Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

Análise do grau de perturbação de Virola surinamensis (Rol.) Warb. a partir do quociente de De Liocourt

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/VIII.SimposFloresta.2014.237-615-1 

 

downloadpdf

Harliany de B. Matias1, Marcos A. Nicacio1, Raianny N. de Souza1, André T. de Jesus1, Fábio L. Jucá1, Jadson C. de Abreu1 & Perseu da S. Aparicio1

 

Resumo: O objetivo deste trabalho foi analisar a variação da estrutura diamétrica da Virola surinamensis (Rol.) Warb., presentes em uma floresta de várzea, bem como inferir sobre o grau de perturbação nas diferentes classes diamétricas da espécie na área por meio da constante q de De Liocourt.  O trabalho foi desenvolvido numa área de várzea localizada na Zona Sul do município de Macapá-AP, denominada “Mata da Gruta do Zerão. Foram locadas 30 parcelas de 10 x 15m de forma aleatória, onde todos os indivíduos com diâmetro a 1,30m do solo > 5cm foram mensurados. Para a estimativa do balanceamento da espécie foi empregado o quociente q de De Liocourt. Foram geradas 16 classes de diâmetro com uma amplitude de 4 cm. A espécie apresentou boa distribuição diamétrica. Porém foi observado que os valores de “q1” (2,14), “q3” (1,80), “q6” (2,00) e “q10” (3,00) apresentaram-se superiores em relação ao “q” médio (1,34), indicando perturbações na estrutura diamétrica das classes intermediárias e de maiores diâmetros. A espécie Virola surinamensis apresentou boa distribuição diamétrica, sugerindo ausência de problemas de regeneração e alta capacidade de resiliência dessa população no remanescente.

Palavras-chave: estrutura diamétrica, regeneração, várzea

 

1 Universidade do Estado do Amapá (harlianymatias@gmail.com; sdnicacio@gmail.com; raiannynayara@hotmail.com; andredejesus80@gmail.com; lacerdafabio@r7.com; jadsoncoelhoabreu@hotmail.com; perseu.aparicio@ueap.edu.br)

 

Literatura Citada

CAMPOS, J. C. C.; RIBEIRO, J. C.; COUTO, L. Emprego da distribuição diamétrica na determinação da intensidade de corte em matas naturais submetidas ao sistema de seleção. Revista Árvore, Viçosa-MG, v. 7, n. 2, p. 110-121, 1983.

DE LIOCOURT, F. De L’a menagement des sapinières. Bulletin trimestriel de Société Forestière de Franche-Comté et Belfort, juillet, p.396-409, 1898.

HIGUCHI, N. et al. Noções básicas sobre manejo florestal. Manaus: INPA, 2008. 270 p.

LIMA, R. B. et al. Emprego da distribuição diamétrica na predição do estado de perturbação em uma floresta de várzea, Macapá-AP. Enciclopédia Biosfera, Goiânia-GO, v.9, n.16, p.1016-1026, 2013. Disponível em: <http://www.conhecer.org.br/enciclop/2013a/agrarias/EMPREGO%20DA%20DISTRIBUICAO.pdf>. Acesso em: 21 jul. 2014.

MEYER, H. A. Structure, growth, and drain in balanced uneven-aged forests. Journal of Forestry, v. 50, n. 2, p. 85-92, 1952.

QUEIROZ, J. A. L.; MACHADO, S. A. Fitossociologia em Floresta de Várzea do Estuário Amazônico no Estado do Amapá. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo-PR, n.57, p. 5-20, 2008. <http://pfb.cnpf.embrapa.br/pfb/index.php/pfb/article/view/68/68>. Acesso em: 21 jul. 2014.