crosscheckdeposited

Os Conhecimentos Prévios dos Estudantes como Referencial para o Planejamento de Aulas de Ciências: Análise de Uma Atividade para o Estudo do Ciclo da Água

DOI: http://dx.doi.org/10.18250/2179-2933/ensinodeciencias.v4n1p42-67

http://www.latec.ufrj.br/revistas/index.php?journal=ensinodeciencias 

downloadpdf

Wanderley P. Brum1 & Elcio Schuhmacher2

 

Resumo: Os estudantes trazem à sala de aula um conjunto de explicações sobre determinado assunto, conhecido como conhecimentos prévios, muitas vezes diferentes dos saberes científicos apresentados pela escola. Este ponto é essencialmente importante, uma vez que possibilita ao professor desacreditar que a apropriação de um conhecimento acontece pela simples transmissão. Os conhecimentos prévios são explicações funcionais para os objetos e fenômenos, muitas vezes pouco elaborados que precisam ser identificados e levados em consideração pelos professores de Ciências. Neste sentido, apresentamos uma experiência didática para o estudo do ciclo da água, vivenciada em aulas de Ciências com estudantes da segunda sexta série do ensino fundamental, analisada a partir dos pressupostos da Teoria da Aprendizagem Significativa. Entendemos que o ensino deve basear-se nas experiências pessoais que o estudante vivencia e que o papel do professor está na orientação e regulação das atividades, com vistas à transformação dos conhecimentos prévios em sua estrutura cognitiva. Assim, de acordo com o  pensamento ausubeliano, se o professor deseja ensinar significativamente, é preciso descobrir aquilo que o estudante já sabe, para enfim, direcionar seus ensinamentos.

Palavras-chave: Ensino de ciências, Conhecimentos prévios, Conceitos científicos, Ciclo da água.

 

Abstract: The students bring to the classroom a set of explanations given subject, known as prior knowledge, often different from scientific knowledge presented by the school. This point is especially important, as it enables the teacher to discredit the appropriation of knowledge happens for the simple transmission. Previous knowledge are functional explanations for the objects and phenomena, often poorly developed that need to be identified and taken into consideration by science teachers. In this sense, we present a learning experience for the study of the water cycle, experienced in science classes with students of the second sixth grade of elementary school, analyzed from the Theory of Meaningful Learning. We believe that teaching should be based on personal experiences that students experience and the teacher's role is in guiding and regulating the activities with a view to transforming prior knowledge in their cognitive structure. Thus, according to the thought ausubeliano, if the teacher wants to teach significantly, you need to figure out what the student already knows, to finally direct their teachings.

Key words: Science education, Prior knowledge, Scientific concepts, Water cycle.

 

1 Licenciado em Matemática pela Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, SC, mestre em Ensino de Ciências Naturais e Matemática pela Fundação Universidade Regional de Blumenau, Santa Catarina. É professor da Faculdade Avantis de Ensino em Balneário Camboríu, cujo campo de atuação é direcionado a didática das Ciências. ufsc2013@yahoo.com.br
2 Licenciado em Física pela Universidade Federal de Santa Catarina, mestre em Física e doutor em Química. Atualmente é professor concursado da Fundação Universidade Regional de Blumenau - FURB. Atuando principalmente nos seguintes temas: Construção de Conceitos, Ensino de Ciências e Ensino de Física. Atualmente coordena o Mestrado de Ciências Naturais e Matemática, e desenvolve a sua linha de pesquisa nos seguintes temas: Ensino de Física, Educação Tecnológica, Ciências para Todos. E-mail: elcio@furb.br

 

Literatura Citada

AUSUBEL, D. P. Aquisição e Retenção de Conhecimentos: Uma Perspectiva Cognitiva. Lisboa: Plátano, 2003

AUSUBEL, D. P; NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. Psicologia Educacional. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980. Borges, M. R. & Moraes, R. Educação em Ciências nas séries iniciais. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 1998.

HEDEGAARD, M. A ZDP como base para a instrução. In: MOLL, L. C. Vygotsky e a educação: implicações pedagógicas da psicologia sócio-histórica. Porto Alegre: Artmed, p. 341-362, 2002.

MOREIRA, M. A.; MASINI, E. F. S. Aprendizagem significativa: A teoria de David Ausubel. São Paulo: Centauro, 2001.

NONAKA, IKUJIRO; TAKEUCHI, HIROTAKA. Criação de conhecimento na empresa. Rio de Janeiro: Campus, 1997

NOVAK, J. D.; GOWIN, B. D. Aprender a Aprender. Lisboa: Plátano Edições Técnicas, 1996.

OLIVEIRA, L. L. Imaginário Histórico e Poder Cultural: as Comemorações do Descobrimento. Estudos Históricos, Rio de Janeiro: CPDOC; FGV, vol. 14, n. 26, 2000, p.183-202.

PEREIRA, M. O conhecimento tácito substantivo histórico dos alunos – no rastro da escravatura. BARCA, Isabel (org.) Perspectivas em Educação Histórica. Braga: Universidade do Minho; Centro de Estudos em Educação e Psicologia, p. 45- 54, 2001.

POLANYI, M. The Tacit Dimension. London. Routledge & Kegan Paul Ltd. 1967.

POZO, J. I. Teorias cognitivas da aprendizagem. 3ª. ed. São Paulo: Artes Medicas, 1998.

SAIANI, C. Valorizando o conhecimento tácito: a epistemologia de Michael Polanyl na escola. Tese (Doutoramento em Educação). SP: USP. 2003.

SCHROEDER, E. Os conceitos espontâneos dos estudantes como referencial para o planejamento de aulas de ciências: análise de uma experiência didática para o estudo dos répteis a partir da teoria histórico cultural do desenvolvimento. Experiências em Ensino de Ciências, v.8, n.1, 2013.