Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

Estrutura da Mora paraenses Duck em distintas faixas de preservação permanente num afluente do Rio Amazonas no estado do Amapá

DOI: http://dx.doi.org/10.12702/VIII.SimposFloresta.2014.187-310-1 

 

downloadpdf

Carla S. C. de Sousa1, Anderson S. de Almeida1, Darlan S. de Souza1, Raianny N. de Souza1, Lívia M. de Jesus1, Jadson C. de Abreu1 & Perseu da S. Aparício1

 

Resumo: O objetivo do estudo foi caracterizar a estrutura da Mora paraenses Duck. (Pracúuba), em distintas faixas de preservação permanente num afluente do Rio Amazonas no Estado do Amapá. O Estudo foi realizado no município de Macapá, entre a APA (Área de Preservação Ambiental) da Fazendinha e a Lagoa dos Índios. Os dados estruturais da espécie foram levantados em 30 parcelas de 10x50m e subdivididos em subparcelas de 10x30m e 10x15m, alocadas de forma inteiramente casualisada ao longo do gradiente (rio). Foram mensuradas todas as árvores com CAP (Circunferência a altura do peito a 1,30 m do solo)> 15,7 cm, e coletados materiais botânicos para posterior identificação. Foi realizada a análise de distribuição diamétrica e espacial da espécie nas subparcelas ao longo do gradiente. A espécie apresentou maior ocorrência de indivíduos nas parcelas de 10x15m (12 indivíduos), demostrando a preferência da espécie à margem do gradiente. A distribuição espacial da espécie apresentou agregada para todas as subparcelas (10x50m; 10x30m e 10x15), na qual pode ser uma característica ecológica da espécie. A distribuição diamétrica não apresentou comportamento típico de espécies de floresta nativa em forma de “J” invertido.

Palavras-chave: Áreas de várzeas, Código florestal, Distribuição espacial.

 

1 Universidade do Estado do Amapá (carla_samara17@hotmail.com; anderson.almeida.9395@gmail.com; ssdarlan@hotmail.com; raiannynayara@hotmail.com; liviamarques.ueap@gmail.com; jadsoncoelhoabreu@hotmail.com; perseu_aparicio@yahoo.com.br)

 

Literatura Citada

BENATTI, J. H. Síntese – aspectos jurídicos e fundiários da utilização social, econômica e ambiental da várzea: análise para elaboração de modelos de gestão. Manaus-AM: Provárzea; Ibama. 2004. 104p.

BRASIL. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória no 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília-DF, v. 149, n.102, seção 1, p.1-8, 2012.

QUEIROZ, J. A. L. et al. Estrutura e dinâmica de floresta de várzea no Estuário amazônico no estado do Amapá. Revista Floresta, Curitiba-PR. v.37, n.3, p.339-352, 2007. <http://dx.doi.org/10.5380%2Frf.v37i3.9930>.

SPIEGEL, M. R. Estatística. 3.ed. São Paulo: Pearson Makron Books, 2006. 643p.