Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Uso de Indicadores para Avaliação da Qualidade da Água na Bacia do Jaguaribe, CE

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/F.G.C.Freire-DF-000000002

 downloadpdf

FREIRE, Francisco Gilliard Chaves

 

Resumo: O aumento populacional está acarretando o surgimento de diversos impactos ambientais negativos que incidem direta e indiretamente nos corpos hídricos receptores, alterando a qualidade da água e afetando todo ecossistema aquático. A falta de gestão adequada dos corpos hídricos, cada vez mais contribui para os conflitos por água, em especial nas regiões áridas e semiáridas. O presente trabalho teve por objetivo analisar os indicadores de qualidade da água para fins de irrigação e abastecimento humano em partes das sub-bacias do médio e baixo Jaguaribe-CE, nos períodos de estiagem e chuvoso. No período de novembro de 2011 a abril de 2012 realizou-se um plano de monitoramento, no qual foram analisados três trechos do rio Jaguaribe e 20 pontos amostrais na barragem Castanhão, responsável por sua perenização. As amostras de água foram coletadas na profundidade de 0,40 m, distando 5,0 da margem dos corpos hídricos, sendo posteriormente encaminhadas à distintos laboratórios para análises físico-químicas (turbidez, Ca2+, Mg2+, Na+, Cl-, CO3-, HCO3-2, K, P, N, DBO, Fe, Mn, Cu, Zn, Al, Cr, Ni, Cd e Pb) e microbiológicas (coliformes termotolerantes). Nos locais das amostragens mediu-se pH, condutividade elétrica, oxigênio dissolvido e temperatura. Para interpretação dos resultados de qualidade da água foi utilizado o Índice de Qualidade da Água de Irrigação (IQAI), Índice de Qualidade da Água (IQA) e legislação nacional sobre qualidade das águas nos corpos hídricos e para abastecimento humano. Os dados de qualidade de água foram submetidos à análise descritiva com determinação do valor médio, desvio-padrão e coeficiente de variação. Também, realizou-se a análise de correlação de Pearson, a 5% de probabilidade pelo teste “t” entre as variáveis de qualidade de água. Os resultados indicaram que as águas do rio Jaguaribe e do Castanhão são indicadas para abastecimento humano mediante tratamento convencional envolvendo técnicas de coagulação, floculação, sedimentação, filtração e cloração da água; com relação ao Índice de Qualidade de Água para abastecimento humano (IQA), a água do rio Jaguaribe foi classificada como boa e ótima nos períodos seco e chuvosos; no que se refere ao índice de Qualidade da Água para Irrigação (IQAI), as águas do rio Jaguaribe e do Castanhão foram recomendadas como adequadas, porém as características pH, K+, CE, Na+, Ca2+, Mg2+ e HCO3-2, devem ser avaliadas com critério para evitar degradação do solo, pois em algumas épocas de coleta as mesmas foram classificadas como tipo II. As características que apresentaram maiores variações nas épocas de coleta foram CE, Ca2+ e CO3-, que interferem, provavelmente, nos valores do IQAI, tornando-o mais elevado e distante do valor ideal que seria zero; e as concentrações dos elementos traço Zn, Al e Ni encontram-se abaixo dos limites máximos permitidos em todas as épocas de coleta. Enquanto, as concentrações de Fe e Pb foram superiores aos valores máximos permitidos tanto no rio Jaguaribe como no Castanhão. Os demais elementos traço Cu, Cr, Mn e Cd apresentaram concentrações superiores aos valores máximos permitidos pela a legislação brasileira vigente.

Palavras-chave: manancial superficial, qualidade hídrica, semiárido

 

Abstract: The population increase is causing the emergence of various negative environmental impacts that affect directly and indirectly in water resources, altering water quality and affecting the entire ecosystem. The absence of appropriate management of water resources, contributes to conflicts for water, especially in arid and semiarid regions. This study aimed to analyze the indicators of water quality for irrigation and human supply in parts of the sub-basins of medium and low Jaguaribe-CE, during dry and rain season. From November 2011 to April 2012 carried out a monitoring plan, which analyzed three stretches of the Jaguaribe river and 20 sampling points in Castanhão responsible for its perennial. Water samples were collected at a depth of 0.40 m, lying 5.0 margin of water resources, and later sent to different laboratories for physicochemical (turbidity, Ca+2, Mg+2, Na+, Cl-, CO3-, HCO3-2, K+, P, N, BOD, Fe, Mn, Cu, Zn, Al, Cr, Ni, Cd and Pb) and microbiological (fecal coliform) analysis. In locations of samples was measured pH, electrical conductivity, dissolved oxygen and temperature. To interpret the results of water quality index was used for Irrigation Water Quality Index (IQAI), Water Quality Index (IQA) and national legislation on water quality and for human consumption. The water quality data were analyzed with descriptive determining the average value, standard deviation and coefficient of variation. Also, there was the Pearson correlation analysis, a 5% probability by "t" test between the variables of water quality. The results indicated that the water of Jaguaribe river and Castanhão are indicated for human supply treatment by conventional techniques involving coagulation, flocculation, sedimentation, filtration and chlorination of water; the Water Quality Index (IQA) of Jaguaribe river was classified as excellent and good in the dry and rain seanson; in relation to Water Quality for Irrigation Index (IQAI), the Jaguaribe river and Castanhão were recommended as adequate, but the characteristics pH, K+, CE, Na+, Ca+2, Mg+2 and HCO3-2, should be assessed with discretion to avoid soil degradation, because in some seasons of the same collection were classified as type II. The characteristics that showed greater variations in collecting periods were CE, Ca+2 and CO3-, interfering probably the values of IQAI, making it higher and distant from the ideal value zero; and concentrations of trace elements Zn, Al and Ni are below the maximum allowable limits at all collecting periods. While the concentrations of Fe and Pb were higher than the maximum permissible values both in the Jaguaribe river and Castanhão. The other trace elements Cu, Cr, Mn and Cd showed concentrations above the maximum allowed by the brazilian legislation.

Key words: manancial superficial, water quality, semiarid

 

Literatura Citada

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS - ANA. Indicadores de qualidade da água - Índice de qualidade das águas. Disponível em: < http://www.pnqa.ana.gov.br/indicadoresqa/indiceqa.aspx> Acesso: 6 ago. 2012.

AGENCIA NACIONAL DE ÁGUAS - ANA. Conjuntura dos recursos hídricos no Brasil. Brasília: ANA, 2010. 76p.

AGENCIA NACIONAL DE ÁGUAS - ANA. Implementação do enquadramento em bacias hidrográficas no Brasil. Brasília: ANA, 2009. 145p.

AGUIAR. J. E. Geoquímica de metais-traço e m sedimentos superficiais nos estuários dos rios Ceará e Pacoti – CE. 2005, 64f. (Monografia de graduação) - Universidade Federal do Ceará. Ceará, 2005.

ALBUQUERQUE, P. E. P.; DURÃES, F, O, M. Uso e manejo de irrigação. Brasília: Embrapa, 2008. 528p.

ALMEIDA, O. A. Qualidade da água de Irrigação. Cruz das Almas: Embrapa Mandioca e Fruticultura, 2010. 227p.

ALMEIDA, O. A.; GISBERT, J. M. Variacíon em la calidad del água de riego em um huerto de cítricos. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.10, n.1, p.64-69, 2005.

ANTAS, F. P. S. Avaliação da composição iônica e aplicação de um índice de qualidade para a água de irrigação do Rio Açu, RN. 2011. 67f. Dissertação (Mestrado em Irrigação e Drenagem) - Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), Rio Grande do Norte, 2011.

ARAÚJO, G. H. S.; ALMEIDA, J. R.; GUERA, A. J. T. Gestão ambiental de áreas degradadas. 4 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009. 320p.

AYERS, R. S.; WESTCOT, D. W. A qualidade da água na agricultura. Traduzida por GHEYI, H. R.; MEDEIROS, J. F.; DAMACENO, F. A. V. Campina Grande: UFPB, 1999. 145 p. (Estudos FAO 29, 1999).

BATISTA, F. G. A; FREIRE, J.A. Avaliação dos níveis de metais pesado no corpo aquático do açude Velho, Campina Grande – Paraíba. Revista Engenharia Ambiental, Espirito Santo do Pinhal, v.7, n.4, p.166-179, 2010.

BOHN, H. L.; McNEAL. B. L.; O’CONNOR, G. A. Soil chemistry. 2. ed. New York: J. Wiley & Sons, 1985. 341 p.

BRASIL. Resoluções do CONAMA: resoluções vigentes publicadas entre julho de 1984 e novembro de 2008. 2. ed. Brasília: MMA, 2008. 927p.

BRASIL. Vigilância e controle da qualidade da água para consumo humano. Brasília: MS, 2006a. 212p.

BRASIL. Manual de saneamento. 3. ed. Brasília: FUNASA, 2006b. 408p.

BRASIL. Cadernos de recursos hídricos 1 Panorama da qualidade das águas superficiais no Brasil. Brasília: MMA, 2005a. 172 p.

BRASIL. Resolução nº 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes. Brasília, 2005b. Disponível em: <http://www.siam.mg.gov.br/sla/download.pdf?idNorma=2747>. Acesso em: 28 jul. 2012.

BRASIL. Portaria MS nº518/2004. Brasília: MS, 2004. 28p.

BRASIL. Diagnóstico ambiental da bacia do rio Jaguaribe: diretrizes gerais para a ordenação territorial. Salvador: MPO, 1999. 77p.

BRASIL. Lei Federal nº 9.433/97 de 08 de janeiro de 1997. Institui a politica Nacional de Recursos Hidricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Lei nº 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei nº 7.990, de 28 de dezembro de 1989. 1997. Disponível em: <http://www.siam.mg.gov.br/sla/download.pdf?idNorma=2747>. Acesso em: 28 jul. 2012.

BRITO, L. T. L.; SRINVANSAN, V. S.; SILVA, A. S. Influência das atividades antrópicas na qualidade das águas da bacia hidrográfica do Rio Salitre. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.9, n.4, p.596-602, 2005.

BROWN, R.; LOCKWOOD, A. H.; SONAWANE, B. R. Neurodegenerative diseases: an overview of environmental risk factors. Environmental Health Perspectives, Washington, v.113, n.9, p. 1250-1256, 2005. doi

BROWN, R. M.; MCLELLAND, N. I.; DEININGER, R. A; LANDWEHR, J. M. “Validating the WQI”. IN: NATIONAL MEETING ON WATER RESOURCES ENGINEERING OF THE AMERICAN SOCIETY FOR CIVIL ENGINEERS, 1, Proceedings… Washington: 1973. p.95-104. 

CASTRO, A. M. C.; CONTE, M. L.; MARTINS, V. H. Qualidade da água em bacia hidrográfica de múltiplos usos, em dois períodos. In: CONGRESO LATINOAMERICANO DE INGENIERIA RURAL, 2, CONGRESO ARGENTINO DE INGENIERIA RURAL, 5., Anais... 1998, La Plata. p.296-301.

CEARÁ. Caderno regional da sub-bacia do médio Jaguaribe. Fortaleza: INESP, 2009a. 101p. (Coleção cadernos regionais do Pacto das Águas, v. 6).

CEARÁ. Caderno regional da sub-bacia do baixo Jaguaribe. Fortaleza: INESP, 2009b. 111p. (Coleção cadernos regionais do Pacto das Águas, v. 7).

CEARÁ. Cenário Atual dos recursos hídricos do Ceará / Conselho de Altos Estudos e Assuntos Estratégicos. Fortaleza: INESP, 2008. 174p.

COMPANHIA DE TECNOLOGIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL – CETESB. Índice de Qualidade da Água (IQA). Disponível em: <http://www.cetesb.sp.gov.br>. Acesso em: 13 mar. 2012.

CORTECCI, G. Geologia e saúde. Tradução Wilson Scarpelli. Ed. Lisboa. São Paulo, 2003.

COSTA, J. R.; GREGÓRI, G. Direito penal ecológico. São Paulo: CETESB, 1981. 96p.

DIAS, N. S.; SILVA, M. R. F.; GHEYI, H. R. Recursos hídricos: usos e manejos. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2011. 152p.

DIAS, N. S. Resistência de diferentes tipos de tubo gotejadores ao entupimento por precipitação química de cálcio. Irriga, Botucatu, v.9. n.2, p115-125, 2004.

ECOLAB. Manual de treinamento. São Paulo: DTAI, 2002. 51p.

EGREJA FILHO, F. B.; MAIA, C. E.; MORAIS, E. R. C. Método computacional para correção da qualidade de águas para fertirrigação. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, v.23, n.2, p.415-423, 1999.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Competitividade da cadeia produtiva de leite do Ceará: análise de ambientes. Juiz de Fora: EMBRAPA, 2008.149p.

FELTRE, R. Fundamentos da química. 2. ed. São Paulo: Moderna, 1996. 646p.

FREIRE, F. G. C. Principais impactos ambientais no Rio Jaguaribe no trecho da zona urbana do Município de São João do Jaguaribe - Ceará. 2010, 43f. (Monografia de Especialização) - Instituto Centro de Ensino Tecnológico, Ceará, 2010.

FREITAS, A. A. B.; GOMES, E. G.; LIMA.A. E. O. Avaliação da qualidade da água para a irrigação na região do Centro Sul no Estado do Ceará. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.15, n.6, p.588-593, 2011.

FROTA JUNIOR, J. I.; ANDRADE, E. M.; MEIRELES, A. C. M.; BEZERRA, A. M. E.; SOUZA, B. F. S. Influência antrópica na adição de sais no trecho perenizado do Rio Curu, Ceará. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, v.38, n.2, p.142-148, 2007.

FUNDAÇÃO CEARENSE DE METEOROLOGIA E RECURSOS HÍDRICOS - FUNCEME. Chuvas mensais-municípios. Disponível em: <http://www.funceme.br/index.php/areas/tempo/chuvas-mensais-municipios>. Acesso em: 21 jun. 2012.

GARCIA, J. A. C.; ESQUIZA, J. S. G.; ANACABE, A. U.; RODA, S. S. D. Fertirrigación em invernadero: Obstruciones em lós equipos de fertirrigación. Agricola Vergel, Valencia, v.18, n.200, p.454-458, 1998.

GARJULLI, R.; OLIVEIRA, J. L. F.; ALVAREZ, U. P.; BEZERRA, H. E. R. Projeto marca d’água: relatórios preliminares 2001. Brasília: Núcleo de pesquisa em Políticas Públicas, 2002. 30p.

GONÇALVES, R. S. L; FREIRE, G. S. S; NETO, V. A. N. Determinação da concentração de cádmio, cobre, cromo e zinco, na ostra crassostrea rhizophorae dos estuários dos rios Cocó e Ceará. Revista de Geologia, Fortaleza, v.20, n.1, p 57- 63, 2007.

HERMES, L. C. Considerações Gerais à Classificação e Monitoramento da Qualidade de Água. In: FAY, E. F.; SILVA, C. M. M. S. Índice do uso sustentável da água (ISA-ÁGUA) - Região do submédio São Francisco. Jaguariúna: EMBRAPA Meio Ambiente, 2006. p.17 - 41.

HIJO, C. A. G. Quantificação do efeito do açude Castanhão sobre o fluxo fluvial de material particulado em suspensão e nutrientes para o estuário do Rio Jaguaribe, Ceará – Brasil. 2009. 54f. Dissertação (Mestrado em Ciências Marinhas Tropicais) - Universidade Federal do Ceará, Ceará, 2009.

KÔPPEN, W. Climatologia: com un estudio de los climas la tierra. Fondo de Cultura Economica, 1918. 478p.

KOTZ, J. C.; TREICHEL, P. Química geral e reações químicas. São Paulo: Cengage Laerning, 2005. v.1. 512p.

LAL, R.; STEWART, B. A. Soil processes and water quality. Lewis Publishers, Baca Raton. Series Advances in Soil Science. 1994. 393p.

LEE, J. D. Química inorgânica não tão concisa. 5. ed. São Paulo: Edgard Blucher, 2003. 527p.

LIMA, L. A.; GRISMER, M. E. Soil crack morphology and soil salinity. Journal of Soil Science, London, v. 153, n.2, p.149-153, 1992. doi

MAHAN, B. M.; MYERS, R. J. Química: um curso universitário. São Paulo: Edgard Blucher, 2002. 229p.

MANTOVANI, E. C; BERNARDO, S.; PALARETTI, L. F. Irrigação: princípios e métodos. Viçosa: Editora UFV, 2007. 358 p.

MARTINS, E. S. Utilização de imagens CBERS para mapeamento dos espelhos d'água do Brasil, 2007. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 3., Anais... Florianópolis: INPE, 2007. p.969-976.

MAYER, M. G. R.; CEBALLOS, B. S. O.; LUCENA, J. H.; KÖNIG, A.; SUASSUNA, E. N.Variação espaço - temporal da qualidade das águas de um rio poluído com esgoto doméstico (PB - Brasil) CONGRESSO INTERAMERICANO DE INGENIERIA SANITÁRIA Y AMBIENTAL, 26., Anais... Lima, 1998. (CD-ROM).

MEDEIROS, J. F.; LISBOA, R. A.; OLIVEIRA, M.; SILVA JÚNIOR, M. J.; ALVES, L. P. Caracterização das águas subterrâneas usadas para irrigação na área produtora de melão da Chapada do Apodi. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. Campina Grande, v.7, n.3, p.469-472, 2003.

MIRANDA, R. G.; PEREIRA, S. F. P.; ALVES, D. T. V.; OLIVEIRA, G. R. F. Qualidade dos recursos hídricos da Amazônia – Rio Tapajós: avaliação de caso em relação aos elementos químicos e parâmetros físico-químicos. Ambi-Agua, Taubaté, v.4, n. 2, p. 75-92, 2009.

MOITTA, R.; CUDO, K. J. Aspectos gerais da qualidade da água no Brasil. Brasília: 1991. p.1-6.

MORAIS, E. R. C.; MAIA, C. E; OLIVEIRA, M. Qualidade da água para irrigação em amostras analíticas do banco de dados do departamento de solos e geologia da escola superior de agricultura de Mossoró. Revista Caatinga, Mossoró, v.11, n.1, p.75-83, 1998.

NAKAYAMA, F. S.; BOMAN, B. J.; PITTS, D. Maintenance. In: LAMM, F. R.; AYARS, J. E.; NAKAYAMA, F. S. (Eds.). Microirrigation for crop production: Design, Operation, and Management. Amsterdam: Elsevier, 2006, cap.11, p.389 - 430.

PEDROSA, C. A; CAETANO, F. A. Águas Subterrâneas. Brasília: Agência Nacional de Águas, Superintendência de Informações Hidrogeológicas, 2002. 85p.

PEREIRA, M. S. S.; REIS, B. F. Determinação espectrofotométrica de alumínio em concentrados salinos utilizados em hemodiálise empregando pré-concentração em fluxo. Química Nova, São Paulo, v.25, n.6, p. 931-934, 2002. doi

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O MEIO AMBIENTE – PNUMA. GEO Brasil 2002: Perspectivas do Meio Ambiente Brasil. 2002. 440p.

REBOUÇAS, A. C. Panorama da água doce no Brasil. In: REBOUÇAS, A. C. (Org.). Panorama da degradação do ar, da água doce e da terra no Brasil. São Paulo: IEA/USP, 1997. p.59-107.

REINHARDT, D. H; SOUZA. L. F S.; CABRAL. J. R. S. Abacaxi irrigado em condições semi-árido. Cruz das Almas: Embrapa Mandioca e Fruticultura, 2001. 108p

RICE, E. W.; BAIRD, R. B.; CLESCERI, A. D. Standard methods for the examination of water and wastewater. 22. ed. Washington: APHA, AWWA, WPCR, 2012. 1496p.

RIBEIRO, M. S.; LIMA, L. A.; FARIA, F. H. S.; SANTOS, S. R. S.; KOBAYASHI, M. K. Classificação da água de poços tubulares do norte do estado de Minas Gerais para irrigação. Engenharia na Agricultura, Viçosa, v.18, n.3, p.208-218, 2010.

RIBEIRO JÚNIOR, J. I.; MELO, A. L. P. Guia prático para utilização do SAEG. Viçosa-MG: UFV, 2008. 288p.

RODRIGUES, K. K. R. P. Índice para classificação da composição iônica da água de irrigação. 2010. 88f. Dissertação (Mestrado em Irrigação e Drenagem) - Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), Rio Grande do Norte, 2010.

RODRIGUES, G. S.; CAMPANHOLA, C.; KITAMURA, P. C. Avaliação de Impacto Ambiental da Inovação Tecnológica Agropecuária: Um Sistema de Avaliação para o Contexto Institucional de P&D. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v.19, n.3, p.349-375, 2002.

ROSA, M. F.; GONDIM, R. S.; FIGUEIREDO, M. C. B. Gestão Sustentável no Baixo Jaguaribe, Ceará. 1. ed. Fortaleza: EMBRAPA, 2006. 404p.

SANTOS, M. R. P.; ALCÂNTARA, L. O.; BARROS, E. C. M. Avaliação da qualidade da água do açude Orós a partir de análise fatorial. In: CONGRESSO DE PESQUISA E INOVAÇÃO DA REDE NORTE E NORDESTE DE EDUCAÇÃO TECNÓLOGICA, 4., Anais... Belém: CONNEPI. 2009.

SANTOS, J. P., AZEVEDO, S. G.; MISTRETTA, G. Novos aspectos da salinização das águas subterrâneas do cristalino do Rio Grande do Norte. São Paulo: IPT, 1984.27p. (Comunicação técnica 314).

SARDELLA, A. Curso completo de química. Vol. único. São Paulo: Ática, 1999. 751p.

SUPERINTEDÊNCIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - SEMACE. Plano de gerenciamento das águas da bacia do Acaraú: estudo básicos e diagnóstico. Fortaleza: SEMACE, 2010. 552p.

SCHWARZ, M. Soil less culture management. Berlin, Springer-Verlag. 1995. 197p. doi

SILVA, F. C. Manual de análises químicas de solos, plantas e fertilizantes. 2.ed. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2009. 627p.

SILVA, E. F.; JUNIOR, R. N. A.; NESS, R. L. L. Solo e água: aspectos de uso e manejo - com ênfase no semiárido nordestino. Fortaleza: UFC, 2004. 458p.

TAVARES, C. A. Castanhão: esperança ou dívida social. Revista Convier Nordeste. Fortaleza, n.2, p.62-65. 2004.

TAVARES, J. L.; TAVARES, F. C. S.; FILHA, M. S. R. H. Uso dos métodos somatório e produtório para o cálculo do índice IQA em uma represa do ceará. In: CONGRESSO DE PESQUISA E INOVAÇÃO DA REDE NORTE E NORDESTE DE EDUCAÇÃO TECNÓLOGICA, 4. Anais... Belém: CONNEPI. 2009.

TROEH, F. R.; THOMPSON, L. M. Solos e Fertilidade do Solo. São Paulo: Anrei. 2007. 718p.

TUNDISI, J. G. Novas perspectivas para gestão de Recursos Hídricos. Revista USP. São Paulo, n. 70, p.24-35. 2006.

VIVACQUA, M. C. R. Qualidade da água do escoamento superficial urbano. 185f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Hidráulica e Sanitária) - Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

VON SPERLING, M. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. Belo Horizonte, UFMG, 2011. 425p. (Princípios do tratamento biológico de águas residuárias, 1).

ZAMBERLAN, J. F. Caracterização de águas de reservatórios superficiais para uso em microirrigação. 88f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola) - Universidade Federal de São Marcos, Rio Grande do Sul, 2007.