Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

Desenvolvimento Inicial de Cucurbitáceas sob Estresse Salino

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/ii.inovagri.2014-a737

 

downloadpdf

F. M. S. Bezerra1, D. C. Martins1, L. P. Gomes1, R. A. A. Guedes1, M. L. de Souza Neta1 & F. de A. de Oliveira2

Resumo: Na região Nordeste do Brasil concentram-se os maiores produtores melão, onde se encontra com um fator limitante de água. Sendo necessária a utilização de fontes alternativas de água de qualidade inferior. Devido a essa problemática, pesquisas vêm sendo desenvolvidas na busca de tecnologias que permita o uso dessas águas e se obtenha elevada produtividade e seja economicamente viável. A Enxertia pode representa uma ferramenta interessante para evitar ou reduzir as perdas de rendimento causadas por estresse salino. O objetivo do presente trabalho foi avaliar o efeito da salinidade da água de irrigação sobre o desenvolvimento inicial de quatro espécies de cucurbitáceas, como teste preliminar para serem utilizadas como porta enxerto para a cultura do meloeiro. O delineamento estatístico utilizado foi o inteiramente casualizado, em esquema fatorial 5 x 2, com 3 repetições, sendo os tratamentos formados pela combinação cinco espécies (abóbora (jacarezinho "casca grossa”), bucha vegetal (acesso), melancia (Crimson sweet), melão (Gaúcho casca-de-carvalho) e pepino(Pepino caipira)), com dois níveis de salinidade da água de irrigação (0,5 e 3,5 dS m-1). As plantas foram cultivadas em vasos e coletadas aos 35 dias após a semeadura, e avaliadas as seguintes variáveis: número de folhas (NF), área foliar (AF) e massa seca parte aérea (MSPA). Determinou-se a perda relativa em relação as plantas irrigadas com água de menor salinidade para definição das espécies mais sensíveis e mais tolerantes. Após a análise dos dados verificou-se que a melancia e o pepino destacaram-se como mais sensível e mais tolerante à salinidade, respectivamente.

Palavras-chave: salinidade, qualidade da água, enxertia

 

1 Acadêmico em Engenharia Agronômica, UFERSA, Mossoró, Rio Grande do Norte. E-mail: mardonnestec@hotmail.com; daniele_marthins@hotmail.com; lucas_pereiragomes@hotmail.com; rodolfoartur@yahoo.com.br; lilia.agronomia@hotmail.com
2 Prof. Doutor. UFERSA, Mossoró, Rio Grande do Norte. E-mail: thikaoamigao@ufersa.edu.br

 

Literatura Citada

CARMO FILHO, F.; OLIVEIRA, O. F. Mossoró: um município do semi-árido nordestino, caracterização climática e aspecto florístico. Mossoró: ESAM, 1995. 62p. (Coleção Mossoroense, série B).

COSTA, A. R. F. C. et al. Produção de cultivares de melancia submetidas a níveis de salinidade da água de irrigação e doses de nitrogênio. Revista Brasileira de Agricultura Irrigada, v. 4, n. 4, p. 242-248, 2010. http://dx.doi.org/10.7127/rbai.v4n400015

DIAS, N. S.; LIRA, R. B.; BRITO, B. L.; SOUSA NETO, O. N.; FERREIRA NETO, M.; OLIVEIRA, A. M. Produção de melão rendilhado em sistema hidropônico com rejeito da dessalinização de água em solução nutritiva. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.14, p.755-761, 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-43662010000700011

FERREIRA, D. F. SISVAR: um programa para análises estatísticas e ensino de estatística. Revista Symposium, v.6, p.36-41, 2008.

FERREIRA, M. A. J.; MELO, A. M. T.; CARMO, C. A. S.; SILVA, D. J. H.; LOPES, J. F.; QUEIROZ, M. A.; MOURA, M. C. C. L.; DIAS, R. C. S.; BARBIERI, R. L.; BARROZO, L. V.; GONÇALVES, E. M.; NEGRINI, A. C. A. Mapeamento da distribuição geográfica e conservação dos parentes silvestres e variedades crioulas de Cucurbita. In: Parentes Silvestres das espécies de plantas cultivadas. Secretaria de Biodiversidade e Florestas. Brasília. 2006. 44p.

FLOWERS, T. J. Improving crop salt tolerance. Journal of Experimental Botany, v.55, p.307-319, 2004. http://dx.doi.org/10.1093/jxb/erh003

FLOWERS, T. J.; FLOWERS, S. A. Why does salinity pose such a difficult problem for plant breeders? Agricultural Water Management, v.78, p.15-24, 2005. http://dx.doi.org/10.1016/j.agwat.2005.04.015

FOLEGATTI, M. V.; BLANCO, F. F. Desenvolvimento vegetativo do pepino enxertado irrigado com água salina. Scientia Agrícola, v.57, p.451-457, 2000. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-90162000000300013

GOTO, R.; SANTOS, H. S.; CAÑIZARES, K. A. L. Enxertia em hortaliças. São Paulo: Editora UNESP. p.19. 2003

GURGEL, M. T.; GHEYI, H. R.; OLIVEIRA, F. H. T. Acúmulo de matéria seca e nutrientes em meloeiro produzido sob estresse salino e doses de potássio. Revista Ciência Agronômica, v. 41, n. 1, p. 18-28, 2010.

HUANG, Y.; TANG, R.; CAO, Q.; BIE, Z. Improving the fruit yield and quality of cucumber by grafting onto the salt tolerant rootstock under NaCl stress. Scientia Horticulturae, v.122, n.1, p.26-31, 2009. http://dx.doi.org/10.1016/j.scienta.2009.04.004

ITO, L. A.; CHARLO, H. C. O.; CASTOLDI, R.; BRAZ, L. T.; CAMARGO, M. Seleção de porta-enxertos resistentes ao cancro da haste e seus efeitos na produtividade de melão 'Bônus nº 2'. Revista Brasileira de Fruticultura, v.31, n.1, p.262-267, 2009. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452009000100037

MARTINEZ-RODRIGUEZ, M. M.;ESTÃN, M. T.; MOYANO, E.; GARCIA-ABELLAN, J. O.; FLORES, F. B.; CAMPOS, J. F.; AL-AZZAWI, M. J.; BOLARIN, M. C. The effectiveness of grafting to improve salt tolerance in tomato when an ‘excluder’ genotype is used as scion. Environmental and Experimental Botany, v. 63, n. p. 392-401, 2008.

MEDEIROS, J. F.; DIAS, N. S.; BARROS, A. D. Manejo da irrigação e tolerância do meloeiro a salinidade da água de irrigação. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v. 3, n. 3, p. 242-247, 2008. http://dx.doi.org/10.5039/agraria.v3i3a264

MITTOVA, V.; TAL, M.; VOLOKITA, M.; GUY, M. Up-regulation of the leaf mitochondrial and peroxisomal antioxidative systems in response to salt-induced oxidative stress in the wild salt-tolerant tomato species Lycopersicon pennellii. Plant, Cell and Environment, v.26, n.6, p.845-856, 2003. http://dx.doi.org/10.1046/j.1365-3040.2003.01016.x

MUNNS, R. Genes and salt tolerance: Bring them together. New Phytologist, v.143, p.645-663, 2005. http://dx.doi.org/10.1111/j.1469-8137.2005.01487.x

PARIDA, A. K.; DAS, A. B. Salt tolerance and salinity effects on plants: A review. Ecotoxicology and Environmental Safety, v.60, p.324-349, 2005 http://dx.doi.org/10.1016/j.ecoenv.2004.06.010

RIZZO, A. A. N.; CHAVES, F. C. M.; LAURA, V. A.; GOTO, R. Avaliação de métodos de enxertia e porta-enxertos para melão rendilhado. Horticultura Brasileira, v. 22, n.4, p.808-810, 2004. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-05362004000400030

TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia vegetal. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. 719p.

TEPPNER H. Notes on Lagenaria and Cucurbita (Cucurbitaceae). Phyton, v.44, p.245- 308, 2004.

TESTER, M., DAVENPORT, R. Na+ tolerance and Na+ transport in higher plants. Annals of Botany, v.91, p.503-527, 2003. http://dx.doi.org/10.1093/aob/mcg058