Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Caracterização Morfométrica e Perfil Longitudinal para Locação de Barragens Subterrâneas1

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/iii.inovagri.2015-a326

 

downloadpdf

A. O. Lima2, N. da S. Dias3, J. F. Silva4, A. S. Medeiros5, J. E. A. Ferreira6 & F. P. Lima-Filho7

 

Resumo: Com o objetivo avaliar a utilização, as características morfométricas e o perfil longitudinal da bacia hidrográfica (características físicas), como uma ferramenta de planejamento no processo de locação de barragens subterrâneas, foi realizado um estudo na sub-bacia hidrográfica do rio das Cobras/RN, localizado no núcleo de desertificação do Seridó Potiguar. Para tanto, foram determinados os parâmetros morfométricos: coeficiente de compacidade (Kc); fator forma (F); densidade de drenagem (Dd); índice de circularidade (IC). Também foi realizado o perfil de equilíbrio, de forma a compreender a dinâmica de erosão e deposição na sub-bacia estudada. Os resultados demonstraram que a sub-bacia do rio das Cobras/RN possui forte caráter alongado e baixa densidade de drenagem, possuindo altas taxas de escoamento superficial para as áreas aluvionares. Já o estudo do perfil de equilíbrio indicou que o segmento 2 da sub-bacia (médio curso- 18 km), possui anomalia de primeira ordem, havendo tendência para a ocorrência de processos erosivos ao longo deste trecho. No segmento três (baixo curso- 10 km), também possui anomalia de primeira ordem, porém com tendência de existir agradação de material sedimentar (pacote sedimentar maior), advindo do trecho 2. Desta forma, é possível sugeri que no trecho dois se construa barragens subterrâneas submersíveis e nas três barragens subterrâneas submersas. Porém, estes parâmetros físicos não devem ser analisados isoladamente, mas de forma integrada, com outros aspectos como: qualidade da água, integração das águas superficiais e subterrâneas, área de recarga e demanda social, ou produtiva existente na sub-bacia.

Palavras-chave: Bacia hidrográfica, morfometria, barragem subterrânea.

 

Abstract: In order to evaluate the use, the morphometric characteristics and the longitudinal profile of the river basin (physical characteristics), as a planning tool in the rental process of underground dams, a study was conducted in the sub-basin of the Rio das Cobras / RN. To This end, we determined the morphometric parameters: compactness coefficient (Kc); form factor (F); Drainage density (DD); circularity index (CI). It was also performed the equilibrium profile, in order to understand the dynamics of erosion and deposition in the studied sub-basin. The results showed that the sub-basin of the Rio das Cobras / RN, located in the nucleus of desertification Serido Potiguar. Has a strong elongated character and low drainage density, having high rates of runoff to the alluvial areas. But the equilibrium profile of the study indicated that the segment 2 of the sub-basin (average course- 18 km), has abnormality of the first order with a tendency for the occurrence of erosion along this stretch. In segment three (low course- 10 km), also has abnormality of the first order, but with a tendency to exist agradation of sedimentary material (larger sedimentary package) of section 2 arising. Thus, it is possible to suggest that the stretch two submersible is built underground dams and three submerged underground dams. However, these physical parameters should not be analyzed in isolation but in an integrated manner with other aspects such as water quality, integration of surface and groundwater recharge area and social demand, or existing production in the sub-basin.

Key words: Hydrographic basin, morphometry, underground dam.

 

1 Trabalho executado com recursos do CNPq.
2 Doutor , Diretor da EMATER, Natal RN. alexandrelimarn@gmail.com
3 Professor, DCAT/UFERSA, Mossoró RN. nildo@ufersa.edu.br
4 Mestranda, PPGMSA/UFERSA, Mossoró RN. jucirema.ferreira@gmail.com
5 Doutorando PPGG/UFRN, Natal RN. anderson2080@yahoo.com.br
6 Mestrando, PPGG/UFRN, Natal RN. j.ferreira@yahoo.com.br
7 Professor Associado do Departamento de Geologia da UFRN. pinheiro@geologia.ufrn.br.

 

Literatura Citada

Cardoso, C. A; H. Dias, C. T; Soares, C. P. B; Martins, S. V. Caracterização morfométrica da bacia hidrográfica do rio Debossan, Nova Friburgo, RJ. Revista Árvore, Viçosa-MG, V.30, n.2. p.241-248, 2006.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. 1979. Serviço Nacional de Levantamento e Conservação de Solos (Rio de Janeiro, RJ). In: Reunião técnica de levantamento de solos, Rio de Janeiro. Súmula, Rio de Janeiro, (EMBRAPA-SNLCS. Micelânea, 1), 1979, 83p.

Guedes, I.C.; Santoni, G.C.; Etchebehere, M.L.C.; Stevaux, J.C.; Morales, N.; Saad, A.R. 2006. Análise de perfis longitudinais de drenagens da bacia do rio Santo Anastácio (SP) para detecção de possíveis deformações neotectônicas. Revista Universidade Guarulhos, Geociências, V. 5, n. 1. p. 75-102.

Etchebehere, M. L. C. Terraços neo-quaternários no vale do rio do Peixe, planalto ocidental paulista: Implicações estratigráficas e tectônicas. Rio Claro, 2000. 190 p. Tese, (Doutorado em geociências) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, UNESP.

Hack, J.T. Stream-profile analysis and stream-gradient index. U.S. Geol. Survey, Jour. Research,1 (4): 421-429, 1973.

Horton, R. E. Erosional development of streams and their drainage basins: hidrophysical approach to quantitative morphology. Geol. Soc. America Bulletin, 56 (3), p. 275-370, 1945. http://dx.doi.org/10.1130/0016-7606(1945)56[275:EDOSAT]2.0.CO;2

Martinez, M. Aplicação de parâmetros morfométricos de drenagem na bacia do Rio Pirapó: o perfil longitudinal. Maringá, 2005. Dissertação ( Mestrado em Geografia) - UEMA, 96 pág.

Melo, O. A. G; Fujita, R. H; Santos, M. L. Análise do perfil longitudinal do rio Baiano – Assis Chateaubriand-PR a partir da aplicação do índice de gradiente (RDE). In: XIII Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada, 2009, Viçosa.

Melo, J. G; Batista, A. M. N; Galvão, L. S. 1989. Análise morfométrica e sua aplicação na implantação de barragens para formação de aquífero e solos no vale do rio encanto/RN. p. 413-425. Disponível em: https://www.google.com.br. Acesso em 14 de maio, 2015.

Scherer, C. M. Ambintes Fluviais. In: Silva, A. J. C. L. P; Aragão, M. A. N. F; Magalhães, A. J. C (eds). Ambientes de sedimentação silisiclástica no Brasil. São Paulo: Beca – BAAL, 2008. p. 102-128.

Seeber, L. & Gornitz, V. 1983. River profiles along the Himalayanarc as indicators of active tectonics. Tectonophysics, V. 92, 1983. p. 335-367. http://dx.doi.org/10.1016/0040-1951(83)90201-9

Strahler, A. N. Quantitative analysis of watershed geomorphology. Transaction of American Geophysical Unio. 1957. p. 913-920.

Tonello, K. C.; Dias, H. C. T; Souza, A. L; Ribeiro, C. A. A. S; Leite, F. P. Morfometria da bacia hidrográfica da Cachoeira Das Pombas, Guanhães – MG. Revista Árvore, Viçosa. V.30, n.5, p.849-857, 2006.

Villela, S.M & Mattos, A. Hidrologia aplicada. São Paulo: Mc Graw-Hill do Brasil, 1975. 245 p.