Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Crescimento Relativo da Calêndula Irrigada em Diferentes Fases de Desenvolvimento

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/iii.inovagri.2015-a148

 

downloadpdf

C.C. Aleman1 & P.A.A. Marques2

 

Resumo: O objetivo do experimento foi avaliar a taxa de crescimento relativo da calêndula em diferentes fases de desenvolvimento sob  diferentes potenciais matriciais. O experimento foi conduzido em vasos em estufa agrícola na ESALQ/USP, Piracicaba-SP. O delineamento experimental foi em esquema fatorial com 6 potencias matricias e 3 fases de desenvolvimento, totalizando 18 tratamentos com 4 repetições. Os tratamentos com potencial matricial foram: -10, -15, -30, -40, -50 e -60 kPa, monitorados em 3 fases de desenvolvimento da calêndula, sendo: ciclo completo, fase vegetativa e fase reprodutiva. O monitoramente foi realizado diariamente através de tensiômetros de punção. A  medição da altura foi realizada quinzenalmente. A taxa de crescimento relativo foi calculada considerando o desenvolvimento inicial até o início da floração. A altura de plantas foi superior para os potencial de -10 e 60 kPa. Verificou-se que a taxa de crescimento relativo foi significativa apenas para o ciclo completo, destacando-se o potencial matricial de -10 kPa com a maior taxa de crescimento.

Palavras-chave: Calendula officinalis L., Manejo de irrigação, Potencial matricial.

 

Abstract: The objective of the experiment was to evaluate the relative growth rate of marigold in different stages of development under different matric potentials. The experiment was conducted in pots in a greenhouse at ESALQ / USP, Piracicaba-SP. The experimental design was factorial with 6 matric potential  and 3 stages of development, totaling 18 treatments with 4 repetitions. The treatments were matric potential: -10, -15, -30, -40, -50 and -60 kPa, monitored at three stages of development of calendula, being: complete cycle, vegetative phase and reproductive phase. The monitoring was performed daily by puncturing tensiometers. The height measurement was performed biweekly. The relative growth rate was calculated considering the initial development until the beginning of flowering. Plant height was superior to the potential of -10 to 60 kPa. It was found that the relative growth rate was significant only for the complete cycle, highlighting the matric potential of -10 kPa with the highest growth rate.

Key words: Calendula officinalis L., Irrigation management, Matric potential.

 

1 Doutoranda em Engenharia de Sistemas Agrícolas LEB/INCT-ESALQ. CEP13418-900. Fone (18) 3229-3213. Piracicaba – São Paulo. E-mail: catarinyaleman@usp.br
2 Prof. Dr. Depto de Engenharia de Biossistemas, LEB/NCT-ESALQ, Piracicaba-SP.

 

Literatura Citada

AZEVEDO, J.A.; SILVA, E.M. Tensiômetro: dispositivo prático para controle de irrigação. Planaltina: Embrapa Cerrados. 1999. 9 p.

BETTAIEB, I.; ZAKHAMA, N.; AIDI WANNES, W.; KCHOUK, M.E.; MARZOUK, B. Water deficit effects on Salvia officinalis fatty acids and essential oil composition. Scientia Horticulturae, Oxford, n. 120, p. 271-275, 2009.

BILIBIO, C.; CARVALHO, J.A.; MARTINS, M.; REZENDE, F.C.; FREITAS, E.A.; GOMES, L.A.A. Desenvolvimento vegetativo e produtivo da berinjela submetida a diferentes tensões de água no solo. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 14, n. 7, p. 730-735, 2010. http://dx.doi.org/10.1590/s1415-43662010000700007

DOORENBOS, J.; KASSAN, A.H. Efeito da água no rendimento das culturas. 2. ed. Campina Grande: UFPB, 2000. 221 p.

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília: Embrapa Produção da Informação, 2013. 412 p.

LIBARDI, P.L. Métodos de medida da condutividade hidráulica dos solos. In.Dinâmica do solo. Piracicaba: EDUSP, 2004. cap. 9, p. 225-253.

MARINHO, L.B.; RODRIGUES, J.J.V.; SOARES, J.M.; SANTOS, I.S.; BRANDÃO, E.O.; LIMA FILHO, J.M.P. Potencial de água no solo e na folha da videira “Sugraone” sob déficit hídrico. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 15, n. 11, p. 1115-1122, 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-43662011001100002

NAGUIB, N.Y.M. Organic vs. chemical fertilization of medicinal plants: a concise review of researches. Advances in Environmental Biology, Madrid, v. 5, n. 2, p. 394-400, 2011.

PEDRONI, F.; SANCHEZ, M.; SANTOS, F.A.M. Fenologia da copaíba (Copaifera langsdorffii Desf. – Leguminosae, Caesalpinioideae) em uma floresta semidecídua no sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 22, n. 2, p. 183-194, 2002. http://dx.doi.org/10.1590/s0100-84042002000200007

RADFORD, P.J. Growth analysis formulae: their use and abuse. Crop Science, Madison, v. 7, p. 171-175, 1967. http://dx.doi.org/10.2135/cropsci1967.0011183X000700030001x

RAIJ, B. van; CANTARELLA, H.; QUAGGIO, J.A.; FURLANI, A.M.C. Recomendações de adubação e calagem para o Estado de São Paulo. 2. ed. Campinas: IAC, 1997. 285 p.

SCALON, S.P.Q.; MUSSURY, R.M.; EUZÉBIO, V.L.M.; KODAMA, F.M.; KISSMANN, C. Estresse hídrico e crescimento inicial de mudas de mutambo (Guazuma ulmifolia L.). Ciência Florestal, Santa Maria, v. 21, n. 4, p. 655-662, 2011.

SELMAR, D.; KLEINWĂCHTER, M. Influencing the product quality by deliberately applying drought stress during the cultivation medicinal plants. Industrial Crops and Products, Dakota, v. 42, p. 558-566, 2013.

SILVA, F.A.S. ASSISTAT versão 7.7 beta. Campina Grande: Universidade Federal de Campina Grande, Departamento de Engenharia Agrícola do CTRN, Assistência Estatística. Disponível em:<http://www.assistat.com>. Acesso em: 01 abr. 2014.

SILVA, M.A.A.; AZEVEDO, L.P.; SAAD, J.C.C.; MICHLES, R.N. Efeito de dois sistemas de manejo do solo nas propriedades físico-hídricas, desenvolvimento radicular e produtividade do milho irrigado. Irriga, Botucatu, v. 18, n. 3, p. 486-495, 2013.

SILVA, S.R.S.; DEMUNER, A.J.; BARBOSA, L.C.A.; CASALI, V.W.D.; NASCIMENTO, E.A.; PINHEIRO, A.L. Efeito do estresse hídrico sobre características de crescimento e a produção de óleo essencial de Melaleuca alternifolia Cheel. Acta Scientiarum Agronomy, Maringá, v. 24, n. 5, p. 1363-1368, 2002.

SOARES, L.A.A.; BRITO, M.E.B.; ARAÚJO, T.T.; SÁ, F.V.S.; SILVA, E.C.B. Morfologia e qualidade pós-colheita do tomateiro sob estresse hídrico nas fases fenológicas. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, Pombal, v. 8, n. 1, p. 239-246, 2013.

SOARES, L.A.A.; SOUSA, J.R.M.; BRITO, M.E.B.; ANDRADE, E.M.G.; SÁ, F.V.S.; SILVA, E.C.B. Respostas fisiológicas do tomateiro na fase de floração sob estresse hídrico. Revista Agropecuária Científica no Semiárido, Campina Grande, v. 8, n. 1, p. 51-55, 2012.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia vegetal. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2013. 918 p.

VAN GENUCHTEN, M.T. A closed-form equation for predicting the hydraulic conductivity of unsaturated soils. Soil Science Society of America Journal, Madison, v. 44, p. 892–898, 1980.

VAZ, A.P.A. Série plantas medicinais e aromáticas. Embrapa. Disponível em: <http://www.cpap.embrapa.br> Acesso em: 25 fev. 2008.