Carta Bioclimática para Localidade de Joinville/SC

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/978-85-89478-40-3-a009

 

downloadpdf

Paula R. M. Grünberg1 & Sérgio F. Tavares2

 

Resumo: Para melhor definir as estratégias bioclimáticas a serem aplicadas nas edificações de Joinville, estado de Santa Catarina, este artigo expõe a Carta Bioclimática da localidade. O desenvolvimento da mesma seguiu os parâmetros definidos na ABNT/NBR 15220/03 - Desempenho térmico de edificações, Parte 3: Zoneamento bioclimático brasileiro e diretrizes construtivas para habitações unifamiliares de interesse social. Os resultados da plotagem dos dados climáticos, de 2001 a 2011, no diagrama psicométrico demonstraram um período anual de conforto térmico de 40,47%. A utilização de alta inércia térmica/aquecimento solar passivo e ventilação natural destacaram-se entre as estratégias requeridas para a localidade, com 17,35% e 16,24% respectivamente. Pôde-se verificar neste estudo que o desempenho térmico das edificações em Joinville é mais dependente das soluções de projeto do que do uso de condicionamento mecânico.

Palavras-chave: carta bioclimática, Joinville, conforto térmico, desempenho térmico

 

Abstract: This paper shows the Bioclimatic Chart for Joinville, Santa Catarina state, to better define the bioclimatic strategies to be applied in this locality. The Chart was built considering the parameters of ABNT/NBR 15220/03 – Thermal performance of buildings, Part 3: Brazilian bioclimatic zoning and building guidelines to social family housing. The results of the plotting of data in the diagram, from 2001 to 2011, showed an annual period of 40,47% for thermal comfort. The strategies of thermal inertia/solar heating and ventilation were the most expressive required for the locality, with 17,35% and 16,24% respectively. Thus, this research concluded that the design solution is more important than the provision of mechanical conditioners for the buildings in Joinville.

Key words: bioclimatic chart, Joinville, thermal comfort, thermal performance

 

1 Mestranda do PPGECC / UFPR. E-mail: arqpaula@yahoo.com.br
2 Professor do PPGECC / UFPR. E-mail: sergioftavares@gmail.com

 

Literatura Citada

AMERICAN SOCIETY OF HEATING, REFRIGERATING AND AIR-CONDITIONG ENGINEERS. Standard 55: Thermal Environmental Conditions for Human Occupancy. Atlanta, 2003.

BRASIL. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais. Boletim regional, urbano e ambiental. n.1. Brasília: Ipea. Dirur, 2008. Disponível em <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/boletim_regional/111125_boletimregional6.pdf> Acesso em: 1º de maio de 2012.

EDWARDS, B. O guia básico para sustentabilidade. Barcelona: Gustavo Gili, 2008.

GIVONI, B. Comfort, climate analysis and building design guideline. Energy and Buildings, v. 18, p. 11-23, 1992. doi

GOULART, S. V. G. Dados climáticos para avaliação de desempenho térmico de edificações em Florianópolis. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1993.

GOULART, S. V. G., BARBOSA, M.J., PIETROBON C. E., BOGO A., PITTA T. Bioclimatologia aplicada ao projeto de edificações visando o conforto térmico. Relatório interno no. 02/94, NPC: UFSC, 1994, 80 p.

HACKENBERG, A. M. O clima urbano numa cidade estuaria de fundo de baía: Joinville/SC. Dissertação (Mestrado em Arquitetura) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1992.

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET), 2012. Climatologia – Normais Climatológicas. Disponível em <http://www.inmet.gov.br/html/clima.php> Acesso em 25de abril de 2012.

NOGUEIRA, M. C. J. A., DURANTE, L. C., NOGUEIRA, J. S. Conforto térmico na escola pública em Cuiabá-MT: estudo de caso. Revista eletrônica Mestrado em Educação Ambiental, v. 14, jan./jun. 2005. Disponível em < http://www.remea.furg.br/edicoes/vol14/art04.pdf> Acesso em: 1º de maio de 2012.

OLGYAY, V. Arquitectura y clima: manual de diseño bioclimático para arquitectos e urbanistas. Barcelona: Gustavo Gili, 2006.

PEÑA, C. C, GHISI, E., PEREIRA, C. D. Comparação entre necessidade e disponibilidade de vento e radiação solar para fins de análise bioclimática de edificações em Florianópolis. Revista Ambiente Construído, v.8, n.4, p. 87-101, out./dez. 2008.

RORIZ, M. Segunda proposta de revisão do zoneamento bioclimático do Brasil. ANTAC – Associação Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído – Grupo de trabalho sobre Conforto e Eficiência Energética de Edificações. São Carlos, SP: 2012. Disponível em < http://www.roriz.eng.br/zoneamento_10.html> Acesso em 18 de fevereiro de 2013.

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE (UNIVILLE), 2012. Dados meteorológicos. Disponível em < http://www.univille.edu.br/pt/servicos/estacaometeorologica/dadosmeteorologicos/index/49824> Acesso em: 27 de abril de 2012.