Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

Diversidade e riqueza em área de Cerrado sensu stricto após diferentes intensidades de exploração da vegetação

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/VIII.SimposFloresta.2014.148-618-1 

 

downloadpdf

Edberto M. Lima1, Alba V. Rezende1, Lamartine S. B. de Oliveira1, Gileno B. de Azevedo1 & Nickolas M. de Matos1

 

Resumo: A ocorrência de distúrbios, de origem natural ou antrópica, pode causar diversas alterações na comunidade vegetal, tais como a perda de espécies e biomassa. Assim, o presente estudo avaliou a diversidade e a riqueza de espécies em áreas de cerrado sensu stricto, localizadas na Fazenda Água Limpa - Distrito Federal, após a aplicação de tratamentos envolvendo a exploração da vegetação (T1 - supressão total da vegetação; T2 – corte com motosserra de 50% da área basal da vegetação; T3 – corte com motosserra de 50% da área basal de espécies de interesse econômico; T4 – corte com motosserra de todos os indivíduos de interesse econômico; T5 – corte de todos indivíduos pertencentes a espécie Tachigali vulgaris; T6 – Testemunha). Foram analisadas por meio de Perfis de Diversidade a vegetação lenhosa (Db≥5 cm) inventariadas seis anos após a aplicação dos tratamentos. Observou-se que em áreas sob intensa exploração há uma redução de diversidade e riqueza (T1 e T4), diferentes daquelas quando manejadas de forma moderada (T2, T3 e T5).

Palavras-chave: Perfil de diversidade, Manejo Florestal, Distúrbio, Desbaste.

 

1 Universidade de Brasília (edberto.moura@gmail.com; albavr@unb.br; soareslt@gmail.com; gilenoba@hotmail.com; nickolas.matos@gmail.com)

 

Literatura Citada

BARROS, A. C.; VERÍSSIMO, A. A expansão da atividade madeireira na Amazônia: impactos e perspectivas para o desenvolvimento sustentável no Pará. 2.ed. Belém: IMAZON, 2002. 166p.

CRAWLEY, M. (Ed.). Plant Ecology. 2.ed. Oxford: Blackwell, 2003. 717p.

HAMMER, Ø.; HARPER, D. A. T.; RYAN, P. D. PAST: paleontological statistics software package for education and data analysis. Palaeontologia electronica, v. 4, n. 1, p. 9, 2001. Disponível em: <http://palaeo-electronica.org/2001_1/past/issue1_01.htm>. Acesso em: 21 jul. 2014.

LEINSTER, T.; COBBOLD, C. A. Measuring diversity: the importance of species similarity. Ecology, v. 93, n. 3, p. 477–489, 2012. <http://dx.doi.org/10.1890/10-2402.1>.

MELO, A. S. O que ganhamos “confundindo” riqueza de espécies e equabilidade em um índice de diversidade? Biota Neotropica, Campinas-SP, v. 8, n. 3, p.21-27, 2008. <http://dx.doi.org/10.1590/S1676-06032008000300001>.

SAFNET. The Dictionary of Forestry, 2013. Disponível em: <http://dictionaryofforestry.org/dict/term/thinning> . Acesso em: 10 jul. 2014.

SOUSA, W. P. The Role of Disturbance in Natural Communities. Annual Review of Ecology and Systematics, v. 15, n. 1, p. 353–391, 1984. <http://dx.doi.org/10.1146/annurev.es.15.110184.002033>.

TÓTHMÉRÉSZ, B. Comparison of different methods for diversity ordering. Journal of Vegetation Science, v. 6, n. 2, p. 283–290, 1995. <http://dx.doi.org/10.2307/3236223>.