Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Uso de Água Residuária de Origem Doméstica no Cultivo da Pimenta Malagueta na Região da Chapada do Apodi-RN

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/I.C.B.Dutra-DD-000000001

 downloadpdf

DUTRA, Ian Crisóstomo Bezerra

 

Resumo: O aproveitamento agrícola das águas residuárias domésticas tratadas é uma alternativa diante da escassez hídrica no semiárido. A pesquisa objetivou analisar os efeitos da aplicação de água residuária de origem doméstica no sistema produtivo da pimenta malagueta. Para isso, uma área experimental de 744 m2 foi montada no assentamento Milagres em Apodi-RN, constituída por um decanto-digestor e um sistema de irrigação por gotejamento automatizado. A pimenta malagueta foi plantada em Cambissolo no espaçamento de 1,0 m entre fileiras de plantas por 0,30 m entre plantas. Na condução do experimento utilizaram-se 25 parcelas, sendo que cada parcela ocupou 12,5 m2. Os tratamentos utilizados foram T1 - 100% de aplicação água residuária doméstica primária (ARP) e 0% de água de abastecimento (AA), T2 - 75% de ARP e 25% de AA, T3 - 50% de ARP e 50% de AA, T4 - 25% de ARP e 75% de AA e T5 - 0% de ARP e 100% de AA. O delineamento experimental utilizado foi em blocos casualizados com cinco repetições. Durante o período experimental foram coletadas amostras da água residuária e de abastecimento para caracterização físico-química e microbiológica, amostras de solo nas profundidades de 0 a 0,20 m, 0,20 a 0,40 m e 0,40 a 0,60 m para caracterização físico-química e amostras dos frutos da pimenta malagueta para determinação da produtividade e do risco microbiológico. Os resultados indicaram que o decanto-digestor apresentou, durante o período experimental, bom desempenho com remoções superiores a 80% da turbidez, coliformes totais, coliformes termotolerantes, Demanda Bioquímica de Oxigênio, Demanda Química de Oxigênio, sólidos suspensos, fósforo, óleos e graxas e nitrato; no cambissolo os valores de pH, condutividade elétrica do extrato de saturação, cálcio, magnésio, sódio, potássio, fósforo, nitrogênio e matéria orgânica aumentaram com as proporções de água residuária doméstica primária em relação às de água de abastecimento; e o tratamento T4 foi o mais indicado para produção da pimenta malagueta, devido à minimização de efeitos de acumulação e lixiviação de elementos químicos no solo, maior produtividade e menor risco microbiológico do produto agrícola.

Palavras-chave: sustentabilidade, reuso, agricultura familiar

 

Abstract: The agricultural use of treated domestic wastewater is an alternative in the face of water scarcity and environmental degradation in the semiarid region. The study aimed to analyze the effects of the application of domestic wastewater in the production system of chilli pepper. For this purpose, an experimental area of 744 m2 was mounted on rural community Milagres in Apodi-RN, comprising a primary effluent treatment system and a drip irrigation automated. The chili pepper was planted in Cambisol with spacing of 1.0 m between rows of plants per 0.30 m between plants. In conducting the experiment were used 25 plots, each parcel occupied 12.5 m2. The treatments were T1 - 100% of domestic primary wastewater application (ARP) and 0% water supply (AA), T2 - 75% of ARP and 25% of AA, T3 - 50% of ARP and 50% of AA, T4 - 25% of ARP and 75% of AA and T5 - 0% of ARP and 100% of AA. The experimental design was randomized blocks with five replications. During the experimental period, samples were collected from wastewater and supply for physical-chemical and microbiological analyses, soil samples at depths of 0 to 0.20 m, 0.20 to 0.40 m, 0.40 to 0.60 m for physical-chemical analyses and samples of the fruits of chilli pepper to determine productivity and microbiological risk. The results indicated that the Treatment system presented, during the trial period, good performance with greater than 80% removal of turbidity, total coliform, fecal coliform, biochemical oxygen demand, chemical oxygen demand, suspended solids, phosphorus, oil and grease and nitrate; on cambissolo the pH, electrical conductivity of the saturation extract, calcium, magnesium, sodium, potassium, phosphorus, nitrogen and organic matter increased with increasing proportions of primary domestic wastewater in relation to water supply, and treatment T4 was the most suitable for the production of chilli pepper, by minimizing the effects of accumulation and leaching of chemical elements in the soil, higher productivity and lower risk of microbiological agricultural product.

Key words: sustainability, reuse, family agriculture

 

Literatura Citada

AL-LAHHAM, O.; EL-ASSI, N. M.; FAYYAD, M. Impact of treated wastewater irrigation on quality attributes and contamination of tomato fruit. Agricultural Water Management, Amsterdam, v. 61, n. 1, p. 51-62, 2003. doi

ALLEN, R. G.; PEREIRA, L. S.; RAES, D.; SMITH, M. Evapotranspiracíon del cultivo, Guías para la determinación de los requerimientos de agua de los cultivos. Roma: FAO, 2006. 298p.

AL-NAKSHABANDI, G. A.; SAQQAR, M. M.; SHATANAWI, M. R.; FAYYAD, M.; AL-HORANI, H. Some environmental problems associated with the use of the wastewater for irrigation in Jordan. Agricultural Water Management. Amsterdam, v. 34, n. 1, p. 81-94, 1997.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DO COMÉRCIO DE SEMENTES E MUDAS – ABCSEM. Manual técnico: cultivo de hortaliças. 2. ed. Campinas: 2011. 88p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 13.969. Tanques sépticos - Unidades de tratamento complementar e disposição final dos efluentes líquidos - Projeto, construção e operação. Rio de Janeiro: ABNT, 1997, 60p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7229. Projeto, construção e operação de sistemas de tanques sépticos. Rio de Janeiro: ABNT, 1993, 15p.

AYERS, R. S.; WESTCOT, D. W. A qualidade da água na agricultura. Traduzida por GHEYI, H. R.; MEDEIROS, J. F.; DAMACENO, F. A. V. Campina Grande: UFPB, 1999. 153 p. (Estudos FAO 29, 1999).

AZEVEDO, L. P.; OLIVEIRA, E. L. Efeitos da aplicação de efluente de tratamento de esgoto na fertilidade do solo e produtividade de pepino sob irrigação subsuperficial. Engenharia Agrícola, Jaboticabal, v.25, n.1, p.253-263, 2005.

BACCARO, C. A. D.; SILVA, P. C. M.; CAMACHO, R. G. V. Mapeamento geomorfológico da bacia do Apodi/Mossoró-RN, NE do Brasil. Mercator: Revista de Geografia da UFC, Fortaleza, v. 8, n. 16, p.201-216, 2009.

BATISTA, R. O.; BARRETO, H. B. F.; ALVES, S. M. C.; SANTOS, W. O.; FREIRE, F. G. C. Remoção de nitrato e condutividade elétrica em biofiltros operando com esgoto doméstico primário. Global Science and Technology, Rio Verde, v.5, n.1, p.59-69, 2012.

BATISTA, R. O.; SOARES, A. A.; SANTOS, D. B. Riscos da fertirrigação com esgoto sanitário e as relações entre os íons Ca2+ e Mg2+ e a salinidade total. Revista Ceres, Viçosa, v.53, n.307, p.394-398. 2006.

BERNARDO, S.; SOARES, A. A.; MANTOVANI, E. C. Manual de irrigação. 8. ed. Viçosa: UFV, 2008. 596 p.

BOEIRA, R. C.; LIGO, M. A. V.; DYNIA, J. F. Mineralização de nitrogênio em solo tropical tratado com lodos de esgoto. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.37, n.11, p.1639-1647, 2002. doi

BRASIL. AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Panorama da qualidade das águas superficiais do Brasil 2012. Brasília: ANA, 2012a. 264 p.

BRASIL. CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS. A questão da água no Nordeste. Brasília: CGEE, 2012b. 436p.

BRASIL. Resolução nº 430, de 13 de maio de 2011. Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução no 357, de 17 de março de 2005, do Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA. Brasília, 2011. Disponível em: <http://antigo.semace.ce.gov.br/integracao/biblioteca/legislacao/conteudo_legislacao.asp?cd=95>. Acesso em: 03 ago. 2013.

BRASIL. AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Atlas do Brasil: abastecimento urbano de água. Brasília: ANA, ENGECORPS/COBRAPE, v.2, 2010. 72p. (Panorama nacional, volume 1).

BRASIL. Resolução no 420, de 28 de dezembro de 2009. Dispõe sobre critérios e valores orientadores de qualidade do solo quanto à presença de substâncias químicas e estabelece diretrizes para o gerenciamento ambiental de áreas contaminadas por essas substâncias em decorrência de atividades antrópicas.. Brasília, 2009. Disponível em:<http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=620>. Acesso em: 28 ago. 2013.

BRASIL. Lei Nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico; altera as Leis nos 6.766, de 19 de dezembro de 1979, 8.036, de 11 de maio de 1990, 8.666, de 21 de junho de 1993, 8.987, de 13 de fevereiro de 1995; revoga a Lei no 6.528, de 11 de maio de 1978; e dá outras providências. Brasília, 2007. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11445.htm>. Acesso em: 25 ago. 2013.

BRASIL. Resolução nº 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes. Brasília, 2005. Disponível em: <http://www.siam.mg.gov.br/sla/download.pdf?idNorma=2747>. Acesso em: 28 ago. 2013.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria nº 518, de 25 de março de 2004. Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade, e dá outras providências. Disponível em: <www.meioambiente.ufrn.br/conteudo/dma/projetos/portaria51804.pdf>. Acesso em: 28 Ago. 2013.

BRASIL. Resolução - RDC nº 12, DE 2 DE JANEIRO DE 2001. Aprova o Regulamento Técnico sobre padrões microbiológicos para alimentos. Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br/legis/resol/12_01rdc.htm>. Acessado em: 21 jan. 2013.

BRASIL. Lei Federal nº 9433 de 8 de janeiro de 1997, Brasília, 1997. Disponível em: <http://www.aneel.gov.br/cedoc/blei19979433.pdf>. Acesso em: 27 Ago. 2013.

CABRAL, J. R.; FREITAS, P. S. L.; REZENDE, R.; MUNIZ, A. S.; BERTONHA, A. Impacto da água residuária de suinocultura no solo e na produção de capim-elefante. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.15, n.8, p.823-831, 2011.

CAPRA, A.; SCICOLONE, B. Water quality and distribution uniformity in drip/trickle irrigation systems. Journal of Agricultural Engineering Research, London, v.70, n.4, p.355-365, 1998. doi

CAVALCANTE JUNIOR, E. G. Produção e necessidade hídrica da cultura do girassol irrigado na chapada do Apodi. 2011. 61f. Dissertação (Mestrado em Irrigação e Drenagem) - Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mossoró-RN, 2011.

CEARÁ. Portaria n°154, de 22 de Julho de 2002. Dispõe sobre padrões e condições para lançamento de efluentes líquidos gerados por fontes poluidoras. Disponível em: <http://www.semace.ce.gov.br/biblioteca/legislacao/conteudo_legislacao.asp?cd=95>. Acesso em: 28 ago. 2013.

CHERNICHARO, C. A. L.; FLORENCIO, L.; BASTOS, R. K. X.; PIVELI, R. P.; VON SPERLING, M; MONTEGGIA, L. O. Tratamento de esgotos e produção de efluentes adequados a diversas modalidades de reuso da água. In: FLORENCIO, L.; BASTOS, R. K. X.; AISSE, M. M. (Coord.). Tratamento e utilização de esgotos sanitários: Projeto PROSAB, Rio de Janeiro: ABEAS, 2006. Cap. 3, p. 63 - 110.

COMISSÃO DE FERTILIDADE DO SOLO DO ESTADO DE MINAS GERAIS - CFSEMG. Recomendações para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais - 5ª aproximação. Viçosa-MG: 1999. 359p.

CRISÓSTOMO, J. R.; FURTADO, R. F.; BARRETO, P. D.; MIRANDA, F. R.; GONDIM, R. S.; BLEICHER, E.; RODRIGUEZ, S. M. M.; PINTO, G. A. S.; BRITO, E. S.;LIMA, J. A. A.; PEREIRA, R. C. A.; FILHO, R. R. R.; FREITAS, J. G.; MIRANDA FILHO, L. L. M.; RABELO FILHO, F. A. C. Pesquisa e desenvolvimento para o agronegócio pimenta no Ceará. Fortaleza: Embrapa Agroindústria Tropical, 2008. 36 p. (Embrapa Agroindústria Tropical. Documentos, 118).

DAL BOSCO, T. C.; IOST, C.; SILVA, L. N.; CARNELLOSI, C. F.; EBERT, D. C.; SCHREINER, J. S.; SAMPAIO, S. C. Utilização de água residuária de suinocultura em propriedade agrícola – estudo de caso. Irriga, Botucatu, v.13, n.1, p.139-144, 2008.

DIAS, M. A.; LOPES, J. C.; CORRÊA, N. B.; DIAS, D. C. F. S. Germinação de sementes e desenvolvimento de plantas de pimenta malagueta em função do substrato e da lâmina de água. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v.30, n. 3, p.115-121, 2008. doi

DUARTE, A. S.; AIROLDI, R. P. S.; FOLEGATTI, M. V.; BOTREL, T. A.; SOARES, T. M. Efeitos da aplicação de efluente tratado no solo: pH, matéria orgânica, fósforo e potássio. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.12, n.3, p.302-310, 2008.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 2. ed. Rio de Janeiro: EMBRAPA, 2006. 412p.

FEIGIN, A.; RAVINA, I.; SHALHEVET, J. Sources, treatment, processes and uses of sewage effluent. In: Irrigation with treated sewage effluent. (Eds.) Berlin: Springer-Verlag, Cap.2, p.3-33. 1991.

FONSECA, A. F.; HERPIN, U.; PAULA, A. M.; VICTÓRIA, R. L; MELFI, A. J. Agricultural use of treated sewage effluents: agronomic and environmental implications and perspectives for Brazil. Scientia Agricola, Piracicaba, v.64, n.2, p. 194-209, 2007.

GOIÁS (1979). Decreto nº 1.745 de 6 de dezembro de 1979. Aprova o regulamento da Lei nº 8.544,de 17 de outubro de 1978, que dispõe sobre a prevenção e o controle da poluição do meio ambiente. Disponível em: <http://www3.agenciaambiental.gov.br/legislacao/01_legis_decre_estad_1745.php>. Acesso em: 29 Ago. 2013.

GOOGLE EARTH 7.0.2 Disponível em: <http://earth.google.com/>. Acesso em: 5 Set. 2013.

HESPANHOL, I. Um novo paradigma para a gestão de recursos hídricos. Estudos Avançados, São Paulo, v.22, n.63, p. 131-158. 2008. doi

HESPANHOL, I. Potencial de reuso de água no Brasil: Agricultura, indústria, municípios, recarga de aquíferos. Bahia Análise & Dados, Salvador, v.13, n. ESPECIAL, p.411-437. 2003.

INTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍCTICA - IBGE. Pesquisa nacional de saneamento básico 2008. Rio de Janeiro: MPOG, MC, 2010. 219p.

JNAD, I.; LESIKAR, B.; KENIMER, A.; SABBAGH, G. Subsurface drip dispersal of residential effluent: I. Soil chemical characteristics. Transactions of the ASAE. St Joseph, v. 44, n. 5, p. 1152-1158 2001a.

JNAD, I.; LESIKAR, B.; KENIMER, A.; SABBAGH, G. Subsurface drip dispersal of residential effluent: II. Soil hydraulic characteristics. Transactions of the ASAE. St Joseph, v. 44, n. 5, p. 1159-1165, 2001b.

JORDÃO, E. P.; PESSÔA, C. A. Tratamento de esgotos domésticos. 6. ed. Rio de Janeiro: ABES, 2011. 1050 p.

LÉON SUEMATSU, G.; CAVALLINI, J. M. Tratamento e uso de águas residuárias. Tradução de: H.R. Gheyi, A. König, B.S.O. Ceballos, F.A.V. Damasceno. Campina Grande: UFPB, 1999. 109p.

LIMA, V. I. A.; ALVES, S. M. C.; OLIVEIRA, J. F.; BATISTA, R. O.; PINHEIRO, J. G.; DI SOUZA, L. Desempenho do sistema de tratamento de água residuária de laticínios e os efeitos de sua disposição em Argissolo. Water Resources and Irrigation Management, Cruz das Almas, v.2, n.2, p.93-101, 2013.

LOURES, A. P. S.; SOARES, A. A.; MATOS, A. T.; CECON, P. R.; PEREIRA, O. G. Remoção de fósforo em sistema de tratamento de esgoto doméstico, por escoamento superficial. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 10, n. 3, p. 706-714, 2006.

MATO GROSSO. Deliberação Normativa nº 003 de 20 de junho de 1997. Dispõe sobre a preservação e utilização das águas das bacias hidrográficas do estado de Mato Grosso do Sul. Campo Grande, 1997. Disponível em: <http://www.ms.sebrae.com.br/uploads/Estudos%20Agronegocios/Fruticultura_Corumba/CRV%20-%203%20-Deliberacao%20CECA%203-97rechidricos%20ms.doc>. Acesso em: 28 Ago. 2013.

MATOS, A. T.; FREITAS, W. S.; Lo MONACO, P. A. V. Eficiência de sistemas alagados construídos na remoção de água residuárias da suinocultura. Ambi-Agua, Taubaté, v. 5, n. 2, p.119-132, 2010.

MEDEIROS, S. S.; SOARES, A. A.; FERREIRA, P. A.; MATOS, A. T.; SOUZA, J. A. A. Utilização de água residuária de origem doméstica na agricultura: Estudo das alterações químicas do solo. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.9, n.4, p.603-612, 2005.

MÉLO, R. F.; FERREIRA, P. A.; RUIZ, H. A.; MATOS, A. T.; OLIVEIRA, L. B. Alterações físicas e químicas em três solos tratados com água residuária de mandioca. Irriga, Botucatu, v. 10, n. 4, p. 383-392, 2005.

MILLER, G. T. Ciência ambiental. Tradução All tasks; revisão técnica Wellington Braz Carvalho Delitti. São Paulo: Cengage Learning, 2008. 501p.

MINAS GERAIS. Deliberação Normativa nº 10 de 16 de dezembro de 1986. Estabelece normas e padrões para a qualidade das águas e para o lançamento de efluentes nas coleções de águas. Belo Horizonte, 1986. Disponível em:<http://www.siam.mg.gov.br/sla/download.pdf?idNorma=91>. Acesso em: 30 Ago. 2013.

MOURA, F. N.; BATISTA, R. O.; SILVA, J. B. A.; FEITOSA, A. P.; COSTA, M. S. Desempenho de sistema para tratamento e aproveitamento de esgoto doméstico em áreas rurais do semiárido brasileiro. Engenharia Ambiental, Espírito Santo do Pinhal, v.8, n.1, p. 264-276, 2011.

NAKAYAMA, F. S.; BOMAN, B. J.; PITTS, D. Maintenance. In: LAMM, F. R.; AYARS, J. E.; NAKAYAMA, F. S. (Eds.). Microirrigation for crop production: Design, Operation, and Management. Amsterdam: Elsevier, 2006, cap. 11, p. 389 - 430.

NOVAIS, R. F.; ALVAREZ V., V. H.; BARROS, N. F.; FONTES, R. L. F.; CANTARUTTI, R. B.; NEVES, J. C. L. Fertilidade do solo. Viçosa: SBCS, 2007. 1017p.

NUVOLARI, A. Esgotos sanitários: coleta transporte tratamento e reuso agrícola. São Paulo: Ed. Edgar Blucher, 2003, 519p.

OLIVEIRA, P. C. P.; GLOAGUEN, T. V.; GONÇALVES, R. A. B.; SANTOS, D. L. Produção de moranga irrigada com esgoto doméstico tratado. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.17, n.8, p.861-867, 2013.

PARANÁ. Resolução nº 001/07-SEMA. Dispõe sobre licenciamento ambiental, estabelece condições e padrões ambientais e dá outras providências, para empreendimentos de saneamento. Disponível em: <http://www.pr.senai.br/para.../Resolucao_SEMA_PR_001_07 [18545].pdf>. Acesso em: 30 jul. 2013.

PERNAMBUCO. Norma Técnica nº 2.007, de 07 de Agosto de 2001. Coliformes fecais - padrão de lançamento para efluentes domésticos e/ou Industriais. Disponível em: <http://www.cprh.pe.gov.br/licenciamento/normas_tecnicas/39931%3B63932%3B1529%3B0%3B0.asp>. Acesso em: 27 Ago. 2013.

PERNANBUCO. Norma Técnica nº 2.001, de 21 de fevereiro de 2000. Controle de carga orgânica em efluentes líquidos industriais. Disponível em: <http://www.cprh.pe.gov.br/licenciamento/normas_tecnicas/39931%3B63932%3B1529%3B0%3B0.asp>. Acesso em: 27 Ago. 2013.
RAIJ, B. van. Nitrogênio. In: RAIJ, B. van. (Ed.). Fertilidade do solo e adubação. Piracicaba: POTAFOS, 1991. p.163-179.

REINALDO, G. P. B.; BATISTA, R. O.; SILVA, P. C. M.; LEMOS FILHO, L. C. A.; FERREIRA NETO, M. SANTOS, D. B. Desempenho de sistema decanto-digestor com filtro biológico seguido por alagado construído e reator solar no tratamento de esgoto doméstico. Ambi-Agua, Taubaté, v. 7, n. 2, p. 62-74, 2012.

RIBAS, T. B. C.; FORTES NETO, P. Disposição no solo de efluentes de esgoto tratado visando à redução de coliformes termotolerantes. Ambi-Agua, Taubaté, v. 3, n. 3, p. 81-94, 2008.

RICE, E. W.; BAIRD, R. B.; CLESCERI, A. D. Standard methods for the examination of water and wastewater. 22. ed. Washington: APHA, AWWA, WPCR, 2012. 1496p.

RIO GRANDE DO SUL. Portaria nº 05, de 16 de março de 1989. Dispõe sobre critérios e padrões de efluentes líquidos a serem observados por todas as fontes poluidoras que lancem seus efluentes nos corpos d’água interiores do estado do rio Grande do Sul. Disponível em: <http://www.fepam.rs.gov.br/legislacao/arq/leg0000000019.doc>. Acesso em: 30 Ago. 2013.

ROCHA, R. E. M.; PIMENTEL, M. S.; ZAGO, V. C. P. Avaliação de biossólido de águas servidas domiciliares como adubo em couve. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 38, n. 12, p. 1435-1441, 2003. doi

SADOVSKI, A. Y.; FATTAL, B.; GOLDEBERG, B; KATZENELSON, E.; SHUVAL, H. I. High levels of microbial contamination of vegetables irrigated with wastewater by the drip method. Applied Environmental Microbiology, Amsterdam, v.36, n.6, p. 824-830, 1978a.

SADOVSKI, A. Y.; FATTAL, B.; GOLDEBERG, B. Microbial contamination of vegetables irrigated with sewage effluent by the drip method. Journal of Food Protection, Amsterdam, v.41, n.5, p. 336-340, 1978b.

SANTA CATARINA. Decreto nº 14.250, de 5 de junho de 1981. Regulamenta dispositivos da Lei nº 5.793, de 15 de outubro de 1980, referentes à proteção e a melhoria da qualidade ambiental. Disponível em:<http://www.fatma.sc.gov.br/pesquisa/docs/legislacao_estadual/decreto_14250.doc>. Acesso em: 30 Ago. 2013.

SANTOS, S. S; SOARES A. A.; MATOS, A. T.; MANTOVANI, E. C.; BATISTA, R. O. Efeitos da aplicação localizada de esgoto sanitário tratado nas características químicas do solo. Engenharia na Agricultura, Viçosa, v.14 n.1, 32-38. 2006.

SÃO PAULO. Decreto nº 8.468, de 8 de setembro de 1976. Aprova a Lei nº 997, de 31 de maio de 1976, que dispõe sobre a presença e o controle da poluição do meio ambiente. Disponível em: <http://www.al.sp.gov.br/StaticFile/integra_ddilei/decreto/1976/decreto%20n.8.468,%20de%2008.09.1976.htm>. Acesso em: 29 Ago. 2013.

SILVA, F. C. Manual de análises químicas de solos, plantas e fertilizantes. 2.ed. Brasília: EMBRAPA Informação Tecnológica, 2009. 627p.

SOUZA, J. A. A.; BATISTA, R. O.; RAMOS, M. M.; SOARES, A. A. Contaminação microbiológica do perfil do solo com esgoto sanitário. Revista Acta Scientiarum. Technology, Maringá, v.33, n.1, p.5-8, 2011.

SOUSA, J. T.; VAN HAANDEL, A. C.; CAVALCANTI, P. F. F.; FIGUEIREDO, A. M. F. Tratamento de esgoto para uso na agricultura do semi-árido nordestino. Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, v.10, n.3, p. 260-265, 2005.

TUNDISI, J. G. Recursos hídricos no futuro: problemas e soluções. Estudos Avançados, São Paulo, vol.22, n.63, p. 7-16, 2008. doi

VENZON, M.; AMARAL, D. S. S. L.; PEREZ, A. L.; CRUZ, F. A. R.; TOGNI, P. H. B.; OLIVEIRA, R. M. Identificação e manejo ecológico de pragas da cultura da pimenta. Viçosa: EPAMIG, 2011. 40p.

VILELA, N. J.; RIBEIRO, C. S. C.; MADAIL, J. C. M. Eficiência técnico-econômico de quatro sistemas de produção de pimentas Capsicum. Brasília: EMBRAPA Hortaliças, 2008. 7p. (Comunicado técnico, no 56).

von SPERLING, M. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. 3.ed. Belo Horizonte: UFMG, 2011. 452p. (Princípios do tratamento biológico de águas residuárias, 1).

WEBER, C. C.; CYBIS, L. F.; BEAL, L. L. Reúso da água como ferramenta de revitalização de uma estação de tratamento de efluentes. Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, v.15, n.2, pp. 119-128, 2010.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Guidelines for the safe use of wastewater, excreta and greywater. Genebra: World Health Organization, 2006. 196p. (Volume 2: wastewater use in agriculture).