Caracterização ecológica da Anadenanthera peregrina (L.)  Speg. em uma área de transição cerrado floresta, Macapá,  AP

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/VIII.SimposFloresta.2014.193-686-1

 

downloadpdf

Fernanda G. Galvão1, Wegliane C. da S. Aparício1, Rocilda C. Gama1 & Fabiana Estigarribia1

 

Resumo: A família Fabaceae é a terceira maior família botânica existente com cerca de 19.325 espécies. No Brasil ocorrem cerca de 200 gêneros e 1.500 espécies. A Anadenanthera peregrina (L.) Speg. conhecida popularmente como fava angico, angico vermelho, pertence a família Fabaceae e subfamília Mimosoideae. A espécie apresenta o fruto tipo folículo (vagem com uma única fenda longitudinal) achatado e deiscente, contendo sementes circulares, achatadas sem asas, brilhantes e de coloração escura. O objetivo do trabalho é caracterizar a dispersão, grupo ecológico e distribuição espacial da espécie A. peregrina. O estudo foi desenvolvido em uma área com quatro fragmentos florestais no qual juntos possuem em torno de 9,8 ha, pertencente à área da Universidade Federal do Amapá, próximo à rodovia Juscelino Kubitschek, km 02, na cidade de Macapá. De posse dos dados dendrométricos a espécie foi caracterizada quanto sua distribuição espacial, grupo ecológico e síndrome de dispersão. No levantamento foram encontrados 98 indivíduos de Anadenanthera peregrina. Foi observado em campo que a espécie apresentou um comportamento secundário inicial. Sua dispersão é barocórica e índice de distribuição agregado.

Palavras-chave: distribuição espacial, sucessão, síndrome de dispersão

 

1 Universidade Federal do Amapá (fernandagalvao95@gmail.com; wellcampelo@yahoo.com.br; roci.gama29@gmail.com; fabyestigarribia@gmail.com)

 

Literatura Citada

BUDOWSKI, G. Distribution of tropical American rain forest species, in the light of successional processes. Turrialba, v. 15, n.1, p.40 - 42, 1965.

CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica; Colombo: Embrapa Florestas 2003. v. 1, 1039 p. (Coleção espécies arbóreas brasileiras, v. 1).

DURIGAN, G. et al. Sementes e mudas de árvores tropicais. São Paulo: Instituto Florestal, 1997. 65p.

FERRETTI, A. R. et al. Classificação das espécies arbóreas em grupos ecológicos para revegetação com nativas no Estado de São Paulo. Florestar Estatístico, São Paulo-SP, v.3, n.7, p. 73-77, 1995.

KAGEYAMA, P.Y.; VIANA, V. M. Tecnologia de sementes e grupos ecológicos de espécies arbóreas tropicais. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO SOBRE TECNOLOGIA DE SEMENTES FLORESTAIS, 2., 1989, Atibaia. Anais... São Paulo: Instituto Florestal, 1991. p. 197-215.

KREBS, C.J. Ecological methodology. California; Addison Wesley Longman, 1999. 371p.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 1992. v.1, 368p.

SOUZA, V.C., LORENZI, H. Botânica sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de Angiospermas da flora brasileira, baseado em APG II. 1.ed., Nova Odessa: Plantarum. 2005. 640p.. Instituto

THE ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP - APG III. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, v. 161, n. 2, p. 105-121, 2009. doi

ZAR, J. H. Biostatistical analysis, 4th ed. Upper Saddle River: Prentice Hall, 1999. 662p.