Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Na construção do sujeito mulher: A piada é coisa séria

DOI http://dx.doi.org/10.12702/TA-000000001

downloadpdf

VALE, Alfredina Rosa Oliveira do

 

Resumo: Esta tese – Na construção da identidade do sujeito mulher a piada é coisa séria – tem como objetivo geral investigar como ocorre a construção/reprodução da identidade da mulher, realizada nas ações linguístico-discursivas produzidas no gênero piada. Para realizar tal intento, buscamos como aparato teórico a Análise do Discurso francesa proposta nos estudos e pesquisas de Dominique Maingueneau (1997, 2002, 2005 e 2008). A este suporte teórico somamos as abordagens propostas pelo estudioso Sírio Possenti (2000, 2001, 2004a, 2004b, 2009). Em se tratando de uma proposta interdisciplinar, buscamos outras fontes do conhecimento na filosofia, psicologia, antropologia, sociologia e história com o objetivo de verificar, no discurso humorístico brasileiro, as possíveis causas sócio-histórico-ideológicas que possibilitam as construções/reproduções dos estereótipos hiperbolizados da mulher (loira burra) imbecil e lasciva, como igualmente da esposa infiel. Partimos do pressuposto de que o discurso humorístico, neste contexto, não só confirmaria a milenar interação de conflito entre os gêneros sociais (homem vs. mulher), como indicaria, em algumas ocasiões, uma inversão dos papéis desses atores sociais, dando a conhecer algumas mudanças latentes reveladoras de uma identidade emergente do sujeito mulher. Identificar, descrever e analisar os fenômenos da ambiguidade e da ironia como processos linguístico-discursivos, passíveis de serem observados no gênero piada, foi a última etapa realizada neste trabalho. O nosso corpus de referência formado pelo gênero discursivo piada foi coletado em sites brasileiros de humor. A piada é divulgadora de temas polêmicos, estereótipos e do discurso tabu, remetendo para questão do preconceito. Esta foi a razão que nos motivou a definir este gênero como o espaço de materialização do discurso humorístico entrecruzando-se com o discurso sexista. Os resultados da pesquisa mostram que não basta observar as identidades de gêneros em oposição (homem vs. mulher); é possível afirmar a primazia de uma identidade sobre a outra: a identidade homem sobre a identidade da mulher. Também ficou evidente a primazia da identidade da mulher sobre a identidade do homem. Mesmo que esta revelação, através do discurso humorístico, seja sutil. Ainda que as identidades de gêneros pareçam continuar as mesmas, confirmamos que elas não são fixas.

Palavras-chave: Discurso humorístico, identidade, estereótipo, preconceito, mulher

 

Abstract: This thesis - The Joke is a Serious Thing in the Construction of the Identity of the Female Subject - has the general objective of investigating how the construction/ reproduction of the female identity occurs, in the context of the linguistic and discursive actions produced in the joke genre. To this end, the theoretical base was provided by the French School of Discourse analysis embodied in the work and research of Dominique Maingueneau (1997, 2002, 2005 and 2008). The approach suggested by the scholar Sirio Possenti (2000, 2001, 2004a, 2004b, 2009) was also utilized. The interdisciplinary nature of the study led to the search for other sources of knowledge such as philosophy, psychology, anthropology, sociology and history, with the objective of seeking the possible social, historical and ideological causes that allow the construction/ reproduction of the hyperbolized stereotype of the stupid and lascivious female (“dumb blonde”), as well as that of the unfaithful wife, within the Brazilian humoristic discourse. We began with the presupposition that the humoristic discourse, in this context, would not only confirm the centuries-old conflict in gender interaction (man vs. woman) as well as indicate, in some instances, the inversion of the social roles of these actors, revealing some latent changes in the emerging identity of the female subject. Identifying, describing and analyzing ambiguity and irony as linguistic and discursive processes in the joke genre were the last steps in this thesis. The corpus of reference formed by the joke genre was collected from Brazilian humoristic websites. The joke genre brings to light controversial themes, stereotypes and taboo discourse, related to the issue of prejudice. This was the motive for defining this genre as the site of materialization of humoristic discourse intersecting with sexist discourse. The results of this research show that it is not enough to merely observe the identities of opposing genders (man vs. woman).It is also possible to recognize the dominance of one identity over the other, the male identity over the female identity. The dominance of the female identity over the male identity also becomes evident, though in a more subtle light. Even if gender identities appear to remain the same, we have confirmed that they are not fixed.

Key words: humoristic discourse, identity, stereotype, prejudice, female

 

Literatura Citada

ALBERNAZ, Lady Selma Ferreira & LONGHI, Márcia. Para compreender gênero: uma ponte para relações igualitárias entre homens e mulheres. In: SCOTT, Parry, LEWIS, Liana e QUADROS, Marion Teodósio de. Gênero, diversidade e desigualdade na educação: interpretações e reflexões para formação docente. Recife: EdUFPE, 2009, p. 75-96. 

ALBERTI, Verena. O riso e o risível: na história do pensamento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999. 

ALMEIDA, Fernando Afonso. Linguagem e humor: comicidade em Les Frustres, de Claire Bretécher. Niterói: Ed. UFF, 1999. 

ALMEIDA, Horácio de. Dicionário popular paraibano. 2. ed. Campina Grande (PB): Edições GRAPSET, 1984. 

ALVES, Branca Moreira & PITANGUY, Jacqueline. O que é feminismo. São Paulo: Abril Cultural / Brasiliense, 1985. 

ARAÚJO, Emanuel. A arte da sedução: sexualidade feminina na colônia. In: PRIORE, Mary Del (org.). História das mulheres no Brasil. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2007, p. 45-77. 

ARISTÓTELES. A Política. Tradução de Nestor Silveira Chaves. São Paulo: Escala, s/d. 

AZERÊDO, Sandra. Preconceito contra a mulher: diferenças, poemas e corpos. São Paulo: Cortez, 2007 (Preconceitos, v. 1) 

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovitch. Problemas da poética de Dostoievski. Tradução de Paulo Bezerra. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002. 

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovitch. Estética da criação verbal. 4. ed. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003 (Coleção Biblioteca Universal). 

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovitch. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. 6. ed. Tradução de Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec. Brasília: Ed. UNB, 2008 (Linguagem e Cultura, n. 12). 

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovitch / VOLOCHÍNOV, V. N. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. 12. ed. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec, 2006. (Linguagem e cultura, n. 3) 

BAZERMAN, Charles. Escrita, gênero e interação social. Organização de Judith Chambliss Hoffnagel e Angela Paiva Dionisio. São Paulo: Cortez, 2007. 

BAZERMAN, Charles. Gênero, agência e escrita. Organização de Judith Chambliss Hoffnagel e Angela Paiva Dionisio. São Paulo: Cortez, 2006b. 

BAZERMAN, Charles. Gêneros textuais, tipificação e interação. 2. ed. Organização de Judith Chambliss Hoffnagel e Ângela Paiva Dionísio. São Paulo: Cortez, 2006a. 

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. 3. ed. Tradução de Sérgio Milliet. A experiência vivida. São Paulo / Rio de Janeiro: Difusão Européia do Livro, v. 2, 1975. 

BERGSON, Henri (1899). O riso: ensaios sobre a significação da comicidade. 2. ed. Tradução de Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2007 (Coleção Tópicos). 

Bíblia Sagrada. 9. ed. São Paulo: Edições Paulina, 1981. 

BRAIT, Beth. Ironia em perspectiva polifônica. 2. ed. Campinas (SP): Ed. UNICAMP, 2008. 

BREMMER, Jan & ROODENBURG, Herman. (orgs.). Uma história cultural do humor. Tradução de Cynthia Azevedo e Paulo Soares. Rio de Janeiro: Record, 2000. 

BUENO, Márcio. A origem curiosa das palavras e/ou dos significados. 4. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2003. 

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. 

CARVALHO, Nelly. A palavra é. Recife: LIBER, 1999. 

CHARAUDEAU, Patrick. Des catégories pour l’humour? In.: Dossier: questions de communication, 2006, p. 19-41. 

CHARAUDEAU, Patrick. Linguagem e discurso: modos de organização. Tradução de Ângela M. S. Corrêa & Ida Lúcia Machado. São Paulo: Contexto, 2008. 

CHARAUDEAU, Patrick & MAINGUENEAU, Dominique. Dicionário de análise do discurso. Tradução de Fabiana Komesu. São Paulo: Contexto, 2004. 

COLLANGE, Christiane. Nós, as sogras. Tradução de A. M. Queiroz, L. A. F. de Moraes, M. Coimbra, M. Gewerc, S. Mosse. Barueri (SP): Sá Editora, 2001. 

COLLING, Ana. A construção histórica do feminino e do masculino. In: STREY, Marlene Neves (et alii). Genero e cultura: questões contemporâneas. Porto Alegre: EdIPUCRS, 2004 (Coleção Gênero e Contemporaneidade, 1), p. 13-38. 

COMTE-SPONVILLE, André. Dicionário Filosófico. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2003. 

COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de gêneros textuais. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. 

CRYSTAL, David. A revolução da linguagem. Tradução de Ricardo Quintana. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005. 

DIJK, Teun Adrianus van. Discurso e poder. Judith Hoffnagel e Karina Falcone (orgs.). São Paulo: Contexto, 2008. 

DIONISIO, Angela Paiva. A organização textual-interativa das adivinhas. Recife: PIBIC/CNPq/UFPE. 1999. p. 608-612. 

DUARTE, Lélia Parreira. Ironia e humor na literatura. Belo Horizonte: Ed. PUC Minas; São Paulo: Alameda, 2006. 

ECO, Umberto. Campanile: o cômico como estranhamento. In: ECO, Umberto. Entre a mentira e a ironia. Tradução de Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Record, 2006, p. 61-115. 

ECO, Umberto. O nome da rosa. Tradução de Aurora Fornoni Bernardini e Homero Freitas de Andrade. Rio de Janeiro: Record, 2009. 

EDGAR, Andrew & SEDGWICK, Peter. Teoria cultural de A a Z: conceitos-chave para entender o mundo contemporâneo. Tradução de Marcelo Rollemberg. São Paulo: Contexto, 2003. 

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Izabel Magalhães [coord. trad.]. Brasília: Ed. UnB, 2001. 

FALCI, Miridan Knox. Mulheres no sertão nordestino. In: PRIORE, Mary Del (org.). História das mulheres no Brasil. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2007, p. 241-277. 

FARACO, Carlos Alberto. Linguagem & diálogos: as idéias lingüísticas do círculo de Bakhtin. Curitiba (PR): Criar, 2006. 

FÁVERO, Leonor Lopes e KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. Lingüística textual: introdução. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1994. (Série Gramática portuguesa na pesquisa e no ensino, n. 9). 

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999. 

FERREIRA, Maria Cristina Leandro. Da ambigüidade ao equívoco: a resistência da língua nos limites da sintaxe e do discurso. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2000. 

FIGUEIREDO, Luciano. Mulheres nas Minas Gerais. In: PRIORE, Mary Del (org.). História das mulheres no Brasil. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2007, p. 141-188. 

FIORIN, José Luiz. Os gêneros do discurso. In: FIORIN, José Luiz. Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Ática, 2008, p. 60-76. 

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 02 de dezembro de 1970. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Edições Loyola, 1996. 

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: cuidado de si, vol 3, 7. ed. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2002. 

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: o uso dos prazeres, vol 2, 9. ed. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2001. 

FREUD, Sigmund. Os chistes e sua relação com o inconsciente. Vol. VIII (1905). Direção da edição brasileira de Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 2006. 

GAIARSA, José Ângelo. Tratado geral sobre a fofoca: uma análise da desconfiança humana. São Paulo: Summus, 1978. 

GARCIA, Othon Moacir. Comunicação em prosa moderna. 13. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1986. 

GAZONI, Fernando Maciel. A Poética de Aristóteles: tradução e comentários. Dissertação (mestrado em Filosofia). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. 2006. Acesso em 09.06.2010. Disponível em http://www.fflch.usp.br/df/site/posgraduacao/2006_mes/Fernando_Gazoni_A_Poetica_de_Aristoteles.pdf 

GENNARI, Maria Cristina. Minidicionário Saraiva Informática. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2001. 

GIDDENS, Anthony. Sociologia. 4. ed. Tradução de Sandra Regina Netz. Porto Alegre: Artmed, 2005. 

GÓES, Marta. Gritos que fizeram história. In: VEJA Especial Mulher, edição 2166, ano 43, Editora Abril, Junho de 2010, p. 18-20 e 22. 

GOLDENBERG, Mirian. Gênero e desvio na cultura brasileira. Acesso em 15.05.2010. Disponível em http://miriangoldenberg.com.br/images/stories/pdf/generoedesvio.pdf 

GOLDENBERG, Mirian. Infiel: notas de uma antropóloga. Rio de Janeiro: Record, 2006. 

GRANATO, Alice. Ciúme: como lidar com esse veneno. In.: Veja, edição 1653, ano 33, n. 24, 14 de junho de 2000, p. 120-126. 

GREIMAS, A. J. e COURTÉS, J. Dicionário de semiótica. Tradução de Alceu Dias Lima (et alli). São Paulo: Contexto, 2008. 

HALL, Stuart. Quem precisa da identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da & HALL, Stuart (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 3. ed. Petrópolis (RJ): Vozes, 2004. 

HOUAISS, Antônio & VILLAR, Mauro de Sales. Dicionário Houaiss de Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001. 

JAPIASSÚ, Hilton & MARCONDES, Danilo. Dicionário básico de filosofia. 3. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996. 

JEUDY, Henri-Pierre. A ironia da comunicação. Tradução de Caroline Chang. Porto Alegre: Sulina, 2001. 

JOHNSON, Allan G. Dicionário de sociologia: guia prático da linguagem sociológica. Tradução de Ruy Jungmann. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997. 

KAZ, Roberto. Mulher Filé dá capilé a repórter nerd. In: Revista Piauí, n. 28, janeiro de 2009. Acesso em 22.06.2010. Disponível em http://www.revistapiaui.com.br/edicao_28/artigo_862/Mulher_File_da_capile_a_reporter_nerd.aspx 

KIERKEGAARD, Søren Aabye. O conceito de ironia: constantemente referido a Sócrates. Tradução de Álvaro Luiz Montenegro Valls. 2. ed. Bragança Paulista: Ed. Universitária São Francisco, 2005 (Coleção Pensamento Humano) 

KOSOVSKI, Ester. O “Crime” de Adultério. Rio de Janeiro: Mauad, 1997. (Série Jurídica, 3) 

KUBRUSLY, Maurício. Me leva Brasil: a fantástica gente de todos os cantos do país. São Paulo: Globo, 2005. 

KURY, Mário da Gama. Dicionário de mitologia grega e romana. 7. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003. 

LAQUEUR, Thomas. Inventando o sexo: corpo e gênero dos gregos a Freud. Tradução de Vera Whately. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001. 

LEITE, Nina. V. O acontecimento na estrutura – o real da língua na teorização sobre o discurso: a hipótese do inconsciente. Campinas: IEL/Unicamp, 1993 (Tese de Doutorado). Acesso em 09.06.2010. Disponível em http://libdigi.unicamp.br/document/?code=vtls000055414 

LINS, Maria da Penha Pereira. O humor nas tiras de quadrinhos: uma análise de alinhamentos e enquadres em Mafalda. Vitória: Grafer, 2002. 

LOOS, Anita. Os homens preferem as louras: o revelador diário de uma lady profissional. Tradução de Beatriz Horta. São Paulo: Record, 2000. 

LOOS, Anita. Mas os homens se casam com as morenas: o revelador diário de uma lady profissional. Tradução de Beatriz Horta. São Paulo: Record, 2000. 

LUCAS, Ernani Diniz. Humor que pede licença não é humor. Acesso em 07.07.2009. Disponível em http://www.lpmeditores.com.br/site/default.asp?TroncoID=805133&SecaoID=816261&SubsecaoID=935305&Template=../artigosnoticias/user_exibir.asp&ID=849391 

MACHADO, Irene. Gêneros discursivos. In.: BRAIT, Beth (org.). Bakhtin: conceitoschave. São Paulo: Contexto, 2005, p. 151-166. 

MAINGUENEAU, Dominique. Novas tendências em Análise do Discurso. 3. ed. Tradução de Freda Indursky. Campinas (SP): Pontes: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1997. 

MAINGUENEAU, Dominique. Análise de textos de comunicação. 2. ed. Tradução de Cecília P. de Souza-e-Silva e Décio Rocha. São Paulo: Cortez, 2002. 

MAINGUENEAU, Dominique. Gênese dos discursos. Tradução de Sírio Possenti Curitiba (PR): Criar, 2005. 

MAINGUENEAU, Dominique. Discurso e análise do discurso. In.: SIGNORINI, Inês (org.). [Re]discutir texto, gênero e discurso. São Paulo: Parábola Editorial, 2008, p. 135-155. 

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Aspectos da questão metodológica na interação verbal: o continuum qualitativo-quantitativo. In: ALED – Revista Latinoamericana de Estudos do Discurso, v. 1, n. 1, Agosto de 2001, p. 23-42. 

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Análise do discurso: com quem anda e para onde vai? ANAIS do I Congresso e IV Colóquio da Associação Latino-Americana de Estudos do Discurso. UFPE, 23 a 28 de setembro de 2001. Publicação em CD-ROM em julho de 2003. 

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais: conceituação, constituição e circulação. Recife: 2004. (Material produzido e distribuído pelo autor em sala de aula – PPGL/UFPE). 

MARTINS, Sérgio. O humor é a melhor vingança. In.: VEJA on-line, 18/07/2005. Acesso em 26.06.2010. Disponível em http://www.fazenda.gov.br/resenhaeletronica/MostraMateria.asp?cod=208698 

MERCER, K. Welcome to the jungle. In: RUTHERFORD, J. (org.) Identity: community, culture, difference. Londres: Lawrence and Wishart, 1990. 

MILLER, Carolyn R. Estudos sobre gênero textual, agência e tecnologia. Angela Paiva Dionisio e Judith Chambliss Hoffnagel (orgs.). Tradução e adaptação de Judith Chambliss Hoffnagel (et alli). Recife: EdUFPE, 2009. 

MINOIS, Georges. História do riso e do escárnio. Tradução de Maria Elena O. Ortiz Assumpção. São Paulo: Editora UNESP, 2003. 

MOISÉS, Massaud. Dicionário de termos literários. 4. ed. São Paulo: Cultrix, 1985. 

MORA, José Ferrater. Dicionário de Filosofia. 4. ed. Tradução de Roberto Leal Ferreira e Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 2001. 

MOTT, Maria Lucia de Barros. Submissão e resistência: a mulher na luta contra a escravidão. 2. ed. São Paulo: Contexto, 1991. Coleção Repensando a História. 

MUECKE, D. C. Ironia e irônico. Tradução de Geraldo Gerson de Souza. São Paulo: Editora Perspectiva, 1995. 

MUNIZ, Kassandra da Silva. Piadas: conceituação, constituição e práticas: um estudo de um gênero. Dissertação – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem. Campinas (SP), 2004. 

OLIVEIRA, Renato da Silva. Dicionário Compacto de Informática. São Paulo: Rideel, 1997. 

PAGLIOSA, Elcemina Lúcia Balvedi. Humor: um estudo sociolingüístico cognitivo da charge. Porto Alegre: Ed. PUCRS, 2005. 

PEDRO, Joana Maria. Mulheres do Sul. In: PRIORE, Mary Del (org.). História das mulheres no Brasil. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2007, p. 278-321. 

PEREIRA, Marcos Emanoel. Psicologia social dos estereótipos. São Paulo: EPU – Editora Pedagógica e Universitária, 2002. 

PEREIRA, Verbana Laranjeira. Gênero: dilemas de um conceito. In: STREY, Marlene N. (et alli). Gênero e cultura: questões contemporâneas. Porto Alegre: Ed. PUCRS, 2004, p.173-198. 

PERROT, Michelle. As mulheres ou os silêncios da história. Tradução de Viviane Ribeiro. Bauru (SP): Ed. USC, 2005. (Coleção História). 

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. Tradução de Ângela M. S. Côrrea. São Paulo: Contexto, 2007. 

PHILOGELOS: The Laugh Addict – The World’s Joke Book, 2001, p. 19. Acesso em 29.04.2009. Disponível em http://publishing.yudu.com/Library/Au7bv/PhilogelosTheLaughAd/resources/index.htm 

PITMAN, Joanna. Acerca de louras: de Afrodite a Madonna: porque é que as louras se divertem mais? Portugal: Publicações Europa-América, 2004. 

POSSENTI, Sírio. Ambiguidade e azia. Texto publicado em 22 de janeiro de 2009. Acesso em 11.07.2010. Disponível em http://www.co.terra.com/tecnologia/interna/0,,OI3462672-EI8425,00.html 

POSSENTI, Sírio. O humor e a língua. In: Ciência Hoje, v. 30, n. 176. Outubro de 2001, p. 72-74. 

POSSENTI, Sírio. Os humores da língua: análises lingüísticas de piadas. Campinas (SP): Mercado de Letras, 2000. 

POSSENTI, Sírio. Os limites do discurso: ensaios sobre discurso e sujeito. 2. ed. Curitiba (PR): Criar Edições, 2004a. 

POSSENTI, Sírio. Teoria do discurso: um caso de múltiplas rupturas. In.: MUSSALIM, Fernanda & BENTES, Anna Christina. Introdução à linguística: fundamentos epistemológicos, v. 3. São Paulo: Cortez, 2004b, p. 353-392. 

PRIORE, Mary Del (org.). História das mulheres no Brasil. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2007. 

PRIORE, Maru Del. Sem culpa na cama, mas... In: VEJA Especial Mulher. Edição 2166, Ano 43, Editora Abril, Junho de 2010, p. 58-59. 

PROENÇA FILHO, Domício. Estilos de época na literatura: através de textos comentados. 9. ed. São Paulo: Ática, 1985. 

RAGO, Margareth. Trabalho feminino e sexualidade. In: PRIORE, Mary Del (org.). História das mulheres no Brasil. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2007, p. 578-606. 

ROBLES, Martha. Mulheres, mitos e deusas: o feminino através do tempo. Tradução de William Lagos e Débora Dutra Vieira. São Paulo: Aleph, 2006. 

RODRIGUES, Edílson Rumbelsperger. VEJA, Edição 2032, Ano 40, n. 43, Editora Abril, 31 de outubro de 2007, p. 55. 

ROHDEN, Fabíola. A construção da diferença sexual na medicina. In.: Caderno de Saúde Pública. Rio de Janeiro, 19 (2), 2003, p. 201-212. Acesso em 26.01.2010. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/csp/v19s2/a02v19s2.pdf 

ROSAS, Marta. Tradução de humor: transcriando piadas. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002. 

SALIBA, Elias Thomé. Raízes do riso: a representação humorística na história brasileira: da Belle Epoque aos primeiros tempos do rádio. São Paulo: Companhia das Letras, 2002. 

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de linguística geral. Tradução de Antônio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 2006. 

SCHNEUWLY, Bernard e DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas: Mercado de Letras, 2004. 

SCHUMAHER, Schuma e BRAZIL, Érico Vital (orgs.). Dicionário de mulheres do Brasil: de 1500 até a atualidade. 2. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000. 

Sérgio Augusto e Jaguar (orgs.). O melhor do Pasquim. Rio de Janeiro: Desiderata, 2006. 

SILVA, Deonísio da. De onde vêm as palavras: origens e curiosidades da língua portuguesa. 14. ed. São Paulo: A Girafa, 2004a (Coleção O mundo são as palavras). 

SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. In.: HALL, Stuart, SILVA, Tomaz Tadeu da e WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: as perspectivas dos Estudos Culturais. 3. ed. Tradução e organização de Tomaz Tadeu da Silva. Petrópolis (RJ): Vozes 2004b, p. 73-102. 

SLAVUTZKY, Abrão. O precioso dom do humor. In: SLAVUTZKY, Abrão & KUPERMANN, Daniel (org.). Seria trágico… se não fosse cômico: humor e psicanálise. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005. 

SLAVUTZKY, Abrão & KUPERMANN, Daniel (org.). Seria trágico… se não fosse cômico: humor e psicanálise. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005. 

SOARES, Angélica. Gêneros literários. 6. ed. São Paulo: Ática, 2002 (Série Princípios). 

SOUZA, Luciana Karine de & HUTZ, Cláudio Simon. Relacionamentos pessoais e sociais: amizade em adultos. In: Psicologia em Estudo. Maringá, v. 13, n. 2, abril/junho de 2008, p.257-265. Acesso em 06.07.2010. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pe/v13n2/a08v13n2.pdf 

TADEU, Paulo. As 100 melhores piadas de todos os tempos. 4. ed. São Paulo: Matrix, 2005. 

TAGNIN, Stella. E. O. O humor como quebra de convencionalidade. In.: Revista brasileira de linguística aplicada. V. 5, n. 1. Belo Horizonte: UFMG, 2005, p. 247-57. 

TALLEYRAND-PÉRIGORD, Charles-Meurice de. Frases e pensamento em destaque. Acesso em 05.04.2010. Disponível em http://www.pensador.info/autor/Charles_Talleyrand-Perigord/ 

TIEZZI, Ricardo. Brasil analfabetizado. Acesso em 18.02.2010. Disponível em http://www.geracaobooks.com.br/literatura/texto1.php 

TOURAINE, Alain. As mulheres na origem da nova sociedade. Entrevista on-line. Revista do Instituto Humanitas Unisinos, ed. 210. São Leopoldo, 05.03.2007, p. 03-05. Acesso em 26.01.2010. Disponível em http://amaivos.uol.com.br/amaivos09/noticia/noticia.asp?cod_noticia=8230&cod_canal=41 

TRASK, R. L. Dicionário de linguagem e lingüística. Tradução de Rodolfo Ilari. Revisão técnica de Ingedore Villaça Koch e Thaïs Cristófaro Silva. São Paulo: Contexto, 2004. 

TUFANO, Douglas. Estudos de literatura brasileira. 4. ed. São Paulo: Moderna, 1988. 

VEJA, Edição 2009, Ano 40, n. 20, Editora Abril, 23 de maio de 2007a, p. 55. 

VEJA, Edição 2029, Ano 40, n. 40, Editora Abril, 10 de outubro de 2007b, p. 58. 

VEJA, Edição 2049, Ano 41, Nº 08, Editora Abril, 27 de fevereiro de 2008a, p. 52. 

VEJA, Edição 2064, Ano 41, nº 23, Editora Abril, 11 de junho de 2008b, p. 69. 

VEJA, Edição 2145, Ano 42, n. 52, Editora Abril, 30 de dezembro de 2009, p. 172. 

VIEGAS, Waldiy. Fundamentos lógicos da metodologia científica. Brasília: Ed. UnB, 2007. 

VIGARELLO, Georges. História da beleza: o corpo e a arte de se embelezar, do Renascimento aos dias de hoje. Tradução de Léo Schlafman. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006. 

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In.: HALL, Stuart, SILVA, Tomaz Tadeu da & WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: as perspectivas dos Estudos Culturais. 3. ed. Tradução e organização de Tomaz Tadeu da Silva. Petrópolis (RJ): Vozes 2004, p. 07-72. 

ZAMPIERI, Ana Maria Fonseca. Erotismo, sexualidade, casamento e infidelidade: sexualidade conjugal e prevenção do HIV e da AIDS. São Paulo: Ágora, 2004. 

ZILLES, Urbano. O significado do humor. In: Revista FAMECOS. Filosofia & Comunicação. Porto Alegre, n. 22, dezembro de 2003, 83-9. Acesso em 15.06.2010. Disponível em http://revistaseletronicas.pucrs.br/fass/ojs/index.php/revistafamecos/article/viewFile/3239/2499