Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

Distribuição diamétrica de Pentaclethara macroloba Wild em floresta de várzea

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/VIII.SimposFloresta.2014.234-660-1 

 

downloadpdf

Vanessa C. C. de Sousa1, Carla S. C. de Sousa1, Ronaldo O. dos Santos1, Jadson C. de Abreu1 & Perseu da S. Aparicio1

 

Resumo: O objetivo deste trabalho foi analisar a estrutura diamétrica da espécie Pentaclethara macroloba Wild. se utilizando funções de densidade probabilísticas. O Estudo foi realizado em área de várzea no município de Macapá, nas margens do igarapé da Fortaleza até a Gruta do bairro Zerão. Foram locadas de forma inteiramente casualizadas 30 parcelas de 10x15m, adotando-se como critério de inclusão o diâmetro a 1,30 do solo (DAP) ≥ 5cm. O número de classes foi definido de acordo com a fórmula de Sturges. Para a espécie estudada foram ajustadas e testadas as funções de Weibull 3 parâmetros, Normal, Log normal, Gama e Beta. Para escolher a função de melhor descrição da distribuição diamétrica aplicou-se o teste de Kolmogorov-Smirnov (p=5%). Foram geradas seis classes diamétricas com amplitude de 4 cm e pelo teste de Kolmogorov-Smirnov se identificou que a função Meyer foi a que melhor representou a distribuição diamétrica de Pentaclethara macroloba.

Palavras-chave: Beta, Gama, Meyer, Normal, Log normal, Weibull.

 

1 Universidade do Estado do Amapá (vanessa_ueap@hotmail.com; carla_samara17@hotmail.com; ronald_olive_the_best@hotmail.com; jadsoncoelhoabreu@hotmail.com; perseu.aparicio@ueap.edu.br)

 

Literatura Citada

AUSTREGÉSILO, S. L. et al. Comparação de métodos de prognose da estrutura diamétrica de uma floresta estacional semidecidual secundária. Revista Árvore, Viçosa-MG, v.28, n.2, p. 227- 232, 2004. <http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622004000200009>.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil, 2 ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2002. v. 2, 382p.

MACHADO, S. A. et al. Funções de distribuição diamétrica em um fragmento de floresta ombrófila mista. Ciência Rural, Santa Maria, v.39, n.8, p.2428-2434, 2009. <http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84782009000800024>.

QUEIROZ, J. A. L. et al. Composição florística e estrutura de floresta em várzea alta estuarina amazônica. Floresta, Curitiba, PR, v.35, n. 1, p.41-54, 2005. <http://dx.doi.org/10.5380%2Frf.v35i1.2430>.

SPIEGEL, M. R. Estatística. 3.ed. São Paulo: Pearson Makron Books, 2006. 643p.