Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Avaliação de Custos de Água e Energia Elétrica para Frutíferas Irrigadas no Nordeste Brasileiro

 DOI: http://dx.doi.org/10.12702/TF-000000002

 downloadpdf

FARIAS, Soahd Arruda Rached

 

Resumo: Propõe-se, no presente trabalho, uma avaliação de custos de energia e água, dentro do planejamento agrícola irrigado obtendo-se, inicialmente, as demandas brutas de água e energia para as culturas do coco anão (Cocos nucifera L.), mamão (Carica papaya) e banana pacovã (Musa spp.) em 14 municípios do Nordeste Brasileiro e se utilizando dois sistemas pressuridados, através de uma simulação de projeto agronômico de irrigação. O menor consumo de água anual previsto para irrigação foi na localidade de Mamanguape, PB, necessitando-se apenas de 37,4%; 35,5% e 41,4% respectivamente, para as culturas de coco anão, mamão e Banana pacovã, com relação ao consumo obtido na localidade de maior consumo (Petrolina, PE). Obtiveram-se áreas potênciais para irrigação empregando-se o mesmo conjunto eletrobomba (7,5 CV e vazão de 22 m3 h-1) para as culturas de coco anão, mamão e banana pacovã, respectivamente, de 13,65 ha (localizada) e 4,54 há (aspersão); 9,45 ha (localizada) e 5,18 ha (aspersão) e 6,25 ha (localizada) e 3,63 há (Aspersão). A crescente demanda de água e energia ocorreu praticamente combinada pela escala de classificação climática de Hargreaves (1974b), onde percorreu a menor necessidade de complementação o município de Mamanguape, PB (Clima Seco-Úmido), seqüenciado, Pacatuba, SE, Maceió, AL, Aracaju, SE, Natal, RN, Campina Grande, PB, posteriormente os municípios Acaraú, CE, Aracati, CE e Touros, RN de clima Semi-Árido, Canindé de São Francisco, SE, Sousa, PB e Jaguaribe, CE com clima Árido e Açu, RN e Petrolina, PE classificados como de clima Muito Árido. A cultura do coco anão seria a mais penalizada economicamente pela cobrança da água, em virtude do menor custo de manutenção com relação às outras duas culturas da análise. Os valores obtidos através deste estudo poderão ser utilizados como parâmetros de planejamento agrícola irrigado, com maior confiabilidade, quando as médias obtidas, forem agrupadas por clima e os coeficientes de variação apresentarem valores baixos (menor que 10%), desde que tenham características de dimensionamento semelhantes às deste trabalho. É importante observar o comportamento de demanda de irrigação como forma de se avaliar atribuições de tarifa de água bruta, evitando possíveis distorções econômicas decorrentes de climas diferenciados em uma mesma bacia hidrográfica.

 

Abstract: It is considered, in the present work, an evaluation of costs of energy and water, inside of the agricultural irrigated planning, getting at first the raw demands from water and energy for the cultures of the dwarfed coconut (Cocos nucifera L.), papaya (Carica papaya) and pacovã banana (Musa spp.) in 14 cities from northeast Brazil and if used two pressured systems, through a simulation of agronomic project of irrigation. The lesser foreseen annual water consumption for irrigation was in the locality of Mamanguape, PB, needing itself only 37.4%; 35.5% and 41.4% respectively, for the cultures of dwarfed coconut, papaya and pacovã Banana, based on the consumption gotten in the locality of bigger consumption (Petrolina, PE). Areas with good chance for irrigation had gotten the same using electropumps (7.5 CV and 22 outflow of m3 h-1) for the cultures of dwarfed coconut, papaya and pacovã banana, respectively, of 13.65 ha (located) and 4.54 ha (aspersion); 9,45 ha (located) and 5,18 ha (aspersion) and 6.25 ha (located) and 3.63 ha (Aspersion). The increasing demand of water and energy practically occurred combined by the scale of climatic classification of Hargreaves (1974b), where the city of Mamanguape PB (Dry-Wet climate), covered the lesser needs for complementation, following with Pacatuba, SE, Maceió, AL, Aracaju, SE, Natal, RN, Campina Grande, PB, later the cities Acaraú, CE, Aracati, CE and Touros, RN of Semi-Arid climate, Canindé do São Francisco, SE, Sousa, PB and Jaguaribe, CE, with Arid climate and Açu, RN and Petrolina, PE classified as of Very Arid climate. The culture of the dwarfed coconut would be punished economically by the water taxes, because of the lesser cost of maintenance related to the others two cultures in analysis. The values gotten through this study could be used as parameters for irrigated agricultural planning, with bigger trustworthiness, when the gotten averages, will be grouped by climate and the coefficients of variation will present low values (lesser than 10%), since they have similar sizing characteristics to the ones of this work. It is important to observe the behavior of irrigation demand as a way of evaluating attributions of raw water taxes, avoiding possible economic distortions due to differentiated climates in one same hidrografic basin.

 

Literatura Citada

AAGISA- Agência de Águas, Irrigação e Saneamento do Estado da Paraíba, Conceito. Acessado pelo site http://www.aagisa.pb.gov.br/conceito.html disponível em 25 de março 2005.

Agrianual – Anuário da agricultura brasileira. São Paulo: FNP Consultoria & Comércio/ ed. Argos. p. 281-287. 2000.

Aguiar, G.M. de, Potencialidades turísticas do Nordeste do Brasil com ênfase nos sertões, Artigo, acessado pelo site http://www.turismosertanejo.com.br/?target=artigos&id=7, em 08.04.2006.

Almeida, F.T. de; Bernardo, S.; Sousa, E.F. de; Martin, S.L.D. & Grippa, S. Análise econômica baseada em funções de resposta da produtividade versus lâmina de água para o mamoeiro no norte fluminense. Eng. Agrícola, Jaboticabal, SP, V.24, n.3, p-675-683, set/dez 2004.

ANA/GEF/PNUMA/OEA, Plano Decenal de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (2004-2013) - Estudo Técnico de Apoio ao PBHSF - Nº 12: agricultura irrigada, Brasília, 2004. 102p., acessado em 15/05/2006 através do site http://www.ana.gov.br/prhbsf/esttec.htm

ANEEL- Agência Nacional de Energia Elétrica, legislação, acessado por www.annel.gov.br, 2005.

Ayers, R.S. & Westcot, D.W. A qualidade da água na agricultura. Trad. Gheyi, H.R.; Medeiros de, J.F. & Damaceno, F.V.A, Campina Grande:UFPB,1991. 218p. Estudos FAO: Irrigação e drenagem, 29. Revisado 1.

Azevedo, H.M. de. Projeto de Irrigação. Campina Grande, PB, PAPE/REECCT/UFPB, 1997, 167p.

Azevedo, L.G.T. de et al. A Experiência Internacional. In: Thame, A. C. de M. et al.A Cobrança pelo Uso da Água. São Paulo, SP, IQUAL, Instituto de Qualificação e Editoração Ltda, 256p. 2000.

Banco Mundial, Serie Água Brasil 5: Impactos e Externalidades Sociais da Irrigação no Semi-Árido Brasileiro, 2004, 1ª ed. Brasília, DF, 132p.

Bar-Eliezer, S. The role of input-output tables as an implement to reconcile basic economic statistics - the case of Israel. In A. Franz and N. Rainer (eds) Problems of compilation of input-output tables, Schriftenreihe der Osterreihischen Statistischen Gesellschaft, Band 2,Orac-Verlag, Wien, pp. 87-99. 1986.

Bergman, E.M; Feser, E.J. Industrial and regional clusters: concepts and comparative applications. Regional Science WebBook (www.rri.wvu.edu/WebBook). 1999.

Bernardes, L. Papel do governo e da iniciativa privada no desenvolvimento da agricultura irrigada no Brasil. In: Anais do Seminário Internacional de Políticas de Irrigação e Drenagem. Brasília: MMA. 1998. 232p.

Bernardo, S. Manual de Irrigação. 6.ed. Viçosa: Imprensa Universitária, 1995. 657p.

Bielorai, H. The effect of partial wetting on the root zone on yield and water use efficiency in a drip and splinkler-irrigated mature grapefruit grove. Irrigation Science, v.3, p.89-100, 1982.

Blanco, F.F., Machado C.C., Coelho R.D. & Folegatti, M.V. Viabilidade econômica da irrigação da manga para o Estado de São Paulo. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, PB, DEAg/UFCG, v.8, n.1, p.153-159, 2004.

BNB- Banco do Nordeste do Brasil S.A, Agenda diária do produtor Rural ano 2004, Fortaleza, CE, 2004.

BNB- Banco do Nordeste do Brasil S.A, Planilha eletrônica Planilha de Investimento Rural, Fortaleza, CE, versão Julho 2005.

BNB-Banco do Nordeste do Brasil S.A, Sumário do relatório do estado da arte da irrigação–Projeto novo modelo de irrigação, Fortaleza, CE, p 38. 2000.

BNB-Banco do Nordeste do Brasil S.A, Rede da irrigação: Especialidade Mercado de Frutas e Hortaliças. Documento 14, por Carvalho, J. M. M., Souza, J. M. G. de, Evangelista, F. R. Fortaleza, acessado pelo site www.banconordeste.gov.br/irriga, em fev/2006.

Burt, C.M., et al. Medidas de desempenho de irrigação: Eficiência e Uniformidade, 1997, E.U.A.

Campos, G.M., Bananicultura nos perímetros irrigados. Fortaleza, CE, DNOCS, 1982. 61p.

Carrera-Fernandez & J., Raimundo-José G. Economia dos Recursos Hídricos, Coleção pré-textos, 2002, Salvador-BA, EDUFBA, 458p.

Carrera-Fernandez, J.; Damásio, J.; Raymundo-José, G; Silveira, A. H. Impactos da cobrança pelo uso da água sobre a economia regional, 2002.

Carvalho, D. F. de, Marques, D. C., Ferreira, E. J. & Oliveira, L. F. C. de, Efeito do tamanho de séries históricas na demanda de irrigação do perímetro irrigado do Gorutuba, MG- Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, PB, DEAg/UFPB, v.4, n.3, p.396-402, 2000.

CEARÁ. Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos-COGERH. A gestão das águas no Ceará. Fortaleza, 2002. http://www.cogerh.com.br/versao3/public-gestao.asp?page=gestao4

CEASA/PE, Preços de produtos, acessado no site em 30/08/2005, através do endereço http://www.ceasape.org.br/cotacao01.php

CEMIG-Companhia Energética de Minas Gerais. Estudo de otimização energética. Belo Horizonte-MG, 1993. 22p.

Christofidis, D. Recursos Hídricos e Irrigação no Brasil. Brasília: CDS – UnB, 1999. CODEVASF; SUDENE; OEA. Plano Diretor para o Desenvolvimento do Vale do São Francisco – PLANVASF, 1989. 192p.

Cordeiro, Z.J.M. (Org.) Banana: produção aspectos técnicos. Brasília: Embrapa Comunicação para Transferência de tecnologia, 2000. 143p.

COSERN- Companhia Energética do Rio Grande do Norte, orientação ao cliente/tarifas, obtidos através do http://www.cosern.com.br/, 2005.

Czamanski, S.; Ablas, L.A.Q. Identification of industrial clusters and complexes: a comparison of methods and findings. Urban Studies, 16, p. 61-80. 1979.

Daker, A. Irrigação e Drenagem- água na agricultura (3º vol), Rio de Janeiro –RJ, 7ª Ed. 1988.

Deutsch, J. & Syrquin, M. Economic development and the structure of production, Economic Systems Research, 1:447-464. 1989.

Döll, P. & Siebert, S. Global modeling of irrigation water requirements. Water Resources Research, v.38, n.4, 10.1029/2001, 2002.

Droogers, P. & Allen, R.G. Estimating reference evapotranspiration under inaccurate data conditions. Irrigation and Drainage Systems, v.16, p. 33-45, 2002.

EMBRAPA, Recomendações técnicas – cultura da banana, 2002. Disponível pelo http://www.cpatc.embrapa.br, em janeiro de 2005.

EMBRAPA, Sistema de Produção, 3, ISS, N ___ Versão Eletrônica, Jan, 2003.

FAO-Food And Agriculture Organization Of The United Nations. Food and Agriculture Organization of the United Nations Statistical Databases (FAOSTAT), FAOSTAT Agriculture Data, 2000. Obtido via base de dados FAOSTAT. 1960- 1999. <http://www.fao.org> 5/11/2001.

FAO-Food and Agriculture Organization on the United Nations. 2000 - Disponível em: http://apps.fao.org/ - Consultado em 10-03-2002.

Faria, R.A.; Soares, A.A.; Sediyama, G.C. & Ribeiros, C.A.S. Economia de água e energia em projetos de irrigação suplementar no Estado de Minas Gerais. R. Bras. Agríc. Ambiental, Campina Grande, v.6, n.2, p.189-194, 2002.

Fontenele, E. & Araújo, J.C. de. Tarifa de água como instrumento de planejamento dos recursos hídricos da bacia do Jaguaribe, CE, Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 32, n. 2 p. 234-251, abr-jun. 2001.

Freitas, E.D. de. Notas de Aula- ACA 0429 – Agrometeorologia. São Paulo, SP, Ed. IAG-USP, 2005. 153p.

Garrido, R. Bases Conceituais - considerações sobre a formação de preços para a cobrança pelo uso da água no Brasil. In: THAME, A. C. de M. et al. A Cobrança pelo Uso da Água. São Paulo, SP, IQUAL, Instituto de Qualificação e Editoração Ltda, 2000 256p.

GEOCITIES/YAHOO, Disponível http://www.geocities.com/coqueiroanao/irrigacao.htm em janeiro de 2005.

Gomes, H.P. Engenharia de Irrigação-Hidráulica dos sistemas pressurizados aspersão e gotejamento –3a Ed. – UFPB Campina Grande, 1999.

Gomes, P. Fruticultura Brasileira, Livraria Nobel S/A - São Paulo –SP, 2000.

Gondim, J. Planejamento da irrigação no nordeste, obtido por http://www.ana.gov.br/PRHBHSF/SPR/Plano%20de%20Recursos%20Hidricos%20-%20CBHSF/3%20Material%20de%20Consulta/Contribuicoes%20ANA/Irrigacao/Planejamento%20da%20Irrigacao%20no%20NordestePLANVASF.doc em 15/05/2006.

Hargreaves, G.H. Monthly Precipitation Probabilities for Northeast Brazil, Utah State University-E.U.A., Dept. of Agriculture and Irrigation Engineering (CUSUSWASH), 1973. 423p.

Hargreaves, G.H. Potential Evapotranspiration and Irrigation Requirements for Northeast Brazil, Utah State University-E.U.A., Dept. of Agriculture and Irrigation Engineering (CUSUSWASH), 1974a. 55p.

Hargreaves, G.H. Precipitation dependability and potentials for agricultural production in Northeast Brazil, Utah State University-E.U.A., EMBRAPA, 1974b. 123p.

Hargreaves, G.H. & Samani, Z.A. Reference crop evapotranspiration from temperature. Applied Engeneering Agricuture, v.1, n.2, p.96-99, 1985.

Holub, H.W.; Schnabl, H. & Tappeiner, G. Qualitative Input-Output Analysis with Variable Filter. Zeitschrift fur die gesamte Staatswwissenschaft, 141: 282-300. 1985.

IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Valor da Produção Agrícola Municipal Rio de Janeiro: IBGE Sistema IBGE de recuperação automática – SIDRA. Disponível: http://www.ibge.gov.br – acessado em 02-02-2002.

IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário de 1995. <http://www.ibge.gov.br/ibge/estatistica/economia/agropecuaria/censoagro/default.shtm> 6/10/2001.

IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário de 2002. < http://www.ibge.gov.br/cidadesat/default.php> acessado em dezembro de 2005.

IPA- Empresa Pernambucana de Pesquisa Agropecuária, Recomendações de Adubação para o Estado de Pernambuco (2ª Aproximação), por Cavalcanti, J. de A. Recife, PE, IPA, 1998, 198p il.

Lanna, A.E.L. Uso de Instrumentos Econômicos na Gestão das Águas do brasil. Bahia Análise & Dados Salvador, v. 13, n. ESPECIAL, p. 441-451, 2003.

Lanna, A.E. & Ribeiro, M.M.R. Cobrança pelo uso da água para irrigação na bacia do rio Curu, CE. In: Anais do III Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste. Salvador, ABRH, p. 441-447.

Lima, J.E.F.W.; Ferreira, R.S.A. & Christofidis, D. O uso da irrigação no Brasil, Campanha da Fraternidade, 2004, obtido pelo endereço. http://www.cf.org.br/cf2004/irrigacao.doc

MA-Ministério da Agricultura, escritório de meteorologia, 1970, normais climatológicas, Volume I througt V, RJ

Marouelli, W.A. & Silva, W.L.C. Seleção de Sistemas de Irrigação para Hortaliças. Brasília: Embrapa. 1998. 15p.

Marques, P.A.A. Modelo computacional para determinação do risco econômico em culturas irrigadas, Piracicaba, SP, Ed. ESALQ/USP, 2005, 142p. (Tese de doutorado)

Noronha, J.F., Teoria da produção aplicada à análise econômica de experimentos. In. EMBRAPA, Planejamento da propriedade agrícola-modelos de decisão, Brasília, DF, 1984.

Ometto, J.C. Bioclimatologia vegetal, São Paulo, 1981. Ed. Agronômica Ceres, 440p.

Padovani, M.I. Banana: um mercado crescente para este alimento milenar, Coleção Brasil Agrícola, 1986. Ed. Ícone, São Paulo, SP. 104 p.

Paula, L.W. de. Princípios da hidrologia florestal para o manejo de bacias hidrográficas. Piracicaba, ESALQ/USP, 1986. Pergamon Press. 1992.

Pereira, A.R.; Villa Nova, N.A. & Sediyama, G.C. Evapo(transpi)ração. Piracicaba: FEALQ, 1997. 183 p.

Pereira, J.S., Lanna, A.E. & Cápena, E.M. Desenvolvimento de um sistema de apoio à cobrança pelo uso da água: aplicação à bacia do rio dos Sinos, RS. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v.4, n.1. 1999.

Ribeiro, M.M.R. & Lanna, A.E. A Cobrança como Instrumento de Gestão dos Recursos Hídricos Brasileiros. In: II Encontro de las águas. Uruguai, IICA, disponível em www.iica.org.uy/16-6-pan3-pon3.htm, 2001.

Rocha, J.S.M. da & Kurtz, S.M. de J.M. Manual de manejo integrado de bacias hidrográficas. 2ª ed. Santa Maria: UFSM, 1991, 181 p.

Rodrigues, F. Custos e Benefícios da Irrigação no Brasil. ITEM - Irrigação e Tecnologia Moderna. Brasília. ABID. Ed. no 41. Junho de 1990.

Santos, A.H. de O. Impacto da aplicação da legislação ambiental na produção orizícula da bacia hidrográfica do Arroio Grande, UFSM, Santa Maria-RS, 2005. 106 p.(Tese de doutorado)

Sediyama, G.C. Evapotranspiração: Necessidade de água para os cultivos. Brasília, D.F.: ABEAS. 1996. 167p. Curso de Engenharia de Irrigação. Módulo 2

Shiklomanov, I.A. (Ed.), Assessment of Water Resources and Water Availability in the World, Comprehensive Assessment of the Freshwater Resources of the World. 1.ed.

Stockholm: Stockholm Environment Institute, 1997, 460p

SIGA/SEAGRI, Sistema de informação gerencial agrícola, obtido através o site http://www.seagri.ce.gov.br/siga.htm, janeiro, 2006

SUDENE/MINTER, Dados Climáticos Básicos do Nordeste Brasileiro, Recife, PE, 1984.

Varejao-Silva, M.A. Criterios climatológicos para a delimitacao do Semi-Árido no Estado da Paraiba.- (versao preliminar), Campina Grande, PB, UFPB, 1981. 21p.

Testezlaf, R, Matsura, E.E. & Cardoso, J.L., Importância da irrigação no desenvolvimento do agronegócio, Documento Agroecologia Projetos e Consultoria/UNICAMP/ ABIMAQ, 2002, acessado pelo site: www.pivotvalley.com.br/valley/ mestre/UNICAMP.html, 14.11.2004

Thame, A.C. de M. et al. Fundamentos e Antecedentes.In____A Cobrança pelo Uso da Água. São Paulo, SP, IQUAL, Instituto de Qualificação e Editoração Ltda, 2000. 256p.