Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Crescimento Vegetativo do Quiabeiro em Função da Salinidade da Água de Irrigação e da Adubação Nitrogenada1

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/iii.inovagri.2015-a061

 

downloadpdf

Nascimento, P. dos S.2, Fraga Junior, L. S.3, Costa, I. P.4, Frigeri, E. C.4 & Paz, V. P. S.5

 

Resumo: A pesquisa teve como objetivo avaliar o desenvolvimento vegetativo e produção de matéria seca do quiabeiro, submetido a diferentes níveis de salinidade da água de irrigação e diferentes doses de adubação nitrogenada. O experimento foi conduzido em casa de vegetação, na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, no município de Cruz das Almas, BA. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado em esquema fatorial 5 x 4, com três repetições. Foram testados cinco níveis de salinidade da água de irrigação (0,26; 1,0; 2,0; 4,0 e 5,0 dS m-1) e quatro doses de nitrogênio (50, 75, 100 e 125 % da dose indicada para ensaios em vaso), provenientes da combinação entre uréia e nitrato de potássio. Foram analisadas as seguintes variáveis: altura de plantas, diâmetro do caule, número de folhas e matéria seca de folhas, ramos e raízes. Os dados obtidos foram submetidos à análise de variância e de regressão os quais foram ajustados modelos polinomiais. Para as condições de estudo não houve correlação entre as doses de nitrogênio aplicadas e a matéria seca do caule e das raízes, sendo significativo apenas para a matéria seca das folhas. A altura e o diâmetro do caule do quiabeiro apresentaram uma resposta negativa ao aumento da salinidade da água aplicada. A interação entre os níveis de salinidade e as doses de nitrogênio testadas não foi significativa para a matéria seca de folhas, ramos e raízes do quiabeiro. O aumento da salinidade da água de irrigação resultou na redução na matéria seca de folhas, caules e raízes na cultura do quiabeiro.

Palavras-chave: salinidade, nitrogênio, matéria seca

 

Abstract: The objective of present study was to evaluate okra plants in respect to the vegetative development and production of dry matter, subjected to different levels of salinity of irrigation water and different doses of nitrogen fertilization in greenhouse. The experiment was conducted in a greenhouse belonging to the Federal University of Bahia Reconcavo, in Cruz das Almas, BA. The experimental design was completely randomized in a factorial 5 x 4 with three replications. Five levels of irrigation water salinity were tested (0.26; 1,0; 2,0; 4,0 and 5,0 dS m-1) and four nitrogen rates (50, 75, 100 and 125% of the rate recommended for potted experiments), from the combination of urea and potassium nitrate. The following variables were analyzed: plant height, stem diameter, number of leaves and leaf biomass, branches and roots. The data were submitted to analysis of variance and regression which were fitted to polynomial models. For the study conditions, there was no correlation between the levels of nitrogen applied and the dry weight of shoots and roots, but only significantly for dry matter of leaves. The plant height and the okra the stem diameter showed a negative response to increased salinity of water applied. The interaction between salinity levels and tested nitrogen rates was not significant for biomass of leaf, branches and of okra plants roots. The increasing salinity irrigation water resulted in a reduction in biomass of leaves, stems and roots in plants okra.

Key words: salinity, nitrogen, dry matter

 

1 Artigo apresentado ao III INOVAGRI International Meeting
2 Doutora, Pesquisadora do NEAS/UFRB. Cruz das Almas (BA). Email:patysnasc@gmail.com
3 Engenheiro Agronômo, NEAS/UFRB. Cruz das Almas (BA). Email: l.sobral.agro@gmail.com
4 Graduando(a) em Engenharia Agronômica, NEAS/UFRB. Cruz das Almas (BA). Email: elizafrigeri@hotmail.com; islanpassos@hotmail.com
5 Doutor, Professor do NEAS/UFRB. Cruz das Almas (BA). Email: vpspaz@gmail.com

 

Literatura Citada

ASCH, F.; DINGKUHN, M. & DORFFING, K. Salinity increases CO2 assimilation but reduces growth in field grown irrigated rice. Plant Soil, 218:1-10, 2000. http://dx.doi.org/10.1023/A:1014953504021

AYERS, R.S.; Westcot, D.W. A qualidade da água na agricultura. Campina Grande: UFPB. 1991, 218p. Estudos FAO Irrigação e Drenagem, 29 revisado.

CARDOSO, M.O. Desempenho de cultivares de quiabo em condições de terra firme do estado do Amazonas. Horticultura Brasileira, v.19, suplemento, CD-ROM, julho 2001.

CASTRO, M. M. Qualidade fisiologica de sementes de quiabeiro em funcao da idade e do repouso pos-colheita dos frutos. 2005. 43 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual Paulista, Ilha Solteira, SP, 2005.

EZEAKUNNE, C.O. Large scale fruit and vegetable production in Nigeria. Short Communication. Department of Agronomy, Ahmadu Bello University, Zaria, 8p, 1984.

FERREIRA, L. E.; MEDEIROS, J. F. de; SILVA, N. K. C.; LINHARES, P. S. F.; ALVES, R. de C. Salinidade e seu efeito sobre a produção de grãos do quiabeiro Santa Cruz 47 Salinity and its effect on grain yield of okra Santa Cruz 47. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável. v. 7, n. 4, p. 108-113, out-dez, 2012

FILGUEIRA, F.A.R. Novo manual de Olericultura: Agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. Viçosa: UFV, 2000.

GUILHERME, S. R; WOBETO, C.; OLIVEIRA, D. C. S.; ZANUZO, M. R; ZAMBIAZZI, E. V. Análise física do quiabo cultivado na região de Sinop/MT em diferentes áreas de produção. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE OLERICULTURA, 51. Anais... Viçosa: ABH. 5296-5303, julho 2011.

LEONARDO, M.; Broetto, F.; Vilas-Bôas, R. L.; Almeida, R. S.; Godoy, L. J. G.; Marchese, J. A. Estresse salino induzido em plantas de pimentão e seus efeitos na produção de frutos. Horticultura Brasileira, v.21, p.1-4, 2003.

MAAS, E.V. Crop tolerance. California Agriculture, Berkeley, v.38, n.10, p.20-21, 1984.

MAAS, E.V.; HOFFMAN, G.J. Crop salt tolerance-current assessment. Journal of Irrigation and Drainage Division, New York, v.103, n.IR2, p.115-134, 1977.

MARTINEZ, V.; LAUCHLI, A. Salt-induced of phosphate-uptake in plants of cotton. New Phytol., Cambridge, v. 126, n. 4, p. 609-614, 1994.

NOBRE, R. G.; GHEYI, H. R.; SOARES, F. A. L.; CARDOSO, J. A. F. Produção de girassol sob estresse salino e adubação nitrogenada. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, v. 35, n. 3, p. 929-937, June 2011.

NOVAIS, R.F.; NEVES, J.C.L. & BARROS, N.F. Ensaio em ambiente controlado. In: OLIVEIRA, A.J. Métodos de pesquisa em fertilidade do solo. Brasília, Embrapa-SEA, 1991. p.189-253.

PARIDA, A. K.; DAS, A. B. Salt tolerance and salinity effects on plants: A review. Ecotoxicology and Environmental Safety, v.60, p.324-349, 2005. http://dx.doi.org/10.1016/j.ecoenv.2004.06.010