Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Estimativa de Dimensionamento de Bulbo Úmido para os Solos do Vale do São Francisco

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/iii.inovagri.2015-a071

 

downloadpdf

I. A. G. Santos1, P. R. F. de Medeiros2, A. P. O. F. Martins1, E. W. S. Leite1, E. C. P. V. A. Teles3 & R. C. Nascimento3

 

Resumo: Com à escassez dos recursos hídricos, surge a necessidade do uso de metodologias adequadas para o manejo da irrigação. A técnica de manejo do volume de solo molhado (dimensionamento da formação do bulbo úmido) permite a otimização do uso da agua devido ao melhor controle da lâmina aplicada, servindo como estratégia de convivência e uso com áreas salinizadas. O dimensionamento do bulbo molhado na irrigação pode ser otimizado em função do uso de diferentes tipos de solos, porém com características semelhantes. O objetivo do trabalho foi estudar o dimensionamento do bulbo úmido em laboratório, em dois tipos de solos da região do vale do São Francisco. O projeto foi desenvolvido no Laboratório de Irrigação da UNIVASF - Campus de Juazeiro/BA. Foram estudados dois diferentes tipos de solos (Argissolo Amarelo e Vertissolo) e quatro tempos de irrigação (1, 2, 3 e 4 h). Os testes de formação de bulbo úmido objetivou interrelacionar as variáveis diâmetro superficial (Ws), profundidade máxima (Zmax) e diâmetro intermediário (Wint) com a vazão do emissor e o tempo de irrigação para os solos estudados. Como resultados, temos que foi possível a interação entre fatores (vazão e tempo de irrigação) dentro de uma mesma variável (Ws, Zmax, Wint), gerando modelos empíricos do tipo potencia. E conclui-se que é possível interrelacionar modelos empíricos de formação de bulbo úmido para diferentes regiões e solos com características semelhantes.

Palavras-chave: Modelos empíricos, manejo da irrigação, volume de solo molhado

 

Abstract: With the shortage of hydric resources, the need of using appropriate irrigation management methodologies has emerged. The wet soil volume management technique (wet bulb formation sizing) allows us to optimize the use of water due to a better control over the amount of water applied which serves as a living and using strategy in posted areas. The sizing of wet bulbs in irrigation can be optimized to be used in different types of soil, however with similar characteristics. The aim of this work was to study the sizing of the wet bulb at a laboratory, in order to correlate the data collected with the empirical data presented in literature in two types of solo which can be found in the region of São Francisco Valley. The project was developed at the Irrigation Laboratory at UNIVASF - Campus de Juazeiro/BA. We studied two types of solo (Yellow Acrisol e Vertisol) and four times of irrigation (1, 2, 3 and 4 h). The tests of wet bulb formation aimed to interrelate the variables of surface diameter (Ws), maximum depth (Zmax) and intermediate diameter (Wint) with the emitters flow and time of irrigation for the observed soils. As results, we found out that is possible the interaction between the factors  (flow and irrigation time) concerning the same variable (Ws, Zmax, Wint), which generated power-typed empirical models. We shall conclude that it is possible to interrelate the empirical models of wet bulb formation for different regions and soils with similar characteristics.

Key words: Empirical models, irrigation management, wet soil volume

 

1 Acadêmica de Engenharia Agrícola e Ambiental, UNIVASF – Campus Juazeiro/BA. E-mail: indiara_anne@hotmail.com
2 Prof. Dr. Adjunto, Colegiado de Engenharia Agrícola e Ambiental, Coordenador do Laboratório de Irrigação, UNIVASF, Campus Juazeiro/BA. E-mail: pedro.fernandes@univasf.edu.br
3 Mestrando CPGEA/UNIVASF. Campus Juazeiro/BA. Email: eltonteles@hotmail.com , rcnjua@hotmail.com

 

Literatura Citada

CORTEZ, Jorge Wilson et al. Atributos físicos do argissolo amarelo do semiárido nordestino sob sistemas de preparo. Rev. Bras. Ciênc. Solo [online]. 2011, vol.35, n.4, pp. 1207-1216. ISSN 0100-0683.

LOPEZ, J. R.; ABREU, J. M. H.; PEREZ, A. R.; HERNÁNDEZ, J. F. G. Riego Localizado. 2 ed.Madri: Mundi Prensa, 1992. 405 p.

MAIA, Celsemy Eleutério; LEVIEN, Sérgio Luiz Aguilar. Estimativa de dimensões de bulbo molhado em irrigação por gotejamento superficial aplicando modelo de superfície de resposta. Cienc. Rural, Santa Maria , v. 40, n. 6, June 2010 .

NOGUEIRA, Carlos César Pereira; COELHO, Eugênio Ferreira; LEAO, Moisés Custódio Saraiva. Características e dimensões do volume de um solo molhado sob gotejamento superfical e subsuperficial. Rev. bras. eng. agríc. ambient., Campina Grande , v. 4, n. 3, Dec. 2000

PAULINO, J.; FOLEGATTI, M.V.; ZOLIN, C.A.; SANCHEZ-ROMAN, R.M.; JOSE, J.V. Situacao da agricultura irrigada no Brasil de acordo com o censo agropecuário 2006. Irriga,Botucatu, v. 16, n. 2, p. 163-176, 2011.

SATO , Lucas Massayuki ; SOUZA, Claudinei Fonseca; PERES, José Geanini. Avaliação dos modelos matemáticos para dimensionamento do Bulbo molhado na irrigação por gotejamento. Irriga, Botucatu, v. 18, n. 1, p. 99-112, Jan. 2013

SCHWARTZMAN, M.; ZUR, B. Emitter spacing and geometry of wetted soil volume. Journal of Irrigation and Drainage Engineering, New York, v. 112, p.242-253, 1986. http://dx.doi.org/10.1061/(ASCE)0733-9437(1986)112:3(242)

SILVA NETO, Samuel José da et al. CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-HÍDRICA DE SOLOS REPRESENTATIVOS DA REGIÃO DO AGROPOLO ASSU-MOSSORÓ. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 7, n. 4, p. 81-84, 2012.

SOARES, J. M.; NASCIMENTO, T. Distribuição do sistema radicular da videira em vertissolo sob irrigação localizada. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.2, p.142-147, 1998.

SOUZA, Claudinei F.; MATSURA, Edson E.. Distribuição da água no solo para o dimensionamento da irrigação por gotejamento. Rev. bras. eng. agríc. ambient., Campina Grande , v. 8, n. 1, abr. 2004.

ZAZUETA RANAHAN, F.S. Micro irrigación. ICFA International, México, 250p, 1992.