Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

Fortaleza na Ponta do Anzol

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/DM-000000001

 downloadpdf

MONTEIRO JUNIOR, Francisco Hélio

 

Resumo: O presente estudo analisa a oposição entre espaço urbano e meio ambiente na constituição da cidade de Fortaleza como metrópole regional. Considerando o caso dos pescadores lacustres da cidade, o trabalho aponta para a íntima relação entre o desenvolvimento urbano da cidade e a atividade pesqueira que se desenvolveu à margem desse progresso. Também sublinha os discursos conflituosos que envolvem interesses divergentes dos pescadores artesanais, empresários e poder público nos usos e apropriações das lagoas. A pesquisa empírica foi realizada na Lagoa da Parangaba e descreve as sociabilidades forjadas num lugar e numa condição liminar, as relações de gênero e a apropriação da Lagoa pelos pescadores. Ainda desembaraça a intricada e complexa relação entre os apetrechos artesanais, os movimentos corporais e o tempo que envolve a singular pescaria em água doce.

Palavras-chave: espaço urbano, meio ambiente, pescadores artesanais, sociabilidade

 

Abstract: The present study analyzes the oppositions, as well the dialogues, between urban spaces and natural environment on the constitution of Fortaleza City (capital of the Ceará State – Brazil) as a “regional metropolis”. With the focus on the lake-dwelling fishermen, this work points to the close relationship among urban development and the fishing activities that occur by the border of this process. It also underlines the conflict in the discourses relative to the diverging interests of the fishermen crafts, entrepreneurs and the public authorities about the uses and appropriations of the ponds. The empirical research was made at the Parangaba Lagoon and describes the sociabilities invented at a place in a “liminar” condition – relationships of the genders, the corporal movements and the practices of fishing in fresh water.

Key words: urban space, environment, fishermen, sociability

 

Literatura Citada

ALENCAR, José de. Iracema. Casa de José de Alencar - UFC, 2001.

AUGÉ, Marc. Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. 2ª. Ed. Campinas, São Paulo: Papirus, 2001.

AZEVEDO, Miguel Ângelo de (Nirez). Fortaleza, ontem e hoje. Fundação da Cultura e Turismo de Fortaleza, 1991.

AZEVEDO, Otacílio de. Fortaleza descalça. 2a ed. Fortaleza, UFC/ Casa José de Alencar, 1992.

BARREIRA, Irlys Alencar Firmo. O reverso das vitrines: conflitos urbanos e cultura política. Rio de Janeiro: Rio Fundo Editora, 1992.

_________. “Entre a Rebeldia e a Disciplina: Dimensões Simbólicas e Políticas nos Movimentos Sociais Urbanos”. In: NASCIMENTO, Elimar Pinheiro do; BARREIRA, Irlys Alencar Firmo (Org.). Brasil Urbano: cenários da ordem e da desordem. Rio de Janeiro: Notrya Editora, 1993.

_________. “Conflitos simbólicos em torno da memória e imagem de um bairro”. In: Revista Análise Social. Lisboa, v. XLII, no. 182, p. 163-180 1º. Trimestre de 2007.

BARROSO, Gustavo. Praias e várzeas; Alma sertaneja. Rio de Janeiro: José Olympio, 1979. (coleção Dolor Barreira).

BAUMAN, Zygmunt. Globalização: as conseqüências da modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

BECKER, Howard. “A Escola de Chicago”. Revista Mana – Estudos de Antropologia Social. Rio de janeiro, v. 2, no. 2, p. 177-188, out 1996.

BENÉVOLO, Leonardo. As origens da urbanística moderna. Lisboa: Editorial Presença, 1963.

BENJAMIN, Walter. Rua de mão única: obras escolhidas II. 5ª ed. São Paulo: editora brasiliense, 1995.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

CALVINO, Ítalo. Marcovaldo ou as estações na cidade. 2ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

_________. As cidades invisíveis. 2ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

CAMPOS, Eduardo. A Fortaleza provincial: rural e urbana. Fortaleza, Secretaria de Cultura, Turismo e Desporto, 1988.

CAMPOS, Franderlan; MATIAS, Trícia; MONTEIRO JR, Francisco Hélio. Os parceiros da lagoa da Parangaba: sobrevivência e lazer. 2004. Trabalho final apresentado à disciplina de Antropologia III no curso de graduação em Ciências Sociais - UECE.

CANEVACCI, Massimo. A cidade polifônica: ensaio sobre a antropologia da comunicação urbana. 2ª. Ed. São Paulo: Studio Nobel, 2004.

CARVALHO, José Jorge. O olhar etnográfico e a voz subalterna. Brasília: Série Antropologia, 261. Depto. de Antropologia, UnB, 1999.

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro. 11ª ed. São Paulo: Global, 2001.

CASTELLS, Manuel. A questão urbana. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

CASTORIADIS, Cornelius. A instituição imaginária da sociedade. 2ª. Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. artes de fazer. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1994.

CLASTRES, Pierre. “O arco e o cesto”. A sociedade contra o Estado. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

CLAUDINO SALES, Vanda Carneiro de. Lagoa do Papicu: natureza e ambiente na cidade de Fortaleza. São Paulo: Universidade de São Paulo - Departamento de Geografia. Dissertação de Mestrado, 1993.

COULON, Alain. A Escola de Chicago. Campinas, São Paulo: Papirus, 1995.

CUNHA, Lucia H. tempo natural e tempo mercantil na pesca artesanal. In: DIEGUES, A. C. (Org) A imagem das águas. São Paulo: Hucitec, 2000.

DAMATTA, Roberto. “Individualidade e liminaridade: considerações sobre os ritos de passagem e a modernidade”. Revista Mana – Estudos de Antropologia Social. Rio de Janeiro, v. 6, no. 1, p. 7-29, abril 2000.

_________. Carnavais, Malandros e Heróis. 6a ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

_________. A casa & a rua: espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. 5. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997b.

DANTAS, Eustógio Wanderley Correia. Mar à vista: estudo da maritimidade em Fortaleza. Fortaleza: Museu do Ceará/ Secretaria da Cultura e do Desporto do Ceará, 2002.

DAVIS, Mike. Planeta favela. São Paulo: Boitempo, 2006.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol.5. São Paulo: Editora 34, 1998.

DOUGLAS, Mary. Pureza e perigo. São Paulo: Perspectiva, 1966.

DURKHEIM, Émile. As formas elementares da vida religiosa. São Paulo: Paulinas, 1989.

ENGELS, Friedrich. A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. São Paulo: Global, 1985.

FOOTE-WHYTE, William. “Treinando a observação participante”. In: GUIMARÃES, Alba Zaluar. (org.). Desvendando máscaras sociais. 2ª ed. Editora Francisco Alves, 1980.

FRANÇA JÚNIOR, Luís Celestino de. “Seca”. In: CARVALHO, Gilmar de. (org.). Bonito pra chover: ensaios sobre a cultura cearense. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2003.

GALENO, Juvenal. Porangaba: a lagoa e a índia porangaba. Fortaleza: Edição da Casa Juvenal Galeno/ Stylus Comunicações, 1991.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar Editores S&A, 1978.

GIDDENS, Anthony. As conseqüências da modernidade. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista (UNESP), 1991.

GIRÃO, Raimundo. Geografia estética de Fortaleza. Fortaleza, BNB, 1979

_________. Evolução histórica cearense. Fortaleza, BNB. ETENE, 1985.

GODOI, Emília Pietrafesa de. “O sistema do lugar: história, território e memória no sertão.” In: Além dos territórios. NIEMEYER, Ana Maria de. & GODOI, Emilia Pietrafesa. (orgs). Campinas, São Paulo: Mercado de Letras, 1998.

GONDIM, Linda M. P. O Dragão do mar e a Fortaleza pós-moderna: cultura, patrimônio e imagem da cidade. São Paulo: Annablume, 2006.

GUATTARI, Félix. As três ecologias. 3ª ed. Campinas, São Paulo: Papirus, 1991.

GUERRA, Antonio Teixeira. Dicionário Geológico-Geomorfológico. 7ª ed. Rio de Janeiro: IBGE, 1987.

HOLANDA, Firmino. Orson Welles no Ceará. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2001.

JUCÁ, Gisafran Nazareno Mota. Verso e reverso do perfil urbano de Fortaleza (1945-1960). São Paulo: Anablume; Fortaleza: Secretaria de Cultura e Desporto do Estado do Ceará, 2000.

LABAN, R. O domínio do movimento. São Paulo: Summus, 1978.

LAPLANTINE, François. A descrição etnográfica. São Paulo: Terceira Margem, 2004.

LE GOFF, Jacques. Por amor às cidades. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1998.

LEACH, Edmund. Once a knight is quite enouch: como nasce um cavaleiro britânico. Revista Mana, vol. 6 no.1. Rio de Janeiro Abril, 2000.

_________. Cultura e comunicação. A lógica pela qual os símbolos estão ligados. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.

_________. “Dois ensaios a respeito da representação simbólica do tempo”. In Repensando a antropologia. São Paulo: Perspectiva, 1974.

LEFEBVRE, Henry. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2001.

LEITE, Rogério Proença. Contra-usos da cidade. São Paulo: Editora UNICAMP, 2004.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes Trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

LINHARES, Paulo. Cidade de água e sal. Por uma antropologia do Litoral Nordeste sem cana e sem açúcar. Fortaleza: Fundação Demócrito Rocha, 1992.

MALINOWSKI, B. Os Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril, 1978.

MANGNANI, José Guilherme. (Org.). Na metrópole: textos de antropologia urbana. São Paulo: Edusp,1996.

_________. Festa no Pedaço. 2a ed. São Paulo: Hucitec/UNESP, 1998.

_________. “De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana”. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, v. 17, no. 49, p.11-29, junho de 2002.

MARICATO, Ermínia. Dimensões da tragédia urbana. In: Com ciência. http://www.comciencia.br

MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo, EPU. Edusp, 1974.

MENEZES, Lívia Salomoni. Feira dos pássaros: diálogos e cruzamentos entre a tradição e o massivo. Fortaleza: Universidade Federal de Fortaleza – Departamento de Comunicação Social. Monografia de Bacharelado, 2007.

MONTEIRO, Sandoval Villaverde. A pesca artesanal nas praias urbanas de Natal: trabalho, lazer e práticas culturais. In: Reunião Equatorial de Antropologia/ Reunião de Antropólogos Norte/Nordeste, 10., 2007, Aracajú – SE. Anais. CD-ROM.

NOBRE, Geraldo. Água para o progresso de Fortaleza. Fortaleza: Secretaria de Cultura e Desporto, 1981.

NOTTINGHAM, Patrícia Carvalho. Tempos Verdes em Fortaleza: experiências do movimento ambientalista (1976 – 1992). Fortaleza: Universidade Federal do Ceará – Departamento de História. Dissertação (mestrado) em História Social, 2006.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. O Trabalho do Antropólogo. São Paulo: UNESP, 1998.

OLIVEIRA JÚNIOR, Gerson Augusto de. O Encanto da Águas: A relação dos Tremembé com a natureza. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica – PUC. Doutorado em Ciências Sociais/ Antropologia, 2003.

_________. “Os Tremembé e o mar”. In: Propostas Alternativas. Fortaleza, n.12. p. 21-29. 2004.

PAMUK, Orhan. Istambul: memória e cidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

PARK, Robert Ezra. “A cidade: sugestões para a investigação do comportamento humano no meio urbano.” In: VELHO, Otávio Guilherme (org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

PONTE, Sebastião Rogério da. Fortaleza Belle Époque: reformas urbanas e controle social. Fortaleza: Fundação Demócrito Rocha, Multigraf Editora, 1993.

PREFEITURA MUNICIPAL DE FORTALEZA/ SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E CONTROLE URBANO-SEMAM /UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ/ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DO MAR-LABOMAR. Programa lagoas de Fortaleza - Relatório do mapeamento batimétrico. Março de 2007.

RAMOS, Graciliano. Vidas Secas. 59a ed. Rio, São Paulo. Record, 1989.

RIBEIRO, Esaú Costa. Memorial e história de Messejana. Fortaleza: Editel, 1982.

ROBBINS, Tom. O perfume de Jitterbug. Rio de Janeiro: Imago, 1987.

ROLNIK, Raquel. O que é cidade. 3ª ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1995. (Coleção Primeiros Passos).

RUSSELL, Bertrand. O elogio do lazer. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1957.

RYBCZYNSKI, Wiltold. Vidas nas cidades: expectativas urbanas no Novo Mundo. Rio de Janeiro: Record, 1996.

SAHLINS, Marshall. Ilhas de História. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003.

_________. “O ‘pessimismo sentimental’ e a experiência etnográfica: por que a cultura não é um objeto em vias de extinção (parte I)”. Revista Mana – Estudos de Antropologia Social. Rio de Janeiro, v. 3, no. 1, p. 41-73, abril 1997.

_________. “O ‘pessimismo sentimental’ e a experiência etnográfica: por que a cultura não é um objeto em vias de extinção (parte II)”. Revista Mana – Estudos de Antropologia Social. Rio de Janeiro, v. 3, no. 2, p. 103-150, outubro 1997.

SANTOS, Carlos Nelson Ferreira dos. Movimentos urbanos no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

SCHAMA, Simon. Paisagem e memória. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

SILVA, Gláucia Oliveira da. Tudo que tem na terra tem no mar: a classificação dos seres vivos entre os trabalhadores da pesca em Piratininga, Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Funarte, 1989.

SILVA FILHO, Antonio Luiz Macedo e. Fortaleza: imagens da cidade. Fortaleza: Museu do Ceará; Secretaria da Cultura e Desporto do Estado do Ceará, 2001.

SIMMEL, Georg. “A metrópole e a vida mental”. In: VELHO, Otávio Guilherme (org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

_________. As grandes cidades e a vida do espírito. Revista Mana – Estudos de Antropologia Social. Rio de Janeiro, v. 11, no. 2, p. 577-591, out. 2005.

SOARES, Luiz Eduardo.” Juventude e violência no Brasil contemporâneo”. In: NOVAIS, Regina & VANNUCHI, Paulo. Juventude e Sociedade: Trabalho, educação, cultura e participação. São Paulo: Editora Fundação Perseo Abramo, 2004.

SOUZA, Marcelo Lopes de. ABC do desenvolvimento urbano. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

SPIRN, Anne Whiston. O Jardim de Granito. São Paulo: EDUSP, 1995.

THOMAS, Keith. O homem e o mundo natural. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

TURNER, Victor W. O processo ritual. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1974.

VAN GENNEP, Arnold. Os ritos de passagem. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1974.

VELHO, Gilberto. Individualismo e cultura: notas para uma antropologia da sociedade contemporânea. 5ª. Ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 1999.

VIEIRA JR., Antonio Otaviano. Entre o futuro e o passado: aspectos urbanos de Fortaleza (1799-1850). Fortaleza: Museu do Ceará/ Secretaria da Cultura do Ceará, 2005.

WEBER, Max. “Conceitos e categorias da cidade”. In: VELHO, Otávio Guilherme (org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

_________. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. 3ª ed. Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília, 1994.

WILLIAMS, Raymond. O campo e a cidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

WIRTH, Louis. “O urbanismo como modo de vida”. In: VELHO, Otávio Guilherme (org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

ZUKIN, Sharon. “Paisagens urbanas pós-modernas: mapeando cultura e poder”. In: ARANTES, Antonio. (org). O espaço da diferença. Campinas: Papirus, 2000.