Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

P1MC: Uma Alternativa de Convivência com as Secas no Semi-Árido Brasileiro


 

downloadpdf

Thiago P. de Sousa1 & Eduardo P. de Sousa Neto2

 

Resumo: A convivência com o Semi-árido Brasileiro considera que os recursos naturais, em especial, a água, fazem-se como sustento material das populações rurais, e também como base imaterial da cultura e dos valores identitários associados aos territórios de vida e trabalho dos sertanejos. Este trabalho mostra o Programa Um Milhão de Cisternas Rurais, coordenado pela Articulação do Semi-Árido, como um Programa de base articuladora e mobilizadora, que promove novas cotidianeidades e territorialidades, no que tange os aspectos do desenvolvimento sustentável através de diversas implicações como o uso racional da água e a mobilização social.

Palavras-chave: convivência, uso social da água, territorialidade

 

1 Graduando em Ciências Agrárias, Pesquisador do CCHA/DAE/Campus IV da Universidade Estadual da Paraíba, Catolé do Rocha-PB. 58.884-000. Fone: (084) 9955-6258, e-mail: tiagojd2009@hotmail.com
2 Graduando em Agronomia, Pesquisador do CCTA, Universidade Federal de Campina Grande, Campus Pombal-PB. 58.840-000. E-mail: gogaeduardo@hotmail.com

 

Literatura Citada

ASABRASIL. ARTICULAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO. Construindo futuro e cidadania no semiárido. Publicação comemorativa 10 anos ASA. Recife (PE): ASABRASIL, 2010.

AB’SABER, Aziz.. Dossiê nordeste seco nordeste sertanejo: a região semiárida mais povoada do mundo. Revista Eletrônica Estudos Avançados. Vol.13 no.36, São Paulo. mai/ago. 1999.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz. A invenção do nordeste e outras artes. Recife/PE: FNJ, Ed. Massangana; São Paulo: Cortez, 1999.

BONNEMAISON, Joel. Viagem em torno do território. In: CORREA R. ROSENDHAL, Z. (Org.). Geografia cultural. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2002.

CARVALHO, Luzineide Dourado. Ressignificação e Reapropriação Social da Natureza: Práticas e Programas de ‘Convivência com o Semiárido’ no Território de Juazeiro (Bahia). 2010. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Federal de Sergipe. Núcleo de Pós-Graduação em Geografia/NPGEO. São Cristóvão, Sergipe, 2010.