Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

Análise florística por meio do monitoramento em áreas de restauração ecológica

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/VIII.SimposFloresta.2014.259-609-1 

 

downloadpdf

Marília I. O. da Silva1, Carlos F. L. e S. Brandão2 & Luiz C. Marangon1

 

Resumo: Para analisar aspectos da restauração é feito o monitoramento, prática na qual, através de indicadores, demonstra a ocupação gradual e crescente da área por diversas espécies. Nessa perspectiva, o objetivo do trabalho foi avaliar, por meio do monitoramento, as espécies encontradas em duas áreas restauradas do Complexo Industrial Portuário de Suape, localizadas no município do Cabo de Santo Agostinho. Para isso, foram instaladas 32 parcelas de 25 x 4 m e feita a análise florística na qual as espécies foram identificadas, classificadas quanto a origem e ao grupo ecológico que pertencem. Ao todo foram localizados 415 indivíduos, distribuídos em 70 espécies, demonstrando uma considerável diversidade de espécies nas áreas em questão; mas, em paralelo foram encontrados espécimes exóticos, aqueles não indicados para restauração por não fazerem parte da flora regional. Foi possível observar ainda, que a maioria dos indivíduos encontrados é de início de sucessão, o que contribui para ocupação inicial da área degradada. Por fim, deve-se assegurar que sejam removidos e evitados o plantio de espécimes exóticos nas áreas, para que a restauração ecológica seja eficiente e cumpra seu papel de tornar a área novamente florestada.

Palavras-chave: florística, monitoramento, restauração

 

1 Universidade Federal Rural de Pernambuco (marilia.iosilva@gmail.com; marangon@dcfl.ufrpe.br)
2 Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (cflsbrandao@hotmail.com)

 

Literatura Citada

FONSECA, F. (Coord.). Manual de restauração florestal: um instrumento de apoio à adequação ambiental de propriedades rurais do Pará. Belém, PA: TNC, 2013. 128p.

GANDOLFI, S.; LEITÃO FILHO, H.; BEZERRA, C. L. F. Levantamento florístico e caráter sucessional das espécies arbustivo-arbóreas de uma floresta mesófila semidecídua no município de Guarulhos, SP. Revista Brasileira de Biologia, São Paulo, v.55, n.4, p.753-767, 1995. Disponível em: <http://www.lcb.esalq.usp.br/publications/articles/1995/1995rbbv55n4p753-767.pdf>. Acesso em: 21 jul. 2014.

MARTINS, S. V. Recuperação de áreas degradadas: ações em áreas de preservação permanente, voçorocas, taludes rodoviários e de mineração. 3.ed. Viçosa, MG: Aprenda Fácil Editora, 2013. v. 1, 246p.

PACTO PELA RESTAURAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA. Protocolo de monitoramento para programas e projetos de restauração florestal. 2013. Disponível em: <http://www.pactomataatlantica.org.br/pdf/_protocolo_projetos_restauracao.pdf>. Acesso em: 28 jul. 2014.

PEREIRA, S. R.; LAURA, V. A.; SOUZA, A. L. T. Establishment of fabaceae tree species in a tropical pasture: influence of seed size and weeding methods. Restoration Ecology, v. 21, n. 1, p. 67-74, 2013. <http://dx.doi.org/10.1111/j.1526-100X.2011.00858.x>.

RODRIGUES, R. R.; BRANCALION, P. H. S.; ISERNHAGEN, I. (Ed.). Pacto pela restauração da mata atlântica: referencial dos conceitos e ações de restauração florestal. São Paulo: LERF/ESALQ, Instituto BioAtlântica, 2009. 256p.

RODRIGUES, R. R. (Org.) - Pacto Pela Restauração Da Mata Atlântica. Protocolo de monitoramento de projetos e programas de restauração florestal. São Paulo: LERF/ESALQ, 2011. 40p.

THE ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP - APG III. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, v. 161, n.2, p. 105-121, 2009. <http://dx.doi.org/10.1111/j.1095-8339.2009.00996.x>.