Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Avaliação da Germinação e Biomassa de Três Variedades de Alface sob Estresse Salino

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/iii.inovagri.2015-a066

 

downloadpdf

K. F. Silva1, A. S. Menezes2, F. J. C. Moreira3, M. C. B. Silva4, L. S. S. Lima4 & M. C. M. R. Souza3

 

Resumo: Os sais na água de irrigação têm efeitos deletérios tanto nos solos agricultáveis quanto no desenvolvimento normal das plantas, reduzindo o potencial osmótico do solo e diminuindo assim a disponibilidade de água para as plantas. Objetivou-se com o este trabalho avaliar os efeitos dos sais da água de irrigação na germinação e produção de biomassa da alface. O experimento foi conduzido no Telado agrícola (50% de luz) do IFCE/Campus Sobral, CE, em fatorial de 4 x 3 com quatro repetições, sendo quatro níveis de sais (0,5; 1,5; 3,0 e 4,5 dS m-1) e três variedades de alface. Avaliou-se a porcentagem de emergência, índice de velocidade de emergência, número de folhas, massa fresca da parte aérea e massa fresca das raízes. Os resultados indicaram que houve significância estatística para porcentagem de emergência e índice de velocidade pelo teste de “F” a 1% e 5% de probabilidade, respectivamente no fator isolado de salinidade, porém não houve significância na interação sal x variedade. Conclui-se que as variedades de alface não apresentaram efeitos deletérios com o aumento dos sais na água de irrigação.

Palavras-chaveLactuca sativa L., salinidade, vigor.

 

Abstract: Salts in the irrigation water have deleterious effects as in the arable soil in the normal development of the plant, reducing the osmotic potential of the soil, thus reducing water availability for plants. The objective of this study was to evaluate the effects of salts of irrigation water on germination and biomass production of lettuce. The experiment was conducted in greenhouse agriculture (50% light) of IFCE/Campus Sobral, in a 4 x 3 factorial design with four replications, with four levels of salts (0.5; 1.5; 3.0 and 4.5 dS m-1), and three varieties of lettuce. We evaluated the percentage of emergence, speed of emergence index, number of leaves, fresh weight of shoot and fresh weight of roots. The results indicated that there was a statistically significant percentage of emergence speed index by 'F' test at 1% and 5% probability, respectively in isolated salinity factor, but there was no significant interaction variety x salt. It follows that the lettuce varieties showed no deleterious effects on the increase of the salts in the irrigation water.

Key wordsLactuca sativa L., salinity, force.

 

1 Acadêmica de Tecnologia em Irrigação e Drenagem, IFCE - Campus Sobral; E-mail: karla236fonseca@hotmail.com ;
2 Tecnólogo em Irrigação e Drenagem, IFCE - Campus Sobral; E-mail: amenzzes@gmail.com;
3 Tecnólogas em Irrigação e Drenagem, IFCE - Campus Sobral; E-mail crismariabarbosa@gmail.com; liviaejose@yahoo.com.br .
4 Professores, departamento de Recursos Naturais, IFCE-Campus Sobral; E-mail: franze.moreira@ifce.edu.br; cristina2009@ifce.edu.br;

 

Literatura Citada

AYERS, R.S.; Westcot, D.W. A qualidade da água na agricultura. Campina Grande: UFPB, 1991, 218p. Estudos da FAO Irrigação e Drenagem, 29 revisado.

FILGUEIRA, F.A. R. Novo manual de olericultura: agrotcnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. Viçosa: UFV, 2000. 402p. : p. 40 - 135, 288 - 295.

LICHTENTHALER, H.K. El estrés y la medida delestrésen plantas. In: Reigosa,M.J.; Pedrol, N.; Sánchez, A. (eds). La Ecofisiología Vegetal – Una ciencia de síntesis. Madrid. Thomson. 2004. cap. 2, p. 59-111.

NILSEN, E.T.; ORCUTT, D.M. The Physiology of Plants under Stress – Abiotic factors. 1st edn. New York, John Wiley and Sons Inc, 1996.

REBOUÇAS, M.A.; FAÇANHA, J.G.V.; FERREIRA, L.G.R.; PRISCO, J.T. Crescimento e conteúdo de N, P, K e Na em três cultivares de algodão sob condições de estresse salino. RevistaBrasileiradeFisiologiaVegetal, v.1, n.1, p.79-85, 1989.

BOURSIER, P.; LAUCHLI, A. Growth responses and mineral nutrient relations of salt-stressed sorghum. Crop Science, Madison. v. 30, p. 1226-1233, 1990.

DIAS, N. S.; GHEYI, H. R.; DUARTE, S. N. Prevenção, manejo e recuperação dos solos afetados por sais. Piracicaba: ESALQ/USP/LER, 2003. 118p. http://dx.doi.org/10.2135/cropsci1990.0011183X003000060014x

MAAS, E.V. Crop tolerance. California Agriculture, Berkeley, v.38, n.10, p.20-21, 1984.

MAAS, E.V.; HOFFMAN, G.J. Crop salt tolerance – currentassessment. Journal of Irrigation and Drainage Division, New York, v.103, n.IR2, p.115-134, 1977.

QUEIROGA, R.C.F.; BEZERRA NETO, F. NEGREIROS, M.Z.; OLIVEIRA, A.P.; AZEVEDO, L.M.S.B. Produção de alface em função de cultivares e tipos de tela de sombreamento nas condições de Mossoró. Horticultura Brasileira, Brasília, v.19, n.3, p.324-328, 2001. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-05362001000300006

RHOADES, J.D.; KANDIAH, A.M. & MARSHALI, A.M. Uso de águas salinas para produção agrícola. Campina Grande, Universidade Federal da Paraíba, 2000. 117p. (Estudos da FAO - Irrigação e Drenagem, 48).

SILVA, M. C. B.; MOREIRA, F. J. C.; SOUZA, M. C. M. R.; MENEZES, A. S.; COELHO, M. M. Germinação de sementes de três variedades de alface (Babá de Verão, Manteiga e Ruby), em função da salinidade da água de irrigação. In: Congresso Norte e Nordeste de Pesquisa e Inovação, 7. Anais... 2012, Palmas, TO, 2012.