Níveis de Iluminância em Escritório: Um Estudo de Caso em Pelotas/RS

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/978-85-89478-40-3-a093

 

downloadpdf

Patrícia P. de Farias1 & Maria T. Pouey2

 

Resumo: Este trabalho teve como objetivo verificar os níveis de iluminância, devido à luz natural, através de um estudo de caso de um escritório localizado na cidade de Pelotas, RS. Tendo em vista que a utilização da luz natural é altamente recomendada como uma das maneiras de economizar energia e também a percepção temporal que produz no usuário do espaço. Para tanto, foram realizadas medições de iluminância ao longo de um dia de verão. Os resultados obtidos mostraram que as mesas de trabalho próximas às aberturas têm elevados níveis de iluminância, sendo indicada a existência de cortinas para controle destes níveis a fim de evitar ofuscamento no ambiente. As mesas mais afastadas das aberturas registram baixos níveis de iluminância e pouca variação ao longo do dia, inclusive abaixo dos valores incidados pelas normas brasileiras, sendo indicado um reforço com iluminação artificial.

Palavras-chave: conforto visual, iluminância, escritórios, eficiência energética

 

Abstract: The objective of this work was to assess the illuminace levels, cause by natural light, by means of a case study of an office located in Pelotas, RS. The use of natural light is highly recommended to save electric energy and to provide time perception of people using the office. Therefore, measurements of illuminance levels were performed during a summer day. Results show that work desks near to windows have elevated illuminance levels, so that the use of curtains is indicated in order to avoid glaring in such location. Desks far away from windows present low illuminance levels with low variance of these levels during the day, even under the values indicated by Brazilian standards. In such cases, artificial illumination is indicated.

Key words: visualcomfort, illuminance, office, energy efficiency

 

1 Estudante de engenharia civil na Universidade Federal de Pelotas. patricia.priebe@gmail.com
2 Dra. em engenharia civil, Prof. da Universidade Federal de Pelotas. mtpouey@brturbo.com.br