sucessão profissionalizada ou sobrevivência comprometida. São Paulo: Nobel, 1989.

BERNHOEFT, R.; GALLO, M. Governança na Empresa familiar – poder – gestão e sucessão. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

BETHLEM, A. A empresa familiar: oportunidades para pesquisa. Revista de Administração. São Paulo, 29(4), 88-97, 1994.

CAPELÃO, L.; MELO, M. Relações de Poder no Processo de Sucessão em Empresa Familiar: O Caso das Indústrias Filizola S.A. Anais... XXV Encontro da ANPAD. Campinas/SP, 2001.

COLLINS, J.; PORRAS, J. Feitas para durar. Rio de Janeiro: Rocco, 1995.

COLLINS, J.; RUSSEY, R. Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. Porto Alegre: Bookman, 2005.

COOPER, D.; SCHINDLER, P. Métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman, 2003.

DA MATTA, R. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

DEAL, T.; KENNEDY, A. Corporate cultures: the rites and rituals of corporate life. Reading, Massachusetts: Addison-Wesley, 1982.

DÉRY, R.; DUPUIS, J.; HUGRON, P.; ÉMOND-PÉLOQUIN, L. La varieté des entreprises familiales: construction théorique et typologique. Cahier de Recherche du Groupe de Recherche surles entreprises familiales, Montreal, 93(8),1-5, 1993.

DESORDI, S.; FRANTZ, T. PAPAI NÃO TRABALHA MAIS? A CONTRIBUIÇÃO DA PSICANÁLISE NO ESTUDO DO PROCESSO SUCESSÓRIO EM UMA EMPRESA FAMILIAR. Anais... XXXVI Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro/RJ, 2012.

DONNELLEY, R. A Empresa familiar. São Paulo: Abril, 1976.

ENGEL, K.; FREIRE, M. Cultura organizacional e memória empresarial: uma relação que faz história. e-Com, Belo Horizonte, v. 2, n. 2, nov. 2008.

FOSSÁ, M. I. T. Proposição de um constructo para análise da cultura de devoção nas empresas familiares e visionárias. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil, 2003.

FOSSÁ, M. I. T.; PÉRSIGO, P. A função política de relações públicas na legitimação organizacional. In: X Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul, 2009, Blumenau. Anais... Blumenau, 2009. p. 1-15.

FREITAS, M. E. Vida de executivo expatriado: A festa vestida de riso ou de choro. In: XXIV Encontro Anual da Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Administração, 2000, Florianópolis. Anais... Florianópolis, 2000. p. 1-12.

FREITAS, M. E. Cultura organizacional: formação, tipologias e impactos. São Paulo: Makron, 1991.

FRUKI. Disponível em: http://www.fruki.com.br/ Acesso em: 3 jun. de 2011.

GALLO, M. A. Empresa familiar: textos y casos. Barcelona: Práxis, 1995.

GERSICK, K.; DAVIS, J.; HAMPTON, M.; LANSBERG, I. De geração para geração: ciclos de vida da empresa familiar. São Paulo: Negócio, 1997.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999.

GONZALEZ, I. SATO, A.; PELISSARI, A.; CID E SILVA, B. PLANO DE SUCESSÃO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA FAMILIAR DE MÍDIA EXTERIOR. Revista de Negócios, v. 16, n. 4, p. 51-75, 2011.

GUTH, W. T.; TAGIURI, R. Personal values and corporate strategies. Harvard Business Review, 126, 1965.

HOFSTEDE, G. Culture and organizations: software of the mind. New York: McGraw-Hill, 1991.

ISLAM, G.; ZYPHUR, M.; ROSE, J.; BARSKY, A.; JOHNSON, E. Rituals revisited: a new look at organizational rituals. In: XX Encontro Anual da Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Administração. Salvador. Anais... Salvador, 2006. p. 1-16.

JOHANN, S. L. Gestão da cultura corporativa: como as organizações de alto desempenho gerenciam sua cultura organizacional. São Paulo: Saraiva, 2004.

KABANOFF, B.; DALY, J. Espoused values of organizations. Australian Journal of Management, 27(89), Special Issue, 2002.

KIRST, M. F. Fruki: Uma História Com Sabor. Caxias do Sul: Editora Belas Letras, 2008.

KUCZMARSKI, S.; KUCZMARSKI, T. Liderança baseada em valores. São Paulo: Educator, 1999.

LEONE, N. A sucessão não é um tabu para os dirigentes da P.M.E. In: X Encontro Anual da Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Administração, Salvador. Anais... Salvador, 1991. p. 1-16.

LEONE, N.; SILVA, A.; FERNANDES, C. Sucessão: como transformar o duelo em dueto. Revista de Administração, São Paulo, 31(3), 76-81, 1996.

LODI, J. B. A ética na empresa familiar. São Paulo: Pioneira, 1998.

LONGENECKER, J. G.; MOORE, C. W.; PETTY, J. W. Administração de pequenas empresas. São Paulo: Makron Books, 1997.

MACEDO, K. Empresa familiar brasileira: poder, cultura e decisão. Goiás: Terra, 2001.

MARCONDES, D. Filosofia, linguagem e comunicação. São Paulo, Cortez, 2001.

MARTINS, J. Empresas familiares. Lisboa: GEPE – Gabinete de Estudos e Prospectiva Económica do Ministério da Economia, 199.

MICHEL, M. H. Metodologia e pesquisa científica em ciências sociais: um guia prático para acompanhamento da disciplina e elaboração de trabalhos monográficos. São Paulo: Atlas, 2005. MINAYO, M. O desafio do conhecimento. Rio de Janeiro: Hucitec-Abrasco, 1993.

MUSSI, F.; TEIXEIRA, R.; MASSUKADO, M. A EMPRESA FAMILIAR E A SUCESSÃO NA INTERPRETAÇÃO DO HERDEIRO. Anais... V Encontro de Estudos Organizacionais. Belo Horizonte/MG, 2008.

OLIVEIRA, A.; TAMAYO, A. Inventário de perfis de valores organizacionais. Revista de Administração de Empresas, 39, 129-140, 2004.

OLIVEIRA, D. Empresa familiar: como fortalecer o empreendimento e otimizar o processo sucessório. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

PEIRANO, M. O Dito e o feito: ensaios de antropologia os rituais. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

PEIRANO, M. Rituais ontem e hoje. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003.

PEREIRA, A.; VIEIRA, A.; ROSCOE, M. Sucessão do Mito Organizacional: Estudo de Caso em uma Empresa Familiar. Anais... XXXVI Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro/RJ, 2012.

PRADO, Roberta. Empresas Familiares – governança corporativa, governança familiar, governança jurídica. São Paulo: Saraiva 2011.

RABECHINI JR., R. A importância das habilidades do gerente de projetos. Revista Administração de Empresas – RAE, São Paulo, 36(1), 92-100, 2001.

REBOUÇAS, D. Empresa familiar: como fortalecer o empreendimento e otimizar o processo. São Paulo: Atlas, 1999.

REDFIELD, C. E. Comunicações administrativas. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas, 1985.

RODRIGUES, M. V. Ritos & excelência nas empresas: a busca da excelência a partir dos valores e aspectos culturais das empresas. Petrópolis: Vozes, 2002.

SCHEFFER, A. B. Sucessão em empresas familiares: dificuldades e ações preventivas. Dissertação (mestrado em administração) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil, 1993.

SCHREIBER, D. Interpretação simbólica no processo de mudança organizacional. Protestantismo em Revista, São Leopoldo, RS, v. 20, set./dez. 2009.

SILVA, R.; FERNANDES, V. OLIVEIRA, M.; CAMARGO, C.; RODRIGUES, G.; GARCIA, L. Conatus e Processo Sucessório: Limites e Possibilidades à Continuidade da Empresa Familiar. Anais... XXXVII Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro/RJ, 2012.

SOLTERO, A. P. Memória organizacional baseada em casos. Revista de Ciência e Tecnologia, Recife, v. 6, n. 1, p.22-39, 2002.

TAMAYO, A.; GONDIM, M. Escala de valores organizacionais. Revista de Administração da USP, 31(2), 62-72, 1996.

TAMAYO, A.; BORGES, L. Valores del trabajo y valores de las organizaciones. In: ROS, M. Psicologia Social de los valores humanos. Madrid: Biblioteca Nueva, 2001.

TAMAYO, A.; MENDES, A.; PAZ, M. Inventário de valores organizacionais. Estudos de Psicologia, UnB, 5(2), 289-315, 2000.

TAMAYO, A. Contribuições ao estudo dos valores pessoais, laborais e organizacionais. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(17), 24, 2007.

TOMEI, P.; BRAUNSTEIN, M. Cultura organizacional e privatização à dimensão humana. São Paulo: Makron Books, 1993.

TRICE, H.; BEYER, J. Using six organizational rites to change culture. In: KILLMAN, R. H., SAXTON, M. J.; SERPA, R. Gaining control of the corporate culture. San Francisco: Jossey- Bass, 1985.

TRICE, H.; BEYER, J. Studying organizational cultures through rites and ceremonials. Academy of Management Review, 9(4), 653-669, 1984.

TURNER, V. O Processo ritual. Petrópolis: Vozes, 1974.

YIN, R. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2001.

ZUCKER, L. Institutional theories of organizations. Annual Review of Sociology, 13, 443464 , 1987.