Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Teste de Emergência de Plantulas de Melancia Irrigada sob Diferentes Níveis de Salinidade de Água de Irrigação

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/iii.inovagri.2015-a354

 

downloadpdf

V. D. Silva1, T. S. D. Ferreira2, C. K. S. Oliveira2, E. C. S. Cavalcante2, D. N. Dias3 & C. A. Aragão4

 

Resumo: A água é osmoticamente retida em solução salina, à torna cada vez menos disponível para as plantas. O presente trabalho avaliou o vigor de sementes de melancia cultivar ‘Crimson Sweet’, em diferentes níveis de salinidade na água de irrigação. O experimento foi desenvolvido no campo experimental da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), em Juazeiro - BA. O delineamento foi em blocos casualizados, sendo os tratamentos (0,9; 2,4; 3,4; 5,2; e 6,5 dS m-1), obtidos pela diluição de água de poço (T5) mais o controle (água do rio São Francisco) e cinco repetições, com 30 sementes cada. A irrigação foi feita com uma lâmina média de 5 ml/dia. Foi analisado: emergência; índice de velocidade de emergência; matéria fresca e seca de parte aérea e raiz; comprimento da parte aérea e raiz; diâmetro; comprimento e largura do cotilédone; comprimento da 1º folha verdadeira; condutividade elétrica do extrato saturado. As variáveis foram analisadas até 15 dias após a semeadura (DAS). A melancia comportou-se como tolerante aos sais presentes na água de irrigação, no entanto, mesmo influenciando negativamente a emergência, com o crescimento os sais foram minimizados, mostrando maior tolerância da cultura à salinidade nesta fase.

Palavras-chave: 'Crimson Sweet', estresse salino, tolerância.

 

Abstract: Water is osmoticaly retained in saline solutions, consequently water will be less available to plants. The following experiment aimed to evaluate the vigour of watermelon seedlings variety “Crimson Sweet” in different levels of saline water in the irrigation water. The research was conducted in the experimental area of the Bahia State University (UNEB), in Juazeiro-BA/Brazil. Randomized blocs were the experimental design in which the factors were (0,9; 2,4; 3,4; 5,2; e 6,5 dS m-1), obtained by the dilution of well water (T5) plus the control (São Francisco River water) and five replicates, with 30 seeds in each experimental unit. Variables evaluated were: emergence; emergence speed index; fresh weight; dry matter weight of aerial and root system; diameter; cotyledon length and width; first actual leave length; electric conductivity of the saturated extratum. All variables were evaluated 15 days after planting (DAP). The watermelon seedlings behaved quite tolerant to salts present in irrigation water, even when influenced negatively the emergence, it was possible to noticed that growth of salt damages were reduced, showing higher tolerance to salinity during this development stage.

Key words: “Crimson Sweet”, saline stress, tolerance

 

1 Mestranda em Horticultura Irrigada - UNEB, Campus III, Caixa Postal 01. CEP 48900-000, Juazeiro, BA. Fone: (74) 3611 7363 ramal 232. E-mail: vanderleia.dias@hotmail.com.
2 Mestranda em Horticultura Irrigada - UNEB, Campus III - Juazeiro, BA.
3 Mestranda em Produção Vegetal - UNIVASF, Campus Ciências Agrárias, Petrolina, PE.
4 Professor Doutor, Mestrado em Horticultura Irrigada - UNEB, Campus III - Juazeiro/BA.

 

Literatura Citada

AYERS, R. S.; WESTCOT, D. W. A qualidade da água na agricultura. Tradução de H. R. GHEY, J. F. de MEDEIROS, F. A. V. DAMASCENO. Campina Grande: UFPB, 1999, 153 p. (FAO. Estudos de Irrigação e Drenagem, 29).

DOORENBOS, J.; KASSAM, A. H. Efeito da água no rendimento das culturas. Tradução de GHEYI, H. R. et al. Campina Grande: UFPB, 1994. 306 p. (FAO. Estudos de irrigação e Drenagem, 33).

FAO. Water in agriculture: opportunity untapped. Rome: Food and Agriculture Organization of the United Nations, 2006.

FREIRE, A. L. de O. et al. Crescimento e nutrição mineral do nim (Azadirachta indica A. 326 Juss.) e cinamomo (Melia azedarach Linn.) submetidos à salinidade. Revista Ciência Florestal, Santa Maria, v.20, n. 2, p. 207-215. 2010.

GUTIERREZ, A. S. D., Centro de Qualidade em Horticultura da CEAGESP. A Melancia e as Estatísticas Agrícolas Novidades no Mercado - Frutas e Hortaliças Frescas. Novembro de 2013. Disponível em: <http://hortibrasil.org.br/jnw/index.php?option=com_content&view=article&id=1152:a-melancia-e-as-estatisticas-agricolas&catid=64:frutas-e-hortalicas-frescas&Itemid=82> Acesso em: 20 de fevereiro de 2015.

HASEGAWA, P. M. et al. Plant cellular and molecular responses to high salinity. Annual Review Plant Molecular Biology, Palo Alto, v. 51, p. 463– 499, 2000. http://dx.doi.org/10.1146/annurev.arplant.51.1.463

LACERDA, C. F.; COSTA, R. N. T.; BEZERRA, M. A.; GHEYI, H. R. Estratégias de manejo para uso de água salina na agricultura. In: GHEYI, H. R.; DIAS, N. S.; LACERDA, C. F. Manejo da salinidade na agricultura: Estudos básicos e aplicados. Fortaleza, INCT Sal, p. 303-317, 2010.

LIMA JUNIOR, J.A.; SILVA, A.L.P.; Estudo do Processo de Salinização para Indicar Medidas de Prevenção de Solos Salinos. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.6, N.11; 2010.

MAGUIRE, J. D.; Speeds of germination-aid selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science. Madison, v. 2, p. 176-177. 1962. http://dx.doi.org/10.2135/cropsci1962.0011183X000200020033x

MARÇAL, J. A Crescimento inicial do pinhão-manso (Jatropha curcas L.) sob irrigação com águas salinas em solo com matéria orgânica. 2011. 80p. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal da Paraíba. Areia.

MARTINS, D. C.; Desenvolvimento inicial de cultivares de melancia sob estresse salino. Revista ACSA: AGROPECUÁRIA CIENTÍFICA NO SEMIÁRIDO – ISSN 1808-6845. v. 9, n. 3, p. 62-68, jul – set, 2013.

PEREIRA, F. H. F. Professor da UFERSA tem estudo para reduzir salinidade. Tribuna do Norte, Natal, 7 de mar. 2008.

QUEIROGA, R. C. F. et al.Germinação e crescimento inicial de híbridos de meloeiro em função da salinidade. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 24, n.3, p 315-319. 2006. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-05362006000300009

RIBEIRO, A. A., SALES, M. A. L. ELOI, W. M., MOREIRA, F. J. C., SALES, F. A. L.; Emergência e Crescimento Inicial da Melancia sob Estresse Salino. BioEng, Tupã, v.6 n.1, p. 30-38, Jan/Abr., 2012.

SILVA, F. A. S.; ASSISTAT - Assistência Estatística, versão 7.7. Universidade Federal de Campina Grande - UFCG - Campus de Campina Grande-PB, 2009.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia Vegetal. 5°ed., Porto Alegre, 918 p. 2013.

VIANA, S.B.A.; FERNANDES, P.D.; GHEYI, H.R.; SOARES, F.A.L.; CARNEIRO, P.T. Índices morfofisiológicos e de produção de alface sob estresse salino. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.8, p.23-30, 2004. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-43662004000100004