Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

Comportamento da distribuição diamétrica e espacial de Eschweilera ovata (Cambess.) Miers ao longo de seis anos em um fragmento florestal no nordeste do Brasil

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/VIII.SimposFloresta.2014.86-587-1 

 

downloadpdf

Anderson P. B. Batista1, Maria J. N. Rodal2, José M. de Mello1, José E. de L. Torres2, Henrique F. Scolforo1 & Marcel R. Raimundo1

 

Resumo: O objetivo deste trabalho foi analisar a distribuição diamétrica e espacial da população de Eschweilera ovata ao longo de seis anos em um fragmento de Floresta Atlântica no nordeste do Brasil. Em que foram considerados todos os indivíduos da espécie em questão com diâmetro a altura do peito a 1,30 m do solo (DAP) ≥ 4,77 cm. Para analisar a distribuição diamétrica foram consideradas oito classes com intervalo de 5 cm. O padrão de distribuição espacial foi obtido pelo Índice de Dispersão de Morisita. Para todos os anos monitorados a maior predominância de indivíduos ocorreu nas menores classes de diâmetro e estão se fixando no fragmento com o passar dos anos, o padrão de distribuição espacial foi agregado em todos os períodos. A população de Eschweilera ovata apresenta boa resistência ao processo de fragmentação.

Palavras-chave: frequência, população florestal, monitoramento

 

1 Universidade Federal de Lavras (anderson_pedro22@yahoo.com.br; jmmello@dcf.ufla.br; hferraco@yahoo.com.br; mrraimundo13@yahoo.com)
2 Universidade Federal Rural de Pernambuco (mrodal@terra.com.br; josefloresta@yahoo.com)

 

Literatura Citada

BEGON, M.; HARPER, J. L.; TOWHSEND, C. R. Fundamentos em ecologia. Porto Alegre: Artmed, 2007. 592 p.

BROWER, J. E.; ZAR, J. H. Field and laboratory methods for general ecology. 2.ed. Dubique: Win. C. Brown Publishers, 1977. 226 p.

COSTA JÚNIOR, R. F. et al. Estrutura fitossociológica do componente arbóreo de um fragmento de Floresta Ombrófila Densa na Mata Sul de Pernambuco, Nordeste do Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria-RS, v. 18, n. 2, p. 173 - 183, 2008. Disponível em: <http://cascavel.ufsm.br/revistas/ojs-2.2.2/index.php/cienciaflorestal/article/view/455/362>. Acesso em 21 jul. 2014.

COMPANHIA PERNAMBUCANA DO MEIO AMBIENTE - CPRH. Diagnóstico socioambiental do litoral norte de Pernambuco. Recife: CPRH, 2003. 214 p.

DALLA-LANA, M. et al. Distribuição diamétrica de Escheweilera ovata em um fragmento de floresta ombrófila densa - Igarassu, PE. Floresta, Curitiba-PR, v. 43, n. 1, p. 59 - 68, 2013. <http://dx.doi.org/10.5380%2Frf.v43i1.25252>.

DURIGAN, G. Estrutura e diversidade de comunidades florestais. In: MARTINS, S. V. (Ed.) Ecologia de florestas tropicais do Brasil. Viçosa: Editora UFV, 2012. Cap. 2, p. 41-68.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira: sistema fitogeográfico, inventário das formações florestais e campestres, técnicas e manejo de coleções botânicas, procedimentos para mapeamentos. 2.ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. 275 p.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, 1998. v.2, 352p.

MAGNAGO, L. F. S. et al. Os processos e estágios sucessionais da mata atlântica como referencia para a restauração florestal. In: MARTINS, S. V. (Ed.) Restauração ecológica de ecossistemas degradados. Viçosa: Editora UFV, 2012. p. 69-100.

MORI, S. A. Diversificação e conservação das Lecythidaceae neotropicais. Acta Botânica Brasílica, Feira de Santana-BA, v. 4, n.1, p. 45-68, 1990. <http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33061990000100004>.

ROCHA, K. D. et al. Caracterização da vegetação arbórea adulta em um fragmento de Floresta Atlântica, Igarassu, PE. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife-PE, v. 3, n. 1, p. 35 – 41, 2008. <http://dx.doi.org/10.5039/agraria.v3i1a219>.

SILVA, R. K. S. et al. Estrutura e síndromes de dispersão de espécies arbóreas de um trecho de mata ciliar, Sirinhaém, Pernambuco, Brasil. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo-PR, v. 32, n. 69, p. 1-11, 2012. <http://dx.doi.org/10.4336/2012.pfb.32.69.01>.