Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

Complementaridade ecológica: a diversidade alfa e beta na  Floresta Atlântica pernambucana

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/VIII.SimposFloresta.2014.238-650-1

 

downloadpdf

Marcos F. de Araújo-Silva1, Maria M. B. de Aguiar1, Mariana C. G. da Silva1, Ana L. P. Feliciano1 & Ana C. B. Lins e Silva1

 

Resumo: A Floresta Atlântica é um importante hotspot de biodiversidade. Conhecer esta diversidade é vital para o planejamento de estratégias de manejo. Neste trabalho, foram analisados 15 estudos, abrangendo 32 fragmentos de Floresta Atlântica em Pernambuco, cinco na Mata Sul e 10 na Mata Norte. A riqueza, diversidade alfa e diversidade beta, equitabilidade, frequência e abundância das espécies foram comparadas entre os fragmentos nas duas regiões. Constatou-se que os fragmentos da Mata Sul possuem maior diversidade alfa e equitabilidade, além disso, detém maior diversidade beta, evidenciando a importância de cada fragmento para o conjunto regional de espécie.

Palavras-chave: equitabilidade, fragmentos, mata norte, mata sul

 

1 Universidade Federal Rural de Pernambuco (araujomf@hotmail.com; mmbandeira@hotmail.com; mari.cgs@gmail.com; licia@dcfl.ufrpe.br; anacarol@db.ufrpe.br)

 

Literatura Citada

COMPANHIA PERNAMBUCANA DO MEIO AMBIENTE – CPRH. Diagnóstico socioambiental do litoral norte de Pernambuco. Recife: CPRH, 2003. 214p.

FELFILI, J.M.; FELFILI, M.C. Diversidade Alfa e Beta no cerrado sensu stricto da Chapada Pratinha, Brasil. Acta Botanica Brasilica, São Paulo-SP, v.15, n.2, p.243-254, 2001. doi

HARRISON, S., ROSS, S. J.; LAWTON, J. H. Beta diversity on geographic gradients in Britian. Journal of Animal Ecology, v.61, n.1, p.151-158, 1992. doi

LIMA, D.A. Estudos fitogeográficos de Pernambuco. Anais da Academia Pernambucana de Ciência Agronômica, Recife-PE, v. 4, p.243-274, 2007. Disponível em: <http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/34635/1/AAPCA-V4-Artigo-01.pdf>. Acesso em: 20 jul. 2014.

MAGURRAN, A.E. Medindo a diversidade biológica. Curitiba-PR: Editora da UFPR, 2013. 261p.

MYERS N. et al. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, v.403, p.853-858, 2000. doi

RIBEIRO, M.C. et al. Brazilian Atlantic forest: how much is left and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological Conservation, v.142, n.6, p.1141–1153, 2009. doi

SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE DE PERNAMBUCO – SECTMA. Atlas de bacias hidrográficas de Pernambuco. Recife: SECTMA, 2006. 103 p.

SILVA, M.C.; CASTELETI, C.H.M. Estado da biodiversidade da Mata Atlântica brasileira. In: GALINDO-LEAL, C.; CÂMARA, I.G. (Eds.). Mata Atlântica: biodiversidade, ameaças e perspectivas. Fundação SOS Mata Atlântica, São Paulo, 2005. p.43-59

VELOSO, H. P.; RANGEL FILHO, A. L. R.; LIMA, J. C. A Classificação da vegetação brasileira adaptada a um sistema universal. São Paulo: IBGE, 1991. 123p.