Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

Conteúdo de carbono e nitrogênio na biomassa de  regeneração natural de Pinus taeda L.

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/VIII.SimposFloresta.2014.64-567-1 

 

downloadpdf

Rafael Cubas1, Pierre A. Bellé1, Régis V. Longhi1, Emanuel A. Costa1 & Viviane Zaniz2

 

Resumo: O presente estudo teve como objetivo quantificar os teores de carbono (C) e nitrogênio (N) e analisar a relação C/N na biomassa nos diferentes compartimentos: acículas, galhos, fuste e raízes em regeneração natural de Pinus taeda L. Foram abatidas 100 árvores selecionadas aleatoriamente e separadas a campo em compartimentos. As amostras foram secas em estufa de circulação com ar forçado e após peso constante foi determinada à biomassa seca para posterior análise dos teores de C e N. Os galhos apresentaram os maiores teores de carbono (48,3%). As acículas apresentaram os maiores teores de nitrogênio (1,253%), diferindo significativamente pelo teste de Tukey em comparação aos demais compartimentos. Os resultados indicam que as acículas decompõem-se mais rápido e o fuste apresenta uma taxa de decomposição mais lenta, uma vez que possui maior relação C/N.

Palavras-chave: acículas, nutrientes, peso seco

 

1 Universidade Federal de Santa Maria (florestal.rafael@gmail.com; pierreandrebelle@gmail.com; regislonghi@yahoo.com.br; emanuelarnonicost@hotmail.com)
2 Universidade do Contestado (vivikaflorestal@hotmail.com)

 

Literatura Citada

BARICHELLO, L. B.; SCHUMACHER, M. V.; CALDEIRA, M. V. W. Conteúdo de micronutrientes na biomassa de Acacia mearnsii De Wild. Revista. Acadêmica, Curitiba-PR, v.3, n.2, p. 37-45, 2005. Disponível em: <http://www2.pucpr.br/reol/index.php/ACADEMICA?dd1=960&dd99=view>. Acesso em: 03 mai. 2014.

EPSTEIN, E.; BLOOM, A.J. Nutrição mineral de plantas: princípios e perspectivas. Londrina: Planta, 2006. 403p.

LARCHER, W. Ecofisiologia vegetal. São Carlos: Rima Artes e Textos, 2004. 531p.

LI, X. et al. Biomass and carbon storage in an age-sequence of Korean pine (Pinus koraiensis) plantation forests in Central Korea. Journal of Plant Biology, v.54, n.1, p.33-42, 2011. doi

SANQUETTA, C. R. Métodos de determinação de biomassa florestal. In: SANQUETTA, C. R. et al. (Eds.). As Florestas e o carbono. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2002. p.119-140.

SOARES, C. P. B.; OLIVEIRA, M. L. R. de. Equações para estimar a quantidade de carbono na parte aérea de árvores de eucalipto em Viçosa, Minas gerais. Revista Árvore, Viçosa-MG, v.26, n.5, p.533-539, 2002. doi

TEDESCO, M. J. et al. Análises de solo, plantas e outros materiais. 2.ed. Porto Alegre: UFRGS, 1995. 174p.

VIERA, M.; SCHUMACHER, M. V.; BONACINA, D. M. Biomassa e nutrientes removidos no primeiro desbaste de um povoamento de Pinus taeda L. em Cambará do Sul, RS. Revista Árvore, Viçosa-MG, v.35, n.3, p.371-379, 2011. doi

WATZLAWICK, L. F. et al. Aboveground stock of biomass and organic carbon in stands of Pinus taeda L. Cerne, Lavras-MG, v.19, n.3, p.509-515, 2013. doi

WATZLAWICK, L. F.; CALDEIRA, M. V. W. Estimativa de biomassa e carbono em povoamentos de Pinus taeda com diferentes idades. Biomassa e Energia, v.1, p.371-380, 2004. Disponível em: <http://www.renabio.org.br/07-B&E-v1-n4-2004-p371-380.pdf>. Acesso em: 08 jun.2014.